A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

UFCG / CTRN / UAEC Márcia Maria Rios Ribeiro Zédna Mara de Castro Lucena Vieira Mestrando: Danniel Cláudio de Araujo Márcia Maria Rios Ribeiro Zédna Mara.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "UFCG / CTRN / UAEC Márcia Maria Rios Ribeiro Zédna Mara de Castro Lucena Vieira Mestrando: Danniel Cláudio de Araujo Márcia Maria Rios Ribeiro Zédna Mara."— Transcrição da apresentação:

1 UFCG / CTRN / UAEC Márcia Maria Rios Ribeiro Zédna Mara de Castro Lucena Vieira Mestrando: Danniel Cláudio de Araujo Márcia Maria Rios Ribeiro Zédna Mara de Castro Lucena Vieira Mestrando: Danniel Cláudio de Araujo

2 MÓDULO I ECOLOGIA GERAL 4. Necessidades dos Seres Vivos e Fatores Ecológicos

3 A BIOSFERA e a VIDA mantêm-se de forma permanente quando os seres vivos satisfazem suas NECESSIDADES BÁSICAS NECESSIDADES DOS SERES VIVOS NUTRIÇÃO REPRODUÇÃO PROTEÇÃO

4 NUTRIÇÃO Os seres vivos obtêm MATÉRIA e ENERGIA do meio ambiente, de modo a PRODUZIR ou SINTETIZAR seu próprio alimento AUTOTRÓFICA HETEROTRÓFICA Auto = Próprio Trofo = Alimento Hetero = Diferente

5 NUTRIÇÃO AUTOTRÓFICA Realizada durante o dia pelas PLANTAS VERDES, pelas ALGAS e por algumas BACTÉRIAS O organismo é capaz de produzir todas as moléculas orgânicas do seu corpo, a partir das substâncias inorgânicas retiradas do ambiente Utilizam substâncias inorgânicas como GÁS CARBÔNICO, ÁGUA e SAIS MINERAIS

6 NUTRIÇÃO HETEROTRÓFICA Realizada pelos ANIMAIS, pelos PROTOZOÁRIOS, pelos FUNGOS e pela maioria das BACTÉRIAS O organismo precisa ingerir moléculas orgânicas prontas

7 CAÇAPESCA PISCICULTURA PECUÁRIA AGRICULTURA O HOMEM se destaca como o CONSUMIDOR HETEROTRÓFICO mais relevante, chegando a consumir mais compostos orgânicos do que a quantidade usada como alimento HOMEM x MEIO AMBIENTE (obtenção de alimentos)

8 VEGETAIS Crescimento de espinhos Perda de folhas Desenvolvimento de substâncias urticantes PROTEÇÃO ANIMAIS Aparência transitória e camuflagem Construção de abrigos Fuga Agressão

9 REPRODUÇÃO Processo biológico que permite aos seres vivos a PERPETUAÇÃO DA ESPÉCIE Diferentemente das demais características dos seres vivos, É INDISPENSÁVEL para a CONSERVAÇÃO DA ESPÉCIE Uma das características que melhor distingue os seres vivos da matéria bruta é sua CAPACIDADE DE SE REPRODUZIR

10 Esponjas Vegetais Vegetais como as gramíneas, por exemplo, possuem raízes especiais, os rizomas, que, à medida que crescem sob a terra, geram novos brotos REPRODUÇÃO ASSEXUADA É a forma mais simples de reprodução, envolvendo apenas UM INDIVÍDUO Não está restrita às plantas: diversos grupos animais podem se reproduzir desse modo

11 REPRODUÇÃO SEXUADA Ocorre por fecundação, estando presente nos vários animais Permite a recombinação dos genes, levando à VARIABILIDADE GENÉTICA A fecundação pode ser: EXTERNA: geralmente em meio líquido, para a maioria das espécies aquáticas INTERNA: efetua-se no interior do organismo da fêmea

12 PROCESSOS ENERGÉTICOS DOS SERES VIVOS Todos os seres vivos retiram do ambiente a energia e as substâncias necessárias ao seu metabolismo BIOSSÍNTESE Síntese ou composição do alimento FOTOSSÍNTESE QUIMIOSSÍNTESE BIODEGRADAÇÃO RESPIRAÇÃO AERÓBIA RESPIRAÇÃO ANAERÓBIA FERMENTAÇÃO Degradação ou decomposição do alimento

13 CO 2 + H 2 O Alimento + O 2 LUZ FOTOSSÍNTESE A energia utilizada para a síntese do alimento provém da luz (energia solar)

14 CO 2 + H 2 O Alimento + O 2 Comp. Inorg. Reduzido + O 2 Comp. Inorg. Oxidado Reação que produz energia química, convertida da energia de ligação dos COMPOSTOS INORGÂNICOS OXIDADOS QUIMIOSSÍNTESE Energia Química Processo autotrófico de síntese de compostos orgânicos, que ocorre na AUSÊNCIA DE ENERGIA SOLAR Utilizada por algumas espécies de bactérias, denominadas segundo os compostos inorgânicos reagentes (ferrobactérias, nitrobactérias, nitrificantes, etc.)

15 Alimento + O 2 CO 2 + H 2 O + Energia Alimento + KNO 3 CO 2 + H 2 O + N 2 + KOH + Energia Alimento C 2 H 5 OH + CO 2 + Energia BIODEGRADAÇÃO RESPIRAÇÃO AERÓBIA RESPIRAÇÃO ANAERÓBIA FERMENTAÇÃO O receptor final dos hidrogênios é o oxigênio O receptor final dos hidrogênios é uma substância diferente do oxigênio O receptor dos hidrogênios é uma substância orgânica subproduto da reação em questão

16 BIOSSÍNTESE x BIODEGRADAÇÃO A todo processo de BIOSSÍNTESE deve corresponder um processo de BIODEGRADAÇÃO RECICLAGEM É o resultado da INTERAÇÃO entre os processos de biossíntese e biodegração da matéria Garantia do equilíbrio de materiais Condição fundamental para a continuidade da vida

17 Fatores biológicos que atuam sobre o desenvolvimento de uma comunidade de seres do meio ambiente FATORES ECOLÓGICOS Fatores Bióticos Fatores Abióticos Todos os Seres Vivos presentes no ecossistema e suas Relações Todos os Seres Vivos presentes no ecossistema e suas Relações Componentes Não Vivos que influenciam a vida dos seres vivos presentes no ecossistema Componentes Não Vivos que influenciam a vida dos seres vivos presentes no ecossistema Níveis tróficos Relações ecológicas Condições: Climáticas Edáficas Hídricas

18 NÍVEIS TRÓFICOS FATORES ECOLÓGICOS BIÓTICOS 1º Nível Trófico Organismos autotróficos (plantas, algas, bactérias) 1º Nível Trófico Organismos autotróficos (plantas, algas, bactérias) 2º Nível Trófico Organismos herbívoros (alimentam-se dos produtores) 2º Nível Trófico Organismos herbívoros (alimentam-se dos produtores) 3º Nível Trófico Organismos carnívoros (alimentam-se dos herbívoros) 3º Nível Trófico Organismos carnívoros (alimentam-se dos herbívoros) 4º Nível Trófico Organismos carnívoros (alimentam-se dos carnívoros) 4º Nível Trófico Organismos carnívoros (alimentam-se dos carnívoros) Alimentam-se dos restos orgânicos dos demais níveis tróficos O HOMEM é consumidor primário, secundário e terciário

19 RELAÇÕES ECOLÓGICAS FATORES ECOLÓGICOS BIÓTICOS Intraespecíficas Interespecíficas Harmônicas Desarmônicas Ocorrem com indivíduos de uma mesma espécie Ocorrem com indivíduos de espécies diferentes Não ocorre prejuízo para nenhuma espécie Ocorre prejuízo para, pelo menos, uma espécie

20 Um animal mata e devora o outro Relação intraespecífica desarmônica Relação rara Ocorre em superpopulações, quando há falta de alimento Em algumas espécies é comum a fêmea devorar o macho após a fecundação FATORES BIÓTICOS (RELAÇÕES ECOLÓGICAS) 1. CANIBALISMO Ratos Aranhas Peixes

21 Luta por alimento, pela posse de território ou pela posse da fêmea Relação intraespecífica desarmônica ou interespecífica desarmônica Relação frequente Fator de seleção natural Limitação da população 2. COMPETIÇÃO A superpopulação intensifica o mecanismo de competição intraespecífica Luta pela fêmea Luta pelo território

22 Um animal mata outro de espécie diferente para se alimentar Relação interespecífica desarmônica Relação frequente Fator de seleção natural Equilíbrio da população de presas Aplicado no controle biológico 3. PREDATISMO Leoa x Zebra [mamífero carnívoro (predador) x mamífero herbívoro (presa)]

23 Transporte de um ser, seus ovos ou sementes por outro ser vivo Relação interespecífica harmônica Ex.: Polinização Ato da transferência de grãos de pólen de uma flor para o estigma de outra flor, ou para o seu próprio estigma 4. FORÉSIA Abelha no processo de polinização

24 Troca de benefícios entre seres vivos, com ou sem interdependência Relação interespecífica harmônica Exemplos: Cupim x protozoário Algas x fungos Plantas x insetos Crocodilo x ave-palito 5. MUTUALISMO As cigarras excretam alimento para as formigas e estas protegem as cigarras (e suas crias) dos predadores

25 Um ser vive à custa de outro, prejudicando-o Relação interespecífica desarmônica Frequente Aplicado no controle biológico (parasita x praga) Endoparasita (interno: ameba) e Ectoparasita (externo: piolho) 6. PARASITISMO Vermes x Mamíferos Fungos x Plantas

26 Um organismo usa outro como suporte ou abrigo Relação interespecífica harmônica Tronco de uma árvore, no interior de uma mata, contendo uma bromélia como inquilino. 7. INQUILINISMO Exemplos: Peixe-agulha x Pepino-do-mar Árvores X Epífitas

27 Um ser come restos da comida de outro Relação interespecífica harmônica Exemplos: Peixe rêmora x Tubarão Hiena x Leão 8. COMENSALISMO Tubarão transportando peixe rêmora, o qual se beneficia com os restos de comida daquele

28 Associações de seres, unidos de tal maneira, que formam um conjunto funcional Relação intraespecífica harmônica 9. COLÔNIAS FORMIGASABELHAS CORAIS

29 Indivíduos com tendência à vida gregária, trabalham para o desenvolvimento da população Relação intraespecífica harmônica 10. SOCIEDADES Exemplo de sociedades humanas.

30 Uma espécie inibidora produz secreções (substâncias tóxicas) eliminando a espécie amensal Relação interespecífica desarmônica Esta relação é mais comum entre vegetais, fungos e bactérias 11. AMENSALISMO Toxina, produzida por algas e concentrada por peixes e mariscos que se alimentam do fitoplâncton produzindo as MARÉS VERMELHAS

31 Temperatura Luz Água Nutrientes Distribuição heterogênea da energia Provenientes das atividades solares Substância essencial à existência da Vida Necessários ao crescimento e reprodução dos seres vivos FATORES ECOLÓGICOS ABIÓTICOS CLIMÁTICOS EDÁFICOS HÍDRICOS

32 Temperatura Influi no metabolismo, no apetite, na fotossíntese, no desenvolvimento, na atividade sexual e na fecundidade Seres Estenotérmicos Sobrevivem entre estreitos limites de temperatura (pequena amplitude térmica) Seres Euritérmicos Resistem a grandes variações de temperatura (grande amplitude térmica) euritérmica estenotérmica

33 Seres Heterotérmicos A temperatura corporal varia com a temperatura ambiente Seres Homeotérmicos Têm temperatura corporal constante Temperatura Répteis, anfíbios Aves, mamíferos

34 Temperatura x Comportamento dos Seres Vivos Migração FlamingoCegonha-negra Busca por temperaturas mais aprazíveis (sazonal) Hibernação Redução das atividades vitais para valores mínimos (épocas frias) Ursos Estivação Redução das atividades vitais em função de temperaturas altas, falta de água ou de umidade do ar JacarésCaracóis

35 Adaptações dos Seres Vivos às Condições de Temperatura Regiões Frias Perda de calor mínima permitindo a sobrevivência Pêlos densos e compridos Orelhas e focinho curtos Grande teor de gorduras Regiões Quentes Pêlos menos densos e mais curtos Maior superfície corporal em contato com o meio Menor teor de gorduras Facilitam a perda de calor para o meio e evitam o sobreaquecimento

36 Fonte de energia essencial na produção de alimentos (fotossíntese) Fator vital e fator limitante, tanto em mínima como em máxima intensidade Influencia nas variações da atividade diária e sazonal de alguns animais Regula os processos ópticos na pigmentação da pele Alguns animais e vegetais produzem luz (bioluminescência) Luz

37 Toupeiras Luz x Características dos Seres Vivos EURIFOTOS Organismos que suportam grandes variações luminosas ESTENOFOTOS Organismos que só conseguem viver em uma estreita faixa luminosa Há organismos fortemente atraídos pela luz Mariposas Outros fogem da luz, escondendo-se em buracos

38 Água Entra na composição das células de todo ser vivo Entra na composição das células de todo ser vivo Presente em todos os processos metabólicos Presente em todos os processos metabólicos Papel fundamental na: temperatura corporal dos homeotermos regulação do clima no planeta distribuição dos seres vivos na biosfera Papel fundamental na: temperatura corporal dos homeotermos regulação do clima no planeta distribuição dos seres vivos na biosfera Sementes (3 a 5% de água) Sementes (3 a 5% de água) Homem (65% de água) Homem (65% de água) Recém-nascido (90% de água) Recém-nascido (90% de água)

39 Hidrófilos ou hidrófitos (vegetais que só vivem em locais com muita água) Xerófilos ou xerófitos (vegetais adaptados a locais com pouca água) Vitória- régia Cacto Água

40 Nutrientes Necessários ao crescimento e à reprodução dos seres vivos Necessários ao crescimento e à reprodução dos seres vivos Principais nutrientes: elementos químicos e sais dissolvidos Principais nutrientes: elementos químicos e sais dissolvidos Podem limitar o desenvolvimento do meio e, juntamente com outras características do solo (pH, textura e umidade), constituem os fatores edáficos Podem limitar o desenvolvimento do meio e, juntamente com outras características do solo (pH, textura e umidade), constituem os fatores edáficos Macronutrientes CARBONO, OXIGÊNIO, HIDROGÊNIO, NITROGÊNIO Entram, em grande quantidade, na composição dos tecidos vivos Micronutrientes MANGANÊS, COBRE, ZINCO, MAGNÉSIO Necessários em quantidades relativamente pequenas

41 Seres vivos apresentam faixas de tolerância para cada um dos fatores ecológicos Quando qualquer fator fica fora dessa faixa limite, tende a limitar a oportunidade de sobrevivência dos organismos (Lei de Liedberg) Através da tecnologia, o homem tem ampliado a sua faixa de tolerância, de modo a sobreviver em várias regiões da biosfera e fora dela Através da tecnologia, o homem tem ampliado a sua faixa de tolerância, de modo a sobreviver em várias regiões da biosfera e fora dela Fatores limitantes bióticos (competição, predatismo e parasitismo) Fatores limitantes bióticos (competição, predatismo e parasitismo) Fatores limitantes abióticos (temperatura, água, luz e nutrientes) Fatores limitantes abióticos (temperatura, água, luz e nutrientes) Fatores Limitantes

42 Parte 1: Parte 2: Vídeos


Carregar ppt "UFCG / CTRN / UAEC Márcia Maria Rios Ribeiro Zédna Mara de Castro Lucena Vieira Mestrando: Danniel Cláudio de Araujo Márcia Maria Rios Ribeiro Zédna Mara."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google