A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Por: Leandro T. Burgos * *Docente - Mestre em Desenvolvimento Regional e Pós-graduado em Treinamento Desportivo. – Universidade de Santa Cruz do Sul.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Por: Leandro T. Burgos * *Docente - Mestre em Desenvolvimento Regional e Pós-graduado em Treinamento Desportivo. – Universidade de Santa Cruz do Sul."— Transcrição da apresentação:

1

2 Por: Leandro T. Burgos * *Docente - Mestre em Desenvolvimento Regional e Pós-graduado em Treinamento Desportivo. – Universidade de Santa Cruz do Sul.

3 ORIGEM O Treinamento intervalado, surgiu na Finlândia, através do aperfeiçoamento do sistema de treinamento finlandês e do Fartlek. À partir da 2ª guerra mundial os pesquisadores Gerschler e Reindel, elaboraram os princípios do primeiro método de treinamento em bases científicas. Novos recordes foram estabelecidos com a utilização do Método intervalado, principalmente com o fundista Zatopek, mais conhecido como a Locomotiva Humana, que chegou a cumprir 60 x 400 metros em um só dia e estabeleceu novos recordes para os 5.000, metros e a maratona.

4 O Interval-training é um método de preparação orgânica que visa a obtenção da endurance e da resistência, com a realização de esforços intensos, em distância curtas, alcançados por intervalos recuperadores, determinados pelo controle dos batimentos cardíacos. É o método dos intervalos controlados. O Interval-training se notabilizou para os desportos de velocidade de movimentos cíclicos, como a corrida, natação e remo, porém, evoluiu muito e, atualmente, é aplicado com sucesso aos desportos acíclicos como futebol, basquetebol e voleibol, entre outros. OBJETIVO

5

6 QUALIDADES FÍSICAS MAIS DESENVOLVIDAS É possível estabelecer a predominância das qualidades físicas a serem desenvolvidas considerando-se os parâmetros repetição e tempo, desde que se mantenha constante o intervalo para uma mesma distância.

7

8 ENDURANÇE ENDURANÇE grandes repetições em intensidade moderada.(aumento das cavidades do coração). RESISTÊNCIA: RESISTÊNCIA: (lática e alática)- repetições médias, numa cadência submáxima para máxima (hipertrofia cardíaca ) FORÇA / VELOCIDADE: em caráter secundário, são tênuemente desenvolvidas e aperfeiçoadas INTERVAL TRAINING

9 PRINCÍPIOS DE EXECUÇÃO: Baseiam-se nos seguintes parâmetros: Fatores de treinamento; Controle fisiológico; Determinação da carga; Princípio da sobrecarga.

10 F A T O R E S D E T R E I N A M E N T O Distância Tempo R epetição Intervalo Intervalo Aação durante Aação durante o intervalo

11 distânciaação durante o intervalo são Dos cinco fatores, dois são constantes: distância e ação durante o intervalo; três são variáveis: tempo, intervalo e repetição, os quais se modificam de acordo com o reajuste da carga ou com o princípio da sobrecarga

12 DISTÂNCIA: As mais usadas são 50,100,200 e 400 metros, sendo que cada uma apresenta características próprias.

13 TEMPO: TEMPO: Um dos parâmetro mais importantes, porque determina a intensidade de esforço dispendido. É o estímulo. Este esforço deve se situar pouco acima do steady- state, de modo que o praticante contraia um débito cardíaco. Gerschler e Reindell estabeleceram tempos (intensidade) moderados e submáximos permitindo ao atleta determinar sua cadência dentro das faixas previstas.

14 CÁLCULO DO TEMPO PARA TREINAMENTO INTERVALADO É feito mediante teste máximo, em três tentativas das quais escolhe-se o melhor tempo e aplica-se a dosagem para submáxima. Exemplo para a distância de 50 metros, à intensidade de 75%: Dosagem = tempo do teste x 1.25 (75%) Tempo para 50 metros: 7 segundos Dosagem = 7x 1.25 = 875

15 Dist.(m ) Tempo (s) EXEMPLOS PARA CORRIDAS DE FUNDO

16

17 REPETIÇÃO: Deverão ser numerosas, mas limitadas,e quanto maior for a distância a ser trabalhada, menor deverá ser o n.º de repetições. Normalmente utiliza-se de 08 a 25 repetições para distâncias de 200 metros, em uma sessão de treinamento. No início devem ser poucas, com a finalidade de adaptação, aumentando progressivamente seu número, de acordo com o PRINCÍPIO DA SOBRECARGA

18 Repetiçõ es DISTÂNCIAS (M) Segundo os mais experientes treinadores as quantidades não devem ultrapassar os seguintes totais:

19 1ª SEM. REPETIÇÕES E DISTÂNCIAS INTENSID ADE D5 X 20020X400 CADENCI A MODERA DA 2ª5X20030X400 3ª5 X 20040X400 4ª5 X 20040X400 5ª5 X 20040X400 6ª5 X 20040X400 S5 X 20040X400 REPETIÇÃO: * Sinopse do plano de treinamento de Zatopek quando estabeleceu o recorde mundial para os m, em 1953, com 2912/10.

20 2ª SEM. REPETIÇÕES E DISTÂNCIAS INTENSI DADE D5 X 20035X400 CADENCI A SUBMÁXI MA PARA MÁXIMA 2ª5X20030X200 3ª5 X 20020X400 4ª5 X 20010X400 5ª5 X 2005X400 6ª5 X 2005X400 SCOMPETIÇÃO

21 INTERVALO : Fisiologicamente é a pedra angular do método, pois é durante o mesmo, que o coração tem a oportunidade de efetuar o trabalho de adaptação entre os esforços. A duração do intervalo será tal que, ao seu término a freqüência cardíaca terá baixado até bpm (F.C. de recuperação). Durante o intervalo o atleta não fica parado, mas realiza atividades suaves a fim de evitar vertigens, síncopes, desmaios, além de manter o ritmo circulatório e o calor corporal.

22 Pelo conceito de Freiburg, o trote lento é a forma mais indicada de ação no intervalo, proporcionando melhor adaptação do atleta ao novo esforço. Paradas bruscas e repouso muito prolongado não permitem uma adaptação fisiológica progressiva. O atleta sentado ou deitado prejudicará o efeito de massagem que o músculo precisa, ao passo que de pé, em movimento, ajuda a neutralizar o ácido lático.

23 É efetuado através da freqüência cardíaca e, segundo Gerschler e Reindell, compreende: CONTROLE FISIOLÓGICO a)Freqüência de Aquecimento: b)Freqüência de Esforço c)Freqüência de Recuperação

24 a) FREQUÊNCIA DE AQUECIMENTO: antes de iniciar o esforço, o atleta deverá registrar em torno de 120 batimentos por minuto. b) FREQÜÊNCIA DE ESFORÇO: imediatamente após o a execução de esforço, deverá alcançar 170 a 180 bpm, mantendo-se nesta faixa ao término de cada repetição; CONTROLE FISIOLÓGICO

25 c) FREQÜÊNCIA DE RECUPERAÇÃO: ao final do intervalo, o atleta deverá estar em condições de efetuar um novo esforço quando a sua freqüência estiver entre 140 e 120 bpm. O controle (verificação) da freqüência cardíaca, conforme o total previsto de repetições deverá ser anotado em cada série de quatro ou cinco repetições, de uma sessão, e ao final desta. Para atletas de alto nível e treinados a FC deve e pode situar-se entre 164 e 176 bpm.

26 PRINCÍPIO DA SOBRECARGA Independente do aumento do n.º de repetições, que é uma característica do princípio da sobrecarga, o treinador deverá processar reajustes nas duas variáveis mais importantes do método: TEMPO (intensidade) e INTERVALO, sempre que se tornar necessário.

27 D200m T 30/31 seg. R12 I 60 seg. ATrote EXEMPLO DE TREINAMENTO

28 Solução do treinador Atleta XAumentar o intervalo para 75 seg. Atleta Y Diminuir a intensidade, ou seja aumentar o tempo para 32/33seg, o batimento da recuperação deverá diminuir Freqüência cardíacaApós 3ª repetição Batimento após esforçoBatimento após intervalo Atleta X Atleta Y REAJUSTES POSSÍVEIS

29

30 EFEITOS DO TREINAMENTO O efeito virá após 21 sessões, que assegurarão a aquisição do aumento das cavidades do coração e hipertrofia das fibras do miocárdio, além da melhoria de sistema circulatório.

31 O INTERVAL-TRAINING, bem superior aos outros métodos, produz os seguintes efeitos: Hipertrofia cardíaca; Aumento das cavidades do coração; Braquicardia; Hipotensão; Débito sistólico maior; Maior capilarização dos vasos sanguíneos.

32


Carregar ppt "Por: Leandro T. Burgos * *Docente - Mestre em Desenvolvimento Regional e Pós-graduado em Treinamento Desportivo. – Universidade de Santa Cruz do Sul."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google