A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Prof. Dr. Marco Aurélio A. Monteiro PROGRAMA REAÇÃO COMO.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Prof. Dr. Marco Aurélio A. Monteiro PROGRAMA REAÇÃO COMO."— Transcrição da apresentação:

1 Prof. Dr. Marco Aurélio A. Monteiro PROGRAMA REAÇÃO COMO A TERRA SE FORMOU 3 ª SÉRIE 2008

2 ROTEIRO  A teoria da formação da Terra e o meio ambiente  A teoria da formação da Terra e os seres vivos  A teoria da formação da Terra e os seres humanos  A teoria da formação da Terra e os recursos tecnológicos

3 ciências COMO A TERRA SE FORMOU ADAPTAÇÃO DO TEXTO DO LIVRO OS SERÕES DE DONA BENTA (MONTEIRO LOBATO)

4

5 No dia seguinte dona Benta falou da formação do nosso sistema solar. - Neste assunto, meus filhos, só temos hipóteses - disse ela - a certeza é impossível. Das hipóteses apresentadas pelos sábios a mais aceita hoje é a do planetesimal. De acordo com essa hipótese todos os corpos do nosso sistema solar, isto é, o Sol, os planetas, os satélites, os asteróides, os meteoros e meteoritos, sobre os quais já conversamos, faziam parte dum enorme astro - uma estrela. Essa estrela andava rodando pelo espaço infinito, como fazem todas as estrelas, até que um dia se aproximou demasiadamente de outra, também enorme, e sofreu a influência da sua atração. Tão violenta foi essa atração que se produziram em nossa estrela a divisão de dois blocos de matéria (gás e poeira). O primeiro bloco deu origem ao Sol e o segundo bloco aos planetas, asteróides, meteoros, meteoritos e cometas.

6 Dona Benta continuou. - A nova hipótese diz que durante o tempo em que a nebulosa formada pelo derrame da estrela se fixou na forma dos planetas atuais, um dos pedaços passou a ser a nossa Terra - mas muito menor que hoje. A Terra foi crescendo à custa dos meteoritos que constantemente caíam sobre ela, como ainda hoje acontece, embora em menor quantidade. Naquele tempo a superfície da Terra não passava de massa porosa, solta. O que nela caía, espetava-se como pedrinhas que você joga de encontro a uma bola mole de barro. - Engraçado! A Terra foi crescendo à custa de pelotadas... - Sim. E no começo era pequena demais para ter a atmosfera que tem hoje.

7 - Depois que a Terra adquiriu atmosfera, as partes mais altas começaram a ser desgastadas - esse desgaste é a tal gradação. O processo da gradação não passa da erosão e do transporte do material erodido de um ponto para outro, pela ação carregadora das águas, dos ventos e das geleiras. Desse modo a gradação foi desfazendo os montes, e abrindo os vales, trabalho que ainda hoje podemos observar. Grandes mudanças se operaram na superfície da Terra e continuam a operar-se.

8 A Serra da Mantiqueira, por exemplo. Quem vai de S. Paulo ao Rio de Janeiro corta o imenso Vale do Paraíba, hoje coberto de lindos arrozais, e vê lá longe a muralha azul das montanhas. Essa cadeia de montanhas é a mãe: o vale é o filho. Quando a Mantiqueira surgiu devia ser altíssima, porque toda a terra que forma o grande aterro do atual Vale do Paraíba saiu dessa cadeia de montanhas. A primitiva Mantiqueira foi se desgastando pela erosão, foi minguando em altura e corpo, à proporção que o Vale ia se formando pelo aterro. Hoje nos parece uma grande cadeia de montanhas, mas na realidade não passa de uma pequena parte do que foi.

9 Notei que só falamos da erosão causada pelas águas. - E há mais erodidores? - perguntou Narizinho. - Sim, muitos, embora mais fracos. Há, as plantas. Árvores, como a figueira brava do tio Barnabé, que nascem na fenda das pedras e acabam rachando-as, praticam a erosão. A gravidade também produz erosão, porque está sempre puxando as coisas para baixo, fazendo-as cair. O que cai quebra-se, facilitando o trabalho dos outros processos. - Na pedra do Barnabé - lembrou Pedrinho - a figueira começou a erosão rachando a pedra, e a gravidade continuou-a fazendo que metade da pedra caísse sobre a estrada e se partisse em três, fora o farelo. - Exatamente. E temos os animais, sobretudo o homem, que também erodem - deslocam as pedras daqui para ali, quebram- nas, moem-nas, furam o chão, etc. E temos os agentes químicos, como o oxigênio, que é um danado para combinar-se com as rochas e desagregá-las. E temos ainda a ação química das plantas que produzem dióxido de carbono e mais substâncias. O dióxido também ataca as rochas.

10 -Coitadas! - exclamou Emília. Tudo se junta contra as pobres rochas, apesar de viverem quietinhas no seu canto, sem fazer mal a ninguém. São umas verdadeiras mártires... E Emília suspirou.


Carregar ppt "Prof. Dr. Marco Aurélio A. Monteiro PROGRAMA REAÇÃO COMO."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google