A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS CENTRO DE DESENVOLVIMENTO E TECNOLOGIA GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA DISCIPLINA DE ENGENHARIA TECIDUAL PROFESSORA FERNANDA.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS CENTRO DE DESENVOLVIMENTO E TECNOLOGIA GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA DISCIPLINA DE ENGENHARIA TECIDUAL PROFESSORA FERNANDA."— Transcrição da apresentação:

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS CENTRO DE DESENVOLVIMENTO E TECNOLOGIA GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA DISCIPLINA DE ENGENHARIA TECIDUAL PROFESSORA FERNANDA NEDEL CLONAGEM FERNANDO LOPEZ ALVEZ VICTOR FONSECA Pelotas, 2011

2 C LONAGEM É um processo de reprodução assexuada que resulta na obtenção de cópias geneticamente idênticas de um mesmo ser vivo. Microorganismo, vegetal ou animal.

3 C LONAGEM Natural Induzida

4 C LONAGEM Natural

5 C LONAGEM Induzida: Celular (Terapêutica) Reprodutiva (Organismos)

6 C LONAGEM I NDUZIDA

7 Terapêutica Técnica de SCNT; Isolamento das células no estágio de blastocisto; Cultivo das células tronco embrionárias; Utilização: Desenvolvimento de estudos humanos; Tratamento de doenças.

8 C LONAGEM I NDUZIDA Terapêutica Blastocisto Humano Colônia de células tronco embrionárias de humano, em feeder layer de fibroblasto embrionário de camundongo

9 C LONAGEM I NDUZIDA Reprodutiva SCNT; Eletrofusão; Formação do embrião; TE (Transferência de Embrião); Taxa de nascimento 2,5%; Bipartição de embrião (estágio 6-8 células).

10 C LONAGEM R EPRODUTIVA

11 Dolly Primeiro mamífero clonado a partir de uma célula adulta; Roslin Institute – Escócia; Importância na reprogramação; 237 oócitos – 29 embriões – 3 cordeiros – Dolly; DNA mitocondrial (incompatibilidade); Telômeros; Morte da Dolly devido à infecção respiratória.

12 C LONAGEM R EPRODUTIVA Dolly

13 C LONAGEM R EPRODUTIVA Lista de Animais Clonados Girino1952 Carpa1963 Camundongo1986 Ovelha1996 Macaco Rhesus2000 Gaur (Boi Selvagem)2001 Vaca2001 / 2005 (Brasil) Gato2001 Rato2003 Mula2003 Égua2003 Cão2005 Búfalo2009 Camelo2009

14 R EPROGRAMAÇÃO A célula doadora deve adotar os parametros de ciclo celular de um zigoto, como: A. Replicação do DNA; B. Condensação cromossômica; C. Padrões embriônicos de replicação e transcrição de DNA.

15 F ATORES QUE AFETAM REPROGRAMAÇÃO Trichostatina A (TSA) é um composto orgânico que inibir seletivamente as deacetilases I e II de histonas mamíferas (HDAC). A. Sincronia do ciclo celular da célula doadora com as celulas receptoras. B. Origem tecidual da célula doadora, o número de passgens e as condições do meio de cultura. C. Transferência de células com baixo nível de marcadores epigenéticos. D. Modificando marcadores epigenéticos com drogas.

16 S ERUM STARVATION Diminuição de soro no meio de cultura – ou sua ausência – induzem quiescência das células e obriga elas a pararem no estágio de G0. Alguns autores discutem a necessidade de indução para G0, pois células em estpagio G1 produziram animais.

17 T IPOS DE CÉLULAS DOADORAS A. Células epiteliais mamárias; B. Células do cumulus; C. Fibroblasto da pele e outros tecidos; D. Células de Sertoli. Todavia não há um consenso de qual seria a célula doadora ideal para realizar-se a técnica.

18 E FEITO DE PASSAGENS Células que sofreram passagens – até 15 – puderam ser utilizadas para produção de clones. Células de fetos ou animais jovens são mais eficientes para transferência nuclear.

19 B ENEFÍCIOS A. Produção de transgênicos; B. Proteção de espécies ameaçadas de extinção; C. Produção de tecidos para xenotransplante.

20

21

22

23

24 O BRIGADO.


Carregar ppt "UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS CENTRO DE DESENVOLVIMENTO E TECNOLOGIA GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA DISCIPLINA DE ENGENHARIA TECIDUAL PROFESSORA FERNANDA."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google