A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Diferenças e preconceitos nas práticas corporais.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Diferenças e preconceitos nas práticas corporais."— Transcrição da apresentação:

1 Diferenças e preconceitos nas práticas corporais

2 É possível nos relacionarmos de maneira diferente com as pessoas se ampliarmos o olhar em direção ao ser humano. Não é possível desconsiderar a dimensão cultural que influencia as ações humanas, e que por estas é influenciada. Por isso não podemos considerar as pessoas somente por suas características corporais, pois não existe uma dimensão física isolada de características biológicas, culturais, sociais e psíquicas. Esse mesmo corpo é preciso ser visto e interpretado dentro de um contexto sociocultural. “Podemos considerar, ao invés de suas semelhanças biológicas, suas diferenças culturais; podemos reconsiderar nossos critérios de análise sobre o corpo, fugindo de padrões preconceituosos que durante muitos anos subjugaram e excluíram pessoas da prática de educação física. Podemos substituir padrões inatistas por critérios mais dinâmicos e culturais na intervenção promovida pela área.” Jocimar Daolio. Educação Física e o Conceito de Cultura.

3 Diferenças e preconceitos nas práticas corporais Por muito tempo, e ainda hoje, muitas pessoas consideram o corpo como uma estrutura somente biológica, composta por ossos, músculos e outros órgãos que mantêm em funcionamento. Esse pensamento dissociava, por exemplo, o físico da mente, sem considerar que o desenvolvimento da mente(intelecto/ cognição) influencia diretamente nas ações físicas/ corporais, e que o desenvolvimento do físico está relacionado intimamente com o pensamento. O físico foi considerado muitas vezes como uma máquina, ou como um objeto, que pode ser descartado, substituído, recondicionado ou deixado de lado. Nós, entretanto, seguiremos uma linha de pensamento que não consegue dissociar o corpo físico dos aspectos psicológicos, sociais e culturais, em que as ações motoras são diretamente influenciadas pelas características biológicas, mas também pelas sociais, históricas e políticas.

4 Dentro dessa maneira de pensar, lidaremos na Educação Física com o conceito de cultura corporal do movimento, que deixa de lado a idéia de estudar somente o movimento, ou o corpo humano, ou ainda o esporte, para estudar sobre um ser humano cultural, a pessoa com um papel importante dentro da dinâmica de construção da cultura relacionada a aspectos corporais do movimento. Para que essas ideias se tornem concretas, será necessário levar em consideração que os aspectos culturais influenciam e são influenciados. Ou seja, ao mesmo tempo em que nós escolhemos quais atividades corporais iremos praticar e como as iremos praticar a partir de características culturais, nós somos os construtores dessa cultura e podemos efetivamente propor e efetivar mudanças que tragam novo significado a essa prática. Entender e respeitar as diferenças culturais e os distintos significados que uma prática pode ter para diferentes pessoas é parte importante dentro da formação humana.

5 As pessoas são diferentes. Esse fato é óbvio, mas infelizmente há quem tenha dificuldades de entender e aceitar isso. Aceitar as diferenças não é fazer o que os outros fazem, ou gostar do que os outros gostam, é respeitar as pessoas como elas são, com pensamentos e formas distintas de agir.

6 Além disso, também somos diferentes em nossas características físicas, tanto em questões estéticas, por exemplo, pessoas com sobrepeso, magras demais, musculosas de mais, altas, baixas ou até mesmo o “tido”padrão ideal de corpo. E será que ele existe? ( mas esse é um assunto para o próximo bimestre).Quanto em questões de cor da pele, sexo(masculino ou feminino), sexualidade( heterossexual, homossexual), deficiência física ou cognitiva. Grande parte desse problema(preconceito) está em não saber dividir o mesmo ambiente ou o mesmo espaço com pessoas diferentes ou não pensar no outro. Mas como aprender a utilizar o mesmo espaço ou viver no mesmo ambiente respeitando as diferenças? Uma das maneiras é provocar essas situações, por exemplo, em uma aula de Educação Física, homens e mulheres jogando juntos. No nível competitivo, no qual o único objetivo é vencer, os homens levariam vantagem pela sua constituição física, pela força, porém, se o objetivo é conviver com as diferenças, vamos jogar juntos. Não é necessária uma regra que proíba uma ou outra ação no jogo, mas incentivar o respeito as diferenças faz com que os homens não usem a força para disputar uma bola com as mulheres.

7 Dentro das aulas de Educação Física, outros preconceitos também acontecem, por exemplo, a exclusão dos gordinhos, ou dos muito magros, dos “nerds”, ou ainda dos que não possuem habilidades específicas para o jogo. O grande desafio para essas aulas, é pensar e tomar atitudes para que todos tenham a possibilidade de praticar as atividades juntos, independentemente de sexo, raça, religião, quantidade de gordura corporal ou habilidade motora. Assim como para a convivência em sociedade todos devemos respeitar as diferenças e aprender a conhecer e olhar as pessoas como elas são, independente de padrão social, cor da pele, sexo, religião, maneira de se vestir, etc... Só e apenas assim saberemos o significado de viver harmoniosamente em sociedade.

8 Uma excelente leitura relacionada a esse tema é o livro: Nelson Mandela e o jogo que uniu a África do Sul. John Carlin escreve sobre um momento importante na história da África do Sul, a delicada transição do apartheid, regime que remetia a muitos anos de opressão e segregação para um regime democrático e igualitário.


Carregar ppt "Diferenças e preconceitos nas práticas corporais."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google