A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Palestrante: Diogo Lembo Guerreiro

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Palestrante: Diogo Lembo Guerreiro"— Transcrição da apresentação:

1 Palestrante: Diogo Lembo Guerreiro

2 Princípio da Descrença Não acredite em nada que ler ou ouvir nesta webconference. Vivencie, tenha suas próprias experiências, tire suas próprias conclusões.

3 Associação Internacional da Programação Existencial A APEX. Unidades: 1. Sede: Foz do Iguaçu - PR. 2. Unidade: Porto Alegre – RS. 3. Unidade: São Paulo – SP.

4 Proéxis Proéxis. Viemos a esta vida com pelos menos um objetivo elementar e universal: o de evoluir consciencialmente. Há também pelo menos um propósito básico, pessoal ou grupal: o propósito ou objetivo de vida. Categoria. A proéxis pode ser classificada em diversas categorias. Eis a seguir duas delas categorizadas conforme a abrangência e a qualificação, respectivamente: 1. Holocarmalidade. Egocármica; grupocármica; Policármica. 2. Intermissividade. Técnica; instintiva.

5 Grupo de estudos Conscienciológicos Definição. O grupo de estudos conscienciológicos é a reunião de conscins intermissivistas ou não, ho- mens e / ou mulheres, interessadas em deslindar a consciência e otimizar a evolução pessoal e grupal, por meio da tarefa do esclarecimento interconsciencial, fundamentada em autopesqui- sas, em estudos teáticos do corpus da Conscien- ciologia e nos diversos temas oriundos da dinâmica evolutiva do Cosmos.

6 Formação Evolução. Se pararmos para observar e refletir sobre nossas relações interconscienciais, podemos perceber a irrefutabilidade do seguinte princípio consciencial: Ninguém evolui sozinho. Formação. Quem pode formar um grupo de estudos conscienciológicos? Local. O grupo pode se reunir em qualquer local? Horário. O grupo pode se reunir em qualquer horário do dia? Por que. Por que formar um grupo de estudos conscienciológicos?

7 Grupocarmologia O grupo de estudos conscienciológicos técnico e mentalsomático, assentado em bases cosmoéticas, proporciona holopen- sene favorável aos acertos grupocármicos

8 Grupocarmologia Definição. A Grupocarmalogia é a especialidade da Conscienciologia aplicada ao estudo das relações ou princípios de causa e efeito atuantes na evolução da consciência quando centrados no grupo evolutivo. Inseparabilidade. A inseparabilidade grupocár- mica é a condição, imposta pela evolução consciencial, da união existencial ou experiencial prolongada e, obviamente, inevitável, dos compassageiros evolutivos do mesmo grupo- carma, através do perpassar dos milênios.

9 Grupocarmologia Curso. O curso grupocármico é o postulado teórico visando a explicitação didática das etapas evolutivas da consciência, divididas em 5, com base na interdependência e no princí- pio da inseparabilidade grupocármica. 1. Interprisão grupocármica. 2. Vitimização. 3. Recomposição. 4. Libertação. 5. Policarmalidade.

10 Grupocarmologia Esforço. A lei do maior esforço aplicada às autor- reciclagens (autorrecinologia) e à estudiosidade (Auterudiciologia) para melhor assistir os inte- grantes do grupo. Amortização. A amortização das dívidas e débitos grupocármicos através da interassistencialidade tarística. Fôrma. O desfazimento gradual das fôrmas holopensênicas pessoais e grupais retrógradas através de debates contínuos sobre as verpons da Conscienciologia.

11 Grupocarmologia Acerto. O acerto grupocármico é o ajuste interpessoal de alguém quando ocorre conjunta e simultaneamente a outras conscins ou consciexes. Acerto é discernimento. Recomposição. O acerto grupocármico é a recomposição – o terceiro estágio do curso grupo- cármico. Razão. A falta das reconciliações grupocármicas é a razão principal de a maioria das conscins não dispor de amparador extrafísico.

12 Grupocarmologia Já consumimos muitas vidas perdendo oportunidades de promover a reconciliação com os componentes do nosso grupo evolutivo. Essa seria uma das principais razões para voltarmos à vida humana em ressomas compulsórias que sempre constituem novas tentativas de conviência (Balona, 2009).

13 Parapedagogia Definição. A Parapedagogia é a especialidade da Conscienciologia aplicada ao estudo da Filosofia da Educação e à Pedagogia, além dos recursos da intrafisicalidade, através da multidimensiona- lidade aceita e da autoprojetabilidade lúcida da conscin, e as respectivas consequências na vida humana.

14 Parapedagogia Tridotação. Investir no desenvolvimento do autopara- psiquismo, da intelectualidade e da comunicação, amplia a atuação interassistencial dentro do grupo. Intelectualidade. A complexidade do corpus da Conscienciologia exige muito da intelectualidade. Comunicação. O bom uso da intercomunicação favorece a intercompreensão evitando miniconflitos. Parapsiquismo. O parapsiquismo abre as portas da multidimensionalidade, aproximando conscins e consciexes, assistentes e amparadores, equipins e equipexes.

15 Parapedagogia Autodidatismo. A participação no grupo de estudos conscienciológicos não substitui o autodidatismo. Convivialidade. As atividades em grupo trazem a tona trafores e trafares. Traforismo. A coesão do grupo depende diretamente do nível de interação traforística entre os integrantes. Autodisponobilidade. A autodoação de talentos depende da autodisponibilidade assistencial de cada um.

16 Parapedagogia Pesquisa. A manutenção do foco no trinômio interesses-metas-evolução e a aplicação do discerni- mento na escolha dos temas de pesquisa, potenciali- zam o amadurecimento do grupo. Debates. Os debates assentados na interassis- tencialidade e no princípio da descrença. Cons. A participação nos debates, o esforço para argumentar sobre as próprias colocações, a associação de ideias e a produção de minigescons facilitam o processo de recuperação de cons pessoal e grupal.

17 Parapedagogia Sutilezas. As pararrealidades mais avançadas e sofisticadas são extremamente sutis. Posturas. Eis a seguir 5 antagonismos capazes de explicitar os posicionamentos anti e pró paraperceptibilidade instrutiva: 1. Tranquilidade / Impulsividade. 2. Concentração / Dispersão. 3. Atenção dividida / Monofoco limitador. 4. Abertismo / Apriorismose. 5. Interassistencialidade / Assedialidade.

18 Parapedagogia Nenhuma consciência é igual a outra. Cada qual vivenciou o Curso Intermissivo (CI) de modo único. A autexposição de todos e todas durante os debates favorece a recuperação de cons individual e grupal e promove o checkup das ideias do Curso Intermissivo (CI).

19 Vantagens Vantagens. Eis a seguir 10 vantagens decorrentes da formação de grupo de estudos conscienciológicos: 1. O checkup das ideias do Curso Intermissivo. 2. A recuperação grupal de cons. 3. A troca de labcons pessoais. 4. A motivação para a autossuperação a partir da interconvivialidade. 5. A possibilidade de pensar o impensado. 6. A vivência teática da intertares. 7. O desenvolvimento do parapsiquismo proporcionado pelos acoplamentos energéticos grupais intencionais ou espontâneos. 8. A ampliação da cosmovisão pessoal. 9. A conexão com os estudos realizados no Curso Intermissivo. 10. A qualificação do ciclo multiexistencial grupal

20 Bibliografia específica 1. BALONA, Malu. Autocura através da reconciliação: um estudo prático sobre a afetividade. 3 ed. Foz do Iguaçu: Associação Internacional Editares, p. 1. VIEIRA, Waldo. Manual da proéxis. 4. ed. Foz do Iguaçu: Associação Internacional Editares, p. 2. Idem. Homo Sapiens Reurbanisatus. Foz do Iguaçu: Associação Internacional do Centro de Altos Estudos da Conscienciologia, p. 3. Idem. Enciclopédia da Conscienciologia. Foz do Iguaçu: Associação Internacional do Centro de Altos Estudos da Conscienciologia (CEAEC); & Associação Internacional Editares, 2006.


Carregar ppt "Palestrante: Diogo Lembo Guerreiro"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google