A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Mª Filipa CastanheiraSilves, 12 de Abril de 2010 UFCD: 3777- Fundamentos gerais de Higiene no Trabalho Noções de Toxicologia Sessão 2 1.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Mª Filipa CastanheiraSilves, 12 de Abril de 2010 UFCD: 3777- Fundamentos gerais de Higiene no Trabalho Noções de Toxicologia Sessão 2 1."— Transcrição da apresentação:

1 Mª Filipa CastanheiraSilves, 12 de Abril de 2010 UFCD: Fundamentos gerais de Higiene no Trabalho Noções de Toxicologia Sessão 2 1

2 1. NOÇÕES DE TOXICOLOGIA Toxicologia é a ciência que se ocupa dos tóxicos, das suas propriedades, do seu modo de acção, da sua pesquisa e dos processos que permitem combater a sua acção nociva. O termo tóxico vem do grego toxicon que quer dizer flecha envenenada. O que é um Tóxico? É toda a substância que tem a capacidade de provocar alterações estruturais e /ou funcionais ao ser introduzida no organismo, quer seja prejudicando o seu normal funcionamento quer destruindo reversível ou irreversivelmente as suas funções vitais. 2

3 3

4 Via respiratória 4

5 Via percutânea 5

6 Via digestiva 6

7 Via respiratória Via mais comum da penetração dos tóxicos presentes nos locais de trabalho. Efeitos nocivos fazem-se, sentir ao nível das vias respiratórias frequentemente. Podem surdir efeitos noutras regiões do organismo. SÓLIDOLÍQUIDOGASOSO POEIRAS (ex.: sílica pura cristalina) FIBRAS (ex.: amianto) FUMOS (ex.: chumbo) AEROSSÓIS (ex.: insecticidas) NEBLINAS (ex.: açúcares) GASES (ex.: cloro) VAPORES (ex.: mercúrio) Diferentes tipos de tóxicos: 7

8 Via respiratória O aparelho respiratório tem defesas, DIMENSÃO ( m) LOCAL >10 Nariz 4-10 Brônquios 2-4 Alvéolos Pulmonares Proposta de Trabalho Identifica dois diferentes sólidos, líquidos e gases tóxicos para as vias respiratórias. Exemplo:Carvão, Benzeno, Óxidos metálicos 8

9 Via percutânea Pele - protecção contra os diferentes agentes agressivos. Mucosas (olhos, faríngeas) - glândulas sebáceas e sudoríparas funcionam como portas de entrada naturais. A sudação facilita a penetração dos tóxicos na pele. As alterações da pele (descamações, ferimentos, etc.) facilitam a entrada de tóxicos. Agentes tóxicos (lipossolúveis) – ultrapassam facilmente a barreira da pele. Exemplos: nicotina, derivados nitrados e aminados aromáticos, solventes clorados, tetraetilchumbo, ou mesmo de derivados puramente minerais, e.g. sais de tálio. 9

10 Via digestiva Não é uma via habitual nas intoxicações relacionadas com o trabalho. Pode acontecer em: manipulação incorrecta de produtos tóxicos (contaminação das mãos, boca, olhos); ingestão de alimentos erradamente guardados em locais de trabalho contaminados; deficiente higiene corporal, nomeadamente das mãos, após trabalhos relacionados com produtos tóxicos; fumar ou guardar tabaco nos locais contaminados. OUTRAS VIAS: vias hipodérmicas e intravenosas são raras nas intoxicações laborais. 10

11 3. CONCENTRAÇÃO E DOSES LETAIS Concentração de um Tóxico Toxicidade depende de vários factores: características da substância ou produto; trabalho executado; características do trabalhador exposto. Relativamente à substância ou produto tóxico temos de ter em conta: composição química; concentração Pode ser controlada, de forma segura e objectiva. 11

12 Valores limite de concentração para os tóxicos nos locais de trabalho. TLV's (Threshold Limit Value) - concentração média ponderada para um dia de 8 horas e para uma semana de 40 horas. Aos quais a maioria dos trabalhadores pode ser repetidamente exposta, dia após dia, sem ficar sujeita a efeitos prejudiciais para a sua saúde. Autores portugueses denominam estes valores-limite de VLE-MP (valor-limite de exposição média ponderada). STEL's (Short Term Exposure Limit) - limites de exposição para um curto intervalo de tempo, isto é, a concentração máxima a que os trabalhadores podem estar sujeitos continuadamente por um período até 15 minutos. Não sendo permitidas mais de 4 exposições diárias, com pelo menos 60 minutos de intervalo e não excedendo os TLV's respectivos. TLV's-Ceiling ou VLE-CM (valor-limite expresso para uma concentração máxima) - para substancias tóxicas de acção rápida sobre o organismo, limites de concentração nunca deverão ser excedidos, mesmo instantaneamente. 12

13 Em relação aos valores limites de exposição é importante salientar: Tipo de trabalho: -leve -moderado -pesado Duração da exposição. Características do trabalhador exposto ao tóxico a ter em consideração: - Idade - Sexo - Peso - Susceptibilidade Individual Estado fisiológico: - Digestão - Fadiga - Gravidez Estado Patológico: As doenças podem provocar lesões nos órgãos principais do organismo e essas alterações podem favorecer a acção de tóxicos, por estarem comprometidos os processos normais de desintoxicação. 13

14 Doses Letais A determinação de uma dose letal de um tóxico, para o ser humano, não pode ser objecto de experimentação. Os valores indicados para o homem como doses tóxicas ou mortais são números aproximados. Os valores existentes de doses mortais para o Homem foram obtidos pela observação das intoxicações humanas, mas só serão exactos se não tiver havido vómitos, o que raramente acontece. As respostas à exposição da mesma dose de um tóxico não são a mesma para todos os casos, variando de pessoa para pessoa e das condições em que a pessoa se encontra. Dose letal de um tóxico DL100 (ou dose seguramente mortal) - dose que produz 100% de casos mortais nos indivíduos a ele expostos. Dose letal 50 DL50 - dose que produz 50% de casos mortais nos indivíduos a ele expostos. 14

15 4. TOXICIDADE AGUDA E CRÓNICA Os maiores factores que influenciam na toxicidade de uma substancia são: frequência da exposição, duração da exposição e via de administração. Existe uma relação directa entre a frequência e a duração da exposição na toxicidade dos agentes tóxicos. Uma substância administrada por via oral numa dosagem de 100 mg pode apresentar apenas sintomas leves, ao passo que 10 mg da mesma substância por via intravenosa podem levar a sintomas graves. 15

16 Para se avaliar a toxicidade de uma substância química, é necessário conhecer: que tipo de efeito ela produz, a dose para produzir o efeito, informações sobre as características ou propriedades da substancia, ficha de seguranças, informações sobre a exposição e o individuo. 16

17 Factores que determinam o efeito tóxico Factores biológicos Absorção, distribuição, biotransformação, Idade, sexo, peso, diferença genética, estado de saúde, Condições metabólicas (repouso, trabalho), Exposição a outras substâncias químicas. Factores Ambientais Temperatura, Humidade, Hora do dia, Stress. Factores Físicos Quantidade ou concentração do agente tóxico. Estado de dispersão – (Importante a forma e o tamanho das partículas). Solubilidade nos fluidos orgânicos. Afinidade pelo tecido ou organismo humano. 17

18 4. TOXICIDADE AGUDA E CRÓNICA Toxicidade aguda Para além das características intrínsecas do indivíduo, a toxicidade de uma substância pode variar, consoante: Via de penetração Natureza do veículo Concentração Velocidade de administração Condições exteriores Substâncias associadas Administração anterior Diz-se que há: Intoxicação aguda quando se verificam efeitos tóxicos no organismo resultantes da absorção de doses relativamente grandes, em curto espaço de tempo. 18

19 Toxicidade crónica Intoxicação crónica, (a longo prazo), é resultado de uma exposição repetida ao longo de bastante tempo, a baixos níveis de tóxicos, e que embora sem sintomatologia clínica imediata, pode conduzir a alterações irreversíveis do estado de saúde. Consequências ao nível de: - crescimento; - comportamento geral; - composição química dos líquidos orgânicos (sangue, linfa, etc); - estrutura das células e tecidos dos organismos; - funções dos órgãos (rins, fígado, etc); - aptidão para a reprodução; - duração da vida Salientamos as cancerígenas – neste caso, não podemos fixar doses limites, uma vez que os efeitos persistem após eliminação do tóxico, por tal, qualquer dose, mínima que seja, será perigosa se for repetida. 19

20 5. EFEITO DOSE-RESPOSTA Tempo de Exposição Concentração do Tóxico Dose 20

21 A dose absorvida pelo organismo provoca uma resposta biológica. DoseResposta Dose admissível, no local de trabalho, tem de provocar no organismo uma resposta nula. Dose Admissível Resposta Nula 21

22 6. EFEITOS FISIOLÓGICOS DOS TÓXICOS Plasma Alterações coagulação Glóbulos Vermelhos Aumento Destruição Anomalias morfológicas Glóbulos Brancos Plaquetas Diminuição Aumento Acção principal no: SANGUE 22

23 MEDULA ÓSSEAAcções dos tóxicos na medula óssea provocam uma destruição do tecido medular. Ex: Raios-X Benzeno APARELHO DIGESTIVO Acções dos tóxicos no aparelho digestivo provocam vómitos, diarreias, lesões do tubo digestivo. Ex: Chumbo Mercúrio Acções dos tóxicos na medula óssea provocam lesões hepáticas. Ex: Intoxicação pelo fósforo Anestésicos gasosos Solventes clorados FÍGADO 23

24 CORAÇÃOAcções dos tóxicos no coração provocam uma diminuição do ritmo cardíaco levando a uma paragem cardíaca em muitos casos. Ex: Intoxicação crónica com chumbo RINS Acções dos tóxicos nos rins provocam lesões renais graves Ex: Metais pesados (chumbo, urânio, cádmio) Clorados SISTEMA NERVOSO Álcool: descoordenação dos movimentos e perturbação do equilíbrio; Dióxido de carbono: lesões dos músculos respiratórios; Anestésicos: paragem respiratória. Ex: 24

25 PELE Ácidos e bases fortes: provocam queimaduras; Produtos da destilação da hulha: verificam-se alterações dos tegumentos; Óleos médios: manifestam-se toxidermias, acne, foliculite; Óleos pesados: têm uma acção mais lenta, traduzindo-se por proliferações epiteliais benignas, podendo evoluir para malignas; Solventes clorados e derivados aminados aromáticos: a sua acção irritante pode transformar-se em dermatites; Iodetos e brometos: aparecimento de dermatoses; Vapores de chumbo: lesões das unhas. Ex: 25

26 EFEITOS SOBRE O APARELHO RESPIRATÓRIO É a principal via de acesso dos tóxicos gasosos ou voláteis. ACÇÃO LOCAL: Espirros, tosse, corrimento nasal, exagerada produção de saliva; Irritação do epitélio pulmonar: edema; queimaduras. ACÇÃO AO NÍVEL DO MECANISMO DA RESPIRAÇÃO: Sufocação Asfixia Paragem respiratória 26

27 27


Carregar ppt "Mª Filipa CastanheiraSilves, 12 de Abril de 2010 UFCD: 3777- Fundamentos gerais de Higiene no Trabalho Noções de Toxicologia Sessão 2 1."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google