A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Antônio Carlos Silva SAMARCO GESTÃO DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS 18 de outubro de 2012.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Antônio Carlos Silva SAMARCO GESTÃO DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS 18 de outubro de 2012."— Transcrição da apresentação:

1 Antônio Carlos Silva SAMARCO GESTÃO DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS 18 de outubro de 2012

2 Somos a Samarco. Uma empresa brasileira, fornecedora de minério de ferro de alta qualidade para a indústria siderúrgica mundial. Nossa capacidade produtiva atual é de 22,250 milhões de toneladas anuais. Geramos empregos diretos e empregos indiretos. QUEM SOMOS

3 BRASIL BAHIA SÃO PAULO RIO DE JANEIRO ESPÍRITO SANTO Nova Era – Antônio Dias (Hidrelétrica Guilman – Amorim) Belo Horizonte (escritório sede) Mariana – Ouro Preto (unidade operacional Germano) Anchieta (unidade operacional e Terminal Marítimo Ponta Ubu) Muniz Freire (Hidrelétrica Muniz Freire) LOCALIZAÇÃO

4 50% ,021,521,4 1,51,91,8 17,623,423, Empregados Vendas de pelotas (mt) Finos Total (pelotas + finos) Faturamento bruto (US$ milhões) Contratados NOSSOS NÚMEROS

5 A atuação da Samarco abrange as localidades vizinhas a suas operações e a suas linhas de mineroduto. São 29 municípios, 81 comunidades e mais de 840 mil pessoas ligadas às operações da empresa. Minas Gerais Espírito Santo ÁREAS DE ATUAÇÃO

6 Ponta Ubu Germano Minas GeraisEspírito Santo Belo Horizonte Vitória 3º CONCENTRADOR 9.5 MILHÕES TON /ANO TOTAL: 33.5 MILHÕES TON/ANO 3º CONCENTRADOR 9.5 MILHÕES TON /ANO TOTAL: 33.5 MILHÕES TON/ANO 3 º MINERODUTO 20 MILHÕES TON/ANO TOTAL: 44 MILHÕES TON/ANO 3 º MINERODUTO 20 MILHÕES TON/ANO TOTAL: 44 MILHÕES TON/ANO 4 ª PLANTA DE PELOTIZAÇÃO 8.25 MILHÕES TON/ANO TOTAL: 30.5 MILHÕES TON/ANO 4 ª PLANTA DE PELOTIZAÇÃO 8.25 MILHÕES TON/ANO TOTAL: 30.5 MILHÕES TON/ANO 1 º Mineroduto 2 º Mineroduto 3 º Mineroduto Objetivo: aumentar a capacidade de produção de pelotas em 37% Investimento: 5,4 bilhões Tempo de duração das obras: 33 meses PROJETO QUARTA PELOTIZAÇÃO

7 Ampliar a receita Maximizar a rentabilidade do negócio Assegurar a reputação positiva Ser a opção preferencial de fornecimento para os clientes-alvo Aumentar a capacidade de produção Aumentar a reserva de minério Desenvolver cultura de alto desempenho Promover ambiente de trabalho seguro Aumentar a eficiência dos processos produtivos Desenvolver e integar os processos de gestão Assegurar produtos e serviços de qualidade Reduzir os custos operacionais Contribuir para o desenvolvimento socioambiental da área de influência VALOR DA EMPRESA PROCESSOS INTERNOS MERCADO E CLIENTES PESSOAS E CONHECIMENTO VISÃO: SER A EMPRESA DE MINERAÇÃO LÍDER EM PELOTIZAÇÃO E RECONHECIDA COMO UMA ORGANIZAÇÃO DE CLASSE MUNDIAL. MAPA ESTRATÉGICO SAMARCO PERSPECTIVA OBJETIVOS ESTRATÉGICOS

8 COMPLIANCE AMBIENTAL ECOEFICIÊNCIA DESENVOLVIMENTO SOCIOINSTITUCIONAL PIRÂMIDE DA SUSTENTABILIDADE DA BASE AO TOPO PARA GERAR VALOR COMPARTILHADO Em 2011, criação de diretoria e gerência geral específicas para desenvolver tecnologia sustentável com foco em competitividade e geração de valor compartilhado. O driver é o longo prazo

9 ESTRATÉGIA DE GESTÃO DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS

10 A Estratégia de Gestão de Mudanças Climáticas da Samarco se baseia em três pilares: Inventários corporativos de emissões de GEE Redução das emissões de GEE Compensação das emissões de GEE

11 INVENTÁRIO DAS EMISSÕES DE GEE

12 Inventário Corporativo da Samarco: contempla todas as emissões das operações (MG e ES) e empresas contratadas. Realizado desde o ano de Verificado por Parte Independente desde Publicado no Programa Brasileiro do GHG Protocol - Selo Ouro. A base para a Estratégia de Mudanças Climáticas na Samarco. INVENTÁRIO DAS EMISSÕES DE GEE

13 Evolução das emissões específicas entre 2007 e 2011 Kg CO 2 e/t pelotas e finos produzidos Substituição do óleo BPF pelo gás natural INVENTÁRIO DAS EMISSÕES DE GEE Redução de cerca de 17%.

14 Principais fontes de emissão de GEE 2011 tCO 2 e 82.16% INVENTÁRIO DAS EMISSÕES DE GEE 92.17% 97.04% 99.46% 99.80% 99.95% 99.98% 100% % % 80.00% 60.00% 40.00% 20.00% 0.00%

15 Fonte: IPCC Índice de emissões de GEE por tonelada de produto (kg de CO 2 e/t) INVENTÁRIO DAS EMISSÕES DE GEE

16 REDUÇÃO DAS EMISSÕES DE GEE

17 CO 2 eq ÓLEOÓLEO GÁS NATURAL CARVÃO MINERAL FORNO DE ENDURECIMENTO DISCOS DE PELOTAMENTO MISTURADOR PELLET FEED PELOTAS REDUÇÃO DE EMISSÕES DE GEE PROJETO: SUBSTITUIÇÃO DO ÓLEO PELO GÁS NATURAL

18 REDUÇÃO DE EMISSÕES DE GEE PROJETO: SUBSTITUIÇÃO DO ÓLEO PELO GÁS NATURAL Estimativa de Redução: Ton. CO 2eq /ano Status Atual: passando pela primeira verificação (ano 2011) Estimativa de Geração de CERs: U$ ,00/ano Já no primeiro ano do projeto, deixamos de emitir 207 mil toneladas anuais de CO 2 eq, superando a estimativa inicial, de 160 mil toneladas de CO 2 eq. Esse número representa uma redução de 9,8% do total de Gases de Efeito Estufa emitidos pela Empresa, em comparação aos anos anteriores. Este recurso será investido em: - Projetos de Redução de Emissão (Interno e Externo) - Projetos de Ecoeficiência / Eficiência Energética

19 COMPENSAÇÃO DE EMISSÕES DE GEE NO P4P

20 COMPENSAÇÃO DE EMISSÕES DE GEE NO PROJETO P4P Compensação das Emissões decorrentes das obras de Implantação do Projeto Quarta Pelotização Estratégia: 1.Inventário ex-ante 2.Plano de carboneutralização /carbocompensação 3.Plano de Monitoramento (Inventário ex-post) 4.Auditoria de Verificação

21 1. Inventário ex-ante COMPENSAÇÃO DE EMISSÕES DE GEE NO PROJETO P4P Ton (CO 2 eq)

22 Inventário ex-anteResultados Terraplenagem, Obras Civis e Montagem tCO 2 e Supressão de Vegetação tCO 2 e Transporte de Pessoal6.245 tCO 2 e Transporte de Equipamentos e Materiais4.143 tCO 2 e Geração de Resíduos Sólidos Domésticos3.647 tCO 2 e Geração de Efluentes Sanitários1.569 tCO 2 e Uso de Eletricidade1.545 tCO 2 e Uso de Acetileno210 tCO 2 e COMPENSAÇÃO DE EMISSÕES DE GEE NO PROJETO P4P

23 Modo de neutralizaçãoQuantidade (tCO 2 e)Custo total (R$) Aquisição de Créditos no Mercado Primário (redução de desmatamento, energia renovável, distribuição de metano e eficiências energéticas) ,90 Aquisição de Créditos no Mercado Secundário (substituição de combustíveis) ,00 Plantio de árvores ,52 Total ,42 Custo médio da tonelada de CO 2 e (R$/t)14,09 2. Plano de carboneutralização / carbocompensação COMPENSAÇÃO DE EMISSÕES DE GEE NO PROJETO P4P

24 Acompanhamento mensal durante todo o período das obras Total Emissões de GEE Ex-ante Calculado 3. Plano de monitoramento (inventário ex-post) COMPENSAÇÃO DE EMISSÕES DE GEE NO PROJETO P4P

25 4. Auditoria Verificação atesta aderência do escopo do projeto aos resultados alcançados COMPENSAÇÃO DE EMISSÕES DE GEE NO PROJETO P4P

26 NOVOS PROJETOS

27 Inventários corporativos de emissões de GEE: Capacitação de fornecedores para elaboração de seu próprio inventário. Redução das emissões de GEE: MDL P4P MDL correias transportadoras Compensação das emissões de GEE: Financiamento de projetos na área de influência com recursos do MDL.

28 CONSIDERAÇÕES FINAIS

29 O Inventário Corporativo de Emissões é a base para toda ação orientada da Gestão de GEE. A premissa básica para Novos Projetos deve ser a Eficiência Energética (Economia de Baixo Carbono). O Recurso do MDL deve ser um catalizador para Compensação de Atividades Segmentadas. Todo ganho em termos de redução de emissão de GEE significará inevitavelmente ganhos na Gestão, Eficiência, Reputação e Valor da Empresa.

30 Antônio Carlos Silva A SAMARCO E A SUSTENTABILIDADE GESTÃO DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS 18 de outubro de 2012


Carregar ppt "Antônio Carlos Silva SAMARCO GESTÃO DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS 18 de outubro de 2012."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google