A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Cordados. Características Gerais Eumetazoários Triblásticos Enterocelomados Deuterostômios Metameria mais evidente em embriões e nos miótomos (divisões.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Cordados. Características Gerais Eumetazoários Triblásticos Enterocelomados Deuterostômios Metameria mais evidente em embriões e nos miótomos (divisões."— Transcrição da apresentação:

1 Cordados

2 Características Gerais Eumetazoários Triblásticos Enterocelomados Deuterostômios Metameria mais evidente em embriões e nos miótomos (divisões dos músculos). Na fase embrionária: -Notocorda -Tubo nervoso dorsal -Fendas faringeanas ou branquiais - Cauda

3

4 Classificação Protocordados ou Cordados Invertebrados

5 Urocordados Notocorda caudal Tunicados Sésseis Marinhos Filtradores Sistema circulatório aberto Monoicos Fecundação externa Desenvolvimento indireto

6 Cefalocordados Notocorda durante toda a vida Marinhos Filtradores Sistema circulatório fechado Dioicos Fecundação externa Desenvolvimento indireto

7 Vertebrados Crânio Substituição da notocorda pela coluna vertebral. *Peixe bruxa não tem coluna vertebral Esqueleto axial e apendicular ósseo ou cartilaginoso

8

9 Critérios de classificação Presença ou ausência de mandíbula Sistemas fisiológicos: digestório, respiratório, circulatório, excretório, sensorial e nervoso. Anexos embrionários: âmnio, cório, alantoide, saco vitelínico e placenta. Regulação da temperatura: endotérmicos (homeotérmicos) ou ectotérmicos (pecilotérmicos) Apêndices locomotores: patas, nadadeiras e asas.

10 Agnatos e Peixes

11 Evolução

12 Agnatos/ ciclostomados Lampreia Respiração braquial Circulação fechada, simples e completa. Coração bicavitário Nadadeiras ímpares Água doce e salgada. Fria. Ectoparasita. Dioica. Desenvolvimento Indireto. Reprodução em água doce. Lampreia Respiração braquial Circulação fechada, simples e completa. Coração bicavitário Nadadeiras ímpares Água doce e salgada. Fria. Ectoparasita. Dioica. Desenvolvimento Indireto. Reprodução em água doce. Feiticeira ou peixe bruxa Respiração braquial Circulação fechada, simples e completa. Coração bicavitário Nadadeiras ímpares Água salgada. Carnívora. Monoica. Desenvolvimento Direto. Feiticeira ou peixe bruxa Respiração braquial Circulação fechada, simples e completa. Coração bicavitário Nadadeiras ímpares Água salgada. Carnívora. Monoica. Desenvolvimento Direto.

13 Peixes Coluna vertebral completa. Mandíbula: predatismo. Nadadeiras pares e ímpares.

14 Condríctes/ cartilaginosos Tubarão e arraia (sem opérculo e com escamas) Químera (única que possui opérculo para proteger as brânquias e não tem escamas). Água salgada (maioria). Escamas dermoepidérmica. Óleo no fígado (controle da densidade). Cloaca. Válvula em espiral (aumenta a superfície de absorção de nutrientes). Uremia fisiológica. Clásper: órgão copulador. Fecundação Interna e Desenvolvimento Direto. Espécies ovíparas, ovovivíparas e vivíparas. Tubarão e arraia (sem opérculo e com escamas) Químera (única que possui opérculo para proteger as brânquias e não tem escamas). Água salgada (maioria). Escamas dermoepidérmica. Óleo no fígado (controle da densidade). Cloaca. Válvula em espiral (aumenta a superfície de absorção de nutrientes). Uremia fisiológica. Clásper: órgão copulador. Fecundação Interna e Desenvolvimento Direto. Espécies ovíparas, ovovivíparas e vivíparas.

15 Válvula em espiral

16 Boca ventral Heterodontia Nadadeira caudal heterocerca Boca ventral Heterodontia Nadadeira caudal heterocerca

17 Osteíctes/ ósseos Água doce e salgada. Escamas dérmicas. Opérculo Bexiga natatória. Intestino longo. Amônia. FE e DI (alevino) Cavalo marinho: o macho dá a luz. Água doce e salgada. Escamas dérmicas. Opérculo Bexiga natatória. Intestino longo. Amônia. FE e DI (alevino) Cavalo marinho: o macho dá a luz.

18

19

20 Bexiga natatória A bexiga natatória pode ser uma estrutura respiratória. O ANIMAL PRECISA SUBIR À SUPERFÍCIE PARA REALIZAR AS TROCAS GASOSAS.

21 Respiração O fluxo de água nas brânquias e contra o fluxo sanguíneo. Dipnoicos/ pulmonados: bexiga natatória.

22 Circulação Fechada Simples Completa Coração bicavitário: 1 átrio e 1 ventrículo

23 Excreção: rins mesonefrons. Uréia/ amônia. Sentidos: linha lateral (peixes ósseos e catilaginosos) e ampolas de Lorenzini (peixes cartilaginosos).

24 OSMORREGULAÇÃO

25 Anfíbios

26 A transição do ambiente aquático para o terrestre

27 Sistema excretório Completo Cloaca Língua pegajosa. Adultos: Mesonefro Ureia. Larvas: Pronefro Amônia. Sistema nervoso Dorsal Sistema digestório

28 Respiração Pouca superfície para trocas gasosas Larva: cutânea e branquial Adulto: cutânea, pulmonar e gular

29 Circulação Fechada Incompleta Dupla

30 Reprodução Dioicos Fecundação externa Desenvolvimento indireto Alguns machos coaxam para atrair a fêmea metamorfose LarvaAdulto Amônia/ pronefroUreia/ mesonefro Cutânea, branquialCutânea, pulmonar e gular. Coração bicavitárioCoração tricavitário NadadeirasPatas

31 Defesa Camuflagem Mimetismo Glândula paratoide: libera veneno quando pressionada.

32 Anura

33 Urodela A larva axolote tem maturidade sexual e faz reprodução sexuada, apesar de conservar caracteristicas morfológicas larvais. Neotemia.

34 Gymnosphiona

35 Répteis A conquista do ambiente terrestre

36 Respiração pulmonar (maior superfície) Epiderme seca e queratinizada Fecundação interna (PÊNIS), desenvolvimento externo ou interno Ácido úrico Escamas de origem epidérmica Placas ósseas de origem dérmica Coração tri ou tetracavitário Circulação dupla e incompleta/ completa Ectotérmicos Metanefrideos Sistema digestório completo (boca e cloaca) Dentes/bicos Conquista do ambiente terrestre

37 Circulação SEPTO DE SABATIER Não crocodilianos SEPTO DE SABATIER Não crocodilianos FORAME DE PANIZZAE Crocodilianos FORAME DE PANIZZAE Crocodilianos dc179.4shared.com

38 Ovo

39 A temperatura e a determinação do sexo em algumas espécies Em tartarugas, areias mais quentes desencadeiam o desenvolvimento de fêmeas, e areias mais frias, o desenvolvimento de machos. Nos répteis crocodilianos e em alguns lagartos ocorre o inverso.

40 Órgão de Jacobson Céu da boca Odor Ferormônios Fosseta loreal Temperatura

41 Crocodilianos/Crocodilia Escamas córneas. Coração apresenta os ventrículos separados completamente. Exemplos: crocodilos, jacarés, aligatores e gaviais. guranca/Bis/infantil/jacarea marelo.htm

42 Quelônios/Chelonia Placa óssea nas regiões dorsal e ventral. Jabuti: terrestre. Cágado: água doce Tartaruga: água doce e água salgada os3/Repteis2.php

43 Sphenodonta Fisicamente semelhantes aos lagartos Diferem-se por apresentar baixa atividade metabólica, crescimento lento e estar adaptados a climas frios. Exemplos: tuatara

44 Scamata corpo escamado Exemplos: os camaleões, os lagartos, as lagartixas e as cobras. culturamix.com

45 Cobras Áglifas: sem ducto ou sulcos para eliminar a peçonha. Ex.:Jiboia e sucuri. Opistógifas: dentes (com sulcos) posteriores. Ex.: coral-falsa. Proteróglifas: dentes (com sulcos) anteriores. Ex.: coral – verdadeira e naja. Solenóglifas:dentes (com canais) anteriores. Ex.: jararaca e cascavel.

46 Peçonhentas: - Fosseta loreal. -Pupila em fenda vertical. -Cauda curta. -Cabeça triangular. -Hábito noturno. Não peçonhentas: -Sem fosseta loreal. -Pupila circular. -Cauda longa. -Cabeça ovalada. -Hábito diurno.

47 Brasil: acidentes com cobras Crotalídeos: -Brothrops (jararaca e urutu): veneno com ação proteolítica (dor e necrose) e coagulante. -Crotalus (cascavel): veneno neurotóxico, miotóxico e hemolítico. -Lachesis (surucucu): veneno que causa necrose Elapídeos: -Micrurus (coral verdadeira): veneno neurotóxico.

48 Os dinossauros extras.com/images/dino_the_flintston es-5305.htm Período Triássico Era Mesozóica

49 Aves

50 Evolução AVES MAMÍFEROS RÉPTEIS

51 ADAPTAÇÕES AO VOO Asas Asas Penas Penas Quilha ou carena Quilha ou carena Peitorais desenvolvidos Peitorais desenvolvidos Sacos aéreos (não fazem hematose) Sacos aéreos (não fazem hematose) Sem bexiga, intestino grosso e dentes. Sem bexiga, intestino grosso e dentes. Ossos penumáticos. Ossos penumáticos. Cerebelo e visão desenvolvidos. Cerebelo e visão desenvolvidos. *** Quivi: sem asas. Asas Asas Penas Penas Quilha ou carena Quilha ou carena Peitorais desenvolvidos Peitorais desenvolvidos Sacos aéreos (não fazem hematose) Sacos aéreos (não fazem hematose) Sem bexiga, intestino grosso e dentes. Sem bexiga, intestino grosso e dentes. Ossos penumáticos. Ossos penumáticos. Cerebelo e visão desenvolvidos. Cerebelo e visão desenvolvidos. *** Quivi: sem asas. sobiologia.com.br

52 CLASSIFICAÇÃO CARENATAS GALINHA, PINGUIM, POMBA CARENATAS GALINHA, PINGUIM, POMBA RATITAS EMA E AVESTRUZ.

53 Coração tetracavitário. Aorta para a direita. Circulação fechada, dupla e completa. Endotermia. Excreção: ácido úrico. Glândula de sal. Espécies marinhas. Siringe.

54 G lândula uropigiana. Tdc, bico, proventrículo, moela e cloaca. Respiração pulmonar. Parabronquíolos. Sacos aéreos: reserva de ar. Dióicas. Dimorfismo sexual. Fecundação interna. Ovíparas. Desenvolvimento direto. Membrana nictante (não são os únicos animais a terem).

55 Mamíferos

56 Glândulas mamárias semprematerna.uol.com.br.Acessado em 18/10/11 Imagem gentilmente cedida pelo aluno André Dutra (3ºA, 2011).

57 Pêlos, glândulas sudoríparas e glândulas sebáceas

58 Hemácias anucleadas Disponível em:. Acesso em 19 out Duram de 90 a 120 dias

59 Diafragma Disponível em:. Acesso em 19 out 2011.

60 Fisiologia Pele multiestratificada e queratinizada Digestão mecânica: dentes Digestão química: estômago e intestino Rins metanéfricos. Excreta: ureia Sistemas nervoso e sensorial bem desenvolvidos Pulmões com alvéolos Circulação fechada, dupla e completa. Coração tetracavitário. Dióicos Dimorfismo sexual Fecundação interna

61 Mamíferos aquáticos Maior quantidade de mioglobina. Reflexo de mergulho: Fc e do metabolismo.

62 Bisonar ou ecolocalização Morcegos, golfinhos e baleias. Disponível em:.Acesso em 19 out 2011.

63 Anexos embrionários A placenta é exclusiva dos mamíferos, porém nem todos têm. Disponível em:.Acesso em 19 out 2011

64 Prototheria: Não possuem placenta, são ovíparos. Exemplos: ornitorrinco e equidna. Disponível em:.Acesso em 19 out 2011

65 Metatheria ou marsupiais: Possuem uma placenta rudimentar e o desenvolvimento embrionário termina no marsúpio. Exemplos: canguru, coala, diabo-da-tasmânia, gambá e cuíca. Disponível em:.Acesso em 19 out 2011

66 Eutheria: Possuem placenta duradoura. Exemplos: homem e cachorro. Disponível em:. Acesso em:19 out 2011


Carregar ppt "Cordados. Características Gerais Eumetazoários Triblásticos Enterocelomados Deuterostômios Metameria mais evidente em embriões e nos miótomos (divisões."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google