A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

SEMINÁRIO A Proposta de Lei de Bases da Educação CISEP/ISEG, 25 de Setembro de 2003 A Formação ao Longo da Vida na Proposta da Lei de Bases Margarida Chagas.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "SEMINÁRIO A Proposta de Lei de Bases da Educação CISEP/ISEG, 25 de Setembro de 2003 A Formação ao Longo da Vida na Proposta da Lei de Bases Margarida Chagas."— Transcrição da apresentação:

1 SEMINÁRIO A Proposta de Lei de Bases da Educação CISEP/ISEG, 25 de Setembro de 2003 A Formação ao Longo da Vida na Proposta da Lei de Bases Margarida Chagas Lopes

2 Metodologia de Abordagem Multidisciplinariedade e abordagem seguida (ERH, EEd.,...); Enfoque específico – análise longitudinal / ciclos de vida, Sujeita às hipóteses básicas: Não linearidade e reversibilidade; Abordagem sistémica interinstitucional...

3 Potencialidades da Análise Longitudinal Detecção pontos críticos das trajectórias, ex: transição entre ciclos e consistência- tempo; Comparação intergeracional e intercoortes; Identificação momentos aprendizagem não formal... Detecção situações retoma e continuidade de estudos; Ferramenta de modelização (ex: funções de sobrevivência) e avaliação/monitorização......

4 Pertinência... Operacionalização de uma concepção de facto sistémica, no tempo e no espaço (LLL * LWL ); Estabelecimento de pontes naturais para outros domínios (ex: Emprego) e respectivos suportes institucionais (v.g., PNE, PNAI...)...

5 ...e Oportunidade Life-long learning (UEM e Países Candidatos) Fonte: EUROSTAT (2003),General Statistics

6 A proposta LBE e a formação ao longo da vida Necessidade de (...) conteúdo efectivo e estrutura organizativa [à] educação ao longo da vida (...)... (Discussão sobre o papel da educação na primeira infância, v.g. em sociedades marcadas pela desigualdade...I. O., liberdade de escolha... Diferenciação intra e interescolas, pobreza infantil...)...

7 A proposta da Lei de Bases... E a educação e formação iniciais

8 A proposta da LBE e a escolaridade obrigatória (...) um objectivo nacional decisivo: uma escolaridade efectiva, de nível secundário, para toda a população até aos 18 anos de idade (LBE: 11): Qualidade versus extensão ? se as taxas de abandono cederam, a saída antecipada ainda é muito elevada – 25% dos portugueses entre os 18 e os 24 anos, em

9 Um indicador de comparação internacional: Early School-Leavers (1) FONTE: EUROSTAT (2003), General Statistics (1) Percentagem da população 18 e os 24, (2) « 9ºano, não em educ. /formação

10 Abordagem tradicional do abandono e saída antecipada... Resolução do trade-off trabalho / / estudo A // (B + C + D) E(W/P) Escolaridade Custos directos (Cd) E (W/P) A B C D Ref. Escolaridade * Exper. Prof. C. Oport.

11 E suas críticas... Perspectiva estritamente funcionalista da Educação Abstracção SES, expectativas, mobilidade social intergeracional... Motivações, aptidões, percurso escolar anterior do próprio... Nível económico, regularidade e estabilidade do rendimento da família... Características do M. Trabalho local (v.g., informa- lidade...) Quadro legal – ex: legislação sobre idades mínimas de trabalho.... Ligação ao Trabalho Infantil

12 À luz da proposta de LBE...algumas interrogações Possibilidade de replicar a fase problemática do actual 9º para o próximo nível obrigatório, 12º? Extensão da gratuitidade a todo o secundário: condição forte de eficácia? É a extensão compatível com o reforço dos indicadores de eficácia (v.g., repetências, saída precoce, mas também progresso no domínio das competências de base...) nos diferentes ciclos ?...

13 Uma proposta de clarificação Sistematização e diferenciação quanto a missões e tutelas das ofertas educativas e formativas na formação inicial, designa- damente para os jovens do escalão etário dos 15-18, que (...) não pretendam prosseguir estudos [...], poderão ser encaminhados, através da formação vocacional, para a componente técnica e tecnológica da escolaridade obrigatória e do ensino recorrente, o ensino das escolas profissionais,a aprendizagem e a qualificação inicial não ligadas a contextos específicos de trabalho, bem como modelos especiais de conjugação de educação e formação, incluindo programas especiais para os jovens dos 15 aos 18 anos (LBE; Artigo 34º, 9.)

14 E alguns contributos para uma brevíssima Análise SWOT Facultar contactos e experiências com o mundo do trabalho (op. cit, Artigo 15º): Muito Positivo // Formação e enquadramento curricular de tutores, outros técnicos ? Omisso// Recomendação relativamente EPs, ex., Pouca Força; Misão do ensino básico e 1º ciclo do Secundário... (...) informação e orientação educacionais, em colaboração com os pais (op. cit, Artigo 12º): Muito Positivo (Al. e PISA...) // Orientação educacional * Orientação e formação vocacionais (op. cit,Artigo 15º) ? Não é claro; Missão e objectivos muito amplos do sistema educativo, no sentido do des. integral e da participação cidadã (op. cit., Artigo 5º): Muito Positivo // Metodologia de implementação ? Omissa Ligação estudos de caso Margem Sul

15 A proposta da Lei de Bases... Turbulência dos mercados de trabalho e educação de segunda oportunidade...

16 Escolaridade e dinâmica de competências Influência da formação e educação iniciais sobre estatuto socio- económico e profissional dos adultos (dependência funcional) ; O efeito idade na formação inicial (aumento dos custos de oportunidade com a idade...); Combinação escolaridade * experiência profissional * formação profissional (stocks e fluxos; formação ao longo e ao largo da vida); Turbulência dos mercados de trabalho... Estudos CASE

17 Descontinuidade dos ciclos de vida e dinâmica de competências Formação Inicial INSERÇÃO INACTI- VIDADE DESEM- PREGO REFORMA dK/dt =K 0 [(h * K e ) - K d,i ]

18 Alguns resultados de análise de ciclos de vida Mobilidade profissional, sectorial e regional em cerca de 5000 trajectórias individuais [OEFP]; Estudo de casos para a Grande Lisboa [FCT]; Etudo para CNAVES (Ensino Superior e LLL)...representatividade estatística da retoma e/ou continuidade da educação e formação após inserção laboral, (v.g., conclu- são de licenciaturas, sobretudo em períodos de emprego; pós-graduações podendo coincidir com desemprego...)

19 A proposta da LBE e a escolaridade de segunda oportunidade Dos Objectivos: (...) uma escolaridade de segunda oportunidade aos que dela não usufruiram na idade própria,aos que procuram o sistema de ensino por razões de valorização profissional ou cultural (...) (Artigo 5º) Ensino Recorrente...(Artigo 29º)... Reconhecimento e (dupla) Certificação das competências formais, não formais, informais... Educação extra-escolar...

20 Mais algumas interrogações Formação de segunda oportunidade nas... Modalidades Especiais de Educação ? Em 2001, apenas 20% dos portugueses com idades entre anos tinham escolaridade igual ou superior ao 12º...(última posição no conjunto dos países OCDE estudados em Education at a Glance, 2002)...

21 Uma sugestão Políticas de ultrapassagem das debi- lidades de formação inicial, pobreza infantil e reprodução intergeracional Políticas integradas: fiscal, promoção de emprego, segurança social e life long learning de pais e filhos... (ex. UK)

22 E uma reflexão final... Envelhecimento activo e idade da reforma – Prevenção da obsolescên- cia e actualização de competências... Portugal 3º EEMM ( = Suécia) com a mais elevada idade média de saída do mercado de trabalho (62 anos), depois da Irlanda (63,1) e do Reino Unido (62,1) [ EUROSTAT, 2003, General Statistics – Employment ]


Carregar ppt "SEMINÁRIO A Proposta de Lei de Bases da Educação CISEP/ISEG, 25 de Setembro de 2003 A Formação ao Longo da Vida na Proposta da Lei de Bases Margarida Chagas."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google