A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Orientadora: Raquel Ribeiro. Tudo começa com o vosso sonho. Que tema sempre quiseram estudar? De que gostam no vosso curso? Que área profissional gostariam.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Orientadora: Raquel Ribeiro. Tudo começa com o vosso sonho. Que tema sempre quiseram estudar? De que gostam no vosso curso? Que área profissional gostariam."— Transcrição da apresentação:

1 Orientadora: Raquel Ribeiro

2 Tudo começa com o vosso sonho. Que tema sempre quiseram estudar? De que gostam no vosso curso? Que área profissional gostariam de seguir? Como poderá o Seminário contribuir para arranjarem um bom emprego? Junte-se-lhe a ciência. O que já está estudado sobre esse tema? Comecem por ver no ISCSP. Vejam depois outras faculdades e politécnicos que tenham cursos semelhantes. Alarguem a pesquisa ao resto do país. E, por fim, ao resto do mundo. Primeiras consultas úteis (com hiperligações para fontes de informação): (só a partir de instituições com acordo) Vamos fazer umas aulas práticas sobre isto, pequisando juntos. Sonhem em grande. É grátis.

3 Agora, leiam. Tentem perceber padrões no têm vindo a ler: há aspectos abordados recorrentemente, por muitos autores? Comecem a escrever o que acharam relevante nos trabalhos de outros autores. Certifiquem-se de que pesquisaram o que há de mais recente sobre o tema. Consultem o trabalho publicado pelo vosso orientador (teses, artigos, comunicações...) caso seja útil ao vosso tema. Façam um pequeno inventário escrito sobre o que encontraram. Ex:A teoria da acção racional aplicada ao consumo trata-o sobretudo como uma escolha individual e utilitária, na convicção de que, estando o consumidor ciente das vantagens e constrangimentos inerentes às escolhas que estão à sua disposição, optará pela que lhe possa trazer maior benefício. Remonta aos economistas clássicos e continua a ser defendida, ainda que sob forte polémica, por alguns autores da Economia e da Sociologia (Becker, 2005; Voss e Abraham, 2002; Durlauf, 2001; Goldthorpe, 1998; Harsanyi, 1995; Coleman, 1986; Friedman e Hechter, 1988). Em torno desta abordagem, encontramos estudos interessantes sobre a utilização do dinheiro, a poupança ou o investimento (Ingham, 2006; Redmond, 2001; Spilerman, 2000; Zafirovksi, 2000; Ackerman, 1997; Ritzer, 1993; Lunt e Livingstone, 1992; Pritchard, Myers e Cassidy, 1989; Keynes, 1973; Martineau, 1958). A isto chama-se fazer o estado da arte. Façam sempre citações correctamente (vejam os slides no final sobre isto). Do sonho à realidade Tomem sempre notas do que lerem. Detectem padrões. Resumam o resultado das vossas leituras por temas.

4 Podem, nesta altura, falar com especialistas sobre o tema, para descobrir mais coisas sobre o mesmo e expandir as possibilidades de estudo. Posto isto, tentem detectar 2-3 tópicos de investigação favoritos e começar a limitar a pesquisa. ex: Gosto de publicidade. Na publicidade, gosto sobretudo dos anúncios de imprensa. Os meus preferidos são os das revistas de viagens. Vou estudar a publicidade em revistas de viagens. Tendo em conta o que já foi lido, tentem agora identificar uma área de investigação ainda pouco (ou nada) trabalhada, ou uma nova abordagem ao tema (assim estarão a limitar ainda mais a pesquisa). Ex: os trabalhos que encontrei eram quase todos sobre revistas portuguesas. Mas eu gostaria de fazer algo diferente. Gostaria, por exemplo, de saber se os anúncios nas revistas de viagens são semelhantes em Portugal e em Espanha.

5 Com isto, estamos a começar a definição de uma problemática, ou seja, a contextualização, descrição e implicação do nosso problema de estudo. Antes de tornarmos a problemática mais séria, coloquemos um conjunto de questões práticas: o tema é interessante? o tema é exequível? o tema é pertinente? o tema é original? Assumindo que sim, passemos então ao nosso projecto de pesquisa. Do sonho à realidade

6 A problemática é a abordagem ou perspectiva teórica que o investigador decide adoptar para tratar o problema definido na pergunta de partida. A pergunta de partida deve resumir o "click" mental que nos fez despertar o interesse para o estudo. Deve ser curta e fácil de perceber. "Os anúncios das revistas de viagens em Portugal e em Espanha serão das mesmas marcas?" ou "As revistas de viagens em Portugal e em Espanha anunciarão o mesmo tipo de produtos?" ou "O peso da publicidade será semelhante nas revistas de viagens de Portugal e de Espanha? Do sonho à realidade

7 A problemática tem 3 momentos principais: 1.Exploração das leituras e das entrevistas - detecção de padrões e oportunidades de estudo 2.Inventariação dos diferentes aspectos do problema colocados pela pergunta de partida o que poderia tratar-se relativamente a este tema, se os recursos fossem infinitos? o que escolhemos tratar? porquê? quais as ramificações do tema que estamos a escolher que tencionamos tratar? Ex: será que o perfil do leitor das revistas de viagens é diferente em Portugal e Espanha? Será que o mercado publicitário tem uma estrutura semelhante? Será que a imprensa é um meio com mais peso num país do que noutro?... 3.Explicitação do quadro conceptual que caracteriza a problemática Paradigma Conceitos Objecto de estudo Hipóteses/tópicos/objectivos de pesquisa Modelo de análise Do sonho à realidade

8 Explicitação do quadro conceptual que caracteriza a problemática 3.1. Breve referência ao paradigma de investigação: Um paradigma é, como referem Denzin e Lincoln (2000:19), a rede que contém as premissas epistemológicas, ontológicas e metodológicas do investigador – ou seja, as crenças que norteiam a sua acção. Cada paradigma solicita o investigador de diferentes modos, condicionando não só as questões colocadas como também as interpretações retiradas dos dados em análise. Estabelecer knowledge claims significa que o investigador começará um projecto com determinadas assunções sobre o que irá aprender, e como irá aprendê-lo, durante a pesquisa. Estas alegações podem ser chamadas paradigmas, assunções filosóficas, epistemologias (como chegamos ao conhecimento), ontologias (o que é o conhecimento) e axiologias (que valores estão subjacentes à relação com o conhecimento), de acordo com Creswell (2003) Operacionalização de conceitos Ex: publicidade; revistas de viagens, Definição do objecto de estudo Ex: revistas de viagens A e B em Portugal e C e D em Espanha 3.4. Definição das hipóteses ou tópicos de pesquisa / definição dos objectivos da pesquisa 3.5. Construção do modelo de análise Sistematização, eventualmente gráfica, dos aspectos anteriores Do sonho à realidade

9 Desenho da pesquisa Metodologia Avaliação das várias possibilidades metodológicas. Escolha da metodologia de acordo com o tema e abordagem em causa. Justificação da metodologia (o que se pode fazer escolhendo esta metodologia, quais as suas vantagens e desvantagens, porque se optou por esta) Escolha das técnicas de recolha de dados (de acordo com a metodologia) Observação, entrevistas, inquéritos, reuniões de grupo, análise documental, análise de conteúdo,.... Elaboração de guiões/inquéritos/grelhas de análise Amostra (de acordo com a metodologia e as técnicas de tecolha de dados) Representativa ou não representativa? (o que se pode fazer escolhendo esta amostragem, quais as suas vantagens e desvantagens, porque se optou por uma delas) Quem deverá fazer parte da nossa amostra? Porquê? Quantas pessoas tencionamos incluir na nossa amostra? Porquê? Como vamos abordá-las e inquiri-las? (através de amigos, na rua, em casa, ao telefone, por ...?) Quando? Locais de investigação Calendarização Considerações éticas Do sonho à realidade

10 Até final de Outubro: exploração conceptual e metodológica Até à 1ª semana de Outubro: Inventariem os seminários e teses sobre o tema. Leiam os principais. Procurem os trabalhos académicos sobre o vosso tema (ou sobre o tema que abrange o vosso, na ausência de trabalhos específicos), realizados no ISCSP, na UTL, no ISCTE, na FCSH, na Escola Superior de Comunicação Social, na Universidade de Coimbra, na Universidade do Porto, na Universidade do Minho e noutras Universidades e Politécnicos nacionais. Devem enviar-me a lista das referências bibliográficas encontradas e uma sinopse (1 parágrafo) sobre o que tratam. Até à 2ª semana de Outubro: Identifiquem artigos e livros sobre o tema. Leiam os principais. Devem enviar-me a lista das referências bibliográficas encontradas e uma sinopse (1 parágrafo) sobre o que tratam. Em função desta informação, irei aconselhar-vos sobre as leituras prioritárias e as dispensáveis.

11 Até final de Novembro: PRÉ-PROJECTO Até à 1ª semana de Novembro: Coloquem a(s) vossa(s) pergunta(s) de partida e os principais tópicos/hipóteses a explorar, para debatermos. Até à 2ª semana de Novembro: Leiam um livro de metodologia do princípio ao fim. Pode ser o de Diogo Moreira, o de Quivy e Campenhoudt, o de Umberto Eco, o de Creswell, o de Silverman...qualquer um que eu ache decente e que vocês achem interessante. Escrevam 1-2 páginas sobre as opções metodológicas que vos pareceram mais adequadas, fundamentando-as com o que leram nesse livro. Depois retomem as vossas actividades de pesquisa e leitura. Até à 3ª semana de Novembro: Enviem-me o que terão que apresentar em aula. Notem que deverão já ter a problemática definida. Não é obrigatório que formulem hipóteses; podem apresentar em alternativa objectivos de investigação. Calendário

12 Fim de Novembro: apresentação oral e entrega do projecto de investigação Para auxiliar a elaboração do projecto, eis algumas sugestões de conteúdos que o projecto deve conter. Trata-se de uma especificação meramente indicativa e, sempre que as haja, os alunos deverão seguir as recomendações do orientador. A. Artigo/ ensaio Apresentação oral do projecto (sumário) e entrega de um documento devidamente identificado (aluno e orientador) com os seguintes elementos: 1. Apresentação do tema, objectivos e hipóteses. 2. Apresentação dos principais conceitos. 3. Opções metodológicas. 4. Principais referências bibliográficas e fichas de leitura. B. Relatório de Estágio Apresentação oral do projecto (sumário) e entrega de um documento devidamente identificado (aluno e orientador) com os seguintes elementos: 1. Apresentação: empresa e actividades a desenvolver. 2. Objectivos do estágio; objectivos de análise da actividade e hipóteses. 3. Tarefas a desenvolver e método de trabalho prático e teórico. 4. Definição do plano de estágio.

13 Até à 2ª semana de Dezembro: DESENVOLVIMENTO DO PRÉ- PROJECTO Enviem 5 a 10 páginas escritas com o desenvolvimento do que entregaram na aula. Deverão: a)fazer uma Introdução, explicando porque escolheram o tema e o que gostariam de tratar/pesquisar/descobrir; b)fazer o enquadramento teórico, mencionando que trabalhos já existem sobre o vosso tema - comecem por Portugal e alarguem depois ao estrangeiro. Incluam livros, artigos e teses. Depois refiram e desenvolvam (considerando o limite de páginas) as teorias ou correntes que se aplicam à interpretação do vosso tema. Se já falaram com algum especialista sobre o vosso tema, apresentem ainda os principais resultados dessa(s) entrevista(s); c)em função do que já leram, deverão identificar e definir/operacionalizar os conceitos relevantes para o vosso trabalho; d)a seguir irão escolher o paradigma de investigação (vejam o livro do Creswell, p. ex.), a metodologia, a amostra e as técnicas de recolha de dados que irão utilizar; e)encerrem com a Bibliografia completa. Calendário

14 Até à 1ª semana de Janeiro: RELATÓRIO 1º SEMESTRE Deverá ter até 20 páginas (idealmente menos, para que o 2º Semestre possa ter "espaço" para os resultados que encontrarem). Neste relatório irão: melhorar / desenvolver o que escreveram até ao ponto anterior, analisar de forma crítica e sistemática a informação que já conseguiram recolher, propôr um desenho de pesquisa completo (amostra, questionário/guião, etapas e prazos de recolha, considerações éticas, etc.). Calendário

15 Para que o trabalho do 2º semestre corra de feição e possam terminar esta cadeira a tempo e horas: até final de Março: envio de guiões de entrevista/inquérito/grelhas de análise de conteúdo (quando aplicável) definitivos + desenho da pesquisa completo (com a definição e selecção da amostra e a explicação dos procedimentos de pesquisa a adoptar - vejam o livro de Creswell), para correcção; até final de Abril: conclusão do trabalho de campo (entrevistas/inquéritos/análise de conteúdo); até final de Maio: envio do trabalho final definitivo, para correcção. Se conseguirem completar etapas antes das datas indicadas, óptimo, poderão passar logo para a etapa seguinte.

16 LAST MINUTE: Revejam cuidadosamente a ortografia, a gramática, e o aspecto gráfico, antes de darem o trabalho por finalizado! Do sonho à realidade

17 Sempre que referirmos um texto que foi escrito/dito por alguém, deveremos citar o respectivo autor. É de evitar escrever longos parágrafos com informação factual ou opinativa sem citar as fontes/autores. Deverá ficar claro o que está a ser pensado/escrito por nós e o que foi pensado/escrito por outrem. Há duas formas principais de fazer citações no texto do relatório de Seminário (não dispensando nunca a criação do capítulo Bibliografia no final): Usando a nota de rodapé (que, na primeira menção ao autor, deverá conter a referência bibliográfica completa e nas menções seguintes a data e página). Usando o critério (data:página) – por exemplo: segundo Bourdieu (1979), a distinção... ou segundo Bourdieu (1979:197) a distinção.... Usa-se de igual modo ao longo de todo o texto. Se for escolhida a norma de citação portuguesa, usa-se a nota de rodapé. Se for escolhida a norma anglo-saxónica, o critério (data:página) é o mais adequado. O critério de citação deverá ser uniforme em todo o trabalho. CITAÇÕES E BIBLIOGRAFIA (1)

18 A citação faz-se usando o apelido do(s) autor(es). Não se discrimina títulos ou cargos, a menos que isso seja excepcionalmente relevante. Se a obra tiver mais do que dois autores, poderá abreviar-se a citação usando o apelido do primeiro autor, seguido de e outros ou et.al. (ex: segundo Bourdieu et.al., a distinção...) Se o mesmo autor tiver mais do que uma obra na mesma data, quando se estiver a citá-lo no texto deve atribuir-se um a aquela que aparecer primeiro na Bibliografia, um b à que aparecer a seguir e assim sucessivamente. Ex: segundo Bourdieu (1980b),.... Na Bibliografia, começamos sempre pela obra mais antiga de cada autor e vamos referindo as obras por ordem de datas, até à mais recente. Se estivermos a citar alguém que concedeu uma entrevista: Deveremos colocar em nota de rodapé a data da entrevista e, se aplicável, onde foi publicada. É vantajoso referir o cargo ou função dessa pessoa, para facilitar a compreensão. Sobre os sítios de internet a citar: Coloque-se o nome do autor (se o houver), depois por extenso o nome da entidade (ex: Instituto Nacional de Estatística), acrescente-se a hiperligação e finalmente a data da consulta (consultado a...). Leiam os textos de outros autores e reparem como as citações são feitas. CITAÇÕES E BIBLIOGRAFIA (2)

19 Sempre que possível, deveremos citar as páginas concretas nas quais o autor sustentou o que estamos a transcrever ou referir. É conveniente habituarmo-nos a tomar esse apontamento sempre que fazemos leituras. Deverá citar-se os números de página sempre que se citar texto "directo. Estas citações deverão estar entre aspas e em itálico. Ex: Para Bourdieu e Passeron (1964), de todos os factores de diferenciação a origem social seria sem dúvida aquela em que a influência se exerceria mais fortemente sobre o meio estudante: a origem social é, de todos os determinantes, a única que estende a sua influência a todos os domínios e a todos os níveis da experiência (1964:22). Leiam os textos de outros autores e reparem como as citações são feitas. CITAÇÕES E BIBLIOGRAFIA (3)

20 No final do relatório, deverão ter um capítulo dedicado à Bibliografia, onde todas as obras, artigos, revistas, sítios de internet e outras fontes que consultarem deverão constar. Para os sítios de internet, criem um subcapítulo próprio. As obras ordenam-se por ordem alfabética do sobrenome do autor. Para cada autor, as obras ordenam-se da data mais antiga para a data mais recente. As referências bibliográficas podem obedecer à norma portuguesa ou anglo-saxónica. NORMA PORTUGUESA: ALLEAU, René – A Ciência dos Símbolos. Lisboa: Edições 70, NORMA ANGLO-SAXÓNICA: ALLEAU, René (2001), A Ciência dos Símbolos, Lisboa, Edições 70 Podem usar a que quiserem, desde que sejam coerentes ao longo do vosso trabalho. Não se esqueçam de que terão que fazer as citações no texto de acordo com a norma escolhida. Leiam os textos de outros autores e reparem como as citações são feitas. CITAÇÕES E BIBLIOGRAFIA (4)

21 As referências obedecem a regras específicas: se a obra tiver um coordenador/organizador, se for um artigo de jornal ou revista, se for uma reedição de uma obra muito antiga, se estiver organizada em diferentes volumes ou se for uma edição online. Vejam os exemplos abaixo: ALLEAU, René – A Ciência dos Símbolos. Lisboa: Edições 70, (Edição francesa original: La Science dês Symboles. Paris: Payot, 1974.) ALMEIDA, Fortunato de – História da Igreja em Portugal. Vol. I. Porto: Portucalense Editora, BASTIDE, R. (coord) – Usos e Sentidos do termo estrutura. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, BERGSON, Henri - Les Deux sources de la morale et de la religion. 58e édition, Paris: Les Presses Universitaires de France, (http://www.uqac.ca/class/classiques/bergson_henri/deux_sources_morale/deux_sources_morale.html), consulta a 10/05/2006.http://www.uqac.ca/class/classiques/bergson_henri/deux_sources_morale/deux_sources_morale.html BOTELHO, Afonso; Teixeira, António Braz (coords.) – Filosofia da Saudade. Lisboa: Imprensa Nacional – Casa da Moeda, CORRÊA, A. A. Mendes - O mestiçamento nas colónias portuguesas. Lisboa: [s.e.], FRANCLIM, S. (org.) – dO Encoberto ou o Livro de D. Sebastião. Lisboa: Hugin, MARKALE, Jean – A Grande Deusa. Lisboa: Instituto Piaget, [original: La Grande Déesse. s.l.e: Éditions Albin Michel, 1997.] BARATA, Óscar Soares – O problema demográfico português. Separata da Revista Militar. Lisboa, n.º 5, 1970, 26 pp. Leiam os textos de outros autores e reparem como as citações são feitas. CITAÇÕES E BIBLIOGRAFIA (5)

22 Todas as ilustrações deverão ser numeradas. Ex: Estas ilustrações deverão ser referidas no texto pelo seu número (ex: como pode ver-se no Quadro 27,...). Deverão ser colocadas abaixo da primeira referência feita no texto, no máximo 2-3 parágrafos abaixo. Geralmente, colocam-se após um parágrafo de introdução/contextualização e antes das explicações mais detalhadas. Deverão mencionar sempre a FONTE e, se relevante, a DATA (abaixo da ilustração). Desejavelmente, deverão incluir um índice de ilustrações, a seguir ao índice principal do trabalho. Leiam os textos de outros autores e reparem como as referências são feitas. QUADROS, TABELAS, GRÁFICOS E FIGURAS


Carregar ppt "Orientadora: Raquel Ribeiro. Tudo começa com o vosso sonho. Que tema sempre quiseram estudar? De que gostam no vosso curso? Que área profissional gostariam."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google