A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

SESSÃO 6 UTILIZANDO MÉTODOS MISTOS PARA REFORÇAR CADA ESTÁGIO DA AVALIAÇÃO MICHAEL BAMBERGER E THOMAZ CHIANCA Avaliações baseadas em Métodos Mistos: Oportunidades.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "SESSÃO 6 UTILIZANDO MÉTODOS MISTOS PARA REFORÇAR CADA ESTÁGIO DA AVALIAÇÃO MICHAEL BAMBERGER E THOMAZ CHIANCA Avaliações baseadas em Métodos Mistos: Oportunidades."— Transcrição da apresentação:

1 SESSÃO 6 UTILIZANDO MÉTODOS MISTOS PARA REFORÇAR CADA ESTÁGIO DA AVALIAÇÃO MICHAEL BAMBERGER E THOMAZ CHIANCA Avaliações baseadas em Métodos Mistos: Oportunidades e Desafios IV Seminário Nacional da Rede Brasileira de Monitoramento e Avaliação Rio de Janeiro, Agosto

2 Resumo da Sessão 2 1. Utilizando métodos mistos para fortalecer os desenhos convencionais de avaliação de impacto 2. Utilizando métodos mistos no estágio do desenho da avaliação 3. Desenhos de amostras com métodos mistos 4. Abordagens de métodos mistos para coleta de dados 5. Interpretação e análise de dados com métodos mistos 6. Disseminação e relatórios utilizando métodos mistos

3 1. Utilizando métodos mistos para fortalecer os desenhos convencionais de avaliação de impacto 3 Fortalecendo desenhos de avaliação A. Reforçando a validade da construção B. Contextualizando a avaliação C. Análise do processo de implementação do projeto D. Aumentar a flexibilidade do desenho da avaliaçã0 E. Reforçar a estrutura da amostragem F. Prazo para avaliar os impactos G. Melhorar a combinação do grupo de controle

4 Reforçando a coleta de dados 4 A. Reconstruir a linha de base B. Melhorar a validade dos indicadores C. Entrevistar grupos difíceis de alcançar D. Informações sobre tópicos sensíveis E. Atenção para regras contextuais F. A possível perda do grupo de controle

5 Reforçando análise e utilização dos resultados de avaliação 5 A. Evitar longos atrasos em produzir recomendações e achados úteis B. Melhores estimativas de não observáveis C. Reforçar a generalização para outras configurações

6 2. Desenhos de avaliação baseados em métodos mistos 6 Integrar estruturas teóricas QUANT e QUAL Combinar geração de hipóteses dedutivas (QUANT) e indutivas (QUAL) Papel importante para modelos de teorias de programa

7 7 Desenho [Formulação E Justificativa] Entradas Processo de Implementação [Atividades] Entregas Resultados [Desejado e Não desejado] Impactos [Desejado e Não desejado] Sustentabilidade Contexto econômico no qual o projeto opera Ambiente e contexto político no qual o projeto opera Contexto institucional e operacional Características culturais e socioeconômicas das populações afetadas Um modelo lógico básico [Apostila 7-1] Ambiente físico Anos Construir pressupostos testáveis entre cada etapa AAAAA Construir pressupostos testáveis sobre como os fatores contextuais afetam a implementação e os resultados

8 8 Mulheres têm acesso limitado para oportunidades econômicas devido à falta de acesso a crédito e outros recursos produtivos e ao controle social Projeto oferece crédito, assistência técnica e formação de grupo Mulheres criam negócios Mulheres não criam negócios Uso para dote Mulher paga as dívidas Marido se apropria do lucro Geram lucros Melhoria do bem-estar Doméstico no curto prazo Lucro re-investido Negócio sustentado Empresa entra em falência Limitações de tempo Falta de demanda Pressões sociais Falta de recursos produtivos Melhoria permanente no bem-estar doméstico Melhoria da habitação Nutrição, saúde, vestuário Melhoria da educação especialmente para garotas Melhorias econômicas Modelo da Cadeia de Resultados para o Programa de Desenvolvimento de Pequenas Empresas de Mulheres [Apostila 7-2] Resultados positivos Resultados negativos

9 3. Desenhos de amostras utilizando métodos mistos [Apostila 7-3] 9 Estratégias básicas de MM Amostragem proposital e aleatória Amostragem utilizando métodos mistos em paralelo Amostragem MM sequencial Amostragem MM multi-níveis Amostragem agrupada Amostragem separa unidades de análise utilizando uma estrutura de amostragem mestre para assegurar a comparabilidade

10 4. Abordagens de métodos mistos para coleta de dados 10 Combinar todos os métodos de coleta de dados QUANT e QUAL Métodos MM usados normalmente Observação Fontes secundárias e medidas discretas Grupos focais Métodos de discussão e participativos e PRA Integrar entrevistas em profundidade e pesquisas estruturadas

11 5. Abordagens do método misto para interpretação e análise de dados [Apostila 7-4] 11 Análise de dados MM paralelo Conversão da análise de dados MM Análise de dados MM sequencial Análise de dados MM multi-nível Aplicar aspectos de estrutura analítica de uma tradição com outra tradição

12 Utilizando métodos mistos para reforçar a interpretação dos achados 12 Análise estatística frequentemente inclui achados não esperados ou interessantes que podem não ser explicados por meio da estatística. Visitas rápidas de acompanhamento podem ajudar a explicar os achados.

13 Interpretando os achados 13 Uma pesquisa QUANT de gerenciamento de água comunitário na Indonésia descobriu que com apenas uma exceção todo o fornecimento de água da vila era gerenciado por mulheres Visitas de acompanhamento descobriram que uma única uma mulher gerenciou um negócio agrícola muito rentável – dessa forma, os homens estavam dispostos a gerenciar a água para permitir que as mulheres tivessem tempo para produzir e vender a produção diária Fonte: Brown (2000)

14 14 Coleta de dados QUANT Dados sobre a renda e despesas coletados da pesquisa domiciliar Análise de dados QUANT: Calculando média, distribuições de frequência e desvio padrão de renda e despesas Análise de dados QUAL Revisão das notas das entrevistas e de observação. Análise utilizando método comparativo constante Coleta de dados QUAL Sub-amostra de famílias entrevistadas selecionadas. Entrevistas, informantes chave e observação. Notas detalhadas, entrevistas gravadas e fotos. PROCESSO DE TRIANGULAÇÃO Descobertas comparadas, reconciliadas e integradas. Quando diferentes estimativas são obtidas, todos os dados são revisados para entender por que as diferenças ocorrem. Se necessário, as equipes podem retornar para o campo para investigar mais. Possível retorno para o campo Validando achados por meio da triangulação

15 6. Relatórios e disseminação 15 Relatórios muitas vezes são dirigidos a públicos mais abrangentes Ir além de longos relatórios escritos e apresentações em PowerPoint Envolver os beneficiários nas apresentações Incluir visitas ao projeto nas apresentações Estruturar a narrativa em torno da teoria de mudança Uso de apresentação audiovisual Vídeos, fotos Incluir estudos de caso Métodos de apresentação sensíveis culturalmente Dança, teatro, narração de histórias

16 Relatórios de resultado colaborativos (Apostila 7-6) 16 Planejamento, coleta e análise de dados Estrutura do relatório Definição do escopo Processo de entrevista Coleta de dados Integração e análise de dados Painel de resultados Workshop de Cúpula Índice Instâncias de mudança significativa Implicações Gráfico de resultados Descrição do Programa e sua lóigica


Carregar ppt "SESSÃO 6 UTILIZANDO MÉTODOS MISTOS PARA REFORÇAR CADA ESTÁGIO DA AVALIAÇÃO MICHAEL BAMBERGER E THOMAZ CHIANCA Avaliações baseadas em Métodos Mistos: Oportunidades."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google