A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Maria Lucia Fattorelli Plenária do Núcleo Mineiro da Auditoria Cidadã da Dívida Belo Horizonte, 5 de julho de 2011 A CRISE DA DÍVIDA PÚBLICA DOS ESTADOS.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Maria Lucia Fattorelli Plenária do Núcleo Mineiro da Auditoria Cidadã da Dívida Belo Horizonte, 5 de julho de 2011 A CRISE DA DÍVIDA PÚBLICA DOS ESTADOS."— Transcrição da apresentação:

1 Maria Lucia Fattorelli Plenária do Núcleo Mineiro da Auditoria Cidadã da Dívida Belo Horizonte, 5 de julho de 2011 A CRISE DA DÍVIDA PÚBLICA DOS ESTADOS

2 CONJUNTURA GLOBAL Crise financeira mundial Causas: Desregulamentação do mercado financeiro Derivativos sem lastro Ativos “Tóxicos” Efeitos: Grandes bancos internacionais em risco de quebra Bad Banks? EUA e Europa se endividam para salvar setor bancário Expansão da crise para outros setores

3 CONJUNTURA GLOBAL Crise financeira se transforma em CRISE DA DÍVIDA Medidas de austeridade para destinar recursos ao pagamento da dívida: Corte de gastos sociais Congelamento e redução dos salários Reformas da Previdência Comprometimento dos Fundos de Pensão EUROPA: REAÇÃO DA CLASSE TRABALHADORA Grandes mobilizações e GREVE GERAL

4 Grécia Irlanda França Portugal Inglaterra Espanha Conjuntura Atual – EUROPA Manifestações contra Troika (FMI, CE, Governos e Bancos)

5 CONJUNTURA ATUAL - Europa GRÉCIA: Mobilização social pela criação de comissão para auditar a dívida pública IRLANDA: Criada comissão popular de auditoria da dívida ISLÂNDIA: Referendo eleitoral decide não pagar dívida feita para salvar bancos PARLAMENTARES EUROPEUS: "[querem] que famílias paguem por erros de bancos. Os islandeses não entendem assim". (Marisa Matias) "Ninguém debateu se os pagadores de impostos devem resgatar instituições financeiras (...) Espero que o espírito de luta dos islandeses se espalhe.” (Eva Joly) Folha Online de 23/04/2011

6 SITUAÇÃO ATUAL – BRASIL Governo não admite crise da dívida, mas qual a razão para: Privilégio na destinação recursos para a dívida Juros mais elevados do mundo Carga tributária elevada e regressiva Ausência de retorno em bens e serviços públicos Contigenciamento de gastos sociais Congelamento salários setor público Prioridade para Metas de “Superávit Primário” e “Inflação” Reformas neoliberais: Previdência, Privatizações Ausência de controle de capitais

7 Fonte: Banco Central - Nota para a Imprensa - Setor Externo - Quadro 51 e Séries Temporais - BC Pagamento antecipado ao FMI e resgates com ágio Elevação juros Conversão da dívida pública e privada para BC Dívida da ditadura

8 Fonte: Banco Central - Nota para a Imprensa - Política Fiscal - Quadro 35. CPI: Ausência de Contrapartida real Mecanismos financeiros Conflito de interesses Falta de transparência

9 PARADOXO BRASIL 7ª Economia Mundial 10ª Pior distribuição de renda do mundo 73º no ranking de respeito aos Direitos Humanos - IDH POR QUÊ?

10 Orçamento Geral da União – Gastos Selecionados (R$ milhões) Fonte: Secretaria do Tesouro Nacional - SIAFI. Não inclui a rolagem, ou “refinanciamento” da Dívida Juros e Amortizações da Dívida Pessoal e Encargos Sociais Saúde e Saneamento Educação e Cultura Previdência (INSS) e Assistência Social

11 DESRESPEITO AOS DIREITOS HUMANOS NO BRASIL Situação inaceitável para a 7a. Maior economia do mundo Saúde Pública: Filas, Mortes sem atendimento, Insuficiência de leitos e UTI, Falta de médicos e profissionais de saúde, Baixos salários, Condições de trabalho aviltantes, Falta de materialidade Educação: Ausência de políticas educacionais efetivas; Salários irrisórios para professores, apesar da sobrecarga de trabalho, provocando queda na qualidade do ensino básico; Insuficiência de vagas nas Universidades Déficit Habitacional de 8 milhões de moradias, além de 11,2 milhões de domicílios inadequados (Fonte: Fundação João Pinheiro, 2007)

12 DESRESPEITO AOS DIREITOS HUMANOS NO BRASIL Pobreza: 40,4 milhões de pobres (2009) – Fonte IETS – Instituto de Estudos do Trabalho e Sociedade - Fome: 9,6 milhões de famintos (2009) Fonte IETS – Instituto de Estudos do Trabalho e Sociedade - Analfabetismo: 20,3% da população brasileira com mais de 15 anos são analfabetos funcionais (Fonte: PNAD 2009) Taxa de Desemprego: 12% nas Regiões Metropolitanas (Fonte: DIEESE, 2010)

13 Nota: Inclui o “refinanciamento” ou “rolagem” – Total do Orçamento 2010 = R$ 1,414 Trilhão. Fonte: SIAFI Elaboração: Auditoria Cidadã da Dívida Nota: as transferências ao governo de MG são o FPE, Compensação da Lei Kandir, IPI-Exportação, FNDE e CIDE R$ 635 bilhões Orçamento Geral da União - Executado em 2010

14 QUEM GANHA E QUEM PERDE

15 QUEM GANHA Fonte: Banco Central - Aparente queda Aumento de Provisões

16 BANCO CENTRAL DO BRASIL Ingresso de moeda estrangeira aciona Sistema de Metas de Inflação TÍTULOS DA DÍVIDA INTERNA Juros mais elevados do mundo Aplicação em Reservas Internacionais Juros quase zero Prejuízo Banco Central 2009 = R$ 147 bilhões 2010 = R$ 50 bilhões QUEM GANHA E QUEM PERDE

17 Acúmulo de Reservas = Explosão da Dívida Interna (R$ bilhões) Fonte: Banco Central Fonte: Banco Central. Nota: As reservas foram convertidas para Real à taxa de câmbio de R$ 1,80.

18 A estratégia de manutenção do Poder e da acumulação capitalista Lucros crescentes para setor financeiro/empresarial Financiamento de campanhas eleitorais e corrupção Extremo poder da mídia ligada ao grande capital Ilusória distribuição de riqueza Pequenos ganhos para os pobres: Bolsa Família Pífios reajustes para trabalhadores Acesso a produtos baratos: sensação de melhoria de vida Acesso a crédito/financiamentos

19 Quem ganha e quem perde O AJUSTE FISCAL DE DILMA Corte Recorde de R$ 50 Bilhões de gastos sociais no Orçamento Federal de 2011 ELEVAÇÃO DA TAXA SELIC Em 19/01/2011, passou de 10,75% para 11,25% Em 02/03/2011, novo aumento para 11,75% Em 20/04/2011, aumentou para 12% Em 05/06/2011, mais um aumento para 12,25%! JUROS CONSOMEM MAIS de R$ 1 BILHÃO POR DIA

20 Quem ganha e quem perde Modelo Tributário CAPITAL e LUCRO: PRIVILÉGIOS Isenções e Liberdade de movimentação Deduções generosas, até de despesas fictícias Proposta de redução da Contribuição Patronal TRABALHADORES: INJUSTIÇAS Fim de Deduções Redução da Progressividade Insuficiência de atualização da tabela do IRPF Agravamento dos tributos indiretos PEC-233: Reforma Tributária que transforma as contribuições sociais em impostos: Ameaça ao financiamento da Seguridade Social

21 GASTOS PÚBLICOS: Diferença de Tratamento Contagotas para Gastos Sociais Menos de 5% do orçado para “Prevenção e Preparação para Desastres” Apenas 20% do Orçamento do programa “Minha Casa Minha Vida” foram gastos em 2010 Pífio reajuste do salário mínimo; congelamento servidores públicos Ralo aberto para gastos com a Dívida Pública Pagamento antecipado ao FMI em 2005 Resgate antecipado de títulos da dívida externa desde 2005 e com pagamento de ágio Emissão de títulos para pagar juros AUSÊNCIA DE QUALQUER LIMITE para gastos com dívida

22 QUEM GANHA E QUEM PERDE SITUAÇÃO DOS ESTADOS DA FEDERAÇÃO Concentração da arrecadação tributária na esfera federal Reduzidas transferências legais para Estados e Municípios Subtração de receitas dos entes federativos para o pagamento de dívidas renegociadas pela União a partir de 1996 Falta de recursos para investimentos sociais que foram transferidos para Estados e Municípios Imposição de reformas neoliberais: Previdência, Privatizações, Redução de serviços públicos, etc DADOS OFICIAIS COMPROVAM ESSES ASPECTOS

23 O GOVERNO FEDERAL CONCENTRA A ARRECADAÇÃO Estados ficam cada vez mais dependentes do Governo Federal, que pode reter as transferências em caso de não pagamento da dívida Fonte: Secretaria da Receita Federal e CONFAZ. Elaboração: Auditoria Cidadã da Dívida Governo Federal Estados Municípios

24 O SURGIMENTO DA DÍVIDA DOS ESTADOS União concentra os recursos, e descentraliza as responsabilidades (saúde, educação, segurança, etc) Política Monetária do Governo Federal: altíssimas taxas de juros nos anos 90 (antes da renegociação com a União) fizeram explodir a dívida dos estados com o setor financeiro Relatório Final da CPI da Dívida Pública – Maio / 2010 (aprovado pela base do governo e pelo PSDB) “30. O comportamento das dívidas estaduais, antes de sua assunção pelo governo federal, foi afetado de maneira decisiva pela política de juros reais elevados implantada após o Plano Real e tornou inevitável um novo programa de refinanciamento, desta vez em caráter definitivo.”

25 A RENEGOCIAÇÃO COM A UNIÃO: IMPOSIÇÃO DO FMI Carta de Intenções de dezembro/1991, itens 24 e 26: “24. Um ambicioso programa de privatizações que deverá render aproximadamente US$ 18 bilhões foi iniciado em outubro de 1991, com a venda da USIMINAS – uma lucrativa siderúrgica que é a maior da América Latina...” 26.Para facilitar um maior fortalecimento das finanças públicas, em outubro o Executivo submeteu ao Congresso propostas de mudanças institucionais que procuram fazer modificações na distribuição de receitas tributárias entre os governos federal, estadual e municipal para 1992 e 1993, a proibição de novas emissões de títulos de dívida pelos estados e um programa de reestruturação de dívida no qual o governo federal vai assumir as dívidas dos estados em troca de um programa de ajuste de 2 anos que vai facilitar a reestruturação dos gastos dos estados;

26 TAXAS DE JUROS ELEVADAS e ANATOCISMO Art. 3º da Lei 9.496/1997: Os contratos de refinanciamento de que trata esta Lei serão pagos (...) observadas as seguintes condições: I - juros: calculados e debitados mensalmente, à taxa mínima de seis por cento ao ano, sobre o saldo devedor previamente atualizado; II - atualização monetária: calculada e debitada mensalmente com base na variação do IGP-DI... Relatório Final da CPI da Dívida Pública – Maio / 2010 (aprovado pela base do governo e pelo PSDB) “85. O custo para os Estados dos contratos firmados ao amparo da Lei 9.496/97, com a correção dos saldos devedores pelo IGP-DI mais uma taxa que variou de 6% a 7,5% ao ano, revelou-se excessivo por diversas razões. Primeiro, o índice escolhido mostrou-se volátil, absorvendo efeitos das variações cambiais do período, e apresentou picos, principalmente nos anos de 1999 e 2002, que afetaram fortemente o estoque da dívida e o saldo devedor, bem mais do que se, por exemplo, o IPCA tivesse sido escolhido para atualização. Esse fator fez com que, mesmo com o pagamento rigoroso dos juros e amortizações pelos devedores, o estoque da dívida tenha aumentado significativamente.

27 O EFEITO BRUTAL DA TAXA DE JUROS (IGP-DI + 7,5%) DÍVIDA DE MINAS GERAIS – R$ bilhões (Simulação com o IPCA + Juros de 6% ao ano) Elaboração: Auditoria Cidadã da Dívida, a partir de dados coletados pelo SINDIFISCO, e disponíveis em: pág 41

28 13 ANOS DEPOIS... Dívida de Minas "é impagável", afirma Aécio (Estado de Minas, 14/05/2011) “...o IGP-DI transformou-se em monstro devorador dos recursos escassos de estados e municípios, tornando-se o mais alto dos indicadores de correção.” Alberto Pinto Coelho, Vice Governador de MG (Estado de Minas, 22/5/2011) “Agora é possível e necessário que a União reveja as taxas de juros que utilizou nessa negociação com os estados.” Eduardo Azeredo – Governador de MG durante a renegociação com a União (Estado de Minas, 28/5/2011)

29 QUAL A SAÍDA? AUDITORIA DA DÍVIDA DE MG Como surgiu esta dívida? Antecedentes: Lei nº 7.614/1987, Lei nº 7.976/1989, Lei nº 8.727/1993 Qual o efeito da política monetária (elevadas taxas de juros) anterior à renegociação? Qual o efeito do anatocismo (juros sobre juros), já considerado ilegal pelo STF? Qual o efeito da aplicação do IGP-DI + 7,5% ao ano? SOMENTE UMA AUDITORIA PODE REVISAR A DÍVIDA DESDE SEU INÍCIO E SEGREGAR A DÍVIDA ILEGÍTIMA

30 ARGUMENTO DO GOVERNO FEDERAL “A redução dos pagamentos dos estados comprometerá as finanças federais” PORÉM... Art. 12 da Lei 9.496/1997: A receita proveniente do pagamento dos refinanciamentos concedidos aos estados e ao Distrito Federal, nos termos desta Lei, será integralmente utilizada para abatimento de dívida pública de responsabilidade do Tesouro Nacional. MAS QUE DÍVIDA É ESSA? A SOLUÇÃO PARA A DÍVIDA DOS ESTADOS PASSA TAMBÉM PELA AUDITORIA DA DÍVIDA FEDERAL

31 DIANTE DISSO: NECESSIDADE DE Rever a política monetária e fiscal, o modelo econômico que está propiciando a destinação da maior parte dos recursos públicos para o pagamento de uma dívida cuja contrapartida não representa bens e serviços à Nação, mas uma contínua sangria Evidenciar que o VERDADEIRO ROMBO DAS CONTAS PÚBLICAS é a Dívida Pública Juros e Amortizações da Dívida pagos nos últimos 16 anos FHC em 8 anos = R$ 2,079 Trilhões LULA em 8 anos = R$ 4,763 Trilhões AUDITORIA DA DÍVIDA

32 Prevista na Constituição Federal de 1988 Plebiscito popular ano 2000: mais de seis milhões de votos AUDITORIA CIDADÃ DA DÍVIDA CPI da Dívida Pública Passo importante, mas ainda não significa o cumprimento da Constituição

33 EQUADOR – Lição de Soberania Comissão de Auditoria Oficial criada por Decreto  2009: Proposta Soberana de reconhecimento de no máximo 30% da dívida externa representada pelos Bônus 2012 e 2030  95 % dos detentores aceitaram a proposta equatoriana, o que significou anulação de 70% dessa dívida com os bancos privados internacionais  Economia de US$ 7,7 bilhões nos próximos 20 anos  Aumento gastos sociais, principalmente Saúde e Educação

34 CPI DA DÍVIDA – CÂMARA DOS DEPUTADOS Criada em Dez/2008 e Instalada em Ago/2009, por iniciativa do Dep. Ivan Valente (PSOL/SP) Concluída em 11 de maio de 2010 Identificação de graves indícios de ilegalidade da dívida pública Momento atual: investigações do Ministério Público NECESSIDADE DE PARTICIPAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL PARA EXIGIR A COMPLETA INVESTIGAÇÃO DA DÍVIDA PÚBLICA E A AUDITORIA PREVISTA NA CONSTITUIÇÃO FEDERAL

35 CPI da Dívida: Articulação e participação social

36 Fonte: Banco Central (abri/2010) e Secretaria de Previdência Complementar (Estatística Mensal– Dez/2009)

37 COMO SÃO DEFINIDAS AS TAXAS DE JUROS??? Convidados à 36ª Reunião do Banco Central com analistas independentes Fonte: Ofício 969.1/2009-BCB/Diret, de 25/11/2009 (nomes dos convidados) e pesquisas na internet (cargos).

38 CONCLUSÃO CONHECIMENTO DA REALIDADE para combater o foco dos problemas Auditoria da Dívida Pública Investigações pelo Ministério Público Rever a política monetária e fiscal Ampliar investimentos reais Garantir serviços públicos de qualidade Atender Direitos Humanos TRANSPARÊNCIA

39 Obrigada Maria Lucia Fattorelli


Carregar ppt "Maria Lucia Fattorelli Plenária do Núcleo Mineiro da Auditoria Cidadã da Dívida Belo Horizonte, 5 de julho de 2011 A CRISE DA DÍVIDA PÚBLICA DOS ESTADOS."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google