A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Www.ourofino.com 1 Treinamento de Produtos Departamento Técnico Saúde Animal.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Www.ourofino.com 1 Treinamento de Produtos Departamento Técnico Saúde Animal."— Transcrição da apresentação:

1 1 Treinamento de Produtos Departamento Técnico Saúde Animal

2 2 Manejo ruminal para melhor desempenho zootécnico e retorno econômico Probios Precise ®

3 3 PRODUTIVIDADE animal nutrição ambiente

4 4 Percentual de doenças em rebanhos leiteiros (2007)

5 5

6 6 Acidose ruminal - SARA

7 7 DEFINIÇÃO Causada pela ingestão exagerada de alimentos hiperglucídicos (amido ou açúcares); Leva a uma queda do pH por excessiva produção de ácido láctico ou AGVs no rúmen; Gera acidose ruminal e anorexia e em casos graves acidose sistêmica, desidratação que pode levar à morte;

8 8 MORBIDADE (1 a 50%): -manejo; -dietas. MORTALIDADE: -surtos – forma aguda!!! - 2 a 20%; LETALIDADE: Não tratados 90% Tratados 10 a 20% Epidemiologia - SARA

9 9

10 10

11 11 AGV CONCÁCIDOS(mM/L) tempo (h) tempo (h) 7,06,05,04,0 pHSucoRúmen AGVs Ac. Láctico

12 12 AGV OSMOLARIADERUMINAL(mOsm/L) tempo (h) tempo (h) Alimentação Normal Acidose Láctica ACIDOSE POR AGVs

13 13 MICROBIOTA RUMENAL % microbiota rumenal SÓ FORRAGEM 70/30% 50/50% ALR GRAM(-) GRAM (+) Volumoso: concentrado

14 14 Quantidade de [ ] ingerido x Grau de SARA M Animal não adaptado 360kg Animal adaptado 400kg S L L M S Kg/ [ ]

15 15 Erro na distribuição do alimento; Introdução de bovinos não adaptados em lotes adaptados; Competição pela comida; Entrada em depósito ração. RAÇÃO, RAÇÃO e RAÇÃO Fatores determinantes da SARA

16 16 Trigo Aveia Arroz Milho Sorgo Polpa Cítrica Ração Velocidade de fermentação do amido Floco cozido Umidificado (32 – 36%) Moído fino Prensado Inteiro MAIOR MENOR

17 17 Amido Fermentação rumenal AGVs Ácido propiônicoÁcido acéticoÁcido butírico pH Produção ácido láctico Morte da microbiota ruminal Streptococcus bovis Lactobacillus sp. Acidose ruminal PATOGENIA

18 18 ácido láctico no rúmen Absorvido para corrente sanguínea, dissociando em lactato e H + Acidose sistêmica Lactato + HCO 3

19 19 VECHIATO, 2009 Conseqüências...

20 20 ACÚMULO DE ÁCIDOS PRODUZIDOS NO RÚMEN

21 21 Acidose Ruminal Sub-aguda (SARA) Rúmen normal (capacidade absortiva normal) SARA (capacidade absortiva reduzida)

22 22 Acidose - complicações Saccharomyces cerevisae

23 23

24 24 Ruminite – abscesso hepático – broncopneumonia Fator de risco VECHIATO, 2009 EnfermidadeFR Ruminite x abscesso hepático12,67x Ruminite x broncopneumonia5,8x Broncopneumonia x abscesso hepático17,81x Conseqüências... VECHIATO, 2009.

25 animais avaliados: 11,88% lesão PREJUÍZO GDP de 60g/dia ou 6kg em 100 dias de confinamento animais avaliados: 3,29% lesão PREJUÍZO GDP de 11% GDP ou 9,7% na C.A. ou 44 dias a mais de confinamento 759 animais avaliados: 8,3% lesão PREJUÍZO GDP de g/animal/dia ou 5 – 20kg em 100 dias de confinamento ESTUDO VECHIATO (2009)

26 26

27 27 Conseqüências kg/dia - 20kg/10dia - 60kg/mês... R$ leite x 60 = R$ ____/vaca/mês

28 28 Sinais clínicos Anorexia; Apatia e depressão; Atonia ruminal; Síndrome desidratação; Acidose ruminal e sistêmica; Diarréia profusa; Decúbito e coma; Morte.

29 29 Acidose – sintomatologia Saccharomyces cerevisae

30 30 SARA

31 31 MORTE SÚBITA

32 32 COMO COLETAR SUCO RUMINAL ?

33 33 COMO COLETAR SUCO RUMINAL ?

34 34 COMO COLETAR SUCO RUMINAL ?

35 35 Acidose Saccharomyces cerevisae Atentar-se para as medidas de controle!!! Adaptação gradativas às dietas ricas em concentrado Respeitar a proporção concentrado:volumoso Evitar estresse calórico Evitar partículas muito pequenas Uso de aditivos

36 36 Probióticos Lactobacillus sp. Enterococcus sp. Saccharomyces cerevisae

37 37 Benefícios dos probióticos Estabilização do rúmen Adaptação para novas dietas Melhora a conversão alimentar Auxilia na digestão Maior ganho de peso Leveduras fonte de vitaminas, aminoácidos e proteínas

38 38 Efeitos do uso de probiótico na alimentação de vacas leiteiras Produção de leite Fonte: NUPEEC - UFPel

39 39 Efeitos do uso de probiótico na alimentação de vacas leiteiras Ingestão de matéria seca Fonte: NUPEEC - UFPel

40 40 Efeitos do uso de probiótico na alimentação de vacas leiteiras Digestão in situ de silagem de milho Fonte: NUPEEC - UFPel

41 41 Efeitos do uso de probiótico na alimentação de vacas leiteiras Digestão in situ de feno Fonte: NUPEEC - UFPel

42 42 Efeitos do uso de probiótico na alimentação de vacas leiteiras IMS durante o periparto, produção e composição do leite Fonte: NUPEEC - UFPel

43 43 Probios® Precise Alimentação de vacas leiteiras Controla os níveis de ácidos no rúmen Aumento da produção diária de leite PROBIOS® PRECISE Composição Enterococcus faecium Saccharomyces cerevisiae Consumo diário de 2g/animal/dia apenas!

44 44 v

45 45

46 46 Modo de ação – E. faecium Fonte: C. Hansen

47 47 Modo de ação – S. cerevisiae Fonte: C. Hansen

48 48 Fonte: C. Hansen PROBIOS® PRECISE

49 49 Benefícios

50 50 Benefícios

51 51 AÇÃOBENEFÍCIO Melhora digestibilidade de FDN Aumenta consumo de 5 a 6kg/MS/dia Maior utilização de nutrientes consumidos % Maior produtividade animal Melhora perfil metabólicoReduz incidência de doenças PROBIOS® PRECISE

52 52 Consumo diário de 2g/animal/dia PROBIOS® PRECISE

53 53 PROBIOS® PRECISE

54 54 PROBIOS® PRECISE ao mês/fazenda = 72 Litros/ano

55 55

56 56

57 57 Sucesso a todos Obrigado!


Carregar ppt "Www.ourofino.com 1 Treinamento de Produtos Departamento Técnico Saúde Animal."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google