A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

A LEI DAS VANTAGENS COMPARATIVAS Inicia com MERCANTILISO SEC XVII E XVIII Surge : Teoria das vantagens absolutas (adam smith) Logo depois surge : Lei das.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "A LEI DAS VANTAGENS COMPARATIVAS Inicia com MERCANTILISO SEC XVII E XVIII Surge : Teoria das vantagens absolutas (adam smith) Logo depois surge : Lei das."— Transcrição da apresentação:

1 A LEI DAS VANTAGENS COMPARATIVAS Inicia com MERCANTILISO SEC XVII E XVIII Surge : Teoria das vantagens absolutas (adam smith) Logo depois surge : Lei das vantagens comparativas David Ricardo Que fundamenta-se na LEI DO VALOR DO TRABALHO que foi rejeitada Gottfried e Harbeller resgataram o conceito explicando a teoria das vantagens comparativas pela teoria do custo de oportunidade baseando-se nas fronteiras de produção e ou de transformação

2 A visão mercantilista tem origem: riqueza das nações de Adam Smith Maneira pela qual uma nação se tornava rica e poderosa era EXPORTAR MAIS DO QUE IMPORTAVA. Preconiza entrada de ouro e metais preciosos Como não haveria como todas as nações simultaneamente obter superavit um pais somente poderia auferir ganhos economicos em detrimento de outras nações Surge o conceito de Nacionalismo ECONOMICO a racionalidade por traz deste modelo aponta que os mercantilistas buscavam acumulo de ouro para financiar governos para que estes pudessem dispor de exércitos melhores e com isso obter maior poder colônias Hoje mede-se a prosperidade de uma nação pelo estoque de recursos humanos, recursos criados pelo homem e recursos naturais disponiveis para a produção de produtos e serviços MERCANTILISMO MEDE A PROSPERIDADE DA NAÇÃO PELO ESTOQUE DE METAIS PRECIOSOS

3 Comercio fundamentado em vantagens ABSOLUTAS DE ADAM SMITH Aponta que uma nação para comercializar com outra, ambas devem ganhar Destaca que o livre comercio levaria os recursos mundiais a serem utilizados de forma mais eficiente Enquanto MERCANTILISTAS acreditavam que somente haveria riqueza se uma nação levasse VANTAGEM sobre o comercio com a outra para ADAM SMITH todas as nações poderiam se beneficiar, uma vez que estas poderiam se completar em produtos que são naturalmente deficitários. UTILIZOU CONCEITO DE VANTAGEM ABSOLUTA.

4 Vantagens Absolutas Vantagens Comparativas Custo de Oportunidade Razões que explicam o comercio entre as nações Vantagens absolutas Vantagens comparativas - Taxas de cambio Exceção a lei das vantagens comparativas Custo de Oportunidade Países desenvolvidos negocia com os em desenvolvimento. Desta forma, cada pais especializa em um produto Na comercialização as nações deverão perceber se a sua Eficiência é maior ou menor do que a com quem negocia. Entretanto buscam o negócio em razão da taxa favorável do cambio Mesmo que uma nação possua desvantagem absoluta, ainda existe uma base para comercio Benéfico ( a não ser que a desvantagem absoluta esteja na mesma proporção para as duas comanditeis ) Apesar de ter maior vantagem comparativa quanto deixo de ganhar se fizer o trabalho de outro Comercialização entre países desenvolvidos não poderiam ser explicadas pela teoria das vantagens absolutas A diferença cambial favorece o comercio Desta forma, um produto ineficiente, ainda sim poderá indicar vantagem em se adquirir–lo externamente A situação acima raramente ocorre e não levam em consideração barreiras naturais como: custo, transporte e ou tarifas. Cada nação deverá buscar o que faz melhor do que a outra nação Relaciona-se a ganhos com o comercio

5 HIPÓTESES SIMPLIFICADORAS Vantagens Comparativas Custos de Oportunidade Custos de produção constantes Mobilidade de mão de obra perfeita em cada nação, Ausência de mudanças técnicas Ausência de custos transportes Destacou duas comanditeis e duas nações Destacou o livre comercio Teoria do valor do trabalho Não deve ser usada para explicar a teoria das vantagens comparativas de Ricardo

6 Segundo a teoria do valor do trabalho, o valor de uma Commodity depende da quantidade de mão de obra necessária para a produção desta Commodity. Desta forma parte do pressuposto que 1) Mão de obra é o único fator de produção ou que ela é utilizada na mesma proporção em qualquer produção 2) Que a mão de obra é homogênea NENHUMA DESTAS HIPOTESES É VERDADEIRA Desta forma, a mão de obra não é o único fator de trabalho nem mesmo é utilizada na mesma proporção nos processos independentes de fabricação

7 Teoria do custo de oportunidades. (fundamentando a teoria das vantagens comparativas) O custo de uma commodity é a quantidade de uma segunda commodity da qual se deve abrir mão para prover recursos necessários para produzir uma unidade adicional da primeira commodity

8 Os mercantilistas acreditavam que uma nação somente pode ganhar com o comercio a custa das outras Defendia restrições a importações Incentivos a exportações e Rigorosa regulamentação do governo Adam Smith- o comercio se baseia em vantagens absolutas e beneficia ambas as nações Quando uma nação se especializa na produção de uma commodity e troca pela produção da qual tem desvantagem absoluta beneficia a ambas uma vez que ambas tendem a consumir mais David Ricardo introduziu a lei das vantagens Comparativas – mesmo que uma nação seja ineficiente na produção de suas commodities Existe ainda uma base para comercio mutuamente benéfico.Desta forma a nação menos eficiente deve se especializar na exportação na qual a sua desvantagem absoluta for menor.


Carregar ppt "A LEI DAS VANTAGENS COMPARATIVAS Inicia com MERCANTILISO SEC XVII E XVIII Surge : Teoria das vantagens absolutas (adam smith) Logo depois surge : Lei das."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google