A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

A MÍSTICA DO ANIMADOR E DA ANIMADORA VOCACIONAL. Quem abraça o munus do serviço vocacional deve estar consciente e ciente de abraçar uma verdadeira CRUZ.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "A MÍSTICA DO ANIMADOR E DA ANIMADORA VOCACIONAL. Quem abraça o munus do serviço vocacional deve estar consciente e ciente de abraçar uma verdadeira CRUZ."— Transcrição da apresentação:

1 A MÍSTICA DO ANIMADOR E DA ANIMADORA VOCACIONAL

2 Quem abraça o munus do serviço vocacional deve estar consciente e ciente de abraçar uma verdadeira CRUZ DE FOGO. Sendo uma missão divina, a animação vocacional passa também pela experiência pascal. (Justino Russolillo)

3 MÍSTICA ANTROPOLÓGICATEOLÓGICAECLESIAL

4 Consiste na capacidade de fazer animação vocacional tendo presente o valor da pessoa humana, imagem e semelhança de Deus. A experiência do encontro com a Trindade acontece a partir do encontro com os vocacionados e vocacionadas. Animação Vocacional X Serviço – Descobrir Deus nos irmãos e irmãs que acompanhamos por meio de nosso serviço de animação vocacional. Somente quando amamos verdadeiramente os vocacionados, exeprimentamos o toque da mão divina e ouviremos o palpitar da Trindade. Sem a capacidade de amar de verdade, a atividade vocacional é estéril e sem vida.

5 A vida humana em sua realidade concreta e total é condição básica para o desenrolar do intinerário vocacional. Onde houver vida plena ali haverá plena resposta vocacional. A mística de todo animador(a) vocacional inclui a experiência de ser colaborador da Trindade. Trata- se de uma mística encarnada, respeitosa de cada pessoa com sua história, sua caminhada vocacional. Precisamos de uma mística que tenha como dinamismo a fonte do amor. Só o amor e a ternura são capazes e abrir os olhos do coração. Na animação vocacional é necessário ver o coração.

6 A vocação de cada homem e de cada mulher é algo sagrado, bonito e precioso. A animação vocaçional permeada pelo dinamismo da mística, vê em primeiro lugar a necessidade de Deus, e de seu projeto para cada ser humano. A referência do animador(a) vocacional JESUS CRISTO. E como referenciais para o seguimento, as exigências do Reino. Só um animador encantado por JC, será capaz de encantar outros para seguí- Lo.

7 Acredito, verdadeiramente, na vocação dos jovens que acompanho? Como me sinto como Animador(a) Vocacional? Tenho consciência que uma animação vocacional sem mística é uma prática sem espírito?

8 É significativo que a cultura individualista moderna do homem sem relação tenha determinado também o modelo cultural do homem sem vocação. A experiência ensina que não pode haver cultura vocacional, sem cultura relacional. A animação vocacional sem mística, torna-se funcionalista. Quando se vive intensamente a experiência mística, animador (a) torna-se cooperador (a) com a Trindade. Quanto mais humana, mais a pessoa poderá viver a vocação como chamado à comunhão com a Trindade e com as demais pessoas da comunidade.

9 Na medida que o animador (a) vocacioanal, retém o vocacionado (a) para si, está se afastando do Projeto de Deus. São pessoas que não possuem experiência de Deus, portanto não podem fazer animação vocacional. A mística do animador (a) vocacional é essencialmente uma mística de comunhão. Este aspecto tem haver com a própria essencia da Trindade. A experiência de comunhão com a Trindade, tem duas consequências práticas para o SAV.

10 Consequências: 1- Necessidade de ajudar os vocacionados a adquirir uma mística que os leve a perceber que Deus é AMOR. 2- Respeito e valorização do vocacionado (a). Considera-los como presente, um dom. Alguém que não pode ser explorado, manipulado. Precisamos amar os vocacionados como amamos as três Pessoas da Trindade.

11 Se a Trindade deseja a comunhão, isso quer dizer que, ao chamar, ela sempre coloca a pessoa em condições de responder à sua convocação. Oferecendo sua graça. Eu re chamei pelo nome, tu é meu… ( Is 43, 1). Somente a animação e a promoção de todas as vocações é expressão de plena comunhão com a Trindade, de respeito pelo Espírito Santo que que a diversidade e não a exclusividade.

12 A experiência mística levará animadores e vocacionados a viverem a própria vocação na comunidade. A comunidade eclesial é o lugar do discernimento vocacional. A Igreja é convocação, assembléia dos que foram chamados e reunidos pela Trindade. Ela é o lugar de encontro da Trindade com a comunidade e vice-versa.

13 A mística do animador (a) vocacional é a mística da pequenez, da simplicidade… Uma mística da ENCARNAÇÃO. Jesus alerta a comunidade dos discípulos e discípulas, convidando-a a não ficar com medo de se apresentar ao mundo como pequeno rebanho (Lc 12,32).

14 MÍSTICA E ASCESE NA ANIMAÇÃO VOCACIONAL Ascese na Animação Vocacional significa, cultivar o espírito do despojamento, assumindo a dinâmica de Jesus Cristo os animadores e animadores colocam-se como servidores da comunidade.

15 Aspectos significativos para o cultivo da ascese na animação vocacional : 1- Cultivar a humildade na animação vocacional. 2- Fazer animação vocacional com abnegação. 3- Fazer a experiência da limitação no SAV. 4- Cultivar a autonomia na aniamação vocacional. 5- A experiência da fragilidade.

16 Como anda meu encantamento por Jesus Cristo? Estou conseguindo encantar o jovem que se aproxima de mim?

17 Fonte de Inspiração: OLIVEIRA, José Lisboa Moreira de. NA ÓRBITA DE DEUS, Espiritualidade do Animador e da Animadora Vocacional. Edições Loyola, Diagramação – Ir. Neriuza Franco - FC


Carregar ppt "A MÍSTICA DO ANIMADOR E DA ANIMADORA VOCACIONAL. Quem abraça o munus do serviço vocacional deve estar consciente e ciente de abraçar uma verdadeira CRUZ."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google