A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

O Acompanhamento Terapêutico Individual e Grupal como dispositivo: deslocamento de circuitos. O Acompanhamento Terapêutico (AT) é um Dispositivo Clínico.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "O Acompanhamento Terapêutico Individual e Grupal como dispositivo: deslocamento de circuitos. O Acompanhamento Terapêutico (AT) é um Dispositivo Clínico."— Transcrição da apresentação:

1 O Acompanhamento Terapêutico Individual e Grupal como dispositivo: deslocamento de circuitos. O Acompanhamento Terapêutico (AT) é um Dispositivo Clínico que problematiza o campo social-existencial e sua relação de transversalidade com a exterioridade dos corpos, seus impedimentos e potências. Os princípios que sustentam esta prática estão em consonância com a Filosofia da Diferença e a Análise Institucional, além de produzir saberes singulares a este Dispositivo. Consideramos o paradigma Ético-Estético-Político e os fazeres e modos que problematiza. Neste movimento, instalam-se processos, muitos territórios existenciais são postos em movimento, abrindo-se um campo de produção de novos modos de existir, sempre provisórios. Como efeito das diferenças produzidas nos encontros, temos a afirmação do traçado de outros contornos, modos e valores na experiência do viver. A experimentação acompanhada de modo qualificado, singular e inventivo e, ao mesmo tempo, social, coletivo, político. A intervenção do AT inscreve-se no campo vivencial do(s) terapeuta(s), do(s) cliente(s), da cidade, dos modos de subjetivação, buscando desenhar uma intervenção singular, descaracterizando as angústias humanas como um (...) afazer psíquico que deve ser eliminado, como uma normatização das sensibilidades, modos e costumes. O vetor social que captura, acelera, globaliza e capitaliza os campos inventivos e de produção, visa controlar e capitalizar pensamentos e modos, vivências e aparências, políticas e processos: as vivências sem nome, os afectos estranhos, a vontade incomum, os territórios auto-organizados e geridos, as hierarquias transversais. Seu investimento neste controle e captura é maciço e se apresenta a cada vez que nos deparamos com inúmero protocolos de controle social, com as etiquetas, super-especialistas. Então, a vivência aqui visa transversalizar sentidos, construindo elos parciais de redes sociais, permitindo a travessia destes aparatos, também como parciais. A sensibilidade à demanda aqui é tomada como um analisador e vetor de indicação de ações a partir da perspectiva que avalia também as demandas por diferenciação, modulações produzidas a partir de encontros solidários, a afirmação de valores que sinalizam relações solidárias. O Acompanhamento Terapêutico funcionando como dispositivo constitui-se em seus fazeres, no acompanhamento qualificado, na realização de atividades cotidianas, dentro ou fora de casa: consultas médicas e psiquiátricas, internação, verificação da medicação, cuidados pessoais e de higiene, alimentação, leitura de peças teatrais, atividades artísticas, tarefas domésticas, passeios e visitas, acordos em bancos, aulas e cursos... espaços alternativos nas intervenções favoráveis ao investimento na expressão do desejo. A cada momento tudo o que for material disponível torna-se dispositivo de Intervenção Clínica, numa multiplicidade de idéias e vivências que provocam outros encontros e criam novas formas de relação. E dispositivo (no sentido deleuziano), numa invenção do novo radial, (...) uma montagem de elementos extraordinariamente heterogêneos, que podem incluir pedaços sociais, naturais, tecnológicos e até subjetivos. (...) se caracteriza pelo seu funcionamento, sempre simultâneo a sua formação e sempre a serviço da produção, do desejo, da vida, do novo (Baremblitt, 2002:66). Nesta Clínica processual, a singularidade cartografa afetos nômades e configura formas que possibilitem a potencialização de todos os envolvidos. Um trabalho que exige um desinvestimento de uma clínica curativa e adaptativa, com um "setting" demarcado espacialmente e lugares determinados. Um trabalho, desde onde esteja possibilitado, cada vez mais, o desenho de uma intervenção que se dê a partir das criações produzidas nos encontros, nas vivências partilhadas do sem garantias. Clinica significando Cliname, um relacionar-se na busca de um desvio para a diferença, numa relação de parceria onde se opera a disponibilidade para o encontro - constituinte de sua própria natureza. Tomando o paradigma ético- estético-político, investimos em produções singulares de modos de vida singulares, a partir da auto-análise e buscando a autogestão. Neste sentido, atua em consonância com as diretrizes da Atenção Psicossocial prevista pelo SUS, ou seja, investe em processualidades vitais que produzem, num mesmo movimento, lugares de subjetivação autogestiva - onde a produção de sentidos se dá de modo rizomático - e transversal aos corpos, implicados num mesmo movimento. O AT toma a perspectiva de corpos de passagem, sem a estetização da indiferença, em qualquer aspecto que possa ser produzida no campo social, que afasta o desejo dos corpos da potência de produção de realidade que nos habita nos encontros. Bibliografia: MUYLAERT, M. A.: Intermezzo: mestiçagens nos encontros Clínicos (2000:15) - Tese de Doutorado – PUC/SP. DELEUZE, Gilles - O que é um Dispositivo? - Tradução de Ruy de Souza Dias - com agradecimentos a Fernando Cazarini e Helio Rebello (revisão técnica), a partir do texto: DELEUZE, Gilles. Qu'est-ce qu'un disposif? IN Michel Foucault philosophe. Rencontre internationale. Paris 9, 10, 11 janvier Paris, Seuil SANTANNA, D.B. – Corpos de passagem – Estação Liberdade – São Paulo/SP 2001 Avenida Dom Antônio, CEP Assis - SP – Brasil André Y. C. Silvério, Carlos A. C. da Rocha, Carolina A. C. Pimentel, Conrado do M. C. M. Pereire, Felipe P. Caseri, Francis V. P. Virginio, Higor N. F. Filho, Humberto de C. Leal, Leanndru G. P. R. Sussmann, Livia de F. Bello, Maria C. M. Meirelles, Pamela Ariadna Botelho Ireno, Tayane S. Weinert, Thamiris F. Rosa, Thiago R. de Paula, Valquíria C. Camargo, Vanessa N. Volpatti, Kauana B. A. Arrigo, Marília A. Muylaert.


Carregar ppt "O Acompanhamento Terapêutico Individual e Grupal como dispositivo: deslocamento de circuitos. O Acompanhamento Terapêutico (AT) é um Dispositivo Clínico."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google