A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Urgência e Emergência Cardiovascular Atuação do Profissional Enfermeiro Enfª Renata Flavia Especialista em Cardiologia Clínica e Cirúrgica Mestranda em.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Urgência e Emergência Cardiovascular Atuação do Profissional Enfermeiro Enfª Renata Flavia Especialista em Cardiologia Clínica e Cirúrgica Mestranda em."— Transcrição da apresentação:

1 Urgência e Emergência Cardiovascular Atuação do Profissional Enfermeiro Enfª Renata Flavia Especialista em Cardiologia Clínica e Cirúrgica Mestranda em Enfermagem

2 Condução do Ar em Vias Aéreas ZONA CONDUTORA ZONA TRANSIÇÃO ZONA RESPIRATÓRIA

3 Unidade Funcional UNIDADEFUNCIONAL CAPILAR BRONQUÍOLO TERMINAL SACO ALVEOLAR HEMATOSE O2O2O2O2 CO 2

4 Fisiologia Respiratória

5 Fisiologia Pulmonar ShuntShunt áreas perfundidas e não ventiladas Espaço MortoEspaço Morto áreas ventiladas e não perfundidas

6 Relação Ventilação / Perfusão VD/VT = (PaCO 2 – PECO 2 ) PaCO 2 PaO 2 / FiO 2 < 300 injuria pulmonar ESPAÇO MORTO SHUNT

7

8 Embolia Pulmonar

9 Êmbolo Substância que circula de um local do corpo para outro através da corrente sanguínea; A maioria dos êmbolos é constituída por coágulos sanguíneos a partir de trombos; –também consistem em: pedaço de tecido, bolha de ar, gordura, bactéria, células neoplásicas ou substâncias exógenas.

10 Êmbolos Arteriais: –Originam-se no lado esquerdo do coração; –Arritmias, doença cardíaca valvar, infarto do miocárdio, ICC ou endocardite. Venosos: –Originam-se na circulação venosa; –Seguem para lado direito do coração e circulação pulmonar;

11 Trombose Venosa Profunda (TVP) Alta prevalência em pacientes neurológicos que apresentem imobilidade dos MMII; Diagnóstico clínico falho; Fatores de risco: –Imobilidade, malignidade, trauma, cirurgia, idade e alterações da coagulação.

12 TVP - Profilaxia Objetivo reduzir estase venosa Medidas: –Mecânicas: Movimentação ativa e deambulação precoce; Meias elásticas de compressão gradual; Compressão pneumática intermitente. –Farmacológicas: Heparinas não-fracionada; Heparina de baixo peso molecular.

13 Embolia Pulmonar - Epidemiologia Complicação pulmonar mais comum em pacientes hospitalizados; Incidência anual estimada em 300 mil casos; Mortalidade na primeira hora 12%; Obstrução do leito arterial pulmonar por um trombo desalojado; Lobo inferior D mais acometido; Embolia maciça pode ser fatal;

14 Embolia Pulmonar - Fisiopatologia FORMAÇÃO DE COÁGULO NO SISTEMA VENOSO DESLOCAMENTO DO COÁGULO PELO SISTEMA VENOSO SEGUINDO PARA CÂMARA CARDÍACA DIREITA ALOJAMENTO DO COÁGULO NO SISTEMA CIRCULATÓRIO E BLOQUEIO DO FLUXO SANGUÍNEO DISTAL ALVÉOLOS SÃO IMPEDIDOS DE PRODUZIR SURFACTANTE PARA MANTER INTEGRIDADE VASCULAR ALVÉOLOS ENTRAM EM COLAPSO E SE DESENVOLVE ATELECTASIA

15 Fisiopatologia

16

17 Diagnóstico Arteriografia pulmonar; Cintigrafia V/Q

18 Alterações Hemodinâmicas EMBOLIA PULMONAR AUMENTO DA RESISTÊNCIA VASCULAR PULMONAR SOBRECARGA VD

19 Causas Trombose venosa profunda; Trombose venosa pélvica, renal e hepática; Trombo no lado direito do coração; Trombose em membro superior; Fibrilação atrial; Cardiopatia valvar;

20 Fatores de Risco Imobilidade prolongada; Cirurgia recente; Obesidade; Uso de anticoncepcional oral com alto teor de estrogênio; Viagens longas de carro ou avião.

21 Manifestações Clínicas Hipoxemia: –Taquicardia –Dispnéia; –Sinais de colapso circulatório; –Alcalose respiratória. Processo inflamátório: –Febre baixa.

22 Manifestações Clínicas Depende do tamanho do êmbolo; Dispnéia; Taquipnéia e taquicardia; Febre leve, leucocitose é rara; Dor torácica tipo pleurítica e hemoptise – associadas a infarto pulmonar.

23 Sinais e Sintomas Embolia pulmonar maciça; –Taquipnéia acentuada; –Cianose; –Taquicardia; –Agitação e confusão; –Hipotensão; –Redução débito urinário; –Pele fria e úmida.

24 Sinais e Sintomas Dor; Vasoconstricção e IC direita: –Hemoptise; –Cianose; –Síncope; –Distensão jugular.

25 Tratamento Correção de causas predisponentes à trombose venosa; Oxigenoterapia; Anticoagulação – heparina; Terapia fibrinolítica; Vasopressores; Antibióticos;

26 Tamponamento Cardíaco

27 Conceitos e Condutas Acúmulo de líquido no pericárdio causando aumento da pressão intrapericárdica, com conseqüente compressão cardíaca; Pode ocorrer no pós-operatório imediato de cirurgia cardíaca intervenção imediata; Se a causa for sangramento toracotomia exploradora.

28 Fisiopatologia PRESSÃO INTRAPERICÁRDICA ENCHIMENTO DIASTÓLICO VENTRICULAR EQUALIZAÇÃO DAS PRESSÕES DE ENCHIMENTO

29 Diagnóstico Exame físico: –Avaliar sinais clínicos: Tríade de Beck: –Pulso paradoxal; –Bulhas hipofonéticas; –Hipotensão. Observar drenagem x diurese; Exame complementar: –Ecocardiograma bidimensional; –Observar pressões de enchimento CAP.

30 Toracotomia Exploradora Indicações: –Parada cardíaca não-responsiva à massagem cardíaca externa; –Rotura cardíaca ou dos grandes vasos; –Desinserção de anastomose coronariana; –Sangramento pós-operatório; Intervenção cirúrgica: –Drenar o derrame pericárdico.

31 Pericardite

32 Pericardite Aguda Inflamação do pericárdio caracterizada por dor torácica, atrito pericárdico e alterações eletrocardiográficas; Causas: –Viral ou idiopática; –Associada à cirurgia cardíaca; –Tuberculose; –IAM; –Neoplasias; –Trauma

33 Manifestações Clínicas Dor torácica: –Queixa principal; não tem relação com esforço físico; Dispnéia: –Piora na presença de febre ou em grande derrame pericárdico, podendo levar à congestão pulmonar. Outros sintomas: –Tosse e perda de peso (BK;

34 Diagnóstico e Tratamento Atrito pericárdico à ausculta cardíaca; Exames complementares: –ECG –Radiografia de tórax; –Exames laboratoriais; –Ecocardiograma; Conduta: –Antiinflamatórios, antibióticos e corticóides; –Drenagem pericárdica.

35 Pericardite Constrictiva Fibrose do pericárdio, levando ao espessamento e aderência de suas membranas; Restringe enchimento diastólico, causando alterações cardíacas; Ocorre, geralmente, após episódio de pericardite aguda; Principais causas tuberculose e idiopática.

36 Fisiopatologia FIBROSE E CALCIFICAÇÃO PERICÁRDICA RESTRIÇÃO DIASTÓLICA ENCHIMENTO RÁPIDO E ABRUPTO NO INÍCIO DA DIÁSTOLE PRESSÃO INTRATORÁCICA DIMINUI NA INSPIRAÇÃO

37 Diagnóstico e Tratamento Exame físico: –ICC e repercussões; –Caquexia; –Estase jugular e sinal de Kussmaul; –Pulso paradoxal. Exames complementares: –ECG e radiografia de tórax. Conduta: –Pericardiectomia.

38 Obrigada!


Carregar ppt "Urgência e Emergência Cardiovascular Atuação do Profissional Enfermeiro Enfª Renata Flavia Especialista em Cardiologia Clínica e Cirúrgica Mestranda em."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google