A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

A modernização do espaço rural brasileiro – Produção de riqueza e degradação ambiental Período Colonia Desde o Período Colonial, a modificação do espaço.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "A modernização do espaço rural brasileiro – Produção de riqueza e degradação ambiental Período Colonia Desde o Período Colonial, a modificação do espaço."— Transcrição da apresentação:

1

2 A modernização do espaço rural brasileiro – Produção de riqueza e degradação ambiental Período Colonia Desde o Período Colonial, a modificação do espaço natural brasileiro ocorre de forma desenfreada. O fato é que o Brasil não adotou plenamente uma política agrária de desenvolvimento sustentável, mesmo sendo a única forma de não comprometer o nosso rico patrimônio natural.

3 Desde o século XVI, o litoral oriental do país vem perdendo o território da Mata Atlântica, dando lugar a grandes plantações de cana-de-açúcar, cacau e outros produtos. As fronteiras agrícolas expandiram-se, e fazendas de café ocuparam o lugar da exuberante vegetação dos trópicos nos estados: Rio de Janeiro, São Paulo, Espírito Santo e o sul de Minas Gerais Depois do ciclo do café, o rápido crescimento urbano desencadeou o surgimento de uma poderosa zona policultura no Centro-Sul, provocando prejuízos ao meio ambiente.

4 As pastagens para o gado bovino expandiram-se pelo sul da Bahia e pelo norte do Espírito Santo, destruindo o que restava de Mata Atlântica. O Cerrado tem sido o ecossistema que mais sofre com o aumento das áreas cultivadas, devido a expansão das lavouras de soja, arroz e girassol, principalmente em Goiás, Tocantins e Mato Grosso, que diminuiu 20% da área de vegetação nativa original. A substituição das matas que seguem o curso dos rios por áreas plantadas faz com que o solo, sem raízes, seja carregado pelas chuvas até os rios.

5 Os rios sofrem com a diminuição da profundidade e da largura do seu leito. Onde o rio era profundo e largo e havia grande quantidade de peixes, existem agora apenas bancos de areia.

6 Transformação de paisagens naturais em paisagens humanizadas – A agropecuária A agropecuária sempre desempenhou um papel de destaque na economia nacional as paisagens naturais foram gradativamente substituídas por lavouras, campos pastagens e povoados. A agropecuária sempre desempenhou um papel de destaque na economia nacional e é uma das mais antigas atividades econômicas praticadas no Brasil. Desde o início da ocupação do espaço brasileiro, as paisagens naturais foram gradativamente substituídas por lavouras, campos pastagens e povoados.

7 subsistênciacomercial Existem diversas maneiras de usar o solo para o plantio, destacando-se a agricultura de subsistência e a comercial. A agricultura de subsistência A agricultura de subsistência é mantida geralmente pelo trabalho familiar, em propriedades de pequena extensão chamadas de minifúndios, nos quais o alimento colhido geralmente serve apenas para o sustento dos habitantes locais, as sobras da produção são comercializadas nos povoados vizinhos para aquisição de roupas, calçados e outros bens de consumo.

8 A agricultura comercial A agricultura comercial desenvolve-se em grandes propriedades, os latifúndios, na sua maioria dedicando-se à monocultura, cultivo de um só produto, comunmente voltada para abastecer o mercado externo. Com o objetivo de aumentar a produtividade, foram aprimoradas as técnicas de cultivo e investidas elevadas quantias para modernizar as áreas agrícolas onde se destacam o cultivo de trigo, uva, milho, soja, arroz e tabaco no sul do Brasil, e laranja, algodão, café, amendoim e cana-de-açúcar na região sudeste.

9 No litoral oriental do nordeste e no Recôncavo Baiano com a produção de cana-de-açúcar e cacau. Nos latifúndios, cuja tecnologia usada é regular ou avançada, os trabalhadores geralmente recebem salários muito baixos. Em propriedades com grandes investimentos em novos equipamentos e na fertilidade do solo, a produtividade é elevada. Naquelas áreas em que há menor preocupação com a modernização, as safras rendem menos, mas, produzem mais que as lavouras de subsistência.

10 O sistema de produção baseado na monocultura em latifúndios, comum em áreas tropicais, é chamado de plantation, que destina-se a exportação. Entretanto, existem lavouras comerciais, onde a produção é voltada para abastecer o mercado interno, como o feijão do norte do Paraná. A produção agrícola brasileira é bastante diversificada, mas nem sempre suficiente para atender a demanda, como a soja, o café, a laranja e o trigo.

11 A grande dificuldade para o produtor rural brasileiro tem sido a oscilação dos preços do mercado consumidor, devido à concorrência internacional. Muitas vezes o valor conseguido pela safra não cobre os custos de produção, fazendo com que muitos agricultores de médio e de pequeno porte a entregarem suas propriedades aos bancos e outros credores. Os agricultores que destinam sua produção ao mercado interno são atingidos pela falta de garantia de preços e pela ação dos atravessadores e intermediários.

12 No ano de 2000 os produtores rurais brasileiros não conseguiram preço para a safra de milho que cobrisse, ao menos, as despesas com o plantio, adubação e colheita. Isso levou a muitos lavradores a trocarem o milho pela soja. Em 2002, o Brasil teve problemas com o abastecimento de milho, que é essencial para avicultura e para o rebanho suíno.

13 Os rebanhos brasileiros no contexto atual A pecuária brasileira é uma das mais desenvolvidas do mundo. Possuímos o segundo maior rebanho de gado bovino, mas o maior rebanho comercial. A pecuária brasileira é uma das mais desenvolvidas do mundo. Possuímos o segundo maior rebanho de gado bovino, mas o maior rebanho comercial. A Campanha Gaúcha, ou Pampas, é a maior área de campos limpos do Brasil, onde a economia de vários municípios está relacionada à criação de gado.

14 O termo gaúcho – homem que lida com o rebanho – serve para identificar as pessoas que nascem nesse estado. No interior nordestino, o vaqueiro é a que melhor caracteriza o sertanejo. O nordeste foi a primeira área do Brasil onde a pecuária bovina, e até hoje o gado rústico, de pequeno porte, é resistente ao Sol e às condições adversas do clima semiárido. No Mato Grosso do Sul o peão toca as boiadas para longe das áreas alagáveis, conduzindo-as pela imensidão da planície pantaneira.

15

16 O Mato Grosso do Sul é detentor do maior rebanho bovino nacional, as enormes áreas planas de pastagens naturais permitiram o grande desenvolvimento da pecuária de corte. Os melhores rebanhos brasileiros estão em Minas Gerais, em São Paulo e no norte do Paraná. Na produção de leite e derivados, o sul de Minas Gerais, destaca-se nacionalmente o sul de Minas Gerais. Esse estado possui o segundo maior rebanho bovino do Brasil, de pecuária leiteira e de corte, com destaque no Triângulo Mineiro e no norte de Minas.

17

18 Minas Gerais, São Paulo e o Paraná alcançaram grande rentabilidade, graças a modernização da criação bovina. O Sudeste e o Sul se destacam na criação de gado confinado, chamado de criação intensiva. Raças europeias, asiáticas e norte-americanas, de fácil de ganho de peso ou alta produtividade leiteira, são as preferidas. O uso de tecnologias como máquinas ordenhadeiras e inseminação, buscam a melhoria da qualidade do rebanho e a produtividade, visando a lucratividade.

19

20 O Centro-Sul exporta carne bovina para diversos países, tornando o Brasil um dos maiores exportadores mundiais de carne.

21 Aves, suínos, ovinos e caprinos Apenas a China, por ser o país mais populoso do planeta, e os Estados Unidos, por serem altamente desenvolvidos, superam o Brasil em produção industrial de frangos. A avicultura brasileira, notadamente a criação de frangos destina-se ao mercado interno e externo. No Sul do país, Paraná e o Rio Grande do Sul são os principais fornecedores.

22 Estima-seque cerca de 70% da carne de frango produzida no Brasil é destinada ao mercado interno. China, os Estados Unidos e a Alemanha, são os países que superam a produção brasileira. Paraná, Santa Catarina e o Rio Grande do Sul destacam-se na produção de carne suína e derivados. O Brasil fornece cerca de 10% das exportações de carne suína no mundo, lucrando aproximadamente US$ 1 bilhão por ano.

23

24 Os caprinos e os ovinos não oferecem ao Brasil o mesmo destaque da pecuária mundial. A criação de ovelhas tem ampliado no sul do Brasil, motivada pelo clima subtropical e o pasto dos campos, nos Pampas Gaúchos. A criação de cabras no Sertão Nordestino está sendo incentivada, pela adaptação do rebanho ao clima semiárido. O intenso calor e os campos alagados favorecem a expansão do rebanho de búfalos na Amazônia (Ilha de Marajó e litoral do Amapá). Cerca de 1,15 milhão de búfalos tornam a região Norte a maior produtora.

25

26

27 Extrativismo vegetal e comprometimento do ambiente O extrativismo vegetal é a mais antiga atividade econômica praticada em todo o território brasileiro, e de grande importância para a geração de empregos. A borracha foi um importante produto de exportação, mas mesmo com a queda do preço no mercado mundial, ainda emprega muitos trabalhadores na região Norte. Atualmente a castanha-do-pará ganhou grande destaque.

28 A política de desenvolvimento sustentável no Amapá tem se preocupado com a preservação da castanheira. Técnicos do governo estadual entendem que, além de gerarem lucros ajudam na preservação da Floresta Amazônica e de todo o ecossistema. No Nordeste, a carnaúba, o babaçu e a oiticica se destacam como fonte de renda e como fornecedoras de materiais importantes.

29

30 carnaúba A carnaúba permanece verde o ano todo, e pode alcançar 20 metros de altura. Dela se aproveita tudo, o caule é usado na construção de casas, o fruto serve como alimento pro gado, as folhas, fornecem um pó que pode ser transformado em cera, utilizada na fabricação de vela, isolantes, lubrificantes, vernizes, fósforos e outros. babaçu O babaçu, que produz cachos de grande porte carregados de pequenos e duríssimos cocos, nos quais se encontram amêndoas. As amêndoas são transformadas por indústrias em gordura, podendo ser utilizado na fabricação de alimentos ou no preparo de sabão.

31

32 oiticica A oiticica, palmeira que chega a atingir 30 metros de altura, fornece sementes para a produção de óleo, muito utilizado pela indústria química. A extrativismo predatório de madeira no Centro- Oeste, que desmatou mais de 900 mil hectares de florestas nos últimos anos tem gerado sérios problemas ambientais, como: a desertificação, o empobrecimento do solo e o desaparecimento de nascentes. juçara Já nas áreas de Floresta Atlântica, no ES, em SP e no PR, ocorre a retirada do palmito da juçara, utilizado na culinária. Os palmiteiros estão levando a extinção da palmeira.

33

34 araucárias, imbuias A extração de araucárias, imbuias e outras madeiras também está proibida, mas indústrias de confecção de móveis realizam cortes ilegais. erva-mate A coleta de erva-mate é uma atividade antiga na Região Sul. Os índios guaranis, já consumiam a infusão de folhas de mate. O aumento do consumo no Centro-Oeste e Sul do Brasil, Paraguai, Argentina e Uruguai, proporcionou o desenvolvimento da indústria da erva-mate. A erva-mate tem uma grande capacidade de regeneração. As indústrias passaram a produzir saches para chá e refresco em pó.

35

36 silvicultura A silvicultura, consiste no plantio de árvores de maneira planejada para a obtenção da celulose, matéria-prima do papel, bem como para fabricação de casas e móveis, ou a obtenção do látex, nos estados do Sudeste, Norte e sul do Brasil. O Paraná foram plantadas grandes áreas de pinheiros, pois possuem um rápido crescimento e baixos custos para manutenção do cultivo. No Espírito Santo, o eucalipto se adaptou as condições de clima e solo.

37

38 No Acre são utilizadas técnicas na extração de madeiras nobres sem causar prejuízos a natureza. Projetos do governo federal auxilia agricultores assentados em áreas de reforma agrária a utilizar a floresta sem destruí-la.

39 As questões sociais do meio rural

40 A zona rural brasileira apresenta alguns problemas: a maioria dos camponeses não é proprietário das terras onde trabalha, e costumam ser assalariados permanentes ou temporários, parceiros, arrendatários ou posseiros. trabalhadores permanentes Parceiros e arrendatários Os trabalhadores permanentes, são aqueles que recebem salários e possuem direitos trabalhistas, e são apenas 15% da mão de obra do campo. Parceiros e arrendatários, são trabalhadores temporários que utilizam a terra para desenvolver suas lavouras e criações. Os arrendatários compram o direito de uso, como se fosse um aluguel, pago em dinheiro ou em produtos.

41 trabalhadores temporários boias-frias Os trabalhadores temporários, não têm salário fixo, pois recebem pelos serviços prestados, durante a colheita, quando necessita-se mais mão de obra. Os esses trabalhadores vão se alimentar, a comida já está fria, daí o nome boias-frias. posseiros Muitas terras, principalmente as improdutivas, são ocupadas por pessoas que simplesmente se instalam e organizam o espaço, plantando e construindo sua moradia. Esses trabalhadores são chamados de posseiros.

42

43 Estrutura fundiária, reforma agrária e conflitos de terras graves problemas agrários má distribuição de terras e a exploração dos trabalhadores rurais Apesar da modernização da agricultura brasileira, existem graves problemas agrários, como a má distribuição de terras e a exploração dos trabalhadores rurais. Essa modernização intensifica a concentração nas mãos de grandes empresas rurais, apresentando dois lados, o positivo, são feitos investimentos nessas propriedades, aumentando a produtividade, o negativo, força a migração de pequenos proprietários para outros lugares.

44 brasiguaios Como é o caso dos brasiguaios, agricultores que ultrapassam as fronteiras brasileiras para habitar no Paraguai. Na últimas décadas, a intensa migração de sulistas para o Mato Grosso, o sul do Pará e Rondônia, tem substituindo a mata por campos de cultivo de soja, destinadas à exportação. A estrutura fundiária brasileira apresenta um grande contraste, cerca de 44% do espaço agrário pertence a um pequeno grupo de latifundiários, enquanto um elevado número de minifundiários correspondem a menos de 3% da área rural

45 Visando uma distribuição mais equilibrada das terras, é imprescindível acelerar a reforma agrária, processo que deverá distribuir terras e garantir financiamentos, a fim de obter aumento da produção, bem como a infraestrutura indispensável para o escoamento de produtos. Os pequenos têm maior dificuldade de acesso ao crédito agrícola e a insumos (adubos, fertilizantes e pesticidas, mas mesmo assim os minifúndios são responsáveis por grande parte da produção de gêneros básicos consumidos pelos brasileiros.

46 A reforma agrária é fundamental para o desenvolvimento econômico, social e político do país A reforma agrária é fundamental para o desenvolvimento econômico, social e político do país. Benefícios Benefícios: inibe o êxodo rural, contêm a urbanização, diminui os conflitos e violência no campo, contribui no combate à fome e à subnutrição e reduz os preços dos alimentos no mercado interno. O Movimento dos Trabalhadores Rurais sem Terra (MST) atua em vários estados, com apoio de entidades religiosas, sociais e políticas, no intuito de forçar o governo a acelerar o processo de reforma agrária. As ocupações têm deflagrado graves conflitos, resultando na morte de muitos trabalhadores.

47


Carregar ppt "A modernização do espaço rural brasileiro – Produção de riqueza e degradação ambiental Período Colonia Desde o Período Colonial, a modificação do espaço."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google