A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Professora: Silvia Aparecida Medeiros Rodrigues

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Professora: Silvia Aparecida Medeiros Rodrigues"— Transcrição da apresentação:

1 Professora: Silvia Aparecida Medeiros Rodrigues

2 Filosofia da Educação: elucidações e articulações. Os filósofos pensadores. Novos paradigmas e a educação. A escola hoje: a modernidade e a pós-modernidade. Filosofia e o cotidiano

3 LUCKESI, C. C. Filosofia da educação. São Paulo: Cortez, _____. Filosofia da Educação. 2.ed. São Paulo: Moderna, 1996 SAVIANI, D. Filosofia da educação brasileira. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, Bibliografia Complementar: PIAGET, J. Para onde vai a educação. Rio de Janeiro: José Olympio, SAVIANI, D. Educação. São Paulo: Autores Associados, 2000.

4

5 O que é conhecimento ?

6 ... É a compreensão inteligível da realidade, que o sujeito humano adquire através de sua confrontação com essa mesma realidade. Realidade exterior - adquire - realidade interior ( forma abstrata pensada) Elucidar a realidade

7 Nossa incapacidade de trabalhar com determinados objetos decorre, fundamentalmente, de nossa ignorância sobre eles e sobre os recursos a serem utilizados em sua transformação O conhecimento não pode ser confundido com o processo de decorar informações, para repetir em provas

8 Investigação direta da realidade Exposição dos conhecimentos já produzidos e apresentados por seus autores

9 Para se ter um conhecimento adequado da mesma: Pensar sobre a essência e a aparência Crítica ao senso comum Entendimento do que de fato é verdadeiro Para enfrentar a realidade: Não tomar a parte pelo todo Não tomar o particular pelo universal Não se pode esquecer que o passado se faz presente

10 Entendimento da realidade através do entendimento exposto pelo pesquisador ( pelos filósofos pensadores) Conhecimento direto- sujeito do conhecimento e objeto conhecido Conhecimento indireto- sujeito do conhecimento e objeto conhecido através do investigador.

11 A maior parte do conhecimento que cada um de nós detém foi adquirida a partir da exposição de um pensador ou pesquisador. As duas formas de conhecimento estão articuladas: não há como produzir conhecimento direto da realidade sem se dedicar a uma assimilação crítica dos conhecimentos anteriormente estabelecidos

12 Conhecimento, na maior parte das vezes, significa para a escola transmissão e retenção de informação Há ocasiões em que os professores selecionam os textos mais complicados de entendimento para que os alunos se debrucem mais sobre eles que sobre a realidade que os textos pretendem apresentar e desvendar

13 Essas distorções dificultam o processo de ensino e aprendizagem O conhecimento escolar só poderá vir a ser um conhecimento significativo e existencial na vida dos cidadãos se ele chegar a ser incorporado pela compreensão, exercitação e utilização criativa.

14 Tendências e Correntes da Educação Brasileira

15 Concepção humanista tradicional; Concepção humanista moderna; Concepção analítica; Concepção dialética

16 Filosofia da educação como processo: Precisamos entender a Filosofia da Educação como uma reflexão (radical, rigorosa e de conjunto) sobre os problemas que a realidade educacional apresenta

17 Filosofia da Educação como produto O autor utiliza-se para tal acepção ideologia como orientação da ação e não como falsa consciência Os dois processos estão intimamente relacionados

18 Visão essencialista de homem. O homem é constituído por uma essência imutável, cabendo a educação conformar-se à essência humana ( tomismo e do neotomismo) Duas vertentes: - Vertente religiosa – raízes na idade média - Vertente leiga _ instrumento de consolidação da hegemonia burguesa( sistemas públicos de ensino – obrigatório e gratuito)

19 Visão de homem centrada na existência, na vida, na atividade. A existência precede a essência. A natureza humana é mutável determinada pela existência. ( Pragmatismo, Vitalismo, Historicismo, Existencialismo, Fenomenologia)

20 Primeiro: Em vez de se considerar a educação como processo continuado, obedecendo a esquemas predefinidos, seguindo uma ordem lógica, considera-se que a educação segue um ritmo vital que é variado. Predominância do psicológico sobre o lógico; Segundo: momentos educativos são considerados raros, passageiros, instantâneos. Acontecem independentes da vontade e da preparação.

21 Não pressupõe uma visão de homem nem um sistema filosófico; Pretende que a tarefa da filosofia da educação é efetuar uma análise lógica da linguagem educacional O significado de uma só palavra pode ser determinado em função do contexto linguístico e não do contexto sócioeconômico ou político

22 Interessa-lhe o homem concreto, isto é, o homem como síntese de múltiplas determinações Considera-se que é tarefa da filosofia da Educação explicitar os problemas educacionais, compreendidos no contexto histórico em que estão inseridos

23 A concepção humanista moderna, admite que a realidade é dinâmica, no entanto não a submete a investigação da realidade, cabe ao homem apenas admitir sua existência, sujeitar-se ao capricho, entrar no ritmo. Na concepção dialética o movimento segue leis objetivas que não só podem como devem ser conhecidas pelo homem

24 A concepção dialética ao encarar a realidade como essencialmente dinâmica, não vê necessidade de negar o movimento como caráter essencial da realidade ( concepção humanista e nem de negar a essência para admitir o caráter dinâmico do real ( concepção humanista moderna

25 - A partir da segunda metade do século XIX – a escola surge como o grande instrumento da realização dos ideais liberais escola redentora da humanidade Escola pública universal e gratuita

26 Nota-se que a fase da escola redentora da humanidade corresponde à escola convencional e tem suas bases na concepção humanista tradicional de filosofia de educação Já a escola nova pretende reformular inteiramente a escola, inspirada na concepção humanista moderna.

27 A concepção analítica ganha influência quando no final da segunda guerra, o movimento da escola nova perde terreno. Passa-se a falar em educação informal, educação permanente. Ensaia-se o aproveitamento das conquistas tecnológicas no processo educativo

28 Primeiro precisamos ter claro que um movimento não aboliu outro. O movimento da escola nova não aboliu a escola convencional. A burguesia ao consolidar-se no poder, se torna não apenas classe dominante como também classe hegemônica – visão de mundo da classe dominante – o liberalismo

29 A escola como redentora da humanidade – situava a educação em termos explicitamente políticos – transformar súditos em cidadãos Qual era a ideia – o povo, uma vez alfabetizado, iria apoiar seus programas de governo ( tais programas eram os melhores do ponto de vista dominante) ESCOLA NOVA recompor a hegemonia da classe dominante

30 Dessa forma a concepção dialética esteve presente desde da fase da escola redentora da humanidade – movimentos sociais Buscando colocar a escola a serviço das forças emergentes da sociedade, abrindo espaços para a expressão dos interesses populares

31 Até 1930: predomínio da tendência humanista tradicional De 1930 a 1954: equilíbrio entre tendências humanista tradicional e humanista moderna De 1945 a 1960: predomínio da tendência humanista moderna De 1960 a 1968: crise da tendência humanista moderna e articulação da tendência tecnicista

32 A partir de 1968: predomínio da tendência tecnicista e a concomitante emergência de críticas à pedagogia oficial e à política educacional que busca implementá-la.

33 Década de 20 – entusiasmo pela educação A partir dos anos 30 – otimismo pedagógico Conflito entre os pioneiros da escola nova e outra pela ideologia católica – Constituição de 1934 Concepção humanista moderna- psicologismo pedagógico(déc. 40) sociologismo (déc. 50) economicismo (déc. 60)

34 Década de 50 reedita-se o conflito escola particular- escola pública 03 correntes: escola pública - liberal-pragmatismo(ABE) -liberal-idealismo Professores das áreas de história e Filosofia da USP - conotações socialista liderado por Florestan Fernandes

35 Escola particular: déc. Surge uma espécie escola nova católica – AEC organizou semanas de estudos pedagógicos – Pe. Pierre Faure – divulgam ideias de Montessori e Lubienska – Após o concílio Vaticano II a igreja se compromete com interesses populares Movimento Paulo Freire de Educação de Adultos e o movimento de Educação de Base – inspiração cristã

36 Concomitante com a tendência tecnicista, emerge, na década de 70 – Tendência crítico-reprodutivista – desencadeou teorias como: teoria do sistema de ensino enquanto violência simbólica; teoria do escola enquanto aparelho ideológico do estado teoria da escola dualista

37 Como você professor pensa sua prática educativa, diante das concepções de educação apresentada ?

38 Uma educação pela pedra: por lições; para aprender da pedra, frequentá-la; captar sua voz inenfática, impessoal (pela de dicção ela começa as aulas). A lição de moral, sua resistência fria ao que flui e a fluir, a ser maleada; a de poética, sua carnadura concreta; a de economia, seu adensar-se compacta: lições da pedra (de fora para dentro, cartilha muda), para quem soletrá-la. Outra educação pela pedra: no Sertão (de dentro para fora, e pré-didática). No Sertão a pedra não sabe lecionar, e se lecionasse, não ensinaria nada; lá não se aprende a pedra: lá a pedra, uma pedra de nascença, entranha a alma. João Cabral de Melo Neto


Carregar ppt "Professora: Silvia Aparecida Medeiros Rodrigues"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google