A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

A MBIENTES DE N EGÓCIOS Docente: Meiry Kamia 1. A MBIENTES E XTERNOS DE N EGÓCIOS São as forças externas à organização que influenciam seu modo de funcionamento:

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "A MBIENTES DE N EGÓCIOS Docente: Meiry Kamia 1. A MBIENTES E XTERNOS DE N EGÓCIOS São as forças externas à organização que influenciam seu modo de funcionamento:"— Transcrição da apresentação:

1 A MBIENTES DE N EGÓCIOS Docente: Meiry Kamia 1

2 A MBIENTES E XTERNOS DE N EGÓCIOS São as forças externas à organização que influenciam seu modo de funcionamento: Fatores Sociológicos Fatores Políticos Fatores Econômicos Fatores Tecnológicos 2 MONTANA; CHARNOV, 2003

3 A MBIENTES E XTERNOS DE N EGÓCIOS : F ATORES S OCIOLÓGICOS A perspectiva sociológica do ambiente inclui: A situação e as tendências da população; Os valores éticos e pessoais de trabalho e Os valores culturais gerais. Cada um desses fatores influencia o modo como a administração realiza seu trabalho. 3 MONTANA; CHARNOV, 2003

4 A MBIENTES E XTERNOS DE N EGÓCIOS : F ATORES S OCIOLÓGICOS Demografia: estudo da população, e tendência demográfica é uma mudança na população. É importante para o administrador compreender as tendências da população e planejar o futuro, pois essas tendências podem ter um efeito drástico nos negócios. 4 MONTANA; CHARNOV, 2003 Situação e tendências demográficas:

5 A MBIENTES E XTERNOS DE N EGÓCIOS : F ATORES S OCIOLÓGICOS Quatro tendências demográficas que surgiram no início do século XXI: 1. Força de trabalho está ficando mais velha: fenômeno mundial que pode trazer as seguintes conseqüências: Escassez de trabalhadores treinados, e as empresas terão de atrair e manter pessoal qualificado. Menos trabalhadores sustentando mais aposentados em relação às contribuições da previdência social, o que pode aumentar os encargos sociais consideravelmente na folha de pagamento. Alguns países consideraram a imigração de países menos desenvolvidos para lidarem com a escassez de mão-de-obra, resultando em uma composição radicalmente diferente da força de trabalho, com uma participação muito maior de minorias e mais diversidade étnica. 5 MONTANA; CHARNOV, 2003 Situação e tendências demográficas:

6 A MBIENTES E XTERNOS DE N EGÓCIOS : F ATORES S OCIOLÓGICOS Segunda tendência: Mulheres ingressando na força de trabalho. Mais da metade das mulheres atualmente trabalham em período integral ou meio período. 6 MONTANA; CHARNOV, 2003 Situação e tendências demográficas: As mulheres também estão passando a freqüentar mais as universidades e atualmente são a maioria dos estudantes. Mulheres desempenhando um papel mais importante na vida das empresas em todo o mundo.

7 A MBIENTES E XTERNOS DE N EGÓCIOS : F ATORES S OCIOLÓGICOS Terceira tendência: população nordestina, durante muitos anos, trocou o Nordeste pelos estados do Sudeste do Brasil. 7 MONTANA; CHARNOV, 2003 Situação e tendências demográficas: Essa mudança não sinaliza somente um movimento da mão-de-obra potencial, mas também significam que os mercados de bens e serviços estão se alterando.

8 A MBIENTES E XTERNOS DE N EGÓCIOS : F ATORES S OCIOLÓGICOS Quarta tendência: à medida que o trabalho se torna mais técnico, há um prêmio para a educação. 8 MONTANA; CHARNOV, 2003 Situação e tendências demográficas: Trabalhadores tecnologicamente competentes produzem muito mais do que aqueles carentes de tais conhecimentos A disparidade entre os salários entre os com mais formação e os com menos formação continuará a aumentar;

9 A MBIENTES E XTERNOS DE N EGÓCIOS : F ATORES S OCIOLÓGICOS Valores Pessoais: é possível verificar a mudança na hierarquia de valores pessoais. Lealdade ao trabalho x Qualidade de Vida Rotina X Desafio de crescimento 9 MONTANA; CHARNOV, 2003 Ética de trabalho e Valores Pessoais Há alguns anos, o indivíduo que trabalhava até mais tarde ou nos finais de semana, ou que levava trabalho para casa, passava a ser considerado um workaholic (viciado em trabalho). Atualmente, um workaholic é considerado um funcionário dedicado. Atividades recreativas como spa, academia de ginástica, estão sendo inseridas nas empresas e consideradas workouts (treinamento fora do trabalho)

10 A MBIENTES E XTERNOS DE N EGÓCIOS : F ATORES S OCIOLÓGICOS Cultura: abrange valores, costumes, herança, códigos legais, tradições educacionais, atitudes sociais, instituições e processos políticos e sistema econômico. A administração deve considerar os valores culturais de um ambiente para tomar decisões. 10 MONTANA; CHARNOV, 2003 Valores Culturais Ex: conflito: gerente muito dinâmico dirigindo fábrica em cidade pequena.

11 A MBIENTES E XTERNOS DE N EGÓCIOS : F ATORES P OLÍTICOS Toda organização precisa seguir as leis e regulamentações nos níveis municipal, estadual e federal. Todas as transações comerciais obedecem ao Código Comercial Brasileiro, conforme a lei n. 556, de 25 de junho de 1850, disposto na CLT –Consolidação das Leis do Trabalho, aprovada pelo Decreto-Lei n , de 1º. De maio de 1943, e complementada por legislação posterior. Código Civil Brasileiro: disciplina direitos e obrigações referentes às pessoas, aos bens e às suas relações – previsto na Constituição de 1824 e promulgado em Uma empresa pode associar-se a outras empresas afins em uma associação comercial e procurar influenciar ou fazer lobby para introduzir mudanças nas leis. 11 MONTANA; CHARNOV, 2003

12 A MBIENTES E XTERNOS DE N EGÓCIOS : F ATORES P OLÍTICOS IBAMA – Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis e CONAMA – Conselho Nacional do Meio Ambiente: Regulamentam e fiscalizam os assuntos e as atividades que decorrem da indústria e do comércio e influenciam o meio ambiente. 12 MONTANA; CHARNOV, 2003 Comércio: ABRASEL – Associação Brasileira de Restaurantes e Empresas de Entretenimento (1985): 4ª. Força do turismo brasileiro junto com a ABAV (Associação Brasileira das Agências de Viagem), ABIH (Hotéis) e ABRATT (transportadoras). XUXA Water Park. Investimento de R$ 250 milhões. Foi embargado em 1999.

13 A MBIENTES E XTERNOS DE N EGÓCIOS : F ATORES E CONÔMICOS Aspectos que devem ser considerados são: A economia em si; Concorrentes e Fornecedores; Clientes. 13 MONTANA; CHARNOV, 2003 Gestores devem considerar a situação da Economia ao tomarem decisões, e cada vez mais, até a economia internacional precisa ser dividida entre os fatores de planejamento gerencial e tomada de decisão.

14 A MBIENTES E XTERNOS DE N EGÓCIOS : F ATORES E CONÔMICOS 14 MONTANA; CHARNOV, 2003 Ao tomar decisões, a administração deve considerar certos aspectos da economia, como inflação, taxas de juros e desemprego. Produto Nacional Bruto (PNB): valor total de mercados de todos os bens e serviços finais produzidos pelas empresas no país no período de um ano. Mede os recursos produzidos no país. Inclui todos os negócios internacionais realizados pelas empresas. Produto Interno Bruto (PIB): soma de todos os negócios internos. O valor do PNB é usado para computar a produtividade per capita, uma medida básica do padrão de vida de um país. A Economia Padrão de vida = PNB População

15 A MBIENTES E XTERNOS DE N EGÓCIOS : F ATORES E CONÔMICOS 15 MONTANA; CHARNOV, 2003 Quanto maiores forem os recursos produtivos para cada pessoa em um país, melhor o padrão de vida. Existem outras formas de medida menos precisas, porém mais informativos para medir a verdadeira qualidade de vida de um país. Número de banheiros, aparelhos de tv, rádios, computadores, m por indivíduo, taxas de mortalidade infantil, média de vida, números de médicos para cada milhão de pessoas, entre outros, são indicativos da qualidade de vida. A administração deve usar o PNB, por exemplo, para estimar a oportunidade econômica de um novo produto. PNB alto, significa que a economia está indo bem e que haverá um aumento de oportunidades. A Economia

16 A MBIENTES E XTERNOS DE N EGÓCIOS : F ATORES E CONÔMICOS 16 MONTANA; CHARNOV, 2003 A administração deve agir para assegurar que exista um fornecimento constante e confiável de matéria prima, o que implica um bom relacionamento com fornecedores e uma política de estoque eficiente que atenda às necessidades específicas da empresa. Fornecedores Se existirem poucos fornecedores, a empresa que a desejar terá de pagar o preço. O número de fornecedores influenciará o preço das matérias primas e também a política de preços da administração.

17 A MBIENTES E XTERNOS DE N EGÓCIOS : F ATORES E CONÔMICOS 17 MONTANA; CHARNOV, 2003 A concorrência também influencia as tomadas de decisões da administração. Se houver muita concorrência no mercado local, a empresa deve ter preços competitivos. Concorrentes Se ela for a empresa dominante, poderá determinar o preço padrão no mercado e ficará conhecida como uma líder de preços.

18 A MBIENTES E XTERNOS DE N EGÓCIOS : F ATORES E CONÔMICOS 18 MONTANA; CHARNOV, 2003 A administração deve levar em conta o cliente final ao tomar decisões com o objetivo de alcançá-lo da melhor e mais lucrativa maneira. Essas decisões se tornam cruciais, pois, mesmo oferecendo os melhores produtos e serviços, uma empresa não prosperará se não conseguir entregar esses produtos e serviços a seus consumidores. Clientes Consumidores esperam ter o produto no local certo, na hora certa e da maneira certa. Referimo-nos a esses aspectos como utilidade de local, utilidade de tempo e utilidade de forma.

19 A MBIENTES E XTERNOS DE N EGÓCIOS : F ATORES E CONÔMICOS 19 MONTANA; CHARNOV, 2003 A administração procura conhecer a identidade e o máximo possível sobre o cliente (mercado-alvo). As informações sobre o cliente são obtidas por meio de pesquisa de mercado sobre, por exemplo, a estatística pessoal do cliente ( perfil demográfico ), hábitos de compras ( comportamento do consumidor ) ou estilo geral de vida ( perfil psicográfico ). Clientes

20 A MBIENTES E XTERNOS DE N EGÓCIOS : F ATORES T ECNOLÓGICOS 20 MONTANA; CHARNOV, 2003 Existem três áreas no ambiente tecnológico que a administração deve considerar ao tomar decisões: A origem de novas tecnologia (processo de inovação); Maneira como a nova tecnologia é introduzida em uma empresa (processo de transferência de tecnologia); Atual tecnologia de ponta e sua aplicação dentro da empresa.

21 A MBIENTES E XTERNOS DE N EGÓCIOS : F ATORES T ECNOLÓGICOS 21 MONTANA; CHARNOV, 2003 A origem de novas tecnologias geralmente se encontra nos esforços de pesquisa e desenvolvimento (P&D) da indústria privada, no governo e nos pesquisadores acadêmicos; Mesmo que a tecnologia não seja aplicável à indústria corrente, ela pode ser licenciada a outras empresas. Se a fonte da inovação estiver no passado ou mesmo na tecnologia atual, ela é chamada de Inovação Tecnológica Evolucionária ; Se a inovação não estiver baseada em tecnologia anterior, mas representa uma mudança significativa em relação ao passado, ela é chamada de Inovação Tecnológica Revolucionária. Processo de Inovação

22 A MBIENTES E XTERNOS DE N EGÓCIOS : F ATORES T ECNOLÓGICOS 22 MONTANA; CHARNOV, 2003 A tarefa enfrentada pela administração é antecipar a fonte de tecnologia inovadora. Uma empresa pode custear sua própria área de P&D; ou comprar os direitos de uma nova tecnologia de seus investidores. Processo de Inovação

23 A MBIENTES E XTERNOS DE N EGÓCIOS : F ATORES T ECNOLÓGICOS 23 MONTANA; CHARNOV, 2003 Uma vez descoberta ou adquirida a nova tecnologia por um contrato de licença, o principal problema passa a ser como introduzi-la efetivamente em um ambiente tecnológica consolidado. Quanto mais radical e inovadora e tecnologia, maior será a resistência. Processo de Transferência de Tecnologia Tecnologia conhecida Resistência à mudanças Tecnologia desconhecida Resistência a mudanças como função da relação entre o conhecido e o desconhecido

24 A MBIENTES E XTERNOS DE N EGÓCIOS : F ATORES T ECNOLÓGICOS 24 MONTANA; CHARNOV, 2003 Outra maneira é introduzir gradualmente a nova tecnologia: Inovação Progressiva ou Incremental e envolve a introdução da nova tecnologia em etapas ou incrementos menores. Processo de Transferência de Tecnologia Tecnologia conhecida Resistência à mudanças Tecnologia desconhecida Resistência a mudanças como função da relação entre o conhecido e o desconhecido Resistência à mudanças

25 A MBIENTES E XTERNOS DE N EGÓCIOS : F ATORES T ECNOLÓGICOS 25 MONTANA; CHARNOV, 2003 Tecnologia de ponta é a expressão usada em referência à tecnologia mais recente. Algumas questões que devem ser feitas antes de decidir comprar a última maravilha tecnológica. A empresa necessita do que há de mais moderno no mercado? A empresa tem condições de comprar a nova tecnologia? Os benefícios que ela trará compensam seu custo? A nova tecnologia pagará a si mesma com a economia nos custos de produção? A nova tecnologia poderá ser introduzida com sucesso na força de trabalho atual ou essa força de trabalho precisará ser treinada novamente? A empresa dispões dos recursos necessários para esse treinamento? Tecnologia de Ponta

26 A MBIENTES I NTERNOS DE N EGÓCIOS Envolvem os recursos: Financeiros Físicos Humanos Tecnológicos 26 MONTANA; CHARNOV, 2003

27 A MBIENTES I NTERNOS DE N EGÓCIOS : R ECURSOS F INANCEIROS Garantem as operações correntes e custeiam o crescimento da empresa. Lucros retidos: recursos obtidos do lucro da empresa – mantidos na empresa e não distribuídos aos acionistas. 27 MONTANA; CHARNOV, 2003 Capital de Empréstimo: dinheiro emprestado à organização para ser usado em negócios. Os empréstimos bancários, as linhas de crédito e os títulos societários são formas de débito de uma empresa que empresta dinheiro de bancos e de detentores de títulos. Os juros são o dinheiro pagos ao banco ou acionista individual pelo uso do dinheiro emprestado.

28 A MBIENTES I NTERNOS DE N EGÓCIOS : R ECURSOS F INANCEIROS 28 MONTANA; CHARNOV, 2003 Capital Social: venda as ações da empresa. Vendidas as ações, a empresa não tem nenhuma obrigação de comprá-las novamente. A empresa em geral não tem nenhuma obrigação de pagar dividendos, Uma vez que as ações não precisam ser readquiridas e não se pagam dividendos, o capital social é a fonte mais barata de fundos no curto prazo. Considerando que a empresa abre mão da propriedade, contudo, e uma vez que as ações se foram para sempre (a menos que sejam readquiridas), o capital social é o meio mais caro no longo prazo para uma empresa levantar capital.

29 A MBIENTES I NTERNOS DE N EGÓCIOS : R ECURSOS F ÍSICOS Incluem fábrica, equipamentos de fabricação e instalações de distribuição e os estoques de matérias-primas. A tarefa da administração é garantir que as fábricas estejam localizadas em áreas nas quais os valores locais sejam favoráveis ao empreendimento fabril e que exista um estoque adequado de mão-de-obra local. 29 MONTANA; CHARNOV, 2003 A administração periodicamente avalia a maneira como os recursos físicos da organização são adquiridos e utilizados. Em última análise, esses recursos são as ferramentas usadas pela administraçãoo para melhorar a produtividade e garantir lucratividade.

30 A MBIENTES I NTERNOS DE N EGÓCIOS : R ECURSOS H UMANOS Satisfazem as necessidades da organização ao adquirir habilidades necessárias para conduzir negócios eficientes e eficazes. Quatro tarefas principais da administração ao lidar com RH: 30 MONTANA; CHARNOV, Encontrar os trabalhadores necessários; 2. Colocar o funcionário certo na função certa; 3. Motivar um desempenho humano eficaz dos funcionários que resulte em níveis aceitáveis de produtividade; 4. Avaliar o desempenho dos funcionários.

31 A MBIENTES I NTERNOS DE N EGÓCIOS : R ECURSOS T ECNOLÓGICOS O nível tecnológico aplicado em uma empresa pode ser consideravelmente diferente do nível avançado disponível no ambiente externo. 31 MONTANA; CHARNOV, 2003 A administração deve decidir qual o nível apropriado para a empresa em termos de seus objetivos e o nível apropriado de habilidade dos recursos humanos da empresa necessário para operar a tecnologia aplicada.


Carregar ppt "A MBIENTES DE N EGÓCIOS Docente: Meiry Kamia 1. A MBIENTES E XTERNOS DE N EGÓCIOS São as forças externas à organização que influenciam seu modo de funcionamento:"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google