A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

O Arquivo Histórico de Porto Alegre Moysés Vellinho: trajetória, reconhecimento e desafios. Porto Alegre, 03 de julho de 2008. Arquivista Karine Georg.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "O Arquivo Histórico de Porto Alegre Moysés Vellinho: trajetória, reconhecimento e desafios. Porto Alegre, 03 de julho de 2008. Arquivista Karine Georg."— Transcrição da apresentação:

1 O Arquivo Histórico de Porto Alegre Moysés Vellinho: trajetória, reconhecimento e desafios. Porto Alegre, 03 de julho de Arquivista Karine Georg Dressler Diretora AHPAMV

2 Criada oficialmente pela Lei n° 6099, de 03 de fevereiro de 1988; Subordinação: Secretaria Municipal da Cultura, Coordenação da Memória Cultural; Recolhe, arranja, conserva, restaura, custodia e disponibiliza documentos que versam sobre a história do município; Busca sensibilizar para a conservação e a preservação dos bens patrimoniais através do Programa de Educação Patrimonial do Arquivo Histórico de Porto Alegre. A Instituição

3 1830 – primeiros registros referentes à organização de arquivos e de documentos na Câmara Municipal de Porto Alegre; 1896 – Acto nº 9, de 15 de junho, aprova o regulamento da Secretaria da Intendência, no que diz respeito a sua estrutura e às respectivas atribuições dos órgãos. Define, no artigo nº 33, as competências ao servidor responsável pelo Archivo; Início do século XX – atos executivos que nomeiam e delegam competências ao arquivista, bem como, seus vencimentos; Decreto nº 145, de 27 de julho, que cria a Biblioteca e reorganiza o Arquivo Municipal; 1955 – Lei nº 1.413, de 11 de junho, Plano de Reorganização Administrativa. A Diretoria de Arquivo e Biblioteca é transformada em Serviço de Documentação e é criada a Secção de Comunicação e Arquivo, que passa a guardar a documentação histórica do município, ambas vinculadas à Secretaria Municipal de Administração - SMA; Trajetória

4 1968 – Processo interno nº 38976/68 de transferência da documentação histórica para a Secretaria Municipal de Educação e Cultura - SMEC; 1975/1988 – Período de permanência do arquivo na SMEC até a criação da Secretaria Municipal de Cultura subordinada à Coordenação da Memória Cultural; 1989 – Lei nº 6.387, de 11 de abril, dá o nome de Moysés Vellinho ao Arquivo Histórico de Porto Alegre. Lei nº 6.558, de 19 de dezembro, que propõe tombamento do complexo e sua recuperação para abrigar o Arquivo Histórico; 1991/1994 – Período de reciclagem e inauguração da primeira casa do complexo, em 24 de outubro de – Construção do anexo para abrigar o acervo; 2002 – Inauguração do Centro Cultural da instituição com a reciclagem da Casa 1 do complexo. Trajetória

5 Duas secretarias municipais desenvolvem atividades que circundam o fazer arquivístico: Secretaria Municipal de Administração: "administra a documentação oficial do município, conservada no Arquivo Municipal, devidamente controlada e numerada pelo Protocolo Central, e realiza a triagem e microfilmagem dos papéis oficiais" (p.14). Secretaria Municipal da Cultura: "preserva a herança cultural de Porto Alegre, por meio da pesquisa, proteção e restauração do seu patrimônio histórico, artístico, arquitetônico e paisagístico, e pelo resgate permanente e arquivamento da memória da cidade" (p.16). O fazer atual

6 Tratamento arquivístico: Seleção e classificação de documentos; Ordenação e acondicionamento; Disponibilização ao usuário. O acervo: O fazer atual FundoPeríodo LegislativoCâmara Municipal / Conselho Municipal ExecutivoAdministração Diretaa partir de 1892 Administração Indireta Autarquias, fundações e serviços paraestatais PrivadosFrancisco Xavier da Costa

7 Atividades de Descrição: Guia, inventários e catálogos; Acervo do Legislativo possui o maior número de instrumentos; Primeiro instrumento publicado em junho de 1976, denominado Instrumento de Trabalho do Arquivo Histórico, com o título de "Correspondência Passiva da Câmara de Vereadores, e " Publicação da primeira edição do Guia da instituição em A segunda edição: segundo semestre de 2008, com aplicação da NOBRADE. O fazer atual

8 A Hemeroteca: Constituída por jornais e revistas de circulação em Porto Alegre e no Rio Grande do Sul, datados desde 1835; Coleção de recortes com mais de unidades; Publicação de uma publicação específica "Acervos – Hemeroteca: Jornais, Revistas, Almanaques" A Biblioteca: Constituída por obras que permeiam a história de Porto Alegre, do Rio Grande do Sul e do Brasil, Arquivologia, Educação Patrimonial e Cultura; Em 2007, a Coleção Walter Spaldin, passou a integrar a biblioteca, constituída por livros datados desde metade do século XIX. O fazer atual

9 Conservação documental: Higienização documental; Retirada de objetos danosos ao suporte; Material de acondicionamento adequado; Acervo construído conforme recomendações internacionais para guarda de documentos permanentes O fazer atual

10 Restauro documental: Qualificação do Laboratório de Restauração; Permanente desenvolvimento da atividade, mediante contratação de profissional. O fazer atual

11 Atendimento ao público O fazer atual

12 Programa de Educação Patrimonial Educação patrimonial é o mecanismo de alfabetização cultural que agrega elementos pedagógicos com o objeto patrimônio numa experiência direta, onde bens e fenômenos culturais são compreendidos e valorizados. Consolidado em 2005, desenvolve nove atividades. O fazer atual

13 Prédios históricos - Patrimônio arquitetônico Acervos – Patrimônio documental Área natural - Patrimônio ambiental Programa de Educação Patrimonial O fazer atual

14 Projeto Vivo Toque Acervo documental, prédios históricos, pesquisa, História e artes cênica Programa de Educação Patrimonial O fazer atual

15 Projeto Papel Antigo & Papel Velho Acervo documental, papel, livro, prédios históricos, história e artes cênicas Programa de Educação Patrimonial O fazer atual

16 Projeto Sensibilização para a Vida: os seres da natureza Acervo documental, natureza, prédios históricos, artes e literatura. Programa de Educação Patrimonial O fazer atual

17 Projeto Sensibilização para a Vida: medicina da natureza Acervo documental, natureza, prédios históricos, artes e memória imaterial. Programa de Educação Patrimonial O fazer atual

18 Projeto Sensibilização para a Vida: cores da natureza Acervo documental, natureza, prédios históricos, artes e memória imaterial. Programa de Educação Patrimonial O fazer atual

19 Projeto Brincando de Editar Documentos, história do papel e livro. Programa de Educação Patrimonial O fazer atual

20 Projeto Descobrindo a Arquivologia Ciência Arquivística, acervo, documentos. Programa de Educação Patrimonial O fazer atual

21 Visitas Guiadas Informações técnicas e históricas. Organização, preservação e conservação documental, ecológicos, históricos e arquitetônicos. Programa de Educação Patrimonial O fazer atual

22 Brincando no Arquivo

23 Programa de Educação Patrimonial O fazer atual Realização de visitas com grupos de estudantes universitários; Aulas práticas dos discentes de cursos de graduação; Acolhimento de discentes na realização de atividades de Estágio Curricular dos cursos de Arquivologia e História da Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS.

24 Reconhecimento e Desafios Instalação do Centro Cultural mediante reivindicação popular para reciclagem da Casa 01 do complexo; Expansão do Programa de Educação Patrimonial; Novo perfil do público usuário dos acervos; Estreitamento de relações com cursos locais de graduação de Arquivologia e História; Desenvolvimento de ações de gestão documental que permitam que a documentação e informações de caráter histórico não sejam perdidas ou esquecidas nas repartições municipais.

25 ARQUIVO HISTÓRICO DE PORTO ALEGRE MOYSÉS VELLINHO AV. BENTO GONÇALVES Nº 1129 PORTO ALEGRE – RS (51) –


Carregar ppt "O Arquivo Histórico de Porto Alegre Moysés Vellinho: trajetória, reconhecimento e desafios. Porto Alegre, 03 de julho de 2008. Arquivista Karine Georg."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google