A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Curso Animais Peçonhentos - Série Solução SST- Aula 1 Departamento Regional Coordenadoria de Educação Local, 00 de mês de ano.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Curso Animais Peçonhentos - Série Solução SST- Aula 1 Departamento Regional Coordenadoria de Educação Local, 00 de mês de ano."— Transcrição da apresentação:

1 Curso Animais Peçonhentos - Série Solução SST- Aula 1 Departamento Regional Coordenadoria de Educação Local, 00 de mês de ano.

2 Introdução  Os animais peçonhentos podem representar uma ameaça à saúde dos trabalhadores de alguns setores produtivos. Disponível em: Acesso em: 08 maio 2010.

3 Objetivo  Orientar os trabalhadores sobre os perigos e formas de prevenção nas atividades que apresentam riscos de contato com animais peçonhentos.

4 Notícias da mídia  Crescem os casos de picada de aranha em SC - Número de ocorrências em janeiro em município da serra catarinense corresponde a 64,1% do registrado em (Diário Catarinense, 8 de fevereiro de 2008)  Crescem os casos de picada de aranha em SC - Número de ocorrências em janeiro em município da serra catarinense corresponde a 64,1% do registrado em (Diário Catarinense, 8 de fevereiro de 2008)  Encontrado foco de escorpiões em Indústria Catarinense - Animais peçonhentos estavam dentro de instalações de indústria têxtil.

5 Sistema Nacional de Informações Tóxico-Farmacológicas - SINITOX Animais peçonhentos  Animais peçonhentos são aqueles que possuem glândulas de veneno que se comunicam com dentes ocos, ferrões ou aguilhões, com o qual injetam o veneno nas suas vítimas.

6 Animais venenosos  Animais venenosos são aqueles que produzem veneno, mas não possuem um aparelho inoculador (dentes, ferrões), provocando envenenamento passivo por contato (lonomia ou taturana), por compressão (sapo) ou por ingestão (peixe baiacu). Sistema Nacional de Informações Tóxico-Farmacológicas - SINITOX

7 Animais peçonhentos Indústria Madeireira

8 Animais peçonhentos Disponível em: Acesso em: 27 mar Disponível em: Acesso em: 27 mar Você sabe quais são os animais peçonhentos de maior importância em saúde pública?

9 Ofídios Serpentes:  Podem ser aquáticas ou terrestres.  São animais carnívoros. Disponível em: Acesso em: 27 mar

10 Ofídios Sistema Nacional de Informações Tóxico-Farmacológicas - SINITOX Cobras e serpentes podem ser classificadas em dois grupos básicos: as peçonhentas e as não peçonhentas, ambas encontradas no Brasil, nos mais diferentes tipos de hábitat, inclusive em ambientes urbanos. cobras, serpentes

11 Fosseta loreal Dentes inoculadores Distinção das cobras peçonhentas Disponível em: Acesso em: 27 mar Disponível em: Acesso em: 27 mar

12 Escamas Cabeça triangular Coral verdadeira Disponível em: Acesso em: 27 mar Disponível em: Acesso em: 27 mar Disponível em: Acesso em: 27 mar

13  As serpentes não peçonhentas têm geralmente hábitos diurnos, vivem em todos os ambientes, particularmente próximos a locais úmidos, têm coloração viva, brilhante e escamas lisas.  São popularmente conhecidas por “cobras d’água”, “cobra cipó”, “cobra verde”, dentre outras numerosas denominações.

14 Peçonhenta Não peçonhenta Picadas Disponível em: Acesso em: 28 mar

15 Disponível em: Acesso em: 28 mar

16 Dentes pequenos e iguais2 presas Simétricos VENENOSA NÃO VENENOSA 2 marcas mais profundas Orifícios pequenos e iguais CAUDA PICADA DENTES DESENHOS DAS ESCAMAS Afina gradativamenteAfina rapidamente Irregulares Não tem Grandes FOSSETA OLHOS Tem Pequenos CABEÇATriangularArredondada (Adaptado). Disponível em: Acesso em: 28 mar

17 Jararaca (Bothrops jararaca) Características: Coloração esverdeada, com desenhos semelhantes a um “V” invertido, corpo delgado, medindo aproximadamente 1m. Tipos de cobras peçonhentas Disponível em: Acesso em: 28 mar

18 Síndrome compartimentalEdema e equimose Amputação IBAMA; INSTITUTO BUTANTAN.

19 Surucucu (Lachesis muta) Características: A cauda apresenta escamas eriçadas como uma escova. É a maior das serpentes peçonhentas das Américas, atingindo até 3,5m. Disponível em: Acesso em: 28 mar Tipos de cobras peçonhentas

20 Local da picada da surucucu Complicação causada por picada de surucucu IBAMA; INSTITUTO BUTANTAN. Inchaço e morte da pele

21 Cascavel (Crotalus durissus) Características: Coloração marrom-amarelada, corpo robusto, medindo aproximadamente 1m. Apresenta chocalho na ponta da cauda. Tipos de cobras peçonhentas Disponível em: Acesso em: 28 mar

22 Ptose palpebral Edema local discreto Fáscies miastênica (flacidez dos músculos da face) Complicação causada por picada de cascavel IBAMA; INSTITUTO BUTANTAN.

23 Características: Possui anéis vermelhos, pretos e brancos ao redor do corpo, medindo entre 70 e 80 cm. Se esconde em buracos, montes de lenha e troncos de árvores. Coral verdadeira (Micrurus frontalis) Tipos de cobras peçonhentas Disponível em: Acesso em: 28 mar

24 Fácies miastênica Complicação causada por picada de coral verdadeira IBAMA; INSTITUTO BUTANTAN.

25 Doenças Infecciosas e Parasitárias. Diagnóstico e tratamento do ofidismo  Soroterapia.  Não há evidências de que remédios (anti- inflamatórios, heparina) neutralizem os efeitos dos venenos.

26 Aracnídeos  Aranhas  Venenosas  Animais carnívoros Disponível em: Acesso em: 28 mar

27 Aracnídeos Aranhas Todas as aranhas têm veneno e podem causar acidentes. Mas nem todas são responsáveis por acidentes humanos graves, devido a fatores como:  a baixa toxicidade do veneno para seres humanos;  a pequena quantidade de veneno injetado;  ferrão incapaz de perfurar a pele.

28 Aranha armadeira (Phoneutria) Características: pode atingir até 15 cm, não constrói teia geométrica e tem hábito agressivo, podendo saltar a uma distância de 40cm. Tipos de aranhas peçonhentas Disponível em: Acesso em: 28 mar

29 Aranha marrom (Loxosceles) Características: De pequeno porte (3-4 cm), constrói teia irregular em fendas, telhas e tijolos e, dentro das casas, atrás de quadros e móveis, sempre ao abrigo da luz; não é agressiva e só causa acidentes quando comprimida contra o corpo. Tipos de aranhas peçonhentas Disponível em: Acesso em: 28 mar

30 Características: Aranha pequena, constrói teia irregular e vive em vegetações arbustivas e gramíneas, podendo apresentar hábitos domiciliares ou viver próximas de casas. Viúva negra (Latrodectus) Tipos de aranhas peçonhentas Disponível em: Acesso em: 28 mar

31 Caranguejeira Tarântula Caranguejeira tarântula (Lycosa) Características: Há grande variedade de espécies, encontradas em todo o país, mas são consideradas de menor importância médica. Tipos de aranhas peçonhentas Disponível em: Acesso em: 28 mar

32 Diagnóstico do araneísmo Clínico-epidemiológico. Exames laboratoriais auxiliam no diagnóstico da necrose cutânea causada pela picada dos aracnídeos. Clínico-epidemiológico. Exames laboratoriais auxiliam no diagnóstico da necrose cutânea causada pela picada dos aracnídeos.

33 Tratamento do araneísmo Loxoscelismo (aranha marrom): o tratamento consiste na aplicação local de anestésico. Nos casos mais graves, deve- se usar soro antiaracnídico. Doenças Infecciosas e Parasitárias.

34  Foneutrismo (aranha armadeira): o soro antiaracnídico somente é utilizado nos casos moderados e graves, onde há manifestações sistêmicas.  Latrodectismo (aranha viúva-negra): o soro antilatrodéctico tem sido pouco utilizado, em vista de sua pequena disponibilidade. Disponível em: Acesso em: 28 mar

35 Aracnídeos – escorpiões  Também são chamados de lacraus.  Variam de tamanho entre 6 a 8,5 cm.  Frequentemente causam acidentes.  São carnívoros.  Possuem hábitos noturnos. Disponível em: Acesso em: 28 mar

36 Aracnídeos – escorpiões  Não possuem audição e sentem vibrações do ar e do solo.  Principais predadores: pássaros, lagartixas e alguns mamíferos insetívoros.  Podem sobreviver vários meses sem alimento e mesmo sem água, o que torna seu combate muito difícil.

37 Tytius bahiensis (escorpião preto) Tytius serrulatus (escorpião amarelo) Escorpião pretoEscorpião amarelo Tipos de escorpiões peçonhentos Disponível em: Acesso em: 28 mar

38 Diagnóstico do escorpionismo Eminentemente clínico-epidemiológico. São de grande utilidade na detecção e acompanhamento das complicações: a radiografia de tórax, que evidencia aumento de área cardíaca e velamento pulmonar difuso (áreas com troca diminuída de O2) e o eletrocardiograma, que mostra padrão semelhante ao observado no infarto agudo do miocárdio. Doenças Infecciosas e Parasitárias.

39 Tratamento do escorpionismo  Nos casos leves, onde se apresentam somente manifestações locais, as medidas de tratamento visam ao alívio da dor.  O soro antiescorpiônico ou antiaracnídico é indicado nos acidentes moderados e graves, seguindo os mesmos princípios de aplicação dos soros antiofídicos. Doenças Infecciosas e Parasitárias.

40 Agradecemos sua participação e esperamos você na próxima aula.

41 Curso Animais Peçonhentos - Série Solução SST- Aula 2 Departamento Regional Coordenadoria de Educação Local, 00 de mês de ano.

42 Vimos na aula 1:  a diferença entre animais peçonhentos e venenosos;  os principais animais peçonhentos e suas características;  os riscos à saúde que o contato com animais peçonhentos pode causar.

43 O que você faria diante de uma picada de animal peçonhento? Primeiros socorros

44 Instituto Butantan.  Manter o acidentado em repouso.  Fazer uma boa limpeza local (água e sabão) e aplicar compressas frias ou gelo.  Levar o acidentado o mais rapidamente possível a um serviço de saúde.

45 Primeiros socorros  Se for possível, capturar o animal que causou o acidente, levando-o junto com a pessoa picada. Essa medida facilita o diagnóstico e o tratamento correto. Mas cuidado para não correr riscos e se tornar mais uma vítima!  Em qualquer caso de acidente com animal peçonhento, o paciente deve ser medicado nas primeiras horas após o acidente.  O soro antiveneno é o único tratamento eficaz. Instituto Butantan.

46 O que não se deve fazer em caso de uma picada de animal peçonhento? Primeiros socorros

47  Não amarrar o membro acometido. Instituto Butantan.

48  Não cortar, não furar o local da picada.  Não chupar e não espremer o local da picada. Instituto Butantan.

49  Evitar que o acidentado beba querosene, álcool ou outras bebidas. Instituto Butantan.

50 Prevenção – o melhor remédio Algumas Medidas de Prevenção IBAMA; INSTITUTO BUTANTAN.

51 Em casa  Manter limpos quintais e terrenos baldios, não deixar acumular entulho e lixo doméstico.  Aparar regularmente a grama dos jardins e recolher as folhas caídas.  Vedar soleiras de portas com saquinhos de areia ou frisos de borracha; colocar telas nas janelas; vedar ralos de pia; tanque e chão.  Evitar plantas trepadeiras muito encostadas à casa, folhagens entrando pelo telhado ou mesmo pelo forro.

52 Em casa  Colocar lixo em sacos plásticos.  Controlar o número de roedores existentes na área de sua propriedade.  Examinar roupas, calçados, toalhas e roupas de cama antes de usá-los.  Andar sempre calçado e usar luvas de raspa de couro ao trabalhar com material de construção, lenha, etc.

53 E no local de trabalho?  Não andar descalço.  Olhar sempre com atenção o local de trabalho e os caminhos a percorrer.  Usar luvas de couro nas atividades rurais e de jardinagem.

54 E no local de trabalho?  Não utilizar diretamente as mãos ao tocar em sapé, capim, mato baixo, montes de folhas secas.  Quando entrar em matas de ramagens baixas ou em pomar com muitas árvores, parar no limite de transição de luminosidade e esperar sempre a vista se adaptar aos lugares menos iluminados.

55 E no local de trabalho?  Se por qualquer razão tiver que abaixar-se, além de olhar bem o local, bater a vegetação ou as folhas.  Não depositar ou acumular material inútil junto ao local habitual de trabalho.

56 E no local de trabalho?  Não montar acampamento junto a plantações, pastos ou matos denominados “sujos”.  No amanhecer e no entardecer, nos sítios ou nas fazendas, chácaras ou acampamentos, evitar se aproximar da vegetação muito próxima ao chão, gramados ou até mesmo jardins; é nesse momento que as serpentes estão em maior atividade.

57 Proteção da cabeça Uso de EPI – Equipamento de Proteção Individual Proteção dos olhos e da face Capacete aba totalCapacete com viseira Formas de prevenção Disponível em: Acesso em: 28 mar

58 Membros superiores Membros inferiores Manga protetora Luvas em PVC Bota cano altoPerneira em couro Uso de EPI – Equipamento de Proteção Individual Disponível em: Acesso em: 28 mar

59 Toda a produção é comprada pelo Ministério da Saúde, que a distribui para todo o país, por meio das Secretarias de Estado de Saúde. O soro está disponível em serviços de saúde e é oferecido gratuitamente aos acidentados. Soros antipeçonhentos Os soros antipeçonhentos são produzidos no Brasil por:  Instituto Butantan (São Paulo);  Fundação Ezequiel Dias (Minas Gerais);  Instituto Vital Brazil (Rio de Janeiro). IBAMA; INSTITUTO BUTANTAN.

60 Centro de Informações Toxicológicas Em caso de dúvida, ligue para o Centro de Informações toxicológicas de sua região (ligação gratuita):  CIT/RS – Porto Alegre  CIT/PR – Curitiba  CEATOX/SP – São Paulo  CIAVE/BA – Salvador  CCI/SP – São Paulo  CIT/SC – Florianópolis

61 Atividade em Grupo

62 No seu trabalho e na sua casa, a segurança deve estar em primeiro lugar, e para que isso aconteça, ela deve partir de suas atitudes, a fim de evitar que ocorra algum tipo de acidente. Para refletir

63 Referências Centro de Informações Toxicológicas de Santa Catarina. Doenças Infecciosas e Parasitárias – Guia de Bolso. Ministério da Saúde – Secretaria de Vigilância em Saúde – Departamento de Vigilância Epidemiológica - 7ª Edição Revista – Brasília/DF, Instituto Butantan.. Animais Peçonhentos: Serpentes. Série Didática 5. São Paulo, SP s/d. Ministério da Saúde/Fundação Nacional de Saúde. Manual de Diagnóstico e Tratamento de Acidentes por Animais Peçonhentos. Brasília, 1998, 131p.il.

64 Obrigada pela atenção.


Carregar ppt "Curso Animais Peçonhentos - Série Solução SST- Aula 1 Departamento Regional Coordenadoria de Educação Local, 00 de mês de ano."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google