A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Força, Rio! - A reação dos cariocas: a população dá apoio às ações do governo, que enfrentou com força e inteligência os ataques do tráfico. O crime organizado.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Força, Rio! - A reação dos cariocas: a população dá apoio às ações do governo, que enfrentou com força e inteligência os ataques do tráfico. O crime organizado."— Transcrição da apresentação:

1 Força, Rio! - A reação dos cariocas: a população dá apoio às ações do governo, que enfrentou com força e inteligência os ataques do tráfico. O crime organizado não se conforma com o sucesso das Unidades de Polícia Pacificadora TERÇA-FEIRA, 23 de novembro Carro incendiado em avenida no centro da cidade. Bombeiros combatem o fogo Deixo o trabalho na íntegra para vocês se tiverem tempo dar uma olhada O que me interessa realmente é que vocês saibam o que vem a ser as UPP Teremos em breve Copa do mundo e Olimpíadas.

2 O carioca foi pego de surpresa, mas, ao contrário do que ocorre há décadas, desta vez o governo estava preparado. Tinha a sua disposição um serviço de inteligência capaz de se antecipar e uma política de enfrentamento estrategicamente definida, em que não cabe negociação com o tráfico. Já esperávamos que os criminosos reagissem às UPPs e isso é a prova de que estamos no caminho certo, diz o secretário de Segurança Pública, José Mariano Beltrame. Um dos primeiros sinais captados pelo Estado de que o tráfico partiria para ações terroristas veio com a informação de que estava se consumando a união entre duas facções criminosas: Comando Vermelho (CV) e Amigo dos Amigos (ADA). Dias antes do início dos atentados, o Serviço de Inteligência instalado no terceiro andar do edifício da Secretaria de Segurança havia detectado que uma leva de marginais da facção Amigo dos Amigos se deslocara até o Complexo do Alemão, base do Comando Vermelho. Antes numa relação de gato e rato, agora essas duas facções se tornavam carne e unha para sangrar a população. O Serviço de Inteligência descobriu que os visitantes pernoitaram no novo endereço, ou seja, uma aliança estava se formando. Claro que ela iria agir militarmente para forçar o governo a uma negociação política que restringisse a presença de UPPs nos morros. Não funcionou.

3 O estado responde ao crime QUINTA-FEIRA, 25 de novembro Blindados da Marinha se unem à PM para garantir a retomada da Vila Cruzeiro

4 Unidades de Polícia Pacificadora, as UPPs, projeto de policiamento comunitário que já resgatou nos últimos dois anos mais de 300 mil favelados do mundo de terror instaurado historicamente pelos traficantes de drogas. O inimigo que foi gravemente ferido é o crime organizado. Ao instalar as UPPs em favelas, o governador Sérgio Cabral rompeu com a ordem até então vigente nas comunidades carentes: a violência dos bandidos é que determinava o que podia ou não ser feito. As armas eram a lei e o crime organizado detinha o controle territorial. Isso acabou nas 12 comunidades pacificadas até agora, atingindo diretamente a receita do narcotráfico. Na semana passada, a reação veio forte e orquestrada. Do domingo 21 até a quinta-feira 25, o Rio viveu dias de pânico. Através de arrastões e atentados que atingiram sobretudo o patrimônio privado e público, com carros particulares e ônibus urbanos queimados (cerca de 100), cabines da Polícia Militar metralhadas (três PMs feridos até a tarde da sexta-feira 26) e falsas ameaças de bombas, os criminosos impuseram um onda de terror sobre toda a população, no momento em que a Cidade Maravilhosa se prepara para eventos como a Copa do Mundo de 2014 e a Olimpíada de 2016.

5 IMPORTANTÍSSIMO

6 traficantes fogem em debandada para o Complexo do Alemão

7 ISOLADOS Na sexta-feira 26, dois traficantes tentam intimidar na favela da Grota, no Complexo do Alemão

8

9 Daniele teve seu carro queimado pelos criminosos na frente de casa, no bairro da Tijuca

10 Força, Rio! A reação dos cariocas: a população dá apoio às ações do governo, que enfrentou com força e inteligência os ataques do tráfico. O crime organizado não se conforma com o sucesso das Unidades de Polícia Pacificadora

11

12

13 BALAS PERDIDAS Moradores se desesperam e policial toma posição no Jacarezinho

14 Da mesma forma, também era aguardado que eles começassem a demonstrar certo grau de desarticulação. A socióloga e ex-diretora da Secretaria Nacional de Segurança Pública Jacqueline Muniz acredita que as ações do governo são corretas na medida em que ele conta com a capacidade de saber o que o inimigo está planejando. Os atos de terrorismo se beneficiam da surpresa e aleatoriedade. O poder público tem de reagir com previsibilidade e regularidade de ações, diz ela. A rigor, o Estado antecipar-se às ações do terror ou fingir taticamente que não sabe que elas vão acontecer para trazer a seu favor o fator surpresa é vital para a eficácia da repressão. O governo está fazendo a sua parte e a população o aplaude. Tem, no entanto, de ir além do bater palmas. Não é nada raro que pessoas de classe média e classe média alta consumam drogas e considerem que o dinheiro que dão em troca seja diferente, por exemplo, do dinheiro que o favelado ou o bandidos usam para se drogar. Ilusão. Ou seja: é como se falassem, valendo-se simbolicamente de uma redoma de assepsia social, eu uso drogas de forma recreativa e nada tenho a ver com o financiamento do narcotráfico. Tem a ver, sim. Vale, portanto, refletir no que diz taxativamente o secretário Beltrame: Quem consome drogas financia o tráfico e joga contra os nossos objetivos.

15

16 TERRITÓRIO O secretário de Segurança, José Mariano Beltrame, diz que a polícia não sairá mais das zonas atacadas


Carregar ppt "Força, Rio! - A reação dos cariocas: a população dá apoio às ações do governo, que enfrentou com força e inteligência os ataques do tráfico. O crime organizado."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google