A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

EXCURSÃO AO LARGO DA CARIOCA 1898 Uma homenagem aos profissionais de Turismo da Cidade do Rio de Janeiro, sobretudo aos Guias. Pesquisa de imagens, formatação.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "EXCURSÃO AO LARGO DA CARIOCA 1898 Uma homenagem aos profissionais de Turismo da Cidade do Rio de Janeiro, sobretudo aos Guias. Pesquisa de imagens, formatação."— Transcrição da apresentação:

1

2 EXCURSÃO AO LARGO DA CARIOCA 1898 Uma homenagem aos profissionais de Turismo da Cidade do Rio de Janeiro, sobretudo aos Guias. Pesquisa de imagens, formatação e texto: Cau Barata – Série Passeios pelo Rio de Janeiro - I Textos em itálico: Ferreira da Rosa, 1898 (mantida a ortografia original)

3 O texto que segue foi escrito, em 1898, pelo Prof. Ferreira da Rosa, descrevendo um passeio turístico que fez com seus alunos ao Largo da Carioca. Um desses alunos assim descreve esse dia: Foi um dia de extraordinario jubilo na aula. Recordo-me como se tivesse sido hontem. O Professor (Guia) declarou-nos que iam começar as excursões escolares, e que a primeira se effectuaria na manhã seguinte. «Percorreremos o Rio de Janeiro», disse-nos elle; e estas palavras soaram-nos ao ouvido como uma promessa risonha de grandes prazeres moraes. Tinhamos todos o desejo de conhecer a capital da Republica; fallava-nos de tanta cousa ainda não vista por nós, que a nossa curiosidade estava excitadissima. UM PASSEIO PELO RIO DE JANEIRO Além de que o Professor teve a gentileza de explicar-nos a importancia de taes excursões, e de fazer-nos bem comprehender o proveito que d´ellas viria a nossa instrucção. Era excellente o nosso Professor (Guia). Espírito recto, amigo da verdade e da justiça, nunca teve palavras senão de affecto para os bons, e nunca tambem deixou de fazer sentir o seu desgosto aos máos discipulos. O Professor (Guia) garantio-nos que, ao terminarmos as nossas excursões, outro seria o desenvolvimento do nosso espírito, achando-nos todos aptos para dar referencia perfeita de tudo quanto por ahi há digno de menção. O LARGO DA CARIOCA O Largo da Carioca no mesma época da excursão. Foto: Augusto Malta. Mapa do Rio de Janeiro onde aparece o Largo da Carioca. André Vaz Figueira – c.1750

4 A primeira excursão foi ao largo da Carioca. Às 9 horas da manhã partimos do Collegio. O Professor (Guia) apresentou-se todo vestido de brim branco, e com um amplo chapéo de palha na cabeça. Aproveitou esta circumstancia para uma lição: o dia estava quente, e deve-se sempre escolher vestuario conforme as estações; que era isso uma questão de hygiene muito digna de ser observada, accentuou elle. Um collega meu, o Pedrinho, que tinha no Collegio o n. 131, estava mettido núma aspera roupa de lã, e foi logo referir ao professor que tinha vindo com aquelle vestuário porque o de brim pardo com que costumava ir á aula ficára em casa para se lavar, e elle não tinha roupa de sahir. LARGO DA CARIOCA Largo da Carioca, em 1817, visto do Morro de Santo Antonio. Uma boiada sobe a rua São José, passa pelo largo, e segue em direção à rua da Guarda Velha (Treze de Maio). Nicolas-Antoine Taunay E logo passou o Professor a mostrar-nos os bonds da Companhia Ferro-Carril Jardim Botanico, que alli chegam de differentes pontos, e d´alli partem com varios destinos; ficámos, então, sabendo que a primeira linha de bonds que se estabeleceu no Rio de Janeiro foi aquella, inaugurada só até á praça Duque de Caxias (hoje Largo do Machado), em 10 de Outubro de Nota: Charles Dunlop escreveu: Na sexta-feira, 9 de outubro de 1868, em plena guerra contra o Governo do Paraguai, inaugurou-se o primeiro trecho da linha, entre a Rua do Ouvidor, esquina da Gonçalves Dias (ponto incial), e o Largo do Machado. Largo da Carioca, em Ao fundo, o chafariz da Carioca, projeto do arquit.º Grandjean de Montgny. O bonde à direita está defronte do Hospital da O. Terceira da Penitencia. Foto: Marc Ferrez, Chafariz O principal edifício do largo da Carioca é o Hospital da Venerável Ordem terceira da Penitência que occupa inteiramente uma da suas faces. O Professor (Guia) fallou-nos desse Instituto religioso de caridade, onde são carinhosamente tratados os irmãos e irmãs que a enfenmidade subjuga, promettendo-nos fazer uma visita ao seu interior para julgarmos bem do que seja um hospital particular. Nota: O Hospital da Penitência foi erigido em virtude da provisão, com faculdade régia, de 12 de março de 1720, obtida pelo ministro da ordem, o provedor da fazenda real, Francisco Cordovil de Siqueira e Melo. O velho casarão do Hospital da Ordem Teixeira da Penitência, que sofreu várias alterações. No canto à direita, a Rua da Carioca. Foto: Augusto Malta, Moreira de Azevedo, em 1877, escreveu sobre o Hospital: Em 27 de março de 1748 resolveu-se dar comêço a obra, e nesse mesmo anno, em 14 de maio, benzeu o bispo D. frei Antonio do Desterro a pedra fundamental, a qual foi conduzida ao seu lugar pelo tenente-general Gomes Freire de Andrade. Este edificio, que há soffrido diversas modificações, exterior e interiormente, é quadrangular e de tres pavimentos; a face, que olha para o largo da Carioca tem quatorze portas de arcada no primeiro pavimento, igual número de janellas de peitoril no segundo e outras tantas de sacada no terceiro; um attico coroa o edifício. Nota: Arcada – série de arcos contíguos ao longo de um mesmo pavimento. Comumente é usada em fachadas. Maria Paula Albernaz e Cecília Modesdo Lima, Dicionário Ilustrado de Arquitetura, vol. I, p. 44) Arcada do antigo Hospital da Ordem Terceira da Penitência – 14 arcos. Janelas de peitoril do segundo pavimento do antigo Hospital – 14 janelas. Janelas de sacadas do terceiro pavimento do antigo Hospital – 14 janelas. O Hospital da Ordem Terceira da Penitência em Autor: Jean Baptiste Debret. Hospital da Ordem Terceira de São Francisco da Penitência: abaixo, em 1816 (Debret); acima, em 1845 (Daniel Kidder). O Hospital da Ordem Terceira da Penitência e o Convento de Santo Antonio em Autor: Daniel Kidder. O Hospital da Ordem Terceira da Penitência e a Igreja da O. Terceira da Penitencia em Autor: W. Smyth. Mapa do Rio de Janeiro datado de Assinalado em azul o local onde estava sendo construído o Hospital da Ordem da Penitência. Mapa do Rio de Janeiro datado de Assinalado em azul o Hospital da Ordem da Penitência. Mapa do Rio de Janeiro datado de Assinalado em azul o Hospital da Ordem da Penitência.

5 LARGO DA CARIOCA Ainda Moreira de Azevedo, em 1877, sobre o Hospital: O portão de entrada ao lado direito do edifício, próximo ao chafariz da carioca, apresenta duas pilastras de granito, que sustentam as estátuas de marmore da piedade e da caridade, com dez palmos de altura. O portão, em 1816, visto do Largo - Debret. O portão, em 1854, visto de dentro do Hospital - Jacques Aubrun. O portão, conforme a descrição de Moreira de Azevedo – O portão, em 1830, visto do Largo – W. Smyth. O fim do Hospital da Ordem Terceira da Penitência, demolido em 1906, por ocasião das reformas urbanas do Prefeito Pereira Passos. Foto: Augusto Malta, Foto: Augusto Malta, Nesta outra fotografia de 1906, após a demolição da fachada do velho Hospital, percebe-se a existência de um pátio interno, para o qual estavam voltadas janelas de vários quartos. Moreira de Azevedo, em 1877, aponta este pátio como um jardim: Interiormente é o hospital mui espaçoso; outr´ora tinha enfermarias rasgadas, mas hoje é dividido em 50 quartos, que podem accomodar 100 doentes, tem duas capellas; a sala de operações, duas boticas, sala da secretaria; uma biblioteca; uma enfermaria; no centro um jardim com esguicho de mármore. O novo edifício da Venerável Ordem Terceira de São Francisco da Penitência, no Largo da Carioca, esquina com a rua do mesmo nome, em estilo eclética. LARGO DA CARIOCA O Hospital e o Edifício. Costuma-se falar da demolição do Hospital da Ordem Terceira da Penitência e mostrar as duas imagens acima indistintamente. No entanto, não é o mesmo prédio, porém, ambos propriedades da mesma Ordem, no mesmo local. Em 1906, com a remodelação do Largo da Carioca, foi demolido o velho casarão colonial, onde funcionava o antigo Hospital da Penitência. Em seu terreno, a mesma Ordem fez erguer um novo edifício, de feições ecléticas, onde passou a funcionar o Correio da Manhã. Projeto da firma Antonio Jannuzzi Irm. e C., e construção de Silvio Soucassaux. Foi obra premiada naquela ocasião. Largo da Carioca olhando para a rua Uruguaiana. A esquerda o Edifício da O.T. da Penitência (Correio da Manhã). Largo da Carioca olhando para a esquina da rua da Carioca com a rua Uruguaiana. A esquerda o Edifício da O.T. da Penitência. Largo da Carioca, quase no mesmo ângulo da foto ao lado, com o antigo casarão colonial quase totalmente demolido. Em seu lugar, edificou-se o edifício que vemos na imagem ao lado. Foto: Augusto Malta, 1907.

6 LARGO DA CARIOCA O Professor (Guia), e m seguida, chamou a nossa attenção para o monumental chafariz que dá o nome ao largo. Nota: O Professor descreverá o terceiro chafariz que existiu no Largo da Carioca, erguido pelo arquiteto Grandjean de Montigny. No entanto, a bem da verdade documental, achei que seria interessante registrar que existiram outros dois chafarizes no mesmo largo. Acima, uma imagem do primeiro chafariz, do século XVIII, feita por Debret, em Nota: Em 1935, Magalhães Corrêa escreveu: Em 1723 foi inaugurado o primeiro chafariz, vindo de Lisboa, que colocado no antigo Campo de Santo Antonio, hoje Largo da Carioca, tinha 16 bicas de carrancas de bronze, despejando água cristalina e pura; das dezesseis bicas, dez estavam na fachada principal, duas nos ângulos chanfrados, e quatro nas partes laterais; o corpo do chafariz dividia-se em três partes; coroando a última, as armas da Metrópole e, na parte inferior, um tanque estreito de forma exótica sôbre um patamar de três degraus, em curvas simétricas. Outra imagem do chafariz de 1723, destacando-se as 10 bicas de carrancas de bronze, na fachada principal, e as duas nos ângulos chanfrados. No alto, as armas da Metrópole e, na parte inferior, o tanque estreito sobre um patamar de três degraus em curvas simétricas. Demolido o primeiro chafariz, construiu-se outro no mesmo lugar, porém provisório, de madeira, pintado de granito, com as quarenta torneiras, inaugurado em Obra do intendente geral de polícia Luiz Paulo de Araújo Bastos. Demolido, pouco depois, em A gravura ao lado data de 1833, o que faz crer que seja o segundo chafariz, e que difere pouco, esteticamente, do primeiro. A escada de acesso – se não houve erro do artista -, agora aparece com cinco degraus. Percebe-se também a inclusão de um lampião. Há pequena alteração no coroamento e nas armas no alto do chafariz. Acrescenta-se um pequeno acesso isolado, cercado por gradil, à direita, com a ausência da murada que aparece no desenho de Debret (1816). Desenho de W. Smyth (1833). Finalmente, em 1833, deu-se início a construção do terceiro chafariz, projeto do arquiteto Grandjean de Montigny, concluído em Este é o chafariz que o Professor (Guia) mostrava aos seus alunos em Tinha a forma de uma casa de pedra lavrada com três portas entre duas pilastras de feitio particular e apoiadas sôbre extensa e alta base para a qual se subia por uma extensa escadaria de quatro degráus muito estreitos. Na base abriam-se trinta e cinco bicas de metal, que despejavam água em estreito e comprido tanque. Coroava a construção altaneira platibanda em forma de trono O chafariz do Largo da Carioca visto do pátio do Convento de Santo Antônio. Ao fundo, o Morro do Castelo, local da fundação da Cidade, em 1567 (não existe mais). Jacques Aubrun – A multidão se acotovelando para pegar água em uma das vinte nove bicas da fachada frontal do chafariz. Nas bicas laterais, animais e carroças com tonéis. Gravura de Buvelot, datada de Uma das mais belas paisagens do chafariz do Largo da Carioca, datada de Vê-se o chafariz, o Convento e Igreja de Santo Antonio, a Igreja de São Francisco da Penitência, o Hospital da Penitência, e o portão de acesso a este último conjunto. Aquarela de Hildebrandt, 1844 – superando Debret e Taunay, que pintaram o mesmo motivo. O Chafariz O Hospital O Convento e as duas Igrejas. O portão de acesso. Uma cena do cotidiano, na coleta de água no grande chafariz. Uma das mais antigas fotografias do chafariz. Foto: Revert Henrique Klumb, Chafariz fotografado por Marc Ferrez, cerca de Chafariz fotografado por Gutierrez, em Antiga gravura do terceiro chafariz – sem data. Largo da Carioca e o chafariz – cerca de 1900 Chafariz da Carioca – Foto de 1923 Em obediência ao projeto de remodelação e embelezamento do Morro de Santo Antônio, aprovado a , o Prefeito Alaor Prata pôde desapropriar prédios e terrenos no Largo da Carioca, além da retirada do antigo Chafariz e da Estação de Bonde de Santa Teresa. Executado pela Cia. Santa Fé, a estação foi afastada de onde se achava, por trás do Chafariz da Carioca, que foi demolido. Trecho inicial da antiga linha de Bondes de Santa Teresa passando colada ao muro do Convento de Santo Antônio. Foto: Augusto Malta, Obras de remodelação do Morro do Convento de Santo Antônio.

7 LARGO DA CARIOCA O Chafariz – continua o Professor (Guia) – está do lado Sul, e voltado para o Norte, apoiando a esquerda no Hospital. É todo de granito, e de construcção sem estylo definido. Sobre uma base de quatro degráos há um tanque muito extenso, acompanhado n´um plano superior pelo depósito também de granito, dónde a agua jorra por trinta e cinco torneiras de bronze. Por detráz deste deposito eleva-se enorme parede de pedra lavrada em que foram delineadas tres portas, e pilastras que sustentam uma cimalha sem gosto. Sobre a cimalha há uma platibanda, e sobre esta um remate de tres degráos. É o maior chafariz da cidade, mas sem belleza architectonica, sem arte; o que, emfim, não prejudica a sua utilidade. Foi inaugurado em 7 de Abril de O Rio Carioca A proposito, disse-nos o Professor (Guia) que nasce na serra da Carioca um riacho denominado Carioca, cujas aguas, desde os primeiros tempos em que esta cidade foi povoada, e já em tempos anteriores, gosavam de um credito extraordinario pela sua frescura e limpidez. Governando aqui, disse, ainda elle, em nome do rei de Portugal, um cavalheiro chamado João da Silva e Souza, tratou de canalisar as aguas desse famoso corrego, para abastecimento da cidade; e em 1673 principiaram as obras que só em 1723 se concluiram, por causa de dificuldades primeiramente na compra de terrenos, depois na acquisição de material, e por último na reunião de operarios. O Rio Carioca O mapa ao lado, datado de 1808, mostra todo o percurso do Rio Carioca, desde a sua nascente no alto do Corcovado, na região do Silvestre, descendo pelo Cosme Velho, passando por dentro do Largo do Boticário, continuando por todo o Vale das Laranjeiras, até desembocar na Baía de Guanabara, na altura da hoje rua Barão do Flamengo. Pode-se ver, também, o desvio feito daquele córrego, pelo homem, desde o século XVII, na mesma região do Silvestre, coletando outros córregos da serra, cruzando todo o bairro de Santa Teresa, até alcançar o Convento do mesmo nome. Para vencer o pequeno vale entre os morros de Santa Teresa e Santo Antônio, foi necessário construir um aqueduto que tomou o nome do córrego: Aqueduto da Carioca. Em seguida, o desvio corre pela lateral do Morro de Santo Antônio, até alcançar o Chafariz do Largo da Carioca. O Rio Carioca Em quase todo o percurso do desvio dos córregos do alto do Corcovado, em direção ao Convento de Santa Teresa, onde principia o aqueduto, encontrou-se diversas depressões que dificultavam o andamento da obra, quando da construção dos canos. Assim, em muitos lugares, construíram-se pequenos aquedutos, a fim de vencer os pequenos valões. Perceba o leitor que o desvio artificial, criado pelo homem, para conduzir a água entre o Corcovado e Convento de Santa Teresa, é hoje, praticamente, a rua Almirante Alexandrino, que corta todo o bairro de Santa Teresa. Em fins do século XIX, o grande aqueduto foi desativado, abandonando a sua função de condutor de águas. Em 1896, dando-lhe nova atividade, transformou-se em viaduto, correndo nele o primeiro bonde. Em 1952, começou a retirada de parte do Morro de Santo Antônio, cujas terras foram utilizadas para formar o Aterro do Flamengo. O Rio Carioca Na imagem ao lado, datada de cerca de 1895 ( Augusto Malta ), retrata um dos pequenos aquedutos construídos ao longo do percurso, entre as Paineiras e o Convento de Santa Teresa, para dar nível aos canos que conduzem a água até o Aqueduto da Carioca, vencendo desníveis e valões. Conforme ficou dito, além do córrego Carioca, coletava-se água dos encanamentos das Paineiras, do Silvestre e da Lagoinha, convergindo todas essas águas até o grande Aqueduto. Ao lado, um detalhe do aqueduto da Lagoinha, numa foto de Marc Ferrez, datada de Acima a foto inteira. A famosa Ponte do Diabo, nas Paineiras. Trata-se do antigo Caminho do Aqueduto, que hoje representa parte do trajeto das ruas Almirante Alexandrino e Joaquim Murtinho - que finaliza no grande Aqueduto (Arcos da Carioca). Foto de Marc Ferrez, c Desenho do Caminho do Aqueduto, datado de Litografia de Abraham-Louis Buvelot ( ). Outra imagem do Caminho do Aqueduto, anterior a Quadro de J. W. Rey. Outra imagem do Caminho do Aqueduto. Fotografia do princípio do século XX. Mais uma imagem do Caminho do Aqueduto, na região dos Dois Irmãos, nome que teve origem nas duas pirâmides de pedra ali erguidas no tempo dos aquedutos. Os Dois Irmãos na estrada do aqueduto para o Silvestre. A esquerda, o aqueduto e as duas pirâmides (os Dois Irmãos), registro de água; à direita, o panorama do vale das Laranjeiras até a baía de Guanabara e o Pão de Açúcar. Têmpera de Friedrich Hagerdorn ( ), cerca de O Rio Carioca Disse-nos o Professor (Guia) que, em 1744, outro governador do Rio de Janeiro Gomes Freire de Andrade, também conhecido pelo título de conde de Bobadella, reformou essas obras do encanamento, dando-lhes mais segurança. Foi, então que as aguas se encaminharam do morro de Santa Thereza para o de Santo Antonio, sobranceiro ao largo da Carioca, vindo abastecer o grande chafariz. O destino dado ao Rio Carioca Resolvido os obstáculos, a água que vinha da região do Silvestre, finalmente chegou ao grande aqueduto. Ao lado, uma das mais antigas imagens do grande aqueduto, vencendo o vão entre o Morro de Santa Teresa e o Morro de Santo Antônio. (Imagem - cerca de 1792) Antes uma aquarela, agora, uma das mais antigas fotografias de trecho do grande aqueduto, olhando para a ladeira de St. Teresa. (Foto de 1862) Outra antiga imagem do grande aqueduto, às vésperas de se transformar em viaduto para bondes. (Foto de 1890) Finalmente, uma fotografia histórica e de cunho jornalístico registrando a passagem do primeiro bonde justamente no ano de (Foto de Marc Ferrez) Destino dado ao Rio Carioca no seu percurso original. Ainda existe o famoso Rio Carioca, porém foi todo ele canalizado, correndo, em galerias, por baixo das construções das ruas Cosme Velho e Laranjeiras, até chegar à Baía de Guanabara. Mapa, de 1867, com o percurso do Rio Carioca, que nasce na região das Paineiras, desce pelo Cosme Velho, percorre toda as Laranjeiras e desemboca na Baía de Guanabara. Homem sentado nas escadas de uma típica ponte de acesso às residências da rua das Laranjeiras, sobre o Rio Carioca, ainda visível. Foto: Marc Ferrez, A mesma imagem (completa) Canalização do rio Carioca, na rua Cosme Velho. Foto: Malta, Rio Carioca passando, ainda a céu aberto, na rua Conde Baependi. Foto: Malta Canalização do Rio Carioca, em 1905, na rua Conde de Baependi. A foto tem quase o mesmo ângulo da imagem abaixo. Outra imagem do Rio Carioca, na rua Conde de Baependi. Beirando o rio, a linha de bonde e, do outro lado, a Igreja Metodista.

8 Por detráz do chafariz da Carioca passa uma ladeirinha que o Professor (Guia) nos mostrou como dando accesso ao convento dos frades de Santo Antonio, religiosos ahi estabelecidos desde 1606, e por intercessão dos quaes, em 1709, foi uma quadra do largo da Carioca convertida em cemitério de escravos, que elles benevolamente acolhiam em seus últimos dias. LARGO DA CARIOCA O Convento de Santo Antônio em um Mapa de (número 28)Grande panorâmica da Cidade, datada de 1865, inserindo o Convento de Santo Antônio no contexto urbano. Santa Teresa Candelária Santo Antônio Vista geral do Convento de Santo Antônio com suas ladeiras de acesso.

9 LARGO DA CARIOCA De volta ao Professor (Guia): Hoje d´essa ladeira (que passa por detráz do chafariz) parte uma linha de bonds elétricos para o morro de Santa Thereza; e a solida construcção do mosteiro está sendo aproveitada em parte pelo quartel de um dos batalhões de infantaria da guarnição d´esta Capital. E, consumidas duas horas de observação, o Professor (Guia) deu por sufficientes as explicações, recolhendo-nos para descansar e para escrevermos os nossos relatorios. FIM Rua da Carioca, esquina com Uruguaiana, de 1905 a Mantendo o Hospital colonial e demolindo o lado direito. (acima – 1905) O resultado final da primeira etapa (acima – ) Demolido o Hospital colonial, constrói-se o novo prédio da Ordem. (abaixo –1906) O resultado final da segunda etapa (abaixo – ) Dando a volta no largo no princípio do século XX. Lateral da esquina da rua São José em direção ao portão da Ordem da Penitência. Elemento de ligação:o Chafariz. Chafariz Lateral do largo toda voltada para o edifício da Ordem (Correio da Manhã), desde o chafariz até a esquina com a rua da Carioca. Elemento de ligação das imagens: rua da Carioca rua da Carioca Transição entre duas laterais do largo: do edifício da Ordem (Correio da Manhã), na esquina da rua da Carioca, passamos para a terceira lateral ao atravessarmos a rua da Carioca, e, em seguida, à rua Uruguaiana, alcançando o prédio que faz esquina, dessa última, com a rua da Assembléia. Elemento visual de transição: o prédio da esquina com as ruas da Carioca e Uruguaiana. Transição para a quarta lateral: o edifício comercial da rua da Assembléia (no quarteirão entre as ruas Uruguaiana e Gonçalves Dias). Atravessamos a rua da Assembléia, esquina com Gonçalves Dias, para alcançamos a quarta lateral do largo. Elemento visual de transição: o prédio comercial da rua da Assembléia. Uruguaiana Edif. ComercialGonçalves DiasAssembléia A mesma transição para a quarta lateral por outro ângulo: o edifício comercial da rua da Assembléia, esquina com a Gonçalves Dias, visto de longe, do largo, com o casario que forma a quarta e última lateral. Elemento visual de transição: ainda o prédio comercial da rua da Assembléia, esquina com Gonçalves Dias. Aproximação do casario da quarta e última lateral do largo da Carioca, olhando do chafariz para a rua Gonçalves Dias. Ainda a quarta e última lateral do largo da Carioca, agora olhando da rua Gonçalves Dias em direção à rua São José e, próxima a esta, a lateral do chafariz da Carioca. Finalmente, a transição entre a quarta e primeira laterais, de volta ao seu chafariz, fechando o quadrilátero do largo da Carioca. Elemento visual de transição: o prédio da esquina da rua São José com o largo. Foto da esquerda: as seis estatuetas, no alto do prédio do centro, representavam as quatro estações do ano, a Indústria e a Estrada de Ferro.

10 FIM DO PRIMEIRO PASSEIO 1898 Pesquisa, formatação e texto: Cau Barata – Agradecimentos: Carlos Alberto Paiva. Texto de base: Ferreira da Rosa, ** Próxima excursão: Passeio Público**


Carregar ppt "EXCURSÃO AO LARGO DA CARIOCA 1898 Uma homenagem aos profissionais de Turismo da Cidade do Rio de Janeiro, sobretudo aos Guias. Pesquisa de imagens, formatação."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google