A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Porto Alegre agosto de 2007 Infra-estrutura como veículo para a Integração O rol da CAF na Região.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Porto Alegre agosto de 2007 Infra-estrutura como veículo para a Integração O rol da CAF na Região."— Transcrição da apresentação:

1 Porto Alegre agosto de 2007 Infra-estrutura como veículo para a Integração O rol da CAF na Região

2 Agenda A demora latino-americana na competitividade e nas infra-estruturas O que é a CAF e qual é o seu rol

3 O demora latino-americano na competitividade e na infra-estrutura

4 A inadequada infra-estrutura é uma das razões que explica a baixa competitividade Componentes selecionados de competitividade (posição da América Latina entre 125 países) Índice de competitividade global por região Fonte: Fórum Econômico Mundial,

5 Em geral, a qualidade das infra-estruturas é baixa… Fonte: Fórum Econômico Mundial (The Global Competitiveness Report ) Panamá (46) Jamaica (53) El Salvador (54) Uruguai (58) México (64) Trinidad e Tobago (70) Brasil (71) Argentina (72) Costa Rica (73) Guatemala (74) Colômbia (75) Nicarágua (101) Bolívia (107) Paraguai (109) Índice de Infra-estrutura (posto em um total de 125 países) América Latina e Caribe:20 Posto Médio: 75 Chile (35) Equador (94) Peru (91) Honduras (81) Venezuela (84) Rep. Dominicana (80)

6 … especialmente em alguns setores Fonte: Relatório Global de Competitividade, Fórum Econômico Mundial

7 ...com conseqüências importantes no clima de negócios da região e em sua competitividade Efeitos sobre: Produtividade (deficiência importante em serviços de energia elétrica e transporte) Capacidade exportadora e de atração de investimento estrangeiro Altos custos de logística e altos níveis de inventários Percentual de empresas que percebem a infra-estrutura como um problema importante Fonte: Banco Mundial, Pesquisas sobre Clima de Investimento, 2006

8 As deficiências em infra-estrutura não só dificultam a integração regional e com os mercados internacionais, também originam serviços logísticos caros e deficientes

9 A dimensão do desafio Em 2001 Marianne Fay do Banco Mundial estimou em US$ milhões anuais (1,5% do PIB) a brecha de infra-estrutura para a América Latina As despesas em infra-estrutura devem passar de ser hoje da ordem de 2% do PIB, a níveis de 4% a 6% do PIB. A carteira de 350 projetos do IIRSA requer um investimento estimado de US$ milhões É necessária uma melhor distribuição entre investimento e manutenção. O setor público possui um rol crucial na execução e prestação de serviços de infra-estrutura. Não será possível alcançar estas metas sem a participação ativa e crescente do setor privado.

10 O que é a CAF e qual é o seu rol?

11 A Corporação Andina de Fomento -CAF é uma instituição financeira multilateral, cuja missão é apoiar o desenvolvimento sustentável e a integração regional na América Latina. Presta múltiplos serviços bancários a clientes dos setores soberano, público e privado dos países acionistas.

12 Qualificações de risco Longo Prazo Curto Prazo

13 Em 2006, a CAF registrou números significativos em aprovações…

14 em grande parte dedicada à infra-estrutura 2006: US$ milhões * * Inclui a carteira de terceiros administrada pela CAF e créditos associados a garantias parciais de crédito. **Inclui Água, Saneamento, Educação e outros Serviços Sociais e de Saúde, bem como a carteira relacionada com a Infra-estrutura Social.

15 Na última década, a CAF transformou-se na principal fonte de financiamento multilateral para a região andina e ampliou sua atuação aos outros países sócios Como resultado desta evolução...

16 integração Agenda de integração física e logística: para uma convergência regional IIRSA Plano Puebla-Panamá Programa Portos de Primeira Programa de Integração e Desenvolvimento para as Fronteiras Agenda para o Desenvolvimento

17 Agenda ambiental sustentável: Programa de Biodiversidade Programa Latino-americano do Carvão, Energias Limpas e Alternativas (PLAC+) Programa para a Prevenção de Riscos de Desastres Naturais Programa de Produção mais Limpa Programa de Promoção do Desenvolvimento Sustentável em Instituições Financeiras Agenda para o Desenvolvimento

18 Agenda de desenvolvimento social: eqüidade, inovação e melhoria da gestão pública Apoio ao investimento social nos países membros Responsabilidade social Governabilidade Agenda para o Desenvolvimento

19 Agenda de competitividade, produtividade e acesso ao capital: Programa de Apoio à Competitividade Apoio integral à MIPyME Programa de Governo Corporativo Programa de Apoio à Investigação em Temas de Desenvolvimento Programa de Apoio à Maior Inserção Internacional Agenda para o Desenvolvimento

20 Nasceu no final do ano 2000 O BID e o FONPLATA também fazem parte É o principal foro sul-americano para o avanço do processo de articulação física da região, Trabalham-se eixos de integração e desenvolvimento: MERCOSUL-Chile Andino Interoceânico Central Amazonas Escudo Guayanés (Venezuela-Brasil-Guiana-Suriname) Peru-Brasil-Bolívia Capricórnio (Porto Alegre-Assunção-Jujuy-Antofagasta) do Sul (Talcahuano-Concepción-Neuquén-Bahía Blanca) Hidrovia Paraguai Paraná A CAF e a Iniciativa para a Integração da Infra- estrutura Regional Sul Americana (IIRSA)

21 A CAF financiou mais de 40 projetos de integração física na América do Sul por US$ milhões que movimenta- ram investimentos superiores a US$ milhões Conexão Ferroviária Caracas com a Rede Nacional Túnel La Línea (Corredor Bogotá – Buenaventura) Conexão Amazônica com a Colômbia e o Peru (Rodovia Troncal de Oriente) Conexão Transandina Central (Tandapi – Aloag) Acesso ao Rio Putumayo (Julio Andrade – Santa Bárbara – La Bonita) Equador: Corredor Transandino do Sul Corredor Amazonas Norte (Trechos Olmos – Corral Quemado e Rioja – Tarapoto) Corredor Amazonas Central (Trecho Tingo María – Aguaytía – Pucallpa) Corredor Amazonas Sul (Estudo Rodovia Iñapari–Cuzco/Puno) e Construção Iñapari, Pto. Maldonado-Inambari – Cusco - Puno Corredor Viário de Integração Bolívia - Peru Corredor Viário de Integração Bolívia - Chile Pavimentação RN 81 Corredor Buenos Aires – Santiago (Acesso a Paso Pehuenche, RN 40 y RN 145) Corredor Buenos Aires – Santiago (variante viário Laguna La Picasa) Apoio à navegação comercial no Eixo Fluvial Orinoco - Apure Acesso ao Paso de Jama (Argentina - Chile) Estudos FFCC Cdad Guayana - Maturín - Sucre Estudos Rodovia Cdad Guayana - Georgetown Interconexão Elétrica Venezuela - Brasil Interconexão Viária Brasil - Venezuela Programa Viário de Integração, Estado de Rondônia Corredor Viária de Integração Santa Cruz - Puerto Suárez: Trechos San José – Roboré y Roboré - Puerto Suárez Gasoduto Trans redes Gasoduto Bolívia - Brasil Corredor Viário Integração Bolívia - Paraguai Reabilitação e pavimentação Corredores de Integração: RN 11 e ramal RN 10 Estudos de melhoria de navegabilidade, gestão institucional e esquema financeiro de operação da Hidrovia Centro Fronteiriço Paso de los Libres - Uruguainana Mega concessão das principais vias de conexão com a Argentina e o Brasil Corredor Buenos Aires – Santiago (variante ferroviário Lagoa La Picasa) Estudos reabilitação FFCC Jujuy - La Quiaca Corredor Viário de Integração Bolívia - Argentina Programa rodovia Tarija - Bermejo Corredor Amazonas Norte (Trechos Paita – Yurimáguas – Huallaga) Yurimáguas Pavimentação Tramo Marlagüe - Barrancas RN 40 Acessos e postos de controle em RN10 Hidrovia Paraguai – Paraná, fronteira com o Brasil

22 O papel proativo da CAF como proposta a necessidades identificadas Nas alianças público – privadas a CAF joga um rol de: Apoio técnico e legal para documentação do projeto (estudos, bases de licitação, contratos, impacto ambiental). Um novo instrumento: ProINFRA Identificação de riscos e fatores chave para bancabilidade Distribuição de riscos entre setores público e privado Intermediação ou arbitragem entre diferenciais de preços Titularização de valores econômicos difusos Estruturação de instrumentos financeiros específicos adaptados à necessidade de cada caso (orientação ao cliente) Uma aliança público- privada sólida requer: Projeto com viabilidade econômica (pode requerer subvenção estatal) Institucionalidade responsável e acreditável diante dos sócios privados e dos financiadores (lei, marco regulatório, carreira profissional) O compromisso de pagamentos do projeto deve estar vinculado à capacidade de pagamento da economia a longo prazo

23 REPÚBLICA DO PERU O Corredor Viário de Integração Interoceânico Sul é o maior projeto de asfaltamento na história do Peru, com 5 trechos e km de extensão, dos quais km não possuem asfalto que beneficiará a integração regional com o Brasil e a Bolívia e que afetará cerca de 6 milhões de habitantes e será entregue em 5 concessões de 25 anos c/u. Transcendência dos Projetos REPÚBLICA DA COLÔMBIA Possibilidade de realizar programas de concessão a 7 anos de recuperação e manutenção de estradas secundárias e terciárias que facilitará uma maior integração regional interna, o que beneficiará a competitividade do país Alianças Público-Privadas REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL A CAF financiou o estudo para a ferrovia Norte-Sul

24 PPP Projetos Comercialmente viáveis Projetos com potencial viabilidade Comercial Projetos Comercialmente não viáveis Não requerem apoio do participante público Requerem apoio parcial do participante público Requerem apoio total do participante público Alianças Público-Privadas Premissas

25 Objetivo Nacional Aliança Público Privada (PPPs) Prestar um Serviço Público efetivo e eficiente Fomentar Investimento em a Infra-estrutura necessária Minimizar Impacto em Endividamento Público e nos níveis de despesa Privado= Responsável pela Construção, Operação e Obtenção de Financiamento. Credor= Financiamento Privado Estado= Regulação/Supervisão e Compromisso de Pagamento adiado no tempo Por Obra: Cronograma de pagamentos pelo prazo da concessão Por O&M: Pagamento Anual + Outras Receitas + Pedágios Obrigação do Estado Capital Semente= 1º marco Garantia de Obra= Fiança em US$ Garantia de Contrato=Fiança US$ Contribuição Privada Alianças Público-Privadas

26 O Rol da CAF Inícios: Estudos de viabilidade iniciais via Cooperação Técnica Convalidação de propostas de concessionárias Empréstimos: Ponte: linhas de crédito com garantia soberana; Para gestão sócio-ambiental associada ao projeto. Assessoria e estruturação: A CAF trabalhou com a República e os Concessionários para estruturar as concessões de tal maneira que sejam financeiramente viáveis e bancáveis. Financiamento a Longo Prazo: Garantia Parcial sobre as obrigações de pagamento do Estado Alianças Público-Privadas

27 1.Incentiva a participação de um maior número de Construtores e/ou Licitantes; 2.Facilita a participação de Pequenos e Médios Construtores; 3.Melhores Termos de Financiamento por igual para todos os Empreiteiros, já que não depende da fortaleza creditícia do mesmo; 4.Maximiza o número de Obras (Quilômetros) para a Nação; 5.Não constitui endividamento público; 6.Instrumento novidoso para o Mercado de Capitais Local. BENEFÍCIOS Alianças Público-Privadas

28 Possui Operações em toda a América do Sul e parte da América Central e Caribe Possui Operações em toda a América do Sul e parte da América Central e Caribe 16 países membros, incluindo a Espanha 16 países membros, incluindo a Espanha Possui um amplo conhecimento desde dentro da Região Possui um amplo conhecimento desde dentro da Região Possui Compromisso com uma Agenda Latino-americana Possui Compromisso com uma Agenda Latino-americana Realiza uma ação contra-cíclica no financiamento Realiza uma ação contra-cíclica no financiamento Realiza uma ação catalítica no financiamento Realiza uma ação catalítica no financiamento Garante oportunidade e versatilidade no atendimento aos clientes Garante oportunidade e versatilidade no atendimento aos clientes Enfocada ao cliente Enfocada ao cliente A CAF é um bom sócio para os negócios de infra-estruturas porque …

29 A CAF pode realizar estas ou outras transações... Infra-estrutura: Rodovias Portos e Aeroportos Sistemas de Transporte Público Eletricidade Água Gás, entre outras Outros setores: Indústria Sistemas financeiros Micro, pequenas e médias empresas Assessoria financeira

30 … é assim empresas construtoras brasileiras adjudicaram, desde 1997, contratos para a execução de projetos com financiamento da CAF por mais de US$ 3000 milhões … o sistema financeiro brasileiro conta com recursos e facilidades creditícias para comércio, capital de trabalho e bens de capital A CAF contribui para a concretização de múltiplos negócios...

31

32 Mantêm uma boa e antiga relação Desde o ano 2000, foram assinados diversos Protocolos de Cooperação e um Memorando de Entendimento (Dez. 2005) para promover ações conjuntas dentro do Brasil e na Região Sul- americana. Recentemente, o Diretório do BNDES aprovou um programa por US$ 200 milhões destinado à assinatura de ações da CAF, sujeito ao financiamento conjunto de uma operação que abrange a exportação de bens e serviços brasileiros. A CAF e o BNDES

33 A CAF tem flexibilidade para interagir com os setores de risco soberano, misto e privado O interesse da CAF é de que as transações se concretizem, as obras se executem A agilidade da CAF foi demonstrada com freqüência Finalmente

34 Muito obrigada!


Carregar ppt "Porto Alegre agosto de 2007 Infra-estrutura como veículo para a Integração O rol da CAF na Região."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google