A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Profª:Letícia Lazarini de Abreu MODIFICAÇÕES DA DIETA NORMAL POR QUE ? a) possibilitar a recuperação do paciente no menor tempo possível b) evitar a desnutrição.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Profª:Letícia Lazarini de Abreu MODIFICAÇÕES DA DIETA NORMAL POR QUE ? a) possibilitar a recuperação do paciente no menor tempo possível b) evitar a desnutrição."— Transcrição da apresentação:

1 Profª:Letícia Lazarini de Abreu MODIFICAÇÕES DA DIETA NORMAL POR QUE ? a) possibilitar a recuperação do paciente no menor tempo possível b) evitar a desnutrição durante a internação c) manter as reservas de nutrientes no organismo d) adequar a ingestão de energia, macro e micro nutrientes as necessidades nutricionais COMO ? a) adequando a prescrição: - condições físicas e emocionias do paciente; - as necessidades nutricionais segundo: idade, sexo, doença, estado nutricional, hábitos, preferências alimentares, apetite, dentição, via de administração da alimentação. b) trabalhando a integração da equipe multidisciplinar

2 MODIFICAÇÕES CONSISTÊNCIA OU VOLUME geral branda pastosa mastigação / deglutição leve distúrbios gastrointestinais líquida intervenções cirúrgicas líquida via oral preparações de exames a) QUALIDADE E QUANTIDADE DE NUTRIENTES b) CONTEÚDO ENERGÉTICO

3 INDICAÇÕES E CARACTERÍSTICAS DAS DIETAS HOSPITALARES DIETASINDICAÇÕESCARACTERÍSTICAS Geral ou normal Pacientes cuja condição clínica não exige modificação em nutrientes e consistência da dieta. Sem nenhuma restrição, deve preencher todos os requisitos de uma dieta equilibrada. BrandaPacientes com problemas mecânicos de ingestão e digestão que impeçam a utilização da dieta geral. É usada como transição para a dieta geral. É restrita em frituras e alimentos crus, exceto os de textura macia. O tecido conectivo e a celulose estão abrandados por cocção ou ação mecânica, facilitando a mastigação e a digestão. PastosaPacientes com dificuldade de mastigação e deglutição, em alguns pós-operatórios, casos neurológicos, insuficiência respiratória, diarréias. Os alimentos devem estar em forma de purê, mingau, batidos ou triturados, exigindo pouca mastigação e facilitando a deglutição. LevePacientes com dificuldade de mastigação e deglutição, em casos de afecções do trato digestório, em determinados preparos de exames, em pré e pós-operatórios. Utiliza preparações líquidas e pastosas associadas, de fácil digestão, mastigação e deglutição. LíquidaPacientes com dificuldade de mastigação e deglutição, em casos de afecções do trato digestório, em determinados preparos de exames, em pré e pós-operatórios. Utiliza alimentos de consistência líquida na temperatura ambiente, que produzem poucos resíduos e são de fácil digestão.

4 DIETAS DE ROTINA HOSPITALAR DIETA GERAL VCT: 2000 – 2500 Kcal DIETA BRANDA VCT: 1800 – 2000 Kcal DIETA PASTOSA VCT: 1800 – 2000 Kcal DIETA LEVE VCT: 1500 – 1800 Kcal DIETA LÍQUIDA VCT: 1300 – 1500 Kcal DESJEJUM Café com leite Pão com margarina Laranja DESJEJUM Café com leite Pão com margarina Mamão DESJEJUM Café com leite Mingau Mamão DESJEJUM Café com leite Biscoito tipo Maizena Mamão DESJEJUM Café com leite Mingau COLAÇÃO Suco de frutas COLAÇÃO Suco de frutas ALMOÇO Arroz Feijão Bife Cenoura refogada Salada de alface Banana Suco ALMOÇO Arroz Caldo de feijão Carne cozida Cenoura refogada Banana Suco ALMOÇO Arroz pastoso Caldo de feijão Carne moída Purê de cenoura Doce de banana Suco ALMOÇO Sopa de cereais e hortaliças com carne Doce de banana Suco ALMOÇO Sopa liquidificada Gelatina Suco LANCHE Café com leite Pão com margarina LANCHE Café com leite Pão com margarina LANCHE Mingau LANCHE Mingau LANCHE Vitamina de frutas JANTAR Arroz Feijão Frango assado Couve refogada Salada de beterraba Abacaxi Suco JANTAR Arroz Caldo de feijão Frango cozido Chuchu refogada Salada de beterraba Pudim Suco JANTAR Arroz pastoso Caldo feijão Frango desfiado Purê de abóbora Pudim Suco JANTAR Canja Pudim Suco JANTAR Sopa liquidificada Gelatina batida com creme de leite Suco CEIA Chá Bolacha CEIA Chá Bolacha CEIA Chá Bolacha CEIA Chá Bolacha CEIA Mingau

5 QUALIDADE E QUANTIDADE Restrição – renal crônico, cardiopata (ICC) Água Reposição - diarréia, vômitos, transpiração Dieta geral 2500 Kcal (900 ml intrínseco) Hiperproteica – queimados (2g/kg) Proteínas Hipoproteica – renal crônico e hepatopata (0,6g/kg) 0,8g/kg Gorduras Hipogordurosa – dislipidemias, esteatose hepática Carboidratos Intolerância à lactose, Diabetes Mellitus

6 Dieta geral – 4000mg Na + 10 g de sal Dieta hipossódica – 1400mg Na + 2 g de sal Mine rais Resíduo s e Fibras Na + – hipertensão K + – renal crônico – limitar alimentos ricos em K + (feijão, leite, frutas e hortaliças) resíduo – massa que permanece no trato gastrointestinal após a digestão Diverticulite, colite, diarréias evitar: leite, açúcar, carnes gordurosas, condimentos, frutas e hortaliças fibras – solúveis – Diabetes Mellitus e dislipidemia ( pectina, lignina e gomas -frutas, leguminosas, aveia) insolúveis – Obstipação (celulose, hemicelulose - folhas verdes, cereais integrais)

7 MANUAL DE DIETAS INFORMAÇÕES PRÁTICAS SOBRE DIETAS NORMAIS E MODIFICADAS: -horário das refeições; -porção dos alimentos; -padronização da nomenclatura da dieta; -fluxo de coleta da prescrição dietética; -suplementação alimentar disponível; -via de administração dos alimentos; - composição básica dos alimentos


Carregar ppt "Profª:Letícia Lazarini de Abreu MODIFICAÇÕES DA DIETA NORMAL POR QUE ? a) possibilitar a recuperação do paciente no menor tempo possível b) evitar a desnutrição."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google