A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Petrobras, auto-suficiência, e desenvolvimento nacional

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Petrobras, auto-suficiência, e desenvolvimento nacional"— Transcrição da apresentação:

1 Petrobras, auto-suficiência, e desenvolvimento nacional
André Garcez Ghirardi DFIN/Petrobras Salvador, 06 de maio de 2005

2 Visão geral: Petróleo no Mundo
Controle Acionário Reservas Investimentos Petróleo Gás Auto-suficiência Internacional Preços

3 Reservas totais: 1,150 bilhões bbl Fonte: BP Statistical Review 2004
Reservas Mundiais ao final de 2003 Reservas totais: 1,150 bilhões bbl Fonte: BP Statistical Review 2004

4 Fonte: BP Statistical Review 2004
Distribuição das Reservas Mundiais Fonte: BP Statistical Review 2004

5 Fonte: BP Statistical Review 2004
Razão Reservas/Produção Fonte: BP Statistical Review 2004

6 Visão geral: Petróleo no Mundo
Controle Acionário Reservas Investimentos Petróleo Gás Auto-suficiência Internacional Preços

7 Composição do Capital Social
Capital Votante - Ações Ordinárias Capital Não-Votante - Ações Preferenciais Capital Social Posição em mar/05

8 Visão geral: Petróleo no Mundo
Controle Acionário Reservas Investimentos Petróleo Gás Auto-suficiência Internacional Preços

9 Reservas de óleo e gás dez/2003 Critério SEC
Bilhões de boe 10 Cia =146 bilhões de barris

10 Reservas Provadas em 31/dez/2003 (SPE)
Perfil das Reservas Provadas Reservas Provadas em 31/dez/2003 (SPE) (12,6 bilhões boe) Óleo + condensado Reservas Provadas Não Desenvolvidas Gás Não Associado Gás Associado Reservas Provadas Desenvolvidas 1o Grande Desafio – Implantação de muitos Projetos : 7,3 bilhões de barris a Desenvolver.

11 Reservas Provadas no Brasil
SPE (bilhão boe) Produção Acumulada Até 12/2003

12 Descobertas em 2003: 6,6 bilhões de boe
0,95 bi bbl Jubarte & Cachalote 6,6 bi boe TOTAL 2,0 bi bbl Óleo ~ 17 º API 1,0 bi bbl Óleo Leve 14,8 TCF Gás Natural -3000m ITOBI 250km RING FENCES Bacia de Se-Al (Óleo Leve) ~ milhões bbl LEMBRETE (NÂO É PARA SER LIDO) Tendo em vista as novas oportunidades, entende a Petrobras que que podem ser discutidas formas de participação de outras companhias, desde que: - A Petrobras seja operadora; - A participação de outras companhias seja minoritária; - Os projetos a serem discutidos não interfiram na meta de auto-suficiência da Petrobras, prevista para o final de 2005 / início de 2006. No momento, a Petrobras está reavaliando seu Plano Estratégico, cuja revisão deve ser concluída até março de 2004 e, durante essa revisão, possíveis modelos de participação estão sendo estudados. Os projetos que a Petrobras priorizou para análise são: - Desenvolvimento de Marlim Leste (óleo pesado Bacia de Campos); - Desenvolvimento de Jubarte (óleo pesado Bacia de Campos, no Espírito Santo); - Desenvolvimento de Cachalote (óleo pesado Bacia de Campos, no Espírito Santo); - Desenvolvimento Complementar do Gás da Amazônia (oferta adicional de gás aos volumes destinados a Manaus e Porto Velho). Bacia do ES (Óleo Leve) ~450 milhões bbl Bacia de Campos (BC-60 - óleo 17º API ) ~ 2,0 bilhões bbl (óleo leve- BC-60) ~ 400 milhões bbl Bacia de Santos (Gás natural) ~14,8 TCF G3980

13 Planejamento Estratégico 2004-2010
Novas Províncias Produtoras de Petróleo Campos descobertos até 1984 Campos descobertos após 1984 Campos descobertos em 2002/2003 Descobertas em avaliação (Planos de Avaliação) Volume Descoberto > 4 bi boe Volume Descoberto > 2,5 bi boe Volume Descoberto > 10 bi boe

14 Bacia de Campos – Final de 2002 5,5 bilhões de barris a desenvolver
Roncador Campos Albacora Macaé 175 km Marlim Marlim Sul Cabo Frio Barracuda Área da bacia: km2 40 Campos, entre 400 e 3000 m de LDA. Sistemas de Produção: *Plataformas Fixas: 14 *Sistemas Flutuantes: 14 *FPSO: 9 Rio de Janeiro Caratinga 20 40 60 km 2.000 m 400 m 1.000 m

15 Visão geral: Petróleo no Mundo
Controle Acionário Reservas Investimentos Petróleo Gás Auto-suficiência Internacional Preços

16 Investimentos históricos da PETROBRAS
US$ MILHÕES (Dólares correntes corrigidos pela Inflação Americana – PPI Index) Investimentos Totais: US$ 117,2 bilhões E&P  59% ABAST  26% OUTROS  15% 2003 Refinarias / E&P no mar Auge da Bacia de Campos Águas Profundas / Bolívia-Brasil / Perez-Companc

17 Plano de Investimentos 2004-2010
US$ 53,6 bilhões no período , representando um investimento médio anual de US$ 6,6 bilhões no país e US$ 1,1 bilhão no exterior. Fontes e Usos Distribuição por localização Distribuição por negócio US$ 46,1 bi US$ 11,2 bi 6,1 1,7 US$ 32,1 bi US$ 7,5 bi 1,4 1,1 (1), (2) (1) (1) (1) (1) (1) (1) Inclui a área Internacional (2) E&P doméstico: investimento de US$ 26,2 bilhões Plano Estratégico em fase de revisão com divulgação prevista para abril / maio de 2005

18 Número de Empregos Gerados
PROMINP: geração de empregos Até 203 mil empregos serão gerados durante a implementação dos projetos Universo de Empregos Gerados pelos Investimentos na Indústria de Petróleo e Gás Total de Empregos Gerados Pico: 203 mil empregos Média de Empregos Gerados Média de Empregos Gerados 166 mil 189 mil Estimativa de MO Indireta Número de Empregos Gerados Estimativa do Total de MO Direta * Ano * Recursos Críticos, Não Críticos e Serviços Complementares

19 Refino: Refinaria Landulpho Alves (RLAM)
Localização: São Francisco do Conde – BA; Área: 6,4 km2 Principais produtos: propano, propeno, iso-butano, gás de cozinha, gasolina, nafta petroquímica, querosene, querosene de aviação, parafinas, óleos combustíveis e asfaltos. Capacidade instalada: 307 mil barris/dia. RLAM Investimentos de US$ 745 milhões: Adequação da refinaria ao processamento de óleo pesado e ao perfil de consumo da região

20 Refino: Lubrificantes e Derivados de Petróleo do Nordeste (LUBNOR)
Localização: Fortaleza - CE. Área: 0,4 km2; Principais produtos: Asfaltos, óleos lubrificantes, gás natural, óleo combustível para navios, gás de cozinha e óleo amaciante de fibras. Capacidade instalada: 6 mil barris/dia. LUBNOR

21 Investimentos Futuros do E&P
Projetos de Exploração e Produção ( ) $ 26,2 bilhões $ 6,0 bilhões $ 32,2 bilhões No Brasil Internacional Total Exploração e Produção no Brasil ( ) Exploração Desenvolvimento da Prod Total $ 3,4 bilhões $ 22,8 bilhões $ 26,2 bilhões Project Finance Fluxo de Caixa e Financ. Corp. Total $ 1,4 bilhões $ 24,8 bilhões $ 26,2 bilhões Projetos E&P no Exterior 11% Outros 5% Distribuição 3% Gas & Energia 11% Transporte, Refino e Vendas 21% E&P Brasil 49% U$ 53,6 bilhões

22 Visão geral: Petróleo no Mundo
Controle Acionário Reservas Investimentos Petróleo Gás Auto-suficiência Internacional Preços

23 Gasoduto Sudeste-Nordeste GASENE Malha de Gasodutos do Nordeste
Gás Natural: Principais Projetos Gasoduto Sudeste-Nordeste GASENE Malha de Gasodutos do Nordeste Gasoduto Campinas – Rio de Janeiro Malha de Gasodutos do Sudeste Gasoduto Uruguaiana-Porto Alegre (TSB) Gasoduto Urucu - Coari – Manaus

24 Gás Natural: GASENE – Gasoduto de Integração
Comprimento Total: 1,215 km Diâmetro: / 28 pol. Capacidade: 20 Milhões m3 / dia Operação: Estados / Número de Cidades: Rio de Janeiro: 05 Espírito Santo: 17 Bahia : 45

25 Gás Natural: Nordeste Principais projetos em andamento na área de produção Iniciou operação em 2003 a UPGN-Pilar, com capacidade de milhões m3/d; Entrou em operação, em março/2005, a terceira UPGN na Bahia (Catu), com capacidade de 2,5 milhões m3/d; Instalação da terceira UPGN em Guamaré/RN, em 2005, com capacidade para 1,5 milhão m3/d, elevando o processamento no Pólo Guamaré para 6,5 milhões m3/d; Implantação do Projeto Manati na Bahia, com capacidade de produção de 6 milhões m3/d, através de 7 poços, em 2006; Implantação de vários projetos de gás offshore.

26 Gás Natural: Bahia US$ 760 milhões para o GASENE: metade do traçado em território baiano US$ 560 milhões para a expansão de gasodutos do nordeste (Projeto Malhas): boa parte dirigida à melhoria da malha baiana

27 Visão geral: Petróleo no Mundo
Controle Acionário Reservas Investimentos Petróleo Gás Auto-suficiência Internacional Preços

28 Produção de Petróleo Milhões de boepd 10 cias - 26,2

29 Produção de Óleo no Brasil
2500 2300 2000 P-55, P-57, 1750 1540 1500 1510 P-51, P-52 1500 1336 P-53, P-54 1271 Mil barris/dia 1132 1004 FPSO GOLFINHO 1000 869 FPSO ESP. 809 693 716 P-43, P-48 P-34, P-50 500 FPSO MLS 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012

30 Produção de Óleo da Petrobras x Demanda Nacional
Produção Petrobras/ Consumo de derivados 52% 70% 91% 100% 114% Produção Petrobras Consumo de derivados (*) Estimativa Petrobras considerando um crescimento da demanda de 2,4 % ao ano

31 Demanda de Derivados de Petróleo no Brasil
Auto-Suficiência mil bpd 300 323 226 246 732 874 121 258 196 222 127 100 2003 Meta 2010 GLP Gasolina Nafta Diesel + QAV OC Outros 1.700 2.023 Crescimento de 2,4% aa Demanda de Derivados de Petróleo no Brasil

32 O Planejamento Estratégico 2004/2010 e a Auto-Suficiência no BRASIL
A produção crescerá em média 5,9% a.a. até 2010, atingindo a auto suficiência em 2006. Produção de Óleo e de LGN (milhões de barris/dia) 2,30 Produção excedente 1,78 1,54 Produção processada pela Petrobras no Brasil Para o ano em curso, a meta estabelecida, de 1,59 milhão de barris diários, contempla um crescimento de 6% em relação à produção média de O crescimento projetado de 6%, bastante significativo quando comparado às taxas de companhias de petróleo de capital aberto do porte da Petrobras, que são da ordem de 1% ao ano, será obtido, principalmente, com a entrada em operação de novos poços nos campos de Roncador (FPSO-Brasil), Albacora, Marimbá (FPSO de Espadarte), Marlim, Voador, Bijupirá, Salema, Bicudo e Pampo, todos localizados na Bacia de Campos, e pela melhoria da performance operacional dos sistemas de produção. Entretanto, a meta de produção estabelecida anteriormente para o ano de 2005, de 1,9 milhão de barris por dia, está sendo revista para 1,82 milhão de barris por dia (apenas 4% menor) por motivos de atrasos nos projetos de Barracuda (P-43), Caratinga (P-48), Albacora Leste (P-50), Marlim Sul Módulo 2 (P-51) e Roncador Módulo 1A - Fase 2 (P-52), em parte motivados por mudanças e aprimoramentos na política de contratação da Companhia, como será discutida posteriormente. Esses atrasos estão sendo parcialmente compensados pela melhor produtividade do campo de Marlim Sul, que deverá ter um novo FPSO em operação a partir de meados de 2004, e pela contribuição da produção de novas descobertas ocorridas nos campos de Albacora e no bloco BC-60, que já possui o campo de Jubarte em operação a partir de um projeto piloto. Por outro lado, para 2007, projeta-se uma produção de 2,22 milhão bpd, contemplando, também, a contribuição da produção de novos projetos em fase final de concepção, como P-53 (Marlim Leste) e P-54 (Roncador Módulo 2), e ainda de novas fases de implantação de sistemas de produção nos campos de Marlim Sul e Roncador, fazendo com que a taxa média de crescimento da produção até 2007 seja de 8% ao ano. A parcela de produção advinda das parcerias operadas por outras empresas não é significativa. Somente o projeto de Bijupirá-Salema, previsto para operar a partir de julho deste ano, é que terá a Shell como operadora e terá pico de produção de 75 mil barris/dia, dos quais 20% serão da Petrobras. Em 2007, o campo de Frade também terá como operador um parceiro. Do total de 2,22 milhões bpd produzidos pela Companhia serão aproveitados em torno de 1,58 milhão no parque de refino próprio e estarão disponíveis para exportação e processamento por terceiros, 640 mil barris diários provenientes principalmente dos campos de Marlim, Marlim Sul e Albacora Leste. O custo de extração deverá apresentar uma redução média anual de 2,22% até 2005, atingindo o valor de US$ 2,80, em virtude do crescimento da produção com a utilização de sistemas de alta produtividade conjugado com poços horizontais e depois permanecerá estável até 2007. A partir de 2006 a produção de óleo leve dos novos projetos poderá chegar a 150 mil bpd.

33 Mercado de Gás Natural no Brasil
77,6 Milhões de m3/dia Crescimento de 14,2% aa 30,7 Obs: não inclui consumo interno da Petrobras

34 Para o futuro... Produção (0,60 bilhão boe) 1,02 = 170 % 0,60
Taxa interna de reposição de reservas assegura alcance de metas de produção Descobertas em blocos exploratórios Novas áreas anexadas aos campos de Golfinho, Baleia Azul, Baleia Anã, Baleia Bicuda, Piranema e Lagosta Descobertas em áreas de concessão de campos de produção (Ring Fence) Espadarte (Área do ES-21) Revisões em campos existentes em 2003 Principalmente nos campos de Roncador e Badejo. Produção (0,60 bilhão boe) Reposição Interna 2004 1,02 0,60 = 170 % As Reservas Provadas de óleo, condensado e gás natural da Petrobras, no Brasil, chegaram a 13,02 bilhões de barris de óleo equivalente (boe), registrando um aumento de 3,3 % em relação a 2003. Essa marca foi alcançada pela incorporação de 1,02 bilhão de boe durante o ano, enquanto o volume produzido foi de 0,60 bilhão de boe. Com isso, o Índice de Reposição de Reservas Provadas (IRR) chegou a 170 %. Esse resultado significa que a companhia incorporou um volume de óleo equivalente 1,7 vezes maior que o produzido no ano. A relação reserva/produção (R/P) aumentou para 21,7 anos. Os avanços nas atividades de exploração e o desempenho na sexta rodada de licitações promovida pela Agência Nacional do Petróleo (ANP), disputada com grandes competidores internacionais, tornam perfeitamente factível a meta de atingir 17,3 bilhões de barris de óleo equivalente (boe) de reservas provadas no Brasil, em 2010, estabelecida por nosso Plano Estratégico, ante 13,02 bilhões de boe atuais, pelos critérios da Society of Petroleum Engineers (SPE). Dos 113 blocos disputados no leilão, a Companhia arrematou 107, garantindo a continuidade do esforço exploratório que tem levado a importantes descobertas. Ao mesmo tempo a companhia buscou áreas em diversas bacias no País e hoje explora do Oiapoque ao Chuí.

35 Para o futuro... Diluição do risco geológico através de novas áreas exploratórias e crescente índice de sucesso exploratório

36 Visão geral: Petróleo no Mundo
Controle Acionário Reservas Investimentos Petróleo Gás Auto-suficiência Internacional Preços

37 Estratégias de Negócios - Internacional
80% dos investimentos para a área internacional serão destinados ao E&P Investimentos ( ) de US$ 7,5 bilhões Produção (mil boed) 613 305 246 Os investimentos internacionais estão concentrados na área de exploração e produção, que absorveram em torno de US$ 4,3 bilhões ou 85% do total. A maior parte do crescimento da área internacional advém dos ativos na Argentina e Nigéria Espera-se um crescimento na produção de 54% a.a até 2007 proveniente especialmente da aquisição da PeCom e do desenvolvimento dos campos na Nigéria. O crescimento em 12% a.a da carga processada advém da aquisição dos ativos de refino da PeCom que correspondem a 62 mil bpd. A América Latina receberá cerca de 50% dos investimentos previstos.

38 Internacionalização da Petrobras:
Motivações: Em 1972, A Braspetro foi criado para garantir o Abastecimento Nacional. Em 2000, a necessidade de reduzir o custo de Capital para o desenvolvimento dos campos da Bacia de Campos. Em 2004, o crescimento da produção nacional com o excedente da produção de óleo e derivados tendo que ser exportado, coloca a Petrobras como uma importante empresa no mercado internacional.

39 Internacionalização Buscar a liderança como empresa integrada de energia na América Latina; Expandir a atuação no setor americano do Golfo do México e Oeste da África; Ampliar as Áreas Foco da Petrobras através de negócios que contribuam para o crescimento e diversificação do portfolio; Agregar valor à produção de óleo pesado da Petrobras; Acelerar a monetização das reservas de gás natural; Internacionalizar e valorizar a marca Petrobras.

40 Resultado por países 2004 (US$ mil)
Internacionalização Lucro Líquido 2004* Resultado por países 2004 (US$ mil) ** Contempla resultado das Unidades Irã, Tanzânia, Nigéria, Sede e eliminações. * Exclui Corporativo e eliminações

41 Visão geral: Petróleo no Mundo
Controle Acionário Reservas Investimentos Petróleo Gás Auto-suficiência Internacional Preços

42 Preços Internacionais
Fonte: BP Statistical Review 2004

43 Comercialização de Óleo Pesado no mundo
Com o aumento do preço do petróleo, muito óleo pesado foi colocado no mercado: PDVSA ( > 1 milhão bpd), PEMEX ( > 1 milhão bpd), EXXON e Chevron/Texaco com volumes menores. A margem entre o óleo Diesel e o óleo combustível de quase 30 US$/bbl, faz o Spread entre o óleo pesado e o óleo leve aumentar de valores entre 3 a 6 US$/bbl para valores entre 10 a 15 US$/bbl Isso torna atrativo o Investimento a curto prazo para a área de refino, buscando craquear mais o óleo pesado para produzir derivados mais leves. A longo prazo, com a adaptação das refinarias volta-se ao preço de equilíbrio entre óleo combustível e o diesel fique em torno de US$/bbl.

44 Considerações Finais Forte programa de investimento para a implantação de grandes projetos de E&P - alavancando a Indústria Nacional; elevando a produção nacional a 2,3 milhões de barris por dia até 2010; crescimento das reservas de 12,6 para 17,3, garantindo uma R/P sustentável de anos e Investimentos anuais no E&P entre 4-5 bilhões de dólares por ano, nos próximos 7 anos. 2) Investimento na adequação e expansão do parque de refino ao perfil do consumo nacional. - O programa de Dieselização levado a cabo pelo governo brasileiro na década de 70, e a descoberta de petróleo pesado na década de 80, demandou a implantação e a readaptação das refinarias e isso tem impacto na auto-suficiência de alguns derivados, evidenciando a necessidade de troca de produtos 3) O aumento do “spread” entre óleo pesado e óleo leve de 3 a 6 dólares para 10 a 15 US$/bbl. Minimizou, no Brasil, o impacto do aumento do petróleo no mercado internacional. E pressiona um maior investimento de curto prazo para a área de refino.

45 Considerações Finais 4) A Internacionalização da Petrobras é movida pela necessidade de expandir o mercado, com o aumento da exportação de óleo cru e derivados. 5) Descentralização dos investimentos: Novas províncias produtoras no Espírito Santo e na Bacia de Santos. 6) Otimização do Portfólio de E&P priorizando a colocação em produção dos campos de óleo leve descobertos. 7) Expansão da infra-estrutura para o desenvolvimento do mercado de gás natural. 8) Compromisso com crescimento, rentabilidade e responsabilidade social e ambiental.

46 Obrigado pela Atenção! Fim


Carregar ppt "Petrobras, auto-suficiência, e desenvolvimento nacional"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google