A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

COLETA DE DADOS.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "COLETA DE DADOS."— Transcrição da apresentação:

1 COLETA DE DADOS

2 COLETA DE DADOS Processo que permite a obtenção de dados que, através de uma metodologia de análise específica, fornecem bases factuais para a tomada de decisão. Consiste em registrar eventos de forma organizada num determinado período. É caracterizada como uma das etapas mais críticas do processo de solução de problema ou de pesquisa, pois se não realizada corretamente comprometerá toda análise que virá a seguir.

3 QUANDO UTILIZAR: Deve ser feita em todas as fases do processo de análise e solução de problemas. Não há necessidade de usar sempre dados novos, pode-se utilizar dados já existentes para analisar problemas atuais, ou mesmo para comparar as informações atuais com as já existentes. O coletor dos dados deverá ser pessoas que conheçam o processo e estejam bem treinadas e orientadas a respeito da tarefa de coletar dados, a fim de diminuir a chance de erro no levantamento. Um dado ruim é pior do que não ter nenhum dado.

4 Erros mais freqüentes: Selecionar amostras tendenciosas, falta de objetividade na definição do dado a ser observado, colher dados insuficientes ou em demasia, erros na transcrição, Como coletar? Por meio de questionários, folhas de verificação, check list, relatórios existentes. Não esquecer de definir a freqüência das observações, local, responsável, se é por amostragem ou não.

5 COMO FAZER: Os seguintes aspectos deverão ser considerados para que as informações sejam confiáveis: 1º.Defina o objetivo – estabeleça um plano de ação coerente, direcione adequadamente as atividades. 2º.Formule perguntas – objetivas e contenham as informações necessárias ao planejamento das atividades. 3º.Defina a quantidade e o tamanho da amostra de dados – a formulação de perguntas deve considerar o tipo de técnica estatística necessária para gerar informações confiáveis.

6 4º.Defina os pontos para coleta dos dados – identifique os pontos mais críticos onde a coleta possa proporcionar dados mais representativos. 5º.Elabore a folha de verificação e as instruções – de forma estruturada para facilitar as anotações dos dados coletados. 6º.Determine a frequência para a coleta de dados – em função do objetivo e do resultado pretendido. Estabeleça uma periodicidade: diária, semanal, mensal. 7º.Escolha o coletor de dados – lembrando: “ nenhuma medida é melhor do que aquele que a realiza”.

7 8º.Treine o coletor – confirmada a eficiência do formulário, treine o coletor no seu preenchimento e nos aspectos relacionados as dificuldades inerentes ao processo de coleta. 9º.Realize a coleta – de posse da folha de verificação e instruções realize a coleta dentro do planejado. Não se esqueça que os processos são dinâmicos, exigindo uma constante adaptação.

8 FOLHA DE CONTROLE DE PROCESSO FORMULÁRIO DE PESQUISA
x x x x x x x x x / / / / / / / x x x x x x x x / / / / / / / / / / / / / / x x x x x x x / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / FORMULÁRIO DE PESQUISA Perguntas S N x x x x x x x ? X x x x x x x x x ? x x x x x x x x x x x x x x x x ? x x x x x x x x x ?

9 ANÁLISE DE PARETO

10 ANÁLISE DE PARETO Abordagem estatística que permite, através de uma representação gráfica específica, a identificação dos aspectos relevantes relacionados à qualidade. É necessário definirmos duas características de dados: dados na forma de variáveis e dados na forma de atributos. Exemplo: atributos são dados na forma de características: nossa vendas no mês de fevereiro foram ótimas. Variáveis são dados numéricos: nossas vendas no mês de fevereiro foram de R$ ,00. Daí podemos concluir que se necessitamos de precisão de dados utilizamos os dados na forma de variáveis, caso a precisão não seja tão importante, usamos atributos.

11 É usado para mostrar por ordem de importância, a contribuição de cada item para o efeito total. Para classificar oportunidades para a melhoria. É uma técnica gráfica simples para a classificação de itens desde os mais até os menos freqüentes. Ele é baseado no Princípio de Pareto, que declara que muitas vezes apenas alguns itens são responsáveis pela maior parte do efeito. É um gráfico de barras verticais que associa dados variáveis com dados na forma de atributos permitindo determinar quais problemas ou assuntos resolver e qual a sua ordem de prioridade. Os dados utilizados foram reportados numa Lista de Verificação ou em uma outra fonte de coleta de dados, concentra a nossa atenção e esforços para problemas ou assuntos verdadeiramente importantes (separa o importante do trivial).

12 Quando utilizar: Definição de projetos de melhoria:
Identificação das principais fontes de custo; Identificação das principais causas que afetam um processo; Escolha do projeto de melhoria a ser desenvolvido na empresa. Análise de custo de projetos: Identificação da distribuição de recursos por projetos; Identificação de áreas prioritárias para investimento.

13 COMO FAZER: 1º.Identifique o problema – de acordo com o tipo: não-conformidades, causas, áreas de produção, unidades fabris... 2º.Quantifique os valores para cada categoria – isso permitirá a comparação e seleção daquelas que tem maior peso. 3º.Liste as categorias em ordem decrescente – para facilitar a compreensão da análise. 4º.Calcule a freqüência relativa e acumulada para cada categoria – Fr = nº de ocorrência na categoria nº total de ocorrências

14 5º.Construa um gráfico de colunas – para cada categoria, definida no eixo horizontal construa um coluna. O eixo vertical indicará por exemplo o nº de itens defeituosos ou custo. 6º.Construa um gráfico de linha – a contribuição acumulativa das categorias deverá ser mostrada no eixo vertical direito, no qual constará a frequencia acumulada (%).

15 Exemplo: Numa central telefônica de uma grande empresa, havia a sensação de saturação do sistema utilizado. Para melhor representar o que ocorria foi realizado um acompanhamento com as telefonistas que teriam que responder aos problemas, em que números ocorriam e lançá-los na Lista de Verificação. Tipo de Defeito Nº. de Ocorrências % Acumulado 1 Linha ruidosa 250 49 2 Linha aberta 110 70 3 Alarme 85 86 4 Não responde 45 95 5 Não toca 25 100 Total Geral 515

16

17 Aplicação: Uma editora realizou um estudo para identificar as principais não-conformidades do processo de produção literária, que vinham se tornando o motivo de reclamações por parte dos leitores. Foi considerado, para efeito da análise, uma amostra de cinco livros de uma edição de suspense, escrita por um autor inglês, e que teve grande divulgação.

18 Não-conformidades no livro de suspense
Tipo de NC Contagem Total Legendas trocadas / / / / / / / / / / / 13 Página rasgada / / / 3 Erros de tradução / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / 32 Numeração errada das páginas / / 2 Manchas na capa / / / / / / 6 Páginas em branco / 1 Figuras trocadas / / / / 4 61

19 Freqüência Acumulada %
Planilha de apuração Não-Conformidade Freqüência Relativa % Freqüência Acumulada % Erros de tradução 52,5 Legendas trocadas 21,3 73,8 Manchas na capa 9,8 83,6 Figuras trocadas 6,6 90,2 Página rasgada 5,0 95,2 Numeração errada das páginas 3,2 98,4 Páginas em branco 1,6 100,0


Carregar ppt "COLETA DE DADOS."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google