A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Www.carlezzo.com.br Regulamento de Transferências de Jogadores da FIFA e nova Lei Pelé Protegendo o clube formador Campinas, 3 de junho de 2011.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Www.carlezzo.com.br Regulamento de Transferências de Jogadores da FIFA e nova Lei Pelé Protegendo o clube formador Campinas, 3 de junho de 2011."— Transcrição da apresentação:

1 Regulamento de Transferências de Jogadores da FIFA e nova Lei Pelé Protegendo o clube formador Campinas, 3 de junho de 2011

2 Artigo 19º – Proteção de Menores 1. As transferências internacionais de jogadores apenas serão permitidas se o jogador tiver mais de 18 anos.

3 Artigo 19º – Proteção de Menores 2. Aplicam-se a esta regra as três exceções seguintes: a) os pais do jogador passam a residir, por razões não relacionadas com o futebol, no país do novo clube; b) ou a transferência tem lugar dentro do território da União Européia (UE) ou do Espaço Econômico Europeu (EEE), e o jogador tem entre 16 e 18 anos. Neste caso, o Novo Clube tem de preencher as seguintes obrigações mínimas:

4 2. b) i. fornecer ao jogador educação e/ou formação futebolística adequada ao nível do mais elevado padrão nacional de qualidade; ii. garantir ao jogador uma educação ou formação acadêmica, escolar ou vocacional, para além da educação ou formação futebolística, que permita ao jogador seguir uma carreira para além do futebol, no caso de o mesmo deixar de jogar futebol profissional; Artigo 19º – Proteção de Menores

5 2. b) iii. tomar todas as medidas necessárias a garantir que o jogador seja tratado da melhor maneira possível (com um ótimo nível de vida junto de uma família de acolhimento ou num alojamento do clube, nomeação de um mentor no clube, etc.); iv. fornecer à respectiva Federação, no momento da inscrição do jogador, provas de que cumpri as obrigações acima referidas; Artigo 19º – Proteção de Menores

6 2. c) ou o jogador reside a uma distância não superior a 50 quilômetros da fronteira nacional, e o clube em que o jogador se pretende inscrever na Federação vizinha também se situa a menos de 50 quilômetros da fronteira. A distância máxima entre o domicílio do jogador e o clube é de 100 quilômetros. Neste caso, o jogador tem de continuar a residir em casa e as duas Federações têm de dar o seu consentimento explícito. Artigo 19º – Proteção de Menores

7 3. As condições do presente artigo aplicam-se igualmente a qualquer jogador que nunca tenha estado inscrito em qualquer clube e que não tenha a nacionalidade do país no qual pretende inscrever-se pela primeira vez. Artigo 19º – Proteção de Menores

8 4. Toda transferência internacional de acordo com o parágrafo n º 2 e todo primeiro registro de acordo com o parágrafo nº 3 está sujeita à aprovação da subcomissão designada pelo Estatuto dos Jogadores Comissão para esse fim. O pedido de homologação deve ser apresentado pela associação que pretende registrar o jogador. À antiga associação deve ser dada a oportunidade de apresentar a sua posição. A aprovação do sub-comitê tem que ser obtida antes de qualquer pedido de uma associação para um Certificado Internacional de Transferência e/ou um primeiro registro. Artigo 19º – Proteção de Menores

9 4. Qualquer violação desta disposição será sancionada pelo Comitê de Disciplina, em conformidade com o Código Disciplinar da FIFA. Artigo 19º – Proteção de Menores

10 INDENIZAÇÃO POR FORMAÇÃO (TRAINING COMPENSATION) A formação e educação de um jogador ocorrem entre os 12 e os 23 anos de idade. Regra geral, deverá ser paga compensação pela formação até à idade de 23 anos, considerando a formação até aos 21 anos, a não ser que seja evidente que o jogador tenha terminado o seu período de formação antes dos 21 anos. Neste último caso, a compensação deve ser paga até o jogador completar os 23 anos de idade, mas o cálculo do montante da compensação deve ser baseado nos anos entre os 12 e a idade em que for estabelecido que o jogador efetivamente terminou a sua formação.

11 INDENIZAÇÃO POR FORMAÇÃO (TRAINING COMPENSATION) A Compensação por Formação é devida: i) quando um jogador é inscrito pela primeira vez como Profissional; ii) ou quando um Profissional é transferido entre clubes de duas Associações diferentes (quer seja durante o contrato ou no final do mesmo) antes do final da temporada do seu 23.º aniversário.

12 INDENIZAÇÃO POR FORMAÇÃO (TRAINING COMPENSATION) A Compensação por Formação não é devida: i) se o Clube Anterior rescindir o contrato do jogador sem justa causa (sem prejuízo dos direitos dos clubes anteriores); ii) se o jogador for transferido para um clube de 4.ª categoria; iii) ou se um Profissional readquirir a condição de Amador ao ser transferido.

13 INDENIZAÇÃO POR FORMAÇÃO (TRAINING COMPENSATION) Quando um jogador é inscrito como Profissional pela primeira vez, o clube pelo qual o clube é inscrito é responsável pelo pagamento de Compensação por Formação, no prazo de 30 dias a partir da inscrição, a todos os clubes nos quais o jogador tenha estado inscrito (de acordo com o histórico fornecido no passaporte do jogador) e que tenham contribuído para a sua formação desde a temporada em que tinha 12 anos de idade.

14 INDENIZAÇÃO POR FORMAÇÃO (TRAINING COMPENSATION) O montante a pagar é calculado com base no tempo em que o jogador passou em cada clube. No caso de transferências posteriores do Profissional, só é devida Compensação por Formação ao seu Clube Anterior pelo tempo em que, efetivamente, recebeu formação por parte desse clube.

15 MECANISMO DE SOLIDARIEDADE (SOLIDARITY MECHANISM) Se um Profissional mudar de clube no curso de um contrato, 5% do valor de qualquer compensação paga ao Clube Anterior pela transferência será deduzida do valor total da compensação e distribuída pelo Novo Clube, como contribuição de solidariedade, aos clubes envolvidos na formação e educação do jogador ao longo dos anos. Esta contribuição de solidariedade será distribuída de acordo com o número de anos (calculado numa base percentual se for menos de um ano) que o jogador esteve inscrito em cada clube entre as temporadas do seu 12.º e 23.º aniversário, do seguinte modo:

16 MECANISMO DE SOLIDARIEDADE (SOLIDARITY MECHANISM) temporada do 12.º aniversário, 5% (i.e. 0,25% da compensação total) temporada do 13.º aniversário, 5% (i.e. 0,25% da compensação total) temporada do 14.º aniversário, 5% (i.e. 0,25% da compensação total) temporada do 15.º aniversário, 5% (i.e. 0,25% da compensação total) temporada do 16.º aniversário, 10% (i.e. 0,5% da compensação total) temporada do 17.º aniversário, 10% (i.e. 0,5% da compensação total) temporada do 18.º aniversário, 10% (i.e. 0,5% da compensação total) temporada do 19.º aniversário, 10% (i.e. 0,5% da compensação total) temporada do 20.º aniversário, 10% (i.e. 0,5% da compensação total) temporada do 21.º aniversário, 10% (i.e. 0,5% da compensação total) temporada do 22.º aniversário, 10% (i.e. 0,5% da compensação total) temporada do 23.º aniversário, 10% (i.e. 0,5% da compensação total)

17 MECANISMO DE SOLIDARIEDADE (SOLIDARITY MECHANISM) O Novo Clube deve pagar a contribuição de solidariedade ao(s) clube(s) formador(es) no prazo máximo de 30 dias após a inscrição do jogador ou, em caso de pagamentos parcelados, 30 dias após a data de tais pagamentos. É responsabilidade do Novo Clube calcular o montante da contribuição de solidariedade e a forma como deve ser distribuído de acordo com a carreira do jogador. O jogador deve, se necessário, apoiar o novo clube no cumprimento desta obrigação.

18 MECANISMO DE SOLIDARIEDADE Transferências nacionais Art. 29-A. Sempre que ocorrer transferência nacional, definitiva ou temporária, de atleta profissional, até 5% (cinco por cento) do valor pago pela nova entidade de prática desportiva serão obrigatoriamente distribuídos entre as entidades de práticas desportivas que contribuíram para a formação do atleta, na proporção de: (Incluído pela Lei nº , de 2011). I - 1% (um por cento) para cada ano de formação do atleta, dos 14 (quatorze) aos 17 (dezessete) anos de idade, inclusive; e II - 0,5% (meio por cento) para cada ano de formação, dos 18 (dezoito) aos 19 (dezenove) anos de idade, inclusive.

19 MECANISMO DE SOLIDARIEDADE Transferências nacionais § 1º Caberá à entidade de prática desportiva cessionária do atleta reter do valor a ser pago à entidade de prática desportiva cedente 5% (cinco por cento) do valor acordado para a transferência, distribuindo-os às entidades de prática desportiva que contribuíram para a formação do atleta. § 2º Como exceção à regra estabelecida no § 1o deste artigo, caso o atleta se desvincule da entidade de prática desportiva de forma unilateral, mediante pagamento da cláusula indenizatória desportiva prevista no inciso I do art. 28 desta Lei, caberá à entidade de prática desportiva que recebeu a cláusula indenizatória desportiva distribuir 5% (cinco por cento) de tal montante às entidades de prática desportiva responsáveis pela formação do atleta

20 MECANISMO DE SOLIDARIEDADE Transferências nacionais § 3º O percentual devido às entidades de prática desportiva formadoras do atleta deverá ser calculado sempre de acordo com certidão a ser fornecida pela entidade nacional de administração do desporto, e os valores distribuídos proporcionalmente em até 30 (trinta) dias da efetiva transferência, cabendo-lhe exigir o cumprimento do que dispõe este parágrafo.

21 COMPENSAÇÃO POR FORMAÇÃO Transferências nacionais § 4o O atleta não profissional em formação, maior de quatorze e menor de vinte anos de idade, poderá receber auxílio financeiro da entidade de prática desportiva formadora, sob a forma de bolsa de aprendizagem livremente pactuada mediante contrato formal, sem que seja gerado vínculo empregatício entre as partes. (Incluído pela Lei nº , de 2003)

22 COMPENSAÇÃO POR FORMAÇÃO Transferências nacionais § 2º É considerada formadora de atleta a entidade de prática desportiva que: I - forneça aos atletas programas de treinamento nas categorias de base e complementação educacional; e II - satisfaça cumulativamente os seguintes requisitos: a) estar o atleta em formação inscrito por ela na respectiva entidade regional de administração do desporto há, pelo menos, 1 (um) ano;

23 COMPENSAÇÃO POR FORMAÇÃO Transferências nacionais b) comprovar que, efetivamente, o atleta em formação está inscrito em competições oficiais; c) garantir assistência educacional, psicológica, médica e odontológica, assim como alimentação, transporte e convivência familiar; d) manter alojamento e instalações desportivas adequados, sobretudo em matéria de alimentação, higiene, segurança e salubridade;

24 COMPENSAÇÃO POR FORMAÇÃO Transferências nacionais e) manter corpo de profissionais especializados em formação tecnicodesportiva; f) ajustar o tempo destinado à efetiva atividade de formação do atleta, não superior a 4 (quatro) horas por dia, aos horários do currículo escolar ou de curso profissionalizante, além de propiciar-lhe a matrícula escolar, com exigência de frequência e satisfatório aproveitamento; g) ser a formação do atleta gratuita e a expensas da entidade de prática desportiva;

25 COMPENSAÇÃO POR FORMAÇÃO Transferências nacionais h) comprovar que participa anualmente de competições organizadas por entidade de administração do desporto em, pelo menos, 2 (duas) categorias da respectiva modalidade desportiva; e i) garantir que o período de seleção não coincida com os horários escolares.

26 COMPENSAÇÃO POR FORMAÇÃO Transferências nacionais § 6º O contrato de formação desportiva a que se refere o § 4o deste artigo deverá incluir obrigatoriamente: I - identificação das partes e dos seus representantes legais; II - duração do contrato; III - direitos e deveres das partes contratantes, inclusive garantia de seguro de vida e de acidentes pessoais para cobrir as atividades do atleta contratado; e IV - especificação dos itens de gasto para fins de cálculo da indenização com a formação desportiva

27 COMPENSAÇÃO POR FORMAÇÃO Transferências nacionais § 3º A entidade nacional de administração do desporto certificará como entidade de prática desportiva formadora aquela que comprovadamente preencha os requisitos estabelecidos nesta Lei.

28 COMPENSAÇÃO POR FORMAÇÃO Transferências nacionais § 5º A entidade de prática desportiva formadora fará jus a valor indenizatório se ficar impossibilitada de assinar o primeiro contrato especial de trabalho desportivo por oposição do atleta, ou quando ele se vincular, sob qualquer forma, a outra entidade de prática desportiva, sem autorização expressa da entidade de prática desportiva formadora, atendidas as seguintes condições:

29 COMPENSAÇÃO POR FORMAÇÃO Transferências nacionais I - o atleta deverá estar regularmente registrado e não pode ter sido desligado da entidade de prática desportiva formadora; II - a indenização será limitada ao montante correspondente a 200 (duzentas) vezes os gastos comprovadamente efetuados com a formação do atleta, especificados no contrato de que trata o § 4o deste artigo;

30 COMPENSAÇÃO POR FORMAÇÃO Transferências nacionais III - o pagamento do valor indenizatório somente poderá ser efetuado por outra entidade de prática desportiva e deverá ser efetivado diretamente à entidade de prática desportiva formadora no prazo máximo de 15 (quinze) dias, contados da data da vinculação do atleta à nova entidade de prática desportiva, para efeito de permitir novo registro em entidade de administração do desporto.

31 DIREITO DE PREFERÊNCIA PARA A RENOVAÇÃO DE CONTRATO § 7º A entidade de prática desportiva formadora e detentora do primeiro contrato especial de trabalho desportivo com o atleta por ela profissionalizado terá o direito de preferência para a primeira renovação deste contrato, cujo prazo não poderá ser superior a 3 (três) anos, salvo se para equiparação de proposta de terceiro.

32 DIREITO DE PREFERÊNCIA PARA A RENOVAÇÃO DE CONTRATO § 8º Para assegurar seu direito de preferência, a entidade de prática desportiva formadora e detentora do primeiro contrato especial de trabalho desportivo deverá apresentar, até 45 (quarenta e cinco) dias antes do término do contrato em curso, proposta ao atleta, de cujo teor deverá ser cientificada a correspondente entidade regional de administração do desporto, indicando as novas condições contratuais e os salários ofertados, devendo o atleta apresentar resposta à entidade de prática desportiva formadora, de cujo teor deverá ser notificada a referida entidade de administração, no prazo de 15 (quinze) dias contados da data do recebimento da proposta, sob pena de aceitação tácita.

33 DIREITO DE PREFERÊNCIA PARA A RENOVAÇÃO DE CONTRATO § 9º Na hipótese de outra entidade de prática desportiva resolver oferecer proposta mais vantajosa a atleta vinculado à entidade de prática desportiva que o formou, deve-se observar o seguinte: I - a entidade proponente deverá apresentar à entidade de prática desportiva formadora proposta, fazendo dela constar todas as condições remuneratórias; II - a entidade proponente deverá dar conhecimento da proposta à correspondente entidade regional de administração; e III - a entidade de prática desportiva formadora poderá, no prazo máximo de 15 (quinze) dias, a contar do recebimento da proposta, comunicar se exercerá o direito de preferência de que trata o § 7o, nas mesmas condições oferecidas.

34 DIREITO DE PREFERÊNCIA PARA A RENOVAÇÃO DE CONTRATO § 10. A entidade de administração do desporto deverá publicar o recebimento das propostas de que tratam os §§ 7o e 8o, nos seus meios oficiais de divulgação, no prazo de 5 (cinco) dias contados da data do recebimento.

35 DIREITO DE PREFERÊNCIA PARA A RENOVAÇÃO DE CONTRATO § 11. Caso a entidade de prática desportiva formadora oferte as mesmas condições, e, ainda assim, o atleta se oponha à renovação do primeiro contrato especial de trabalho desportivo, ela poderá exigir da nova entidade de prática desportiva contratante o valor indenizatório correspondente a, no máximo, 200 (duzentas) vezes o valor do salário mensal constante da proposta.

36 CONTRATOS ENTRE AGENTES E ATLETAS Art. 27-C. São nulos de pleno direito os contratos firmados pelo atleta ou por seu representante legal com agente desportivo, pessoa física ou jurídica, bem como as cláusulas contratuais ou de instrumentos procuratórios que: III - restrinjam a liberdade de trabalho desportivo; VI - versem sobre o gerenciamento de carreira de atleta em formação com idade inferior a 18 (dezoito) anos.

37 OBRIGADO PELA ATENÇÃO E PACIÊNCIA!!!!!!!!


Carregar ppt "Www.carlezzo.com.br Regulamento de Transferências de Jogadores da FIFA e nova Lei Pelé Protegendo o clube formador Campinas, 3 de junho de 2011."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google