A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

DIAGNÓSTICO DA AMILOIDOSE SISTÊMICA Victor Faria Seabra Percia R. Bezerra de Medeiros Disciplina de Nefrologia - HCFMUSP.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "DIAGNÓSTICO DA AMILOIDOSE SISTÊMICA Victor Faria Seabra Percia R. Bezerra de Medeiros Disciplina de Nefrologia - HCFMUSP."— Transcrição da apresentação:

1 DIAGNÓSTICO DA AMILOIDOSE SISTÊMICA Victor Faria Seabra Percia R. Bezerra de Medeiros Disciplina de Nefrologia - HCFMUSP

2 DEFINIÇÃO A amiloidose sistêmica constitui um grupo de doenças nas quais certas proteínas, que normalmente seriam solúveis, se depositam extracelularmente nos tecidos na forma de fibrilas insolúveis.

3 Fisiopatologia e Classificação A via final da amiloidose é a produção de proteínas amilóides na matriz extracelular. Essas proteínas depositam-se em diferentes órgãos, (tais como coração, fígado e rim, entre outros), prejudicando sua função, através de alteração da arquitetura do órgão ou da ativação celular local, pela interação com receptores celulares (ex: RAGE – receptor for advanced end products).

4 Microscopia óptica de depósito de proteína amilóide em mesângio glomerular

5 Fisiopatologia e Classificação Amiloidose AL - proteína precursora: Cadeias leves de Ig - proteína amilóide: AL Amiloidose AA - proteína precursora: amilóide sérica A (SAA) - proteína amilóide: AA Amiloidose familiar - proteína precursora: Transthyretin, apolipoproteína AI, apolipoproteína AII, fibrinogen Aalfa chain, lisosima, gelsolina, cistatina C - proteína amilóide: ATTR, AApoAI, AApoAII, AfibA, Alys, Agel, ACys

6 Fisiopatologia e Classificação Amiloidose Sistêmica Senil - proteína precursora: Transthyretin - proteína amilóide: ATTR Amiloidose relacionada à diálise - proteína precursora: Beta2microglobulina - proteína amilóide: ABeta2M Formas localizadas: AL localizada (Ig de cadeia leve AL); doença de Alzheimer (precursor Abeta Abeta); doença de Creutzfeldt-Jakob (proteina prion APrP); DM tipo 2 (peptídeo de ilhota AIPP)

7 Fisiopatologia e Classificação Kidney International, Vol. 68 (2005), pp. 1377–1390 Dobramento anormal de uma proteína que normalmente seria solúvel, formando um polipeptídeo beta sheet que é insolúvel.

8 AMILOIDOSE AL (primária) Amiloidose AL ou primária é a causa mais comum de amiloidose sistêmica Incidência de 5,1 a 12,8 casos por milhão por ano A proteína amiloidogênica é uma Ig de cadeia leve produzida pelos plasmócitos 10 a 15% dos pacientes apresentam mieloma múltiplo associado Pode ter acometimento de qualquer órgão, exceto SNC Os órgãos mais comumente acometidos são coração e rim Pode ocorrer hipotensão ortostática importante, por envolvimento do sistema nervoso autonômo Sobrevida média: 12 a 24 meses; se houver comprometimento cardíaco importante : 06 meses

9 AMILOIDOSE AA (secundária) Amiloidose AA ou secundária ocorre em pacientes com doenças inflamatórias crônicas. A proteína precursora amiloidogênica é a amilóide A sérica (SAA), uma proteína de fase aguda As causas mais comuns são: tuberculose, artrite reumatóide, doenças inflamatórias intestinais, febre familiar mediterrânea e osteomielite. Envolvimento do rim, fígado, baço, sistema nervoso autônomo e tireóide. Envolvimento cardíaco é mais raro A progressão costuma ser mais lenta do que na amiloidose AA.

10 AMILOIDOSE FAMILIAR Amiloidose familiar é causada por uma mutação autossômica dominante que causa a substituição em um único aminoácido e gera a proteína amiloidogênica. As mutações mais comuns ocorrem no gene TTR Outras mutações amiloidogênicas podem ocorrer na apoAI, apoAII, fibrinogênio A de cadeia alfa, lisosima, gelsolina e cistatina C. As manifestações sistêmicas variam conforme o tipo de mutação.

11 DIAGNÓSTICO Biópsia Hepática ou renal – positiva em > 90% Aspirado de gordura abdominal – positiva em 60-80% Reto – positiva em 50-70% Medula óssea – positiva em 50 – 55% Pele – positiva em 50% (desde que clinicamente envolvida) As fibrilas amilóides podem ser identificadas por aspecto característico a microscopia eletrônica e pela abilidade de se ligarem ao vermelho Congo causando birrefringência sob luz polarizada. IMUNO-HISTOQUÍMICA é necessária para determinar o tipo do amilóide.

12 DIAGNÓSTICO

13 DIAGNÓSTICO Gordura abdominal corada com vermelho Congo à microscopia óptica A mesma lâmina à luz polarizada N Engl J Med, Vol. 337 (1997), pp

14 DIAGNÓSTICO Cintilografia com proteína amilóide sérica é um método utilizado no diagnóstico e no seguimento da doença. Depósitos de amilóide tecidual podem ser identificados por cintilografia com proteína amilóide marcada com tecnécio, sendo mais indicado na amiloidose secundária. A sensibilidade é de aproximadamente 100%, cerca de 100% de captação esplênica, mais de 80% de captação renal, 50% de captação adrenal e 25 a 50% de captação hepática. A cintilografia é menos sensível na identificação de amiloidose cardíaca Desvantagens: custo, disponibilidade limitada, risco infeccioso (a proteína amilóide é obtida de doadores vivos)

15 DIAGNÓSTICO DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL do tipo de amiloidose A distinção entre AA e AL geralmente é feita pela história de doença inflamatória na AA e presença de paraproteína na AL. Cerca de 10% dos pacientes com amiloidose AL não apresentam paraproteína detectável. Nessa situação, são achados histológicos úteis: Imunofluorescência pode mostrar o depósito de cadeias leves monoclonais na AL (sensibilidade de apenas 45% em biópsia renal) Biópsia de medula óssea com aumento de plasmócitos na AL Imunofluorescência (ou immunoperoxidase) é fortemente positiva para anticorpo não específico anti proteína AA na amiloidose AA Em casos especiais pode-se realizar a seqüência de aminoácidos da proteína amilóide, extraida do tecido A perda da afinidade das fibrilas por vermelho Congo, após tratamento com permanganato, sugere AA mas não é confiável.

16 DIAGNÓSTICO Sugestão de algoritmo para diagnóstico da amiloidose sistêmica N Engl J Med, Vol. 337 (1997), pp

17 TRATAMENTO Alvos do tratamento Kidney International, Vol. 68 (2005), pp. 1377–1390


Carregar ppt "DIAGNÓSTICO DA AMILOIDOSE SISTÊMICA Victor Faria Seabra Percia R. Bezerra de Medeiros Disciplina de Nefrologia - HCFMUSP."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google