A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

A Influencia da musica em nossas vidas Palestrante: Ana Maria De Nigris.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "A Influencia da musica em nossas vidas Palestrante: Ana Maria De Nigris."— Transcrição da apresentação:

1

2 A Influencia da musica em nossas vidas Palestrante: Ana Maria De Nigris

3 " A vida sem a música seria um engano " " A vida sem a música seria um engano " Friedrich Nietzche

4 Generalidades Históricas:

5 Quase todas as lendas da Terra dizem ser a musica de origem divina, nunca inventada pelo homem. 1º indicio de instrumento: anos (flauta). 1ºs homens atribuíam poderes mágicos ao som, poder sobre espíritos, sobre a natureza, poder de criar e sustentar a vida. Chineses: um único som tinha poder de influenciar outras almas para o bem ou para o mal. Sacerdotes antigos: ritmos da música refletiam movimentos das galáxias, estrelas, planetas, sol, lua, estações, marés, nascimentos, etc.

6

7 Cont.: Apolo:deus da musica grego. Produzia a harmonia dos céus através da musica. Seu criado Orfeu: curava através da musica e da poesia.

8 Xamãs: curavam com canções e expulsavam espíritos com cânticos.

9 Xamãs: efeito dos instrumentos nos corpos: 1- Corpo físico: instrum. de metal, percussão, sons pesados das notas graves (hoje: musica eletrônica, samba, etc) 2- Corpo perispiritual: sopro e cordas 3- Espírito: cordas, harpa e órgão

10 Cont.: Profetas hebreus: previam o futuro através do canto. Miriam: conjurava poderes com cânticos. Para hebreus e 1ºs cristãos: Salmos: poder curativo.

11 Velho testamento: Saul chamava Davi para o acalmar.

12 Talmud: canção para proteger contra epidemias.

13 Celtas: Na cultura celta, os bardos, zeladores da memória da comunidade, transmitiam toda a tradição oral através de cantos, poesia e música

14 Egito A Música e os músicos gozavam de grande prestígio na comunidade. A Música era praticada em coletividade, inclusive com a participação feminina. Faziam escalas de sete notas e usavam principalmente instrumentos de corda, como a harpa e o alaúde. Usavam também flautas feitas de osso e com o passar do tempo, vieram a fabricá-las também em metal. Como instrumentos de percussão, usavam o os tambores de guerra, címbalos feitos de bronze.

15 Instrumentos musicais egípcios Egito: papiros de anos referiam-se a cantos para a cura de infertilidade, dores reumáticas e picadas de insetos.

16 Cont: Em 324 A.C.: lira restaurava sanidade de Alexandre o grande. Em 324 A.C.: lira restaurava sanidade de Alexandre o grande. Essênios e terapeutas usavam palavras sagradas para curar. Essênios e terapeutas usavam palavras sagradas para curar. Grécia: flauta usada para curar dor ciática e gota. Grécia: flauta usada para curar dor ciática e gota. Mian Tan Sem: músico da corte do imperador Akbar de Lahore, era capaz de provocar o crescimento das árvores e modificava o tempo para beneficiar plantações, por meio da entonação de cânticos. Mian Tan Sem: músico da corte do imperador Akbar de Lahore, era capaz de provocar o crescimento das árvores e modificava o tempo para beneficiar plantações, por meio da entonação de cânticos.

17 Pitágoras: 1º musicoterapeuta: (527 A.C./493 A.C.) curava através dos intervalos e ritmos de uma melodia. Formulou a relação matemática entre os números e as notas musicais Pitágoras:

18

19 Os gregos e o temperamento: ethos Os gregos antigos chegaram a desenvolver um sistema bem organizado de musicoterapia, baseado na influência de certos sons, ritmos e melodias sobre o psiquismo e o somatismo do ser humano. Esse poder que se atribuía ao som, ou à música, denominava-se ethos e dividia-se em quatro tipos baseados nas quatro formas de temperamento humano. São eles:

20 Cont.: Etho frígio - que excita, gera coragem e mesmo furor; Etho eólio - que gera sentimentos profundos e amor (espondaico); Etho lídio - que produz sentimentos de contrição, de arrependimento, de compaixão e de tristeza; Etho dórico - que gera estados mais profundos, de recolhimento e de concentração.

21 Instrumentos musicais gregos Instrumentos usados por músicos da antiga Grécia 1 e 2 - monocórdios; 3 e 4 - guitarras; 5 - cítara heptacorda; 6 - lira; 7 - cítara pentacorda; 8 e 9 - flautas.

22 Cont.: Platão : a música tinha a ver com a política: Não se pode mudar a música sem abalar a estabilidade do Estado. Dizia que a música formava o juízo das crianças, ligando noções de moral ao prazer.

23 Platão e Aristóteles

24 Aristóteles: Harmonias tensas, em tom agudo, levam à tirania; harmonias mais relaxantes, de sons graves, levam à anarquia. Teoria da katharsis, crises nas mentes perturbadas que as levam de volta ao normal (conceito fundamental do teatro ocidental)

25 Aristóteles

26 Cont.: Gregos: ouviam cítaras nas refeições para auxiliar a digestão

27 Confúcio: Música tinha valor espiritual

28 Vamos ouvir o canto do Muezzin?

29 Em Bali: gamelão

30 A Musica na Idade Média Os primeiros cristãos não apreciavam as músicas pagãs e, para louvar a Deus, mandavam executar nas igrejas apenas cantos simples e puros como suas preces, sem nenhum acompanhamento musical. Somente no século IX permitiram a introdução de um instrumento poderoso, de grande efeito, que produz sons quentes e plenos, semelhantes aos emitidos pela voz humanas: o órgão. Seus cantos, singelos e austeros, um pouco arrastados e monótonos, tinham como função explicar as varias fases da missa aos fiéis. As regras do canto litúrgico foram fixados no século VI pelo papa Gregório Magno. Por esta razão este canto é chamado Canto Gregoriano.

31 Cont.: A escrita da música tomou novo impulso a partir do momento em que o Monge Guido d'Arezzo ( ) aumentou para 4 as linhas da pauta; deu nome aos sons musicais, usando a primeira sílaba de cada verso do Hino a São João Batista (do, ré, mi, fá, sol, lá) representando cada som, na pauta, por um neuma quadrado, tornando a leitura mais clara. Ut queant laxit Ressonare fibris Mira gestorum Famuli tuorum Solvi polluti Labii reatum Sancte loannes

32 Missa na Idade Média: Um único erro invalidava a missa, que teria de ser repetida Sto. Adelmo (640/709 d.C.): atraia os fiéis ingleses (Sherbone – Inglaterra) para a missa tocando harpa, para melhorar a atenção nos sermões (feitos em latim).

33 Farinelli(Carlo Bronschi) (1705/1782): Curou o rei espanhol Felipe V com a repetição de uma ária (na mesma época: Martinus curava a febre em suas apresentações).

34 Haendel: Não desejo agradar a platéia, mas infundir-lhes o bem, curando-os

35 Por que essênios e terapeutas usavam as palavras para curar?

36 Ernest Chladni: físico alemão (séc. 18)

37 As placas de Chladni

38 Formação de areia na placa

39 Figuras geométricas obtidas por Chladni

40 Hans Jenny: (1960) Médico, físico e músico suíço cria a Kymatics (cimática) que estuda a energia das ondas, dos efeitos das ondas sonoras sobre a matéria física. Descobre o efeito do sânscrito e do aramaico

41 Hans Jenny (tonógrafo)

42 O Alfabeto hebraico

43 Letras em sânscrito

44 Dr. Peters Guy Manners: O Dr. Manners, médico britânico e osteopata, expoente da Cimática.

45 Diz o Dr. Manners: Será possível que você e eu, todos nós, que vivemos nesta dimensão perpetrando este som, nos mantemos graças a ele nesta constituição e nesta forma? Pode ser... E se a forma e a vibração que está em torno deste planeta mudarem, será que todos nós mudaríamos? Não sabemos...

46 Diz Randal McClellon: O corpo é formado por um grande nº. de sistemas vibratórios de várias freqüências e densidades interligadas e interdependentes em um ambiente de fluidos contido por uma cobertura exterior perfurada e altamente elástica. Conhecido como corpo físico denso é um somatório de todos os organismos de que é feito e um veículo para a evolução espiritual no mundo físico.

47 O Trabalho de Masaru Emoto: Um cientista japonês congelou a água e observou através de um microscópio, encontrando padrões de cristais, os clusters. Dr.Masaru Emoto provou que os cristais são influenciados pelo som. Colocou um vidro cheio com água entre alto falantes tocando músicas diferentes como de Mozart, de Beethoven, sutras tibetanos, música popular japonesa, heavy metal, e observou a estrutura.

48 Mozart Heavy Metal

49 Om

50 Sabedoria tolice

51 Bach: Ária da 4ª corda

52 Bach: Variações Goldberg

53 Chopin: Valsa do Adeus

54 Musica New Age

55 Amor

56 Obrigado (arigato)

57 Dança folclórica japonesa

58 Molécula de benzeno Uma das principais descobertas, desde o início do estudo dos compostos orgânicos. Seu conhecimento é essencial para o desenvolvimento de substâncias benéficas para o homem.

59 O som

60 O som: Som é a movimentação de partículas num meio elástico Quando estudamos as ondas sonoras, nos deparamos com qualidades essenciais à compreensão das mesmas, como, entre outras: Freqüência Comprimento de onda

61 Ondas sonoras:

62 Quanto à freqüência:

63 Som: 3 propriedades essenciais: Altura: qualidade de ser grave ou agudo Intensidade: qualidade de ser fraco ou forte Timbre: permite conhecer a origem do som

64 A Altura do som:

65 Intensidade (amplitude)

66 Amplitude

67 O Timbre:

68 Diferença entre som e ruído

69 Velocidade do som: No ar: 331,4 m/s Na água: 1450 m/s No aço: 5000 m/s No vidro: 5600 m/s No granito: 6000 m/s No alumínio: 5100 m/s No cobre: 3560 m/s No chumbo: 1230 m/s

70 Musica: 3 elementos fundamentais: Melodia Melodia: conjunto de sons sucessivos Harmonia Harmonia: combinação de dois ou mais sons Ritmo Ritmo: tempo de duração dos sons dentro de uma velocidade OBS: jamais confundir melodia com harmonia

71 Canto gregoriano:exemplo de melodia

72 Partitura gregoriana

73 Moteto Moteto: exemplo de harmonia

74 Como ouvimos?

75 A Audição Humana

76 Visão geral

77 Ouvido externo, médio e interno

78 Onda sonora e conduto auditivo externo

79

80 O Ouvido externo e o som

81 Ouvido médio: ossículos

82 Ouvido médio: Alavanca

83 Esquema do trabalho dos ossículos

84 A Cóclea

85 A Cóclea desenrolada

86 Cóclea semi-desenrolada

87 Relação ouvido/cérebro

88 Novas descobertas: um ouvido para cada som Pesquisadores da Universidade da Califórnia conseguiram provar que existe uma especialização da percepção auditiva. Diz a Dra. Cone-Wesson: O processo auditivo ocorre primeiro no ouvido e só depois vai para os hemisférios cerebrais.Desde o nascimento, o ouvido está preparado para distinguir todos os tipos de som e enviá-los para o lado correto do cérebro.

89

90 "A cegueira separa as pessoas das coisas, a surdez as separa das outras pessoas". Helen Keller

91 O Que é um c.p.s.? Ciclo por Segundo = Hertz O ser humano ouve de 16/20 cps a cps (ou hertz) 16/ Infra-som ultra-som

92 A Emissão sonora: exemplos

93 A recepção sonora:

94 A Escala de Decibéis

95 O Decibel: Os níveis de decibéis são a medida de avaliação do som. A palavra decibel é uma homenagem feita a Alexander Graham Bell. Decibel é a unidade de medida para a pressão criada pelo som. O som mais baixo que o ouvido humano pode captar é o medido por 1 dBa - 1 decibel. O A, nesta palavra, é indicador de "tipo A", ou seja, o ouvido humano

96 Escala de Decibéis

97

98 Musica e Ciência

99 As Ondas de Escala

100 O Dr. Joel Sternheimer, físico e matemático francês, formado em Paris e Princeton e aluno do físico Louis de Broglie, comprovou a existência de certas gamas de ondas vibratórias ligadas à estrutura atômico-molecular da matéria viva, na síntese de proteínas. Diz ele: A cada síntese protéica corresponde uma pequena música, com freqüência rítmica precisa

101 Célula

102 Cont.: A partir daí, associado a um agrônomo, Pedro Ferrandiz,na Suíça (1994), passou a colocar, em uma horta experimental de tomates, 3 min. diários de musica de diversas proteínas transcritas para instrumentos musicais: musica da extensina, do citocromo C, da taumatina, da LAT 52 e da TAS14 (proteína anti- sequidão). Os resultados foram surpreendentes e logo ampliou-se o experimento, no Japão, para maçãs e até na panificação.

103 Diz Sternnheimer: Quando ouvimos a melodia de uma proteína transposta, ocorre um fenômeno de ressonância que chamo de ressonância de escala, que irá estimular ou inibir a síntese da proteína correspondente Por este raciocínio, segue ele, poderia haver musicas que curam e musicas que fazem adoecer. Com sua sensibilidade, os compositores são capazes de encontrar intuitivamente pedaços de proteínas; assim, em musicas de ninar encontramos endorfinas e em certas musicas militares, miosina.

104 A Síntese protéica

105 Cont.: Por que Mozart influi sobre a lactação das vacas? Existe uma similaridade espantosa entre algumas das cadencias mais freqüentes de Mozart e a seqüência da prolactina bovina.

106 O que eles tem em comum?

107 Cont.: Sternheimer descobriu que o tema central da sinfonia Pastoral (6ª sinfonia) corresponde precisamente à seqüência do álcool da desidrogenação, substancia que catalisa a fermentação. Isso melhora a qualidade e aumenta a fermentação.

108 E aí fica a questão: Nós podemos tapar os ouvidos ao que não gostamos e ao que nos faz mal. E as plantas??? E as crianças? E os animais?? São ouvintes passivos... E o infra som? E o ultra som?

109 O Efeito Mozart

110 O Efeito Mozart: antesdepois Os neurologistas americanos Gordon Shaw (Univ. Califórnia) e Francis Rauscher (U. Wisconsin) descobriram o efeito Mozart, em 1993, ao tocar a Sonata para 2 pianos em ré M para um grupo de estudantes antes e depois de aplicar testes de raciocínio relacionados à matemática. O resultado da segunda bateria foi muito melhor.

111 cont.: Na Univ. Illinois, o neurofisiologista John Hugues tocou para epiléticos a mesma sonata. As descargas elétricas de seus cérebros diminuíram drasticamente durante e depois da audição. A USP tem feito a mesma pesquisa, Com resultado Semelhante (gráfico de paciente de 47 anos)

112 Uma curiosidade sobre Einstein:

113 Albert Einstein é tido como um dos homens mais inteligentes que já existiu. Um pequeno fato conhecido sobre ele é que quando novo era extremamente ruim na escola. Seus professores disseram a seus pais para tirá-lo da escola porque era "demasiado estúpido para aprender" e seria um desperdício de recursos investirem tempo e energia em sua instrução. A escola sugeriu que seus pais dessem a Albert um trabalho fácil, manual assim que pudessem. Sua mãe não achava que Albert era "estúpido". Em vez de seguir o conselho da escola, os pais de Albert compraram-lhe um violino. Albert tornou-se bom no violino. A música era a chave que teria ajudado Einstein a transformar- se num dos homens mais inteligentes que já viveram. Ele mesmo dizia que a razão dele ser assim era porque havia tocado violino. Amou a música de Mozart e Bach. Um amigo de Einstein, G.J. Withrow, dizia que a maneira que ele usava para compreender seus problemas e equações era improvisando no violino.

114 Vamos fazer uma pequena pausa?

115 A Canção dos Homens Quando uma mulher, de certa tribo da África, sabe que está grávida, segue para a selva com outras mulheres e juntas rezam e meditam até que aparece a canção da criança. Quando nasce a criança, a comunidade se junta e lhe cantam a sua canção. Logo, quando a criança começa sua educação, o povo se junta e lhe cantam sua canção. Quando se torna adulto, a gente se junta novamente e canta. Quando chega o momento do seu casamento a pessoa escuta a sua canção.

116 Finalmente, quando sua alma está para ir-se deste mundo, a família e amigos aproximam-se e, igual como em seu nascimento, cantam a sua canção para acompanhá-lo na "viagem". "Nesta tribo da África há outra ocasião na qual os homens cantam a canção. Se em algum momento da vida a pessoa comete um crime ou um ato social aberrante, o levam até o centro do povoado e a gente da comunidade forma um círculo ao seu redor. Então lhe cantam a sua canção".

117 "A tribo reconhece que a correção para as condutas anti-sociais não é o castigo; é o amor e a lembrança de sua verdadeira identidade. Quando reconhecemos nossa própria canção já não temos desejos nem necessidade de prejudicar ninguém." "Teus amigos conhecem a "tua canção" e a cantam quando a esqueces. Aqueles que te amam não podem ser enganados pelos erros que cometes ou as escuras imagens que mostras aos demais.

118 Eles recordam tua beleza quando te sentes feio; tua totalidade quando estás quebrado; tua inocência quando te sentes culpado e teu propósito quando estás confuso. Tolba Phanem

119 Musica e Ciência: casamento perfeito

120 Som anestésico: Dois hospitais parisienses, o Armand Trousseau e o Necker, usam a musica na preparação de cirurgias pediátricas. Melodias harmoniosas e reconfortantes acompanham as crianças pelos elevadores até o centro cirúrgico. Os médicos concluíram que a musica aumenta o grau de sucesso das anestesias e no pós-operatório.

121 Sobre a hiperatividade: Brasil (Universidade de São Paulo): Crianças de 9 e 10 anos de idade consideradas hiperativas foram filmadas ao lado de crianças normais ao copiar desenhos de uma lousa antes e depois de ouvir a musica do roqueiro Yngwie Malmsteen (Trilogy). Ao final, as hiperativas concentraram-se muito mais na atividade, ao contrário das normais.

122 Brasil: abril/2005 (O Globo)

123 O Globo: 10/05/2005

124 Sobre a insônia: Em Moscou (Centro de Estudos do Sono) transformaram os gráficos de um E.E.G., por meio de um computador, em musica. Assim, os pesquisadores tocaram para pacientes com insônia a musica produzida pela atividade de seus próprios cérebros. Resultado: a insônia melhorou em 88% dos casos, aumentando o sono de 5 h e 20 min para 7 h e 10 min.

125 A Influencia da Musica em nossas vidas

126 A Teoria do Arrastamento O "arrastamento" é muito importante como princípio, para a compreensão de como o corpo humano reage aos sons. Há 300 anos um cientista holandês, Christian Huygens, notou o "arrastamento" pela primeira vez. Colocou dois relógios de pêndulo pendurados juntos e em ritmo combinado. Observou que os 2 pêndulos mantinham este ritmo combinado, com exatidão. Pareciam manter uma simpatia entre eles e o desejo de marcarem o tempo juntos: isto se chama hoje de ARRASTAMENTO. "Tecnicamente, é a combinação de fase mútua de dois osciladores. O arrastamento é um fenômeno universal". "Os organismos vivos são osciladores e quando vibram na mesma freqüência, tendem a entrar num ritmo único".

127 A questão da ordem musical O componente chave da música que a torna benéfica é ordem. A ordem da música dos períodos barroco e clássico faz com que o cérebro responda de formas especiais. Um ingrediente chave à ordem da música dos períodos barroco e clássico é a matemática. Um exemplo brilhante do poder da ordem na música é o rei George I da Inglaterra. O rei George teve problemas com perda da memória e gerência do stress.

128 Cont.: O rei George leu na bíblia a história do rei Saul e viu que Saul tinha o mesmo tipo de problemas que ele. George reconheceu que Saul superou seus problemas usando música especial. Com esta história do rei em mente, pediu a Haendel para escrever uma música especial para lhe ajudar da mesma maneira que a música ajudou a Saul. Haendel escreveu sua Suíte Aquática com esta finalidade.

129 Musica e Imaginação O sistema nervoso não assinala diferença entre a experiência real musical e a experiência imaginada. Dizem os cientistas: A imaginação é mais poderosa que a vontade A musica que ouvimos em nossa mente pode ser tão poderosa quanto a que ouvimos através do ouvido Randall McClellan

130 Ohrwurm: verme de ouvido ohrwurm Uma pesquisa nos Estados Unidos descobriu que algumas músicas não saem da nossa cabeça porque criam uma espécie de "coceira no cérebro", que só pode ser aliviada se o som for cantarolado muitas vezes. Na Alemanha, esse tipo de música é conhecido como "ohrwurm" ("verme de ouvido") e, tipicamente, tem uma melodia otimista, com letra repetitiva, que fica entre atraente e irritante.

131 Cont.: Músicas como Y.M.C.A., do Village People e Macarena, de Los Del Rio, devem seu sucesso à capacidade que têm de criar uma "coceira cognitiva", segundo o professor James Kellaris, da Escola de Administração e Negócios da Universidade de Cincinnati. "Uma coceira cognitiva é o tipo de metáfora que explica como essas músicas ficam na nossa cabeça. "Algumas músicas têm propriedades análogas às de uma histamina, que faz coçar nossos cérebros explicou. "A única maneira de aliviar a comichão cognitiva é repetir a música em nossa cabeça. Diz ele que todo mundo sofre de comichão cognitiva num momento ou outro. "Nas pesquisas, descobrimos que 97% a 99% das pessoas são suscetíveis a vermes de ouvido em algum momento.

132 O Efeito Acumulativo: O efeito da musica sobre a saúde é acumulativo em longos períodos: Somos responsáveis pelo que ouvimos diz Randal McClellan. O Dr. Steve Halpern diz: Chegou o momento de nos conscientizarmos também dos efeitos dos sons saudáveis e dos prejudiciais e assumirmos a responsabilidade pelos sons que deixamos entrar em nosso corpo

133 Estudo sobre ruídos: Pesquisas sérias feitas pelo "Laboratório de Ruídos" da universidade do Tenessee e pelos japoneses chegaram a conclusões que devem ser levadas em consideração. Uma curiosidade para "os gordinhos" que possuem uma geladeira barulhenta: "É interessante saber que este som de baixa freqüência ressoa na área do seu estômago provocando uma reação de fome. Por esta razão, é que você, agindo como um zumbi, abre e fecha a sua geladeira, automaticamente, mesmo quando não tem fome.

134 Cont.: Televisão - se assistindo a TV você ganha dores de cabeça, troque o seu aparelho ele é o culpado, por "zumbir" alta freqüência de ciclos por segundo. Troque o aparelho por um mais silencioso e "cure" as suas dores de cabeça para sempre. "O stress provocando pelo ruído pode levar a quase tudo, desde hipertensão até ao colapso nervoso.

135 O som central O professor de música R. Murray Schafer pediu a estudantes americanos e canadenses uma tonalidade que lhes fosse fácil de guardar. Depois, em meditação, pediu que eles cantassem um som que lhes parecesse vindo do centro do seu SER. O SI natural foi a resposta mais freqüente. Depois, o professor fez o mesmo teste na Alemanha e em outros países europeus. Lá as respostas apontaram o SOL sustenido. Por que?

136 Cont.: Na África e Canadá, a eletricidade opera numa corrente alternada de 60 ciclos por segundo. Esta freqüência é ouvida, literalmente, pelo subconsciente na atividade de tudo o que é eletricamente ligado nos locais que freqüentarmos ou vivermos. "A freqüência ressoante da corrente elétrica de 60 ciclos corresponde ao tom SI natural na escala musical. Na Europa, a corrente elétrica alternada funciona com 50 ciclos por segundo: ao tom da escala musical - SOL SUSTENIDO Concluiu-se que "O SOM CENTRAL do nosso SER é produzido pela absorção contínua, ano após ano, da freqüência ressoante da corrente elétrica recebida subconscientemente em todas as nossas casas e em todos os nossos prédios".

137 Diz Robert Jourdan: Em anos recentes, donos de lojas descobriram que transmitir musica clássica para a rua afasta traficantes de drogas. Mozart tem sido tocado em shopping-centers para expulsar adolescentes ociosos Hard Rock pode afastar ratos (extraído do livro: Musica, Cérebro e Êxtase)

138 A Ação do Rock no corpo

139 O Dr. John Diamond, encontrou uma ligação direta entre força/debilidade muscular e música. Ele descobriu que todos os músculos do corpo enfraquecem quando sujeitos àbatida anapestica parada" das música de bandas de hard rock, incluindo Led Zepelim, Alice Cooper, Queen, The Doors, Janis Joplin, Bachman - Turner Overdrive, and The Band. Dr. Diamond encontrou outro efeito da batida anapestica. Ele chamou isto um "interruptor" cerebral. Dr. Diamond diz que este interruptor (mudança) acontece quando a simetria atual entre ambos dos hemisférios cerebrais é destruída causando alarme no corpo junto com desempenho de trabalho diminuído, problemas de aprendizagem e distúrbios de comportamento em crianças, além de um mal estar geral" em adultos."

140 Dr. Diamond Diz o Dr. Diamond: Descobri que a audição de rock faz com que os músculos do corpo enfraqueçam. Ex: pressão de domínio do deltóide sem rock: de 40 a 45 libras. pressão de domínio do deltóide com rock: de 10 a 15 libras. Determinados tipos de música, quando ouvidos repetidamente tem o efeito de esgotar os sistemas energéticos da pessoa e causar confusão mental, desorientação nos sentimentos e inversão no sistema de valores.

141 Ação de freqüências estridentes no corpo Além de batidas prejudiciais, irregulares do rock, freqüências estridentes provaram também ser prejudiciais ao corpo. Bob Larson, ex-musico de rock, se lembra disso nos anos 70, quando adolescentes traziam ovos crus a um concerto de rock e os colocavam na frente do palco. Os ovos ficavam duros, cozidos pela música antes do final do concerto e poderiam ser comidos. Dr. Earl que W. Flosdorf e Dr. Leslie A. Chambers mostraram que foram coaguladas proteínas em um meio líquido quando sujeitas a penetrantes sons agudos.

142 Heavy Metal: apetrecho de tortura A "ofensiva" música do Metallica está sendo usada pelos militares como tortura psicológica nos interrogatórios dos prisioneiros iraquianos de Bagdá. Os prisioneiros estão sendo obrigados a ouvir 'Enter Sandman', faixa do álbum homônimo do Metallica de 1991, 'Bodies' do Drowning Pool (da trilha-sonora do filme 'XXX') e, possivelmente, a mais bizarra de todas: o tema do programa infantil 'Barney, o Dinossauro' (exibido no Brasil pelo canal Warner). Os interrogadores esperam obter informações sobre armas de destruição em massa e líderes fugitivos do partido Ba'ath através de seus novos métodos de persuasão. Um 'operativo' das Forças Armadas disse para a revista Newsweek: "Acredite-me, isso funciona... Em treinamento, eles me forçaram a ouvir a canção 'Barney I Love You' por 45 minutos. Eu nunca quis passar por isso novamente."

143 Barney

144 Cont.: O sargento Mark Hadsell explicou que o uso do heavy metal dará às Forças Armadas os resultados que eles desejam. Ele disse: "Estas pessoas nunca ouviram heavy metal antes. Elas não podiam ter acesso a elas. Se você toca isso por 24 horas, as funções de sua mente e de seu corpo começam a enfraquecer, você começa a não pensar direito e se sente alquebrado; é quando então nós entramos e falamos com eles." Esta não é a 1ª vez que o heavy metal é utilizado contra rebeldes estrangeiros. 'Welcome To the Jungle' do Guns N Roses foi usada contra o ditador do Panamá Manuel Noriega quando ele tentou se refugiar na Embaixada do Vaticano na Cidade do Panamá em Na busca dos membros da Al-Qaida, música de altos decibéis foram direcionadas para as cavernas do Afeganistão numa tentativa de forçá-los a saírem dos esconderijos.

145 A Voz: diagnóstico da alma

146 A Voz reflete o que você é

147

148 Outras características: Segundo Olivea Dewhurst-Maddock, outras características são preciosas no diagnóstico dos pacientes: Voz acriançada, com articulação infantil: medo da maturidade e das responsabilidades. Na mulher que flerta: voz áspera e aflita da menininha. No homem: tons lacônicos e ensaiados. Voz apática e queixosa: sentimentos de derrota e inutilidade (comum na velhice)

149 Conclusões

150 Não se pode negar o poder da música. Estudantes de escola secundária que estudam música têm médias mais altas do que os outros. Estes estudantes desenvolvem-se mais fisicamente. As 3 melhores escolas da América dão grande ênfase para a música e as artes. Hungria, Japão, e Países Baixos, os três maiores países acadêmicos no mundo dão grande ênfase em educação e participação musical. Os melhores engenheiros do Vale do Silício são músicos.

151 Napoleão entendeu o poder enorme da música. Ele resumiu isto dizendo:

152 " Me dê controle sobre quem cria a música de uma nação, e eu não me preocupo com quem faz as leis."


Carregar ppt "A Influencia da musica em nossas vidas Palestrante: Ana Maria De Nigris."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google