A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

RISCO AO NASCER. Risco ao nascer OBJETIVOS Reconhecer condições graves e sinais de risco para o RN. Avaliar, classificar, tratar e aconselhar a mãe, segundo.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "RISCO AO NASCER. Risco ao nascer OBJETIVOS Reconhecer condições graves e sinais de risco para o RN. Avaliar, classificar, tratar e aconselhar a mãe, segundo."— Transcrição da apresentação:

1 RISCO AO NASCER

2 Risco ao nascer OBJETIVOS Reconhecer condições graves e sinais de risco para o RN. Avaliar, classificar, tratar e aconselhar a mãe, segundo as condições ao nascer. Conhecer quais são os cuidados imediatos ao RN.

3 Francisco pesou 2200g ao nascer. A gestação durou 7 meses e meio. As membranas se romperam 6 horas antes do parto. Imediatamente depois do nascimento notou-se dificuldade respiratória e necessidade de administrar oxigênio. A dificuldade respiratória aumentou durante sua primera hora de vida. Com 1 hora de vida, está recebendo 50% de oxigênio, FR de 80/min e tiragem importante intercostal e sub-costal. 1. Como atuar? 2. Quais são os sinais de perigo? 3. Quais são os cuidados imediatos? M Avaliar o risco ao nascer

4 Antonio nasceu a termo, pesou 3.200g. e respirou imediatamente. Entretanto, continua com cianose (azul) nas extremidades, seus lábios, face e tórax estão rosados. Sua temperatura é 35.9 o C. 1. Como atuar? 2. Quais são os sinais de perigo? 3. Quais são os cuidados imediatos? Avaliar o risco ao nascer

5 Avaliar o Risco ao Nascer Armando e Carlos nasceram com defeitos na parede abdominal. Armando pesou 3.600g. e tem um onfalocele (parte central do abdome), está inclui o cordão umbilical. Carlos, pesou 1.900g., nasceu a termo e tem gastrosquise (lado direito do cordão umbilical). 1. Como atuar? 2. Quais são os sinais de perigo? 3. Quais são os cuidados imediatos? Avaliar o risco ao nascer

6 Risco ao nascer COMO CLASSIFICAR O RISCO AO NASCER? >> Se o recém-nascido não necessita de manobras de reanimação, classifique-o de acordo com o risco ao nascer.

7 Risco ao nascer AVALIAÇÃO DO RISCO AO NASCER Classifique o Risco: PERGUNTE Houve rotura prematura de membranas? Há quanto tempo? A mãe tem ou teve febre? Por patologias durante a gravidez? Houve necessidade de reanimação? OBSERVE Cor Respiração Choro Anomalias congênitas Sinais de infecção intra-uterina (TORCHS/HIV) Lesões severas de parto DETERMINE Peso e idade gestacional Temperatura axilar CLASSIFICARCLASSIFICAR

8 Risco ao nascer CLASSIFICAÇÃO: a) Alto risco b) Médio risco c) Baixo risco

9 Risco ao Nascer Um dos seguintes sinais: Peso ao nascer 4kg Idade gestacional < 35 semanas Temperatura axilar 37,5ºC Dificuldade respiratória Febre materna ou corioamnionite. Ruptura prematura de membranas maior que 12 horas Palidez ou pletora Infecção intra-uterina (TORCH´S) Anomalias congênitas maiores Lesões severas de parto Reanimação com ambú e máscara CLASSIFICAR COMO: ALTO RISCO AO NASCER TRATAMENTO: Referir URGENTEMENTE a hospital, segundo as normas de estabilização e transporte Favorecer o contato pele a pele, quando as condições da criança e da mãe permitirem Iniciar colostro se possível Manter o RN aquecido Se ruptura prematura de membranas maior que 12 horas inicie a primeira dose do antibiótico recomendado Verificar cumprimento dos cuidados de rotina Orientar à mãe sobre os motivos da transferência

10 Risco ao Nascer Um dos seguintes sinais: Peso ao nascer entre 2.000g e 2500g Idade gestacional entre 35 e 37 semanas Idade gestacional 42 semanas Anomalias congênitas menores Procedimentos de reanimação sem pressão positiva ou massagem cardíaca CLASSIFICAR COMO: MÉDIO RISCO AO NASCER TRATAMENTO: Referir à consulta médica especializada Estimular o contato pele a pele do RN com a mãe Iniciar colostro Aconselhar a mãe a manter o RN aquecido Verificar cumprimento dos cuidados de rotina Ensinar a mãe os sinais de perigo

11 Risco ao Nascer Um dos seguintes sinais: Respiração regular Choro forte Rosado Ativo Peso >2.500g ou <4.000g Idade gestacional > 37 semanas ou < 42 semanas CLASSIFICAR COMO: BAIXO RISCO AO NASCER TRATAMENTO: Estimular o contato pele a pele do RN com a mãe Iniciar colostro Aconselhar a mãe a manter o RN aquecido Verificar cumprimento dos cuidados de rotina Orientar a mãe sobre os cuidados do RN em casa Ensinar a mãe os sinais de perigo Iniciar vacinação segundo esquema Orientar a mãe ou ao acompanhante para retorno do RN em três dias

12 Risco ao Nascer Risco ao Nascer Iniciar a amamentação logo após o nascimento e manter AME à vontade, oferecendo a mama 8 a 10 vezes ao dia. Lavar as mãos antes de pegar no bebê. Limpar o umbigo com álcool 70% 3 vezes ao dia. Não cobrir e não usar outras substâncias em cima do umbigo. Banho diário. Vestir o RN com roupa limpa e cômoda de acordo com o clima. Colocar para dormir de barriga para cima. Levar o bebê para consulta de rotina. Obedecer o calendário de vacinação. Proporcionar afeto – estimule os pais a conversar, sorrir e acariciar o bebê. Aprender a reconhecer os sinais de perigo. Evitar fumar dentro de casa. Medidas preventivas que os pais devem ser orientados

13 Risco ao Nascer Risco ao Nascer Nasce com peso abaixo de g. Não suga o seio ou mama pouco. Respira com dificuldade. Apresenta secreção purulenta no umbigo. Está pouco reativo (largado), não vai bem. Tem diarréia ou fezes com sangue. Está com febre ou com hipotermia. Vomita tudo. Fica amarelo. Sinais de perigo no menor de 2 meses

14 1.Como atuar? 2.Quais os sinais de perigo? 3.Quais os cuidados imediatos? Eduardo e Marcela nasceram com estas malformações congênitas. Eduardo tem fenda labial. Marcela tem lábio e palato fendidos. Avaliar o risco ao nascer Marcela: 1. Anomalia congênita maior. 2. Não pode amamentar. 3. Necessita um bico especial. Eduardo: 1.Anomalia congênita menor. 2. Pode amamentar

15 Ana nasceu a termo, de cesárea eletiva, pesou 2.785g. A duração da ruptura das membranas foi de 15 minutos. Teve dificuldade respiratória mínima ao nascimento com frequência respiratória de 50/min. Necessitou oxigênio a 30%. A observação demonstrou durante as primeiras 2 horas um curso clínico estável com tendência à melhora. 1. Como atuar? 2. Quais são os sinais de perigo? 3. Quais são os cuidados imediatos? Emergência 1. Dificuldade respiratória. 2. Oxigênio 3. Transporte??? (AIDPI) Avaliar o risco ao nascer

16 Francisco pesou 2200g ao nascer. A gestação durou 7 meses e meio. As membranas se romperam 6 horas antes do parto. Imediatamente depois do nascimento notou-se dificuldade respiratória e necessidade de administrar oxigênio. A dificuldade respiratória aumentou durante sua primera hora de vida. Com 1 hora de vida, está recebendo 50% de oxigênio, FR de 80/min e tiragem importante intercostal e sub-costal. 1. Como atuar? 2. Quais são os sinais de perigo? 3. Quais são os cuidados imediatos? M Emergência 1. Dificuldade respiratória 2. < 35 semanas 3. Oxigênio. 4. Começar antibióticos 5. Transferir/ Transporte Avaliar o risco ao nascer

17 Susana nasceu a termo, pesou 3.250g. As membranas se romperam 46 horas antes do nascimento. A mãe de Susana teve febre de 39 0 C. Susana nasceu letárgica, pálida, e gradualmente desenvolveu dificuldade respiratória. Estreptococo grupo B (EGB) M 1. Como atuar? 2. Quais são os sinais de perigo? 3. Quais são os cuidados imediatos? Emergência 1. Dificuldade respiratória 2. Oxigênio 3. Começar antibióticos 4. Transferir/ Transporte Avaliar o risco ao nascer

18 Antonio nasceu a termo, pesou 3.200g e respirou imediatamente. Entretanto, continua com cianose (azul) nas extremidades, seus lábios, face e tórax estão rosados. Sua temperatura é 35.9 o C. 1. Como atuar? 2. Quais são os sinais de perigo? 3. Quais são os cuidados imediatos? Aquecimento Leite materno exclusivo Profilaxia ocular Vitamina K Avaliar o risco ao nascer

19 Os gêmeos Raquel e Miguel nasceram com um peso de 2.600g. com 37 semanas de gravidez. Os dois se encontram bem e não possuem problemas ao serem Examinados, com a exceção de ter escutado em ambos um sopro cardíaco. Em Miguel o sopro desapareceu às 8 horas de vida. Em Raquel ainda persistia até às 36 horas de vida. 1. Como atuar? 2. Quais são os sinais de perigo? 3. Quais são os cuidados imediatos? Miguel: Ducto Arterial. que encerrou de forma espontânea. Calor ambiental. Carinho materno e lactancia exclusiva. Profilaxia ocular Vitamina K Raquel: Vigilância Traslado iminente Calor ambiental. Carinho materno e leite materno exclusivo Profilaxia ocular Vitamina K Avaliar o risco ao nascer

20 Afonso pesou 3.300g. ao nascer. Sua mãe admitiu o uso de cocaína durante a gravidez e teve um parto difícil e prolongado. Com 24 horas de vida iniciou evacuações sanguíneas. Seu exame físico demostrou abdome tenso e distendido. 1. Como atuar? 2. Quais são os sinais de perigo? 3. Quais são os cuidados imediatos? Enterocolite Necrotizante Transferir: Absolutamente nada por boca Sonda naso gástrico aberta Antibióticos intravenosos Líquidos intravenosos Tratar a hipoperfusão. Avaliar o risco ao nascer

21 Avaliar o Risco ao Nascer Armando e Carlos nasceram com defeitos na parede abdominal. Armando pesou 3.600g. e tem um onfalocele (parte central do abdome), está inclui o cordão umbilical. Carlos, pesou 1.900g. a termo e tem gastrosquise (lado direito do cordão umbilical). 1. Como atuar? 2. Quais são os sinais de perigo? 3. Quais são os cuidados imediatos? 1. Defeitos da Parede Abdominal 2. Transferir: Cobrir a malformação com filme plástico transparente ou bolsa Karya. Absolutamente nada por boca Sonda nasogástrica aberta ou a sucção se possível Antibioticos intravenosos de amplo espectro Liquidos intravenosos. Tratar agressivamente a hipoperfusão SN. Avaliar o risco ao nascer

22 Avaliar o Risco ao Nascer Adriana nasceu a termo e pesou 3.250g. Tinha secreções constantes pela boca. Quando tentaram passar uma sonda nasogástrica, essa não progrediu, quando insistiram muito a sonda saiu pela boca. 1. Atresia de esôfago 2. Transferir: Absolutamente nada por boca Sonda nasogástrica aberta ou a sucção se possível. Aspire as secreções constantemente Antibióticos intravenosos de amplo espectro Líquidos intravenosos. 1. Como atuar? 2. Quais são os sinais de perigo? 3. Quais são os cuidados imediatos? Avaliar o risco ao nascer

23 Avaliar o Risco ao Nascer José nasceu a termo e pesou 3.330g. Quando a enfermeira o examinou percebeu que não conseguia aferir sua temperatura. 1. Como atuar? 2. Quais são os sinais de perigo? 3. Quais são os cuidados imediatos? 1. Ânus imperfurado 2. Transferir: Absolutamente nada por boca Sonda nasogástrica aberta ou a sucção se possível Antibióticos EV de amplo espectro Líquidos intravenosos Avaliar o risco ao nascer

24 Avaliar o Risco ao Nascer Catarina nasceu a termo e pesou 3.330g. Quando foi examinada notou-se o problema ao lado 1. Como atuar? 2. Quais são os sinais de perigo? 3. Quais são os cuidados imediatos? 1. Meningomielocele 2. Transferir: Absolutamente nada por boca Cobrir o defeito com compressa esteril e envolve-lo com filme plástico Antibióticos EV de amplo espectro Liquidos intravenosos. Avaliar o risco ao nascer

25 Avaliar o Risco ao Nascer Estas fotografias de dois recém-nacidos a termo demonstram aparentemente uma bebê com um clítoris hipertrofiado e o outro com um pênis pequeno. 1.Síndrome Adrenogenital Congênita 2. Transferir imediatamente : Perigo de choque Perigo de hipoglicemia Perigo de desequilíbrio HEL. 1. Como atuar? 2. Quais são os sinais de perigo? 3. Quais são os cuidados imediatos? Avaliar o risco ao nascer

26 Avaliar o Risco ao Nascer Esta fotografia de Rubens ao nascer demonstra um escroto desenvolvido ao lado direito e ao lado esquerdo, nota-se criptorquidia e um escroto atrofiado. 1.Criptorquidia unilateral 2.Transferir para consulta e correção cirúrgica em seu devido tempo. 1. Criptorquidia bilateral 2.Transferir para consulta e determinar se tem proble- mas de sexo ambíguo. 1. Como atuar? 2. Quais são os sinais de perigo? 3. Quais são os cuidados imediatos? Avaliar o risco ao nascer

27 Avaliar o Risco ao Nascer Ao nascer, a enfermeira notou que o meato uretral do bebê estava situado na base do pênis. O nome deste defeito se chama hipos- padia. Como atuar em A e em B,C,D,E ou F. 1. Hiposdadia (A) 2. Consulta e correção cirúrgica em seu devido tempo 1. Hipospadias graves (B-F) 2. Transferir para consulta e determinar se tem problemas de sexo ambiguo. 1. Como atuar? 2. Quais são os sinais de perigo? 3. Quais são os cuidados imediatos? Avaliar o risco ao nascer

28 Avaliar o Risco ao Nascer As principais etiologias das convulsões neonatais são: Síndrome de asfixia Hemorragia intracraneal Infecção intracraneal Defeitos de desenvolvimento genético Hipoglicemis Hipocalcemia Outros problemas metabólicos Síndromes epilépticos Ao nascer Guadalupe estava bem. Pesou g. Com 2 horas de vida, começou a convulsionar. 1.Convulsões 2. Transferir Imediatamente Tratar convulsões com fenobarbital IM ou IV Antibióticos intravenosos de amplo espectro Dieta zero Líquidos intravenosos assegurando a administração de glicose. 1. Como atuar? 2. Quais são os sinais de perigo? 3. Quais são os cuidados imediatos? Avaliar o risco ao nascer

29 Tá pesado? Dá para aguentar mais um pouquinho………..


Carregar ppt "RISCO AO NASCER. Risco ao nascer OBJETIVOS Reconhecer condições graves e sinais de risco para o RN. Avaliar, classificar, tratar e aconselhar a mãe, segundo."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google