A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Doenças e Pragas de Pastagens Aula 7: Pragas Sugadoras.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Doenças e Pragas de Pastagens Aula 7: Pragas Sugadoras."— Transcrição da apresentação:

1 Doenças e Pragas de Pastagens Aula 7: Pragas Sugadoras

2 Principais Pragas das Pastagens Pragas Sugadoras: Cigarrinhas das Pastagens Cochonilha dos Capins Percevejo das Gramíneas Percevejo Castanho das Raízes Complexo de Lagartas: Curuquerê dos Capinzais Lagarta Elasmo Lagarta do Cartucho Pragas Gerais: Formigas Cupins Pragas Secundárias: Gafanhotos

3 Principais Pragas das Pastagens Locais de ataque: Nas raízes: Cupins Percevejo Castanho das Raízes Nos perfilhos: Cigarrinhas das Pastagens Cochonilha dos Capins Percevejo das Gramíneas Nas folhas: Curuquerê dos Capinzais Lagarta Elasmo Lagarta do Cartucho Formigas Gafanhotos

4 Calendário do ocorrência das pragas INSETOSREDUÇÃO DE FOLHASREPOUSOPRODUÇÃO DE FOLHAS JanFevMarAbrMaiJunJulAgoSetOutNovDez Saúvas Gafanhotos Cochonilhas Cupins Cigarrinhas Percevejo das gramíneas Lagartas Percevejo castanho

5 Pragas Sugadoras Aula 7 Cochonilha dos Capinzais Percevejo das Gramíneas

6 CenárioIdentificaçãoBiologiaPrejuízoControleConsiderações FinaisBibliografia Índice

7 A cochonilha é uma pra polífaga, e também uma praga de jardim. A primeira evidência de que a planta está infestada é o aparecimento de bolinhas brancas que parecem ser de algodão nos caules, próximos às folhas. Elas sugam a planta, roubando sua seiva, alojando-se principalmente na parte inferior das folhas e dos brotos. As cochonilhas secretam uma substância pegajosa, que deixa as folhas com a aparência de que estão enceradas, e que facilita o ataque de fungos, como o fungo fuliginoso ou fumagina. Costuma atrair também as formigas doceiras. Cenário

8 Fumagina: Sobre esta seiva açucarada ocorre um fungo oportunista, conhecido como fuligem ou fumagina. Muitos são os prejuízos para a planta: estético, diminuição de sua energia pela perda da seiva e porque com as folhas cobertas não há produção de fotossíntese. Para combatê-las utilize os venenos verdes* ou a receita caseira: Para eliminar a fumagina, lave a planta com uma mistura de sabão daqueles de barra. Dissolva o sabão em água quente, espere esfriar, e faça aspersão sobre as folhas. Lave depois com água limpa. *Ex: Óleo de Nim, folhas de alamanda ou arruda, calda de fumo,semente mostarda

9 Cochonilha dos capins (Hemiptera/Sternorrhyncha: Pseudococcidae) Antonina graminis (Maskell, 1897) É um inseto sugador de seiva, de corpo ovalado e de cor arroxeada, medindo cerca de 3 a 4 mm de comprimento. Cenário

10 É uma praga que pode ser encontrada em todas as regiões tropicais e sub-tropicais. Atribui-se a ela o declínio de muitas variedades de capins. No Brasil, foram identificados cerca de 92 espécies de capins como hospedeiros desta praga, sendo os mais freqüentemente atacados, o capim favorito (Rhynchelytrum repens), o capim angola (Panicum purpurascens), o capim de burro ou grama-bermudas (Cynodon dactylon), capim angolinha (Eriochloa polystrachya), e gordura (Melinis minutiflora), que podem servir de indicadores da presença da praga. O capim jaraguá (Hyparrhenia rufa), por sua vez, é tido como imune a praga. SILVEIRA NETO (1976) citou o exemplo do capim angola, que antigamente era a principal gramínea do Recôncavo Baiano e hoje é a de menor importância naquela região, devido ao ataque desse inseto. Cenário

11 Antonina graminis Comprimento: 3 mm Coloração: branco arroxeada. Identificação

12 Antonina graminis Comprimento: 3 mm Coloração: branco arroxeada. Identificação

13 Aonidiella aurantii Cochonilha dos Citrus Identificação Receita caseira para controle: Num litro de água coloque 100 gramas de enxofre, 2 colheres e meia de sal e 300 gramas de cal. Aplique benzendo com brocha ou pulverizador. Outros exemplos:

14 Identificação Ornamentais

15 Identificação Cochonilhas causadoras da murcha-do-abacaxi: a) adulto, b) colônia de cochonilhas; c) reboleira de plantas atacadas e d) sintomas de ataque da cochonilha na planta.

16 Identificação Palma Forrageira

17 Sua reprodução é por partenogênese telítoca (sem a participação do macho, originando somente fêmeas), com um ciclo evolutivo de 70 dias, apresentando 3 ínstares larvais. É no primeiro que ela se dispersa, pois nos outros ínstares têm suas pernas atrofiadas, ocasião em que é recoberta por uma lanugem branca. Apresenta 5 gerações anuais. Biologia

18 Ao contrário do que ocorre com as cigarrinhas, ela é mais prejudicial quando a concorrência de água é menor para as plantas. Acredita-se que a umidade favoreça o desenvolvimento de fungos patogênicos, eliminando em parte a população das cochonilhas na época chuvosa. Trata-se de um inseto que vive quase que exclusivamente em gramíneas (capins, sorgo, cana-de-açúcar e arroz silvestre). Biologia

19 Prejuízo Alojam-se nos perfilhos do capim, concentrando- se principalmente junto aos nós, sob bainhas das folhas, próximo das gemas, podendo formar grupos de até 10 cochonilhas por nó. A cochonilha ataca todas as hastes da planta a partir do coleto, onde ocorre a maior aglomeração dos insetos, que são facilmente notados devido a sua coloração branca. Essa cochonilha fica sugando as hastes, produzindo um secamento do capim, que se manifesta em reboleiras, ou seja, o ataque fica concentrado em algumas plantas, umas perto das outras.

20 Prejuízo Como também afeta as gemas, estas morrem e o capim perde a capacidade de rebrotar, causando morte das touceiras. Esse fato é notado principalmente na época da seca, quando o capim já sofre a conseqüência da falta de chuva e não se recupera, causando falhas nos pastos que são chamadas de geadas. É justamente em volta dessas áreas sem capim que se encontram a maior população da praga. Em conseqüência, a capacidade de brotação dos pastos diminui sensivelmente.

21 Algumas espécies de cochonilhas têm uma casca dura que impede a penetração de inseticidas. Neste caso, é preciso fazer uso de soluções à base de óleo mineral e sabão que, uma vez grudadas à carapaça, impedem que o inseto respire. As melhores alternativas são a Emulsão de Óleo Mineral ou a Calda de Fumo. Caso o controle natural não produza os resultados esperados, é necessária a utilização de um inseticida organofosforado ou outro. Seu predador natural é a joaninha, assim como alguns tipos de vespas. Controle

22 Inimigos Naturais

23 Como o ataque da cochonilha é em reboleira, o controle químico pode ser localizado. Uma outra alternativa é a compra e a liberação de uma vespa parasitoide desta praga, apresentando excelentes resultados no controle da cochonilha das gramíneas. Controle

24 Biblioteca(s): Área de Informação da Sede. Data corrente: 25/03/2002 Data da última atualização: 25/03/2002 Autoria: BATISTA FILHO, A.; SILVA, E.M. da Título: Observações Sobre o Parasitismo de Neodusmetia Sangwani Sobre a Cochonilha (Antonina Graminis) Ano de publicação: 1988 Fonte/Imprenta: Pesquis Agropecuária Brasileira, Brasília, v.23, n.3, p , mar.1988 Idioma: Português

25 Controle Procurando-se determinar o índice de parasitismo causado pelo micro-himenóptero Neodusmetia sangwani (Rao, 1957) sobre a cochonilha (Antonina graminis Maskell, 1897), amostras de capim- favorito (Rhynchelyhum repens (Wild) Hubb.), infestadas pelo coccídeo, foram coletadas na Estação Experimental do Instituto Biológico em Campinas, São Paulo, no final de outubro de Essas amostras foram levadas ao laboratório da Seção de Controle Biológico das Pragas (SCPB) e as cochonilhas individualizadas em tubo de vidro de 3,5 cm de comprimento e 0,5 cm de diâmetro cuja boca foi lacrada com película de plástico transparente. As 75 cochonilhas obtidas, foram mantidas a uma temperatura média de 28º C e umidade relativa média de 65%. Após 35 dias, observou-se emergência de parasitóides, constatando-se aproximadamente 35% de cochonilhas parasitadas pela N. sangwani. Verificou-se também o total de 132 parasitóides emergidos, distribuídos em 17 machos e 115 fêmeas, sendo ainda determinado que a média de N. sangwani por cochonilha foi de 5,08. Da totalidade dos micro-himenópteros encontrados, apenas dois não pertenciam a espécie N. Sangwani.

26 São vespinhas da Família Encyrtidae (Neodusmetia sangwani) de 1 mm de comprimento, cor preta, sendo o macho alado e a fêmea áptera. Esta espécie foi introduzida no Brasil para controle da cochonilha, sendo que, de modo geral, as populações da cochonilha mantém-se abaixo do nível de controle graças à ação natural deste parasitóide. Controle

27 Neodusmetia sangwani Inimigos Naturais

28 Percevejo das gramíneas (Heteroptera: Lygaeidae) Blissus leucopterus O percevejo das gramíneas vem causando vultosos prejuízos à agricultura dos EUA por mais de 150 anos, onde é considerado nativo e conhecido vulgarmente por "chinch-bug". No Brasil foi constatado pela primeira vez em março de 1975, em Minas Gerais em pastagem de Tanner-grass (Brachiaria radicans). Hoje este percevejo já ocorre em diversas partes do país, concentrando-se preferencialmente em Minas Gerais, e apesar de atacar preferencialmente Tanner-grass, já foi encontrado em milho, capim marmelada, capim pé-de- galinha e capim colonião. Cenário

29 Blissus leucopterus Em inglês: Chinch Bugs Comprimento: 3 a 4 mm Coloração: preto e assas brancas, com mancha preta triangular no cório. Identificação Percevejo das gramíneas

30 Identificação

31

32 Danos no milho

33 Identificação Danos no trigo

34 São insetos pequenos, medindo de 3,5 - 4,0 mm de comprimento, de corpo preto e asas brancas com uma mancha preta triangular na extremidade do cório, do lado externo. Suas pernas e base das antenas são avermelhadas. Esses percevejos quando apertados entre os dedos exalam um odor característico. Vivem no solo, junto às plantas ou nas bainhas das folhas, sempre grudado e em grande número, onde colocam seus ovos. Apresentam ciclo biológico de 40 dias e são prejudicados pela baixa temperatura e excesso de chuva, tendo, portanto, maior população em anos mais secos. Biologia

35

36 A fase de resistência a baixas temperaturas desse inseto é a forma adulta, que no período de frio entra em hibernação nos mais variados abrigos e só entra novamente em atividade quando a temperatura ultrapassa 20ºC durante várias horas do dia. Esta praga tem sido encontrada nos capins Tanner- grass, marmelada, braquiária (B. decumbens), e também em milho, cevada, centeio, etc. Biologia

37 Prejuízo Os prejuízos são causados pelas formas adultas e jovens, através da sucção da seiva, e devido ao grande número, que pode chegar até a indivíduos por metro quadrado, causam um retardamento no crescimento das plantas e posteriormente a morte das mesmas. No capim Tanner-grass produzem o seu secamento e depois a sua morte, sendo um sintoma parecido com o secamento provocado pelas cigarrinhas, mas com o agravante de que o pasto não se recupera como acontece com a outra praga.

38 Prejuízo

39

40 Sucção de seiva Murchamento e morte das folhas (geada) Injeção de toxinas Torna o capim impalatável e desagradável Reduz a produção de leite e carne

41 Controle Os prejuízos são causados pelas formas jovens e adultas, devido à sucção de seiva. Dado o grande número, causam um retardamento no crescimento das plantas e posteriormente a sua morte. A amostragem deve ser feita pelo processo de flotação que consiste em utilizar um cilindro de 10 cm de diâmetro com as duas extremidades abertas, pressionando-o no chão enchendo-o de água na proporção de ¾ de seu volume. Assim, os percevejos que se encontram no solo flutuam no recipiente sendo facilmente contados. Por este processo o nível de infestação que exige controle se inicie caso sejam encontrados 10 ou mais percevejos por cilindro com cinco amostras por hectare.

42 Amostragem Mais que 10 percevejos por cilindro (5 cilindros/há) exigem controle.

43 Amostragem Mais que 10 percevejos por cilindro (5 cilindros/há) exigem controle.

44 Controle Recomenda-se a erradicação do capim "Tanner grass e Tangola, que é altamente susceptível à praga, em áreas infestadas. O controle químico também tem se mostrado eficiente. Não existem muitos estudos sobre inimigos naturais e formas de controle a não ser o químico, sendo realizado nos focos dos ataques.

45 As pragas cochonilha dos capins e percevejo das gramíneas são secundárias no complexo das pragas das pastagens. Devido a isso não existe muito material científico e pesquisa sobre essas pragas. Ainda assim, em determinadas épocas e regiões exigem atenção e cuidado. Quando possível, devemos privilegiar os métodos culturais, biológicos e de menor impacto ao ambiente, dentro do custo benefício satisfatório ao produtor rural. Considerações Finais


Carregar ppt "Doenças e Pragas de Pastagens Aula 7: Pragas Sugadoras."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google