A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

COMPLEXIDADE E TRANSDISCIPLINARIDADE Paulo Margutti.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "COMPLEXIDADE E TRANSDISCIPLINARIDADE Paulo Margutti."— Transcrição da apresentação:

1

2 COMPLEXIDADE E TRANSDISCIPLINARIDADE Paulo Margutti

3 Estrutura da Apresentação 1. Contextualização histórica 2. A disciplinaridade em questão 3. Exemplo de abordagem transdisciplinar 4. Um olhar para o futuro

4 1. Contextualização histórica

5 Fato importante da segunda metade do século XX: Mudança de perspectiva, caracterizada por:  Declínio do paradigma galileico- newtoniano  Ascensão de novos paradigmas de caráter sistêmico

6 Principais aspectos do paradigma galileico-newtoniano:  Universo como sistema mecânico  Vida em sociedade como competição  Crença no progresso material ilimitado  Valores antropocêntricos  Método analítico  Perspectiva monodisciplinar  Metáfora de base: EDIFÍCIO

7 A complexidade e o paradigma galileico-newtoniano  A própria ciência nos levou a certos objetos que se revelam complexos demais para serem explicados como sistemas mecânicos  A idéia de competição e os valores antropocêntricos dificultam a compreensão desses objetos  O método analítico e a monodisciplinaridade são insuficientes para o estudo desses objetos

8 Dificuldades para superar esse problema o paradigma galileico-newtoniano foi responsável pelo avanço científico- tecnológico e não pode ser abandonado sem problemas por mais limitado que seja, o conhecimento disciplinar especializado constitui um instrumento indispensável

9 Estratégia para superar essas dificuldades a situação sugere a instauração de processos de colaboração entre as diversas disciplinas isso poderia permitir uma abordagem mais adequada dos objetos complexos sem abandonar as vantagens das disciplinas os processos de colaboração podem assumir múltiplas formas, cada uma das quais sendo selecionada em virtude de sua adequação

10 2. A disciplinaridade em questão

11 Formas possíveis de articulação das diversas disciplinas monodisciplinaridade perdisciplinaridade multidisciplinaridade interdisciplinaridade transdisciplinaridade

12 Monodisciplinaridade envolve uma única disciplina conhecimento especializado ausência de articulação com as demais disciplinas modelo acadêmico tradicional, de tipo compartimentalizado produz conhecimento, mas restrito a um campo específico

13 Perdisciplinaridade envolve duas disciplinas especializadas uma delas explica através de seus métodos o objeto da outra as fronteiras disciplinares são cruzadas, mas de um ponto de vista exterior e sem cooperação de outras disciplinas exs.: física da música, política da literatura

14 Multidisciplinaridade envolve mais de uma disciplina cada disciplina envolvida mantém sua metodologia e teoria, sem modificações não há integração dos resultados obtidos busca a solução de um problema imediato, sem explorar a articulação ex.: institutos de pesquisa como a RAND Corporation (think tank)

15 Interdisciplinaridade envolve mais de uma disciplina adota uma perspectiva teórico- metodológica comum para as disciplinas envolvidas promove a integração dos resultados obtidos busca a solução dos problemas através da articulação de disciplinas

16 Estudos Interdisciplinares são programas de estudo que usam a interdisciplinaridade para investigar um determinado objeto que é muito complexo ou muito abrangente para ser compreendido através do conhecimento e da tecnologia de uma única disciplina

17 Exemplo de estudos interdisciplinares estudos de ciência e tecnologia antropologia história sociologia filosofia

18 Estudos de Ciência e Tecnologia – Detalhamento objeto: as interações entre os valores sociais, políticos e culturais e a pesquisa científica e tecnológica suposição básica: a ciência e a tecnologia são fenômenos sociais (isso permite descobrir novas perspectivas) preocupação: a direção tomada pela ciência e tecnologia e seus riscos

19 Breve histórico dos Estudos de Ciência e Tecnologia surgimento a partir da década de 1960, quando se percebeu a inserção social da ciência e da tecnologia realizou uma articulação de disciplinas inicialmente independentes (História e filosofia da ciência, História da tecnologia, Estudos de ciência, tecnologia e sociedade, etc.)

20 Transdisciplinaridade envolve um grande número de disciplinas gera um enfoque teorica e metodologicamente unificado integra as diversas disciplinas através da superação de fronteiras ex.: as diversas abordagens sistêmicas (Capra, Morin, Nicolescu, Wilber)

21 Ponto de interseção interdisciplinaridade e transdisciplinaridade lidam com a complexidade através de uma articulação teorico-metodológica com integração de resultados

22 Explicação da diferença interdisciplinaridade programa de estudos de abrangência limitada a integração disciplinar obtida é independente das disciplinas e repercute sobre elas, mas não as explica (inter-disciplina) transdisciplinaridade programa de estudos de abrangência bem maior a integração disciplinar é independente das disciplinas e não só repercute sobre elas, mas as explica (macro-disciplina)

23 3. EXEMPLO DE ABORDAGEM TRANSDISCIPLINAR A Proposta de Capra

24 Principais aspectos do paradigma sistêmico emergente:  Universo como rede de relações  Corpo humano como sistema  Vida em sociedade como cooperação  Descrença no progresso material ilimitado  Método holístico  Valores ecocêntricos  Metáfora de base: REDE

25 Avanços científicos que viabilizaram o novo paradigma sistêmico  Mecânica quântica (Bohr, Heisenberg)  Teoria dos sistemas (Bertalanffy)  Cibernética (Norbert Wiener)  Matemática da complexidade (Mandelbrot)  Termodinâmica dos sistemas abertos (Prigogine)  Teoria de Santiago (Maturana e Varela)

26 Contribuição da Mecânica Quântica (Bohr, Heisenberg):  Processo de observação envolvendo PREPARAÇÃO separada da MEDIÇÃO  Partícula observada = possibilidade de interconexão entre preparação e medição  Cientista implicado na observação: o modo de medir determina a propriedade medida  Síntese: mútua ligação e interdependência dos fenômenos subatômicos

27 O princípio de complementaridade onda partícula elétron domínio de descrição1 lógica de tipo 1 domínio de descrição 2 lógica de tipo 2 independência

28 Contribuição da Teoria dos Sistemas (Bertalanffy):  há uma contradição entre a termodinâmica (desordem crescente) e a teoria da evolução (ordem crescente)  Os sistemas vivos são abertos e não podem ser descritos pela termodinâmica clássica  A ciência clássica deve ser complementada por uma nova termodinâmica dos sistemas abertos

29 Contribuição da Cibernética (Wiener e outros):  Na tentativa de desenvolver máquinas auto-reguladoras, os estudiosos da cibernética chegaram à noção de RETROALIMENTAÇÃO

30 A noção de retroalimentação: fator A fator B sensor máquina efeito Retroalimentação produz auto-organização

31 Contribuição da matemática da complexidade (Mandelbrot):  Mundo das equações lineares: sistemas descritos por equações deterministas simples se comportam de maneira simples  Mundo não linear: equações deterministas simples podem produzir riqueza e variedade de comportamento insuspeitadas

32 Contribuição da matemática da complexidade:  Comportamentos complexos e aparentemente caóticos podem produzir estruturas ordenadas (atratores estranhos)  O comportamento de sistemas caóticos não é meramente aleatório, mas exibe ordem padronizada num nível mais profundo

33 Geometria Fractal (Mandelbrot) Fornece a linguagem matemática adequada para descrever a estrutura em escala fina dos atratores caóticos É a linguagem para falar de nuvens, para descrever e analisar a complexidade das formas irregulares da natureza

34 Termodinâmica dos sistemas abertos (Prigogine)  Mais adequada para descrever sistemas afastados do equilíbrio  Estruturas dissipativas: afastadas do equilíbrio, desenvolvem formas de complexidade sempre crescente  Ligando não equilíbrio e não linearidade, Prigogine desenvolveu uma termodinâmica própria para sistemas afastados do equilíbrio

35 Estrutura dissipativa  Aberta ao fluxo de energia e de matéria  Envolve a coexistência de mudança com estabilidade  A dissipação torna-se uma fonte de ordem, através de laços de retroalimentação

36 Exemplo de estutura dissipativa: o redemoinho gravidade forças centrífugaspressão da água Estrutura de vórtice auto-organizada, estável e dissipativa ao mesmo tempo, enquanto houver fluxo de água

37 A célula como estrutura dissipativa A célula pode ser descrita como uma estrutura estável com matéria e energia fluindo através dela, formando um verdadeiro redemoinho químico

38 Contribuição da Teoria de Santiago (Maturana e Varela):  Ser vivo como sistema autopoiético  Níveis de descrição complementares:  Fechamento operacional  Acoplamento estrutural

39 O ser vivo como sistema autopoiético Dinâmica interna Fronteira externa (metabolismo) (membrana)

40 Níveis complementares de descrição do ser vivo: ambiente sistema Fechamento operacional: domínio de descrição da causalidade circular Acoplamento estrutural: domínio de descrição da causalidade linear síntese por tensão complementar

41 1º Domínio de descrição: fechamento operacional  domínio em que os componentes do sistema operam, em que as mudanças estruturais ocorrem  neste caso, a dinâmica interna do sistema é relevante e o ambiente é irrelevante

42 2º Domínio: acoplamento estrutural  domínio das interações do sistema com o ambiente, da história destas interações  neste caso, o ambiente é relevante e a dinâmica interna do sistema é irrelevante

43 Fechamento operacional e acoplamento estrutural:  As duas descrições são válidas e necessárias para que tenhamos uma compreensão mais completa do sistema  Mas podemos criar problemas quando inadvertidamente passamos de um domínio de descrição para o outro

44 A construção do novo paradigma: Segundo Capra, a articulação dos elementos provenientes dessas abordagens científicas envolve uma SÍNTESE SISTÊMICA

45 Principais aspectos da nova síntese sistêmica  Propriedades emergentes  Ênfase no método holístico  Níveis de descrição sistêmica  Rede de sistemas e relações  Perspectiva ética

46 Partes do sistemaRelações entre as partes + Propriedades emergentes

47 partes do sistema relações entre as partes propriedades emergentes método holístico

48 Níveis de Descrição  D n + 1 => nível de descrição do sistema S n + 1  D n => nível de descrição do sistema S n  D n - 1 => nível de descrição do sistema S n - 1

49 A rede de sistemas e relações  S n + 1 = partes de S n + 1 (incluindo S n ) + relações entre as partes de S n + 1  S n = partes de S n (incluindo S n - 1 ) + relações entre as partes de S n  S n = partes de S n - 1 (incluindo S n - 2 ) + relações entre as partes de S n - 1

50 Perspectiva ética: Ecologia superficial:  é antropocêntrica (o homem está acima ou fora da natureza, podendo dispor dela como quiser)  não envolve preocupação ética Ecologia profunda:  é ecocêntrica (o homem é apenas um fio particular na trama da teia da vida, devendo respeitá-la)  envolve preocupação ética

51 4. Um olhar para o futuro

52 Avaliação do paradigma dos sistemas articula os conceitos de caos, de complexidade, e as ciências não-lineares produz nova compreensão da natureza (sistemas caóticos, sistemas vivos) ainda não foi satisfatoriamente aplicado a domínios mais complexos do que o biológico esse domínio ainda é melhor explicado pelas abordagens interdisciplinares

53 Os limites da transdisciplinaridade a transdisciplinaridade sistêmica conseguiu elevar o ponto de vista científico da física para a biologia falta elevar esse ponto de vista para as interações sociais e psicológicas o campo está aberto para a imaginação criadora

54 Complexidade e Conhecimento Humano visão estereoscópica domínio da contemplação silenciosa domínio da descrição científica domínio da descrição ordinária

55 Fim da Apresentação


Carregar ppt "COMPLEXIDADE E TRANSDISCIPLINARIDADE Paulo Margutti."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google