A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

AS ORIGENS DO CRISTIANISMO. O IMPÉRIO ROMANO Aproximadamente no ano 1000 a.C. a civilização romana expande suas posses, devido a: Forte militarização.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "AS ORIGENS DO CRISTIANISMO. O IMPÉRIO ROMANO Aproximadamente no ano 1000 a.C. a civilização romana expande suas posses, devido a: Forte militarização."— Transcrição da apresentação:

1 AS ORIGENS DO CRISTIANISMO

2 O IMPÉRIO ROMANO Aproximadamente no ano 1000 a.C. a civilização romana expande suas posses, devido a: Forte militarização conquista da península Itálica guerra contra Cartagena (Guerras Púnicas) conquista da península Ibérica (importante centro comercial). Forte marinha domínio da Grécia Mediterrâneo Oriental Ásia menor Egito.

3 GUERRAS PÚNICAS CAUSAS A rivalidade entre Roma e Cartago, pela hegemonia econômica, política e militar em todo o Mediterrâneo, importante meio de transporte de mercadorias naquela época. ENTENDA O CONFLITO As Guerras Púnicas, portanto, consistiram numa série de três conflitos que opuseram Roma e Cartago (264 a.C. e 146 a.C.). Depois de quase um século de lutas, ao fim das Guerras Púnicas, Cartago foi totalmente destruída e Roma passou a dominar o mar Mediterrâneo.

4

5 A FUSÃO DAS CULTURAS E A ESCRAVIDÃO Os povos vencidos eram escravizados e incorporados a civilização romana que se aproveitavam dos vencidos para enriquecer, explorar recursos e mão-de-obra e conhecimentos. Com isso, sua cultura se modificou, suas posses aumentaram, juntamente com o poder do império. Um exemplo da prosperidade do império romano é a comunicação por estradas em todo domínio territorial.

6 A SOCIEDADE ROMANA

7 PATRÍCIOS Classe dominante; Descendentes das primeiras famílias que povoaram Roma, eram proprietários de terras; Ligados ao governo (Senado). CLIENTES Homens livres pobres; Prestavam serviços aos patrícios em troca de proteção e sustento. PLEBEUS Pequenos proprietários de terra; Comerciantes; Artesãos; Homens livres sem direitos políticos. ESCRAVOS Prisioneiros de guerras; Crianças; Endividados; Papel fundamental para êxito sociedade romana.

8 CARACTERÍSTICAS DOS PERÍODOS ROMANOS MONARQUIA (753 – 509 a.C.) Patriarcalismo – chefes de famílias (genos) responsáveis pelas decisões. Rei – funções militares, religiosas e judiciais, sem poder absoluto. REPÚBLICA (509 – 31 a.C.) Criação de instituições para organização do Estado. Expansão do território. Sociedade estamental – patrícios, camponeses e escravos. IMPÉRIO (27 a.C. – 476 d.C.) Busca solucionar as crises da República. Período dos imperadores – centralização do poder. A sociedade romana entra em decadência.

9 OTÁVIO AUGUSTO NA ERA DOS IMPERADORES Tornou-se primeiro imperador de Roma. Objetivo superar a crise do império romano que surgiu durante o período republicano. Apostas libertos (ex-escravos), cargos subalternos (simples, sem expressão) e nos cavaleiros ou homens novos (geralmente plebeus).

10 JESUS CRISTO E O NASCIMENTO DO CRISTIANISMO Durante o governo de Otávio Augusto nasce Jesus Cristo que era judeu. Sua aldeia, Judeia, estava sob domínio romano. Como sabemos, os judeus se diferenciavam dos outros povos por serem monoteístas. As ideias religiosas baseadas nos ensinamentos de Jesus deram origem ao Cristianismo.

11

12 Com as palavras de Jesus muitas pessoas passaram a acreditar que ele era o Messias que aguardavam e passaram a seguir o Cristianismo. Com isso, seus ensinamentos começaram a incomodar os poderosos, afinal, Jesus condenava as guerras, a violência e os abusos de poder. Aos poucos as tradições religiosas foram sendo modificadas e por tudo isso, Jesus foi preso e condenado à morte. O Cristianismo passou a ser visto como uma ameaça à sociedade, porque:

13 eram contra a escravidão, negavam-se a adotar o imperador, negavam-se a adotar deuses de Roma. Se inicia um período de forte repressão e perseguição contra os cristãos que passam a ser considerados foras da lei. Muitos serviram de diversão nos espetáculos promovidos no Coliseu, ao serem jogados nas arenas para lutarem contra leões famintos.

14

15 A INTOLERÂNCIA RELIGIOSA A tolerância que os romanos tiveram para com diversas religiões não se aplicou ao cristianismo, por conta do(s), da(s): diferenças ideológicas, políticas e quanto as práticas religiosas (culto secreto) foram vistos como bruxos. falta de reconhecimento da divindade do imperador. ameaça a segurança do Estado romano, por conta do aumento do número de adeptos. Essa grande aceitação se deve a:

16 Ideia de justiça social (a sociedade romana tornava-se cada vez mais injusta). Ideia de pacificação (paz) e de humanidade (tolerância, amor ao próximo, caridade, etc) entre os homens. Por tudo isso, as classes mais baixas ou menos privilegiadas como, por exemplo - escravos, mulheres e pobres aderiram ao cristianismo.

17 A importância do cristianismo foi aumentando ao ponto de pessoas ricas adotarem a religião cristã. A partir daí, o cristianismo foi ganhando espaço, até que o imperador Constantino sede condições favoráveis para propagação do Cristianismo. Segundo relatos cristãos, o imperador viu no céu as inscrições de uma vitória na batalha de Ponte Mílvio, caso utilizasse o sinal da cruz. O EDITO DE MILÃO Roma venceu e a partir de então, Constantino assina o Edito de Milão, que estabeleceu a liberdade religiosa.

18 As perseguições chegam ao fim, o número de fiéis aumenta juntamente com a popularidade do imperador. A organização da religião cristã também se modifica. Uma mudança, por exemplo, é a criação de um grupo responsável pelos cultos: o clero. Antes, qualquer cidadão, desde que fosse homem, podia presidir os cultos. O EDITO DE TESSALÔNICA Representa a oficialização do cristianismo como a religião do Império Romano, diretamente ligado, portanto, ao Estado. Com todas essas conquistas e mudanças, a Igreja já não contestava a sociedade e o Estado.

19 CRUZADAS, A ESCRAVIDÃO E A DIVISÃO DO IMPÉRIO ROMANO. A Igreja de Roma inicia forte luta contra os bárbaros (povos invasores), a escravidão e o descaso com a população necessitada. Com isso, a Igreja conquista muito prestígio e influência na sociedade. Entretanto, com a luta contra a escravidão, a sociedade romana entra em colapso, uma vez que era muito dependente da sua produção. Com a instalação de uma crise econômica, em 395, ocorre o enfraquecimento do Império Romano e sua consequente divisão em dois reinos: Império Romano do Ocidente – Roma Império Romano do Oriente – Constantinopla

20 CONSEQUÊNCIAS Após a divisão de Roma em dois reinos distintos ocorrem algumas mudanças como: Facilitação da entrada de povos estrangeiros (bárbaros); Conversão desses povos em cristãos; Consolidação da Instituição Igreja Católica como a maior e mais influente desse período – queda do Império Romano e do período posterior a ele – Feudalismo.


Carregar ppt "AS ORIGENS DO CRISTIANISMO. O IMPÉRIO ROMANO Aproximadamente no ano 1000 a.C. a civilização romana expande suas posses, devido a: Forte militarização."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google