A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

DRENAGEM TORÁCICA Utilização e diferenciais dos materiais de drenagem Profa. Dra. Maria Ribeiro S. Morard

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "DRENAGEM TORÁCICA Utilização e diferenciais dos materiais de drenagem Profa. Dra. Maria Ribeiro S. Morard"— Transcrição da apresentação:

1 DRENAGEM TORÁCICA Utilização e diferenciais dos materiais de drenagem Profa. Dra. Maria Ribeiro S. Morard

2 Folhetos Pleurais Parietal e Visceral

3

4 Costelas Vasos Intercostais Espaço Intercostal Diafragma Colapso Pulmonar Anatomia do Espaço Pleural

5 Líquido,livre dentro da cavidade Pulmão Costelas Anatomia do Espaço Pleural

6 Hipócrates Hipócrates 1 os registros de drenagem de empiema pleural 1 os registros de drenagem de empiema pleural Idade Média Idade Média Uso de sifões em ferimentos torácicos Uso de sifões em ferimentos torácicos Aspiradores de feridas Aspiradores de feridas Drenagem Torácica Histórico

7 1830 – Viena – Van Swieten - Tubo acoplado a bomba de sucção manual para hemotórax traumático1830 – Viena – Van Swieten - Tubo acoplado a bomba de sucção manual para hemotórax traumático 1859 – Inglaterra - C. Hunter - Agulha hipodérmica com torneirinha1859 – Inglaterra - C. Hunter - Agulha hipodérmica com torneirinha 1867 – Inglaterra – Hilier - Tubo flexível longo mergulhado em frasco com água1867 – Inglaterra – Hilier - Tubo flexível longo mergulhado em frasco com água 1872 – Ingaterra – Playfair / Hewett - Sistema fechado sob selo dágua1872 – Ingaterra – Playfair / Hewett - Sistema fechado sob selo dágua 1920 – Nova Iorque – Kenyon - Sistema aberto de drenagem subaquática1920 – Nova Iorque – Kenyon - Sistema aberto de drenagem subaquática Guerra da Coréia – década 50 - Técnicas atuaisGuerra da Coréia – década 50 - Técnicas atuais Drenagem Torácica Histórico

8 Restabelecimento da pressão negativa do espaço pleural Remoção de ar, líquidos, sólidos (fibrina) do espaço pleural e mediastino resultantes de processos infecciosos, trauma, procedimentos cirúrgicos Re-expansão pulmonar Drenagem Torácica Objetivos

9 A drenagem se faz por ação: Gravitacional Pressão positiva intrapleural Pressão negativa do sistema de drenagem Drenagem Torácica Principios

10 Quanto ao método de manutenção Selo dágua Valvulares * VÁLVULA DE HEIMLICH Quanto ao processo Passivo Ativo Quanto ao equipamento Simples Duplo frasco Triplo frasco Drenagem Torácica Sistemas de Drenagem

11 Deve preceder qualquer abordagem invasiva da pleura Permite coleta do material para análise e para se estabelecer a natureza da coleção pleural Permite estabelecer o local exato da possível drenagem Tratamento emergencial: Pneumotórax hipertensivo Tratmento definitivo: Pneumotórax residual Drenagem Torácica Toracocentese

12 1. Pneumotórax Espontâneo Primário Secundário Hipertensivo Traumático Iatrogênico Drenagem Torácica Indicações

13 2. Hemotórax Traumático Residual 3. Derrame pleural Exsudato Empiema Quilotórax 4. Drenagem profilática Drenagem Torácica Indicações

14 Drenagem Torácica Indicações 1. TRAUMA TORÁCICO 2.EMPIEMA PLEURAL 3.PNEUMOTÓRAX ESPONTÂNEO 4.QUILOTÓRAX 5.HEMOTÓRAX NÃO TRAUMÁTICO 6.DERRAME PLEURAL NEOPLÁSICO 7.PÓS-OPERATÓRIO ( ABERTURA PLEURAL )

15 Drenagem Torácica Materiais

16 Drenagem Torácica Materiais

17 Drenagem Torácica Materiais

18 Entre o 3º e 5º espaço intercostal sobre a linha média axilar Rota Axilar 5° espaço intercostal Anterior edge of the latissimus dorsi Local da Incisão Borda externa do peitoral maior Drenagem Torácica

19 Setor Torácico HUGG

20 Drenagem Torácica

21

22 Materiais

23 Drenagem Torácica Materiais

24 2 cm Drenagem Torácica Pneumotórax Hipertensivo

25 Pneumotórax Bilateral Drenagem Torácica Pneumotórax Bilateral BAROTRAUMABAROTRAUMA Setor Torácico HUGG

26 Drenagem Torácica Setor Torácico HUGG

27 Drenagem Torácica Empiema Pleural fase I

28 Drenagem Torácica Empiema Pleural fase I Setor Torácico HUGG

29 Drenagem Torácica Empiema Pleural fase I Setor Torácico HUGG

30 Drenagem Torácica Empiema Pleural fase I Setor Torácico HUGG

31 Aderências Pleurais Local Derrame Drenagem Torácica Empiema Pleural fase II

32 Marcadores indicativos para procedimento invasivo: Derrame loculado ou ocupando mais de 50% do Derrame loculado ou ocupando mais de 50% do hemitórax hemitórax Gram e cultura positivos no líquido pleural Gram e cultura positivos no líquido pleural pH < 7,20 e glicose < 60 mg/dL pH < 7,20 e glicose < 60 mg/dL LDH > 2/3 do limite sérico normal LDH > 2/3 do limite sérico normal Descorticação toracoscópica Fase fibrinopurulenta (com menos de 3 semanas de duração) * * Videotoracoscopia Empiema Pleural fase II

33 Drenagem Torácica Derrame Neoplásico Pleurodese com talco Setor Torácico HUGG

34 Drenagem Torácica Setor Torácico HUGG

35 Drenagem Torácica Piopneumotórax Setor Torácico HUGG

36 Drenagem Torácica Empiema pleural fase III Setor Torácico HUGG

37 Drenagem Torácica Derrame Pleural encistado

38 Drenagem Torácica Aberta Setor Torácico HUGG

39 Drenagem Torácica Aberta Setor Torácico HUGG

40 CRITÉRIOS DE RETIRADA DO DRENO OBJETIVOS SATISFEITOS PULMÃO EXPANDIDO Sem Fístula Aérea Débito líquido 150 mL Aspecto do Débito Drenagem Torácica

41 COMPLICAÇÕES NÃO INFECCIOSAS DESCONHECIMENTO TÉCNICO FALHAS DO SISTEMA DE DRENAGEM Drenagem Torácica Complicações EMPIEMA – 2 a 25%

42 TÉCNICA DE DRENAGEM OSCILAÇÃO DRENO FORA DO TÓRAX FIXAÇÃO DO DRENO INCISÃO NÃO SUTURADA TRANSFIXAÇÃO PERDA DO DRENO ORIFÍCIO NO SUBCUTÂNEO Dreno não oscila: obstruído ou fora do tórax Drenagem Torácica Complicações

43 SISTEMA DE DRENAGEM COLUNA LÍQUIDA > 2 cm CONEXÕES ESTREITAS MÁ VEDAÇÃO EXTENSÃO LONGA Equação de Poiseuille: Ø = p π r 4 / 8Lv Ø: fluxo; p: pressão; r: raio; L: extensão; v: viscosidade Drenagem Torácica Complicações

44 Transporte do doente com dreno ocluído Drenagem Torácica Complicações SISTEMA DE DRENAGEM

45 SituaçãoPossíveis CausasConduta Ausência de Oscilação Dreno dobrado Dreno obstruído / pinçado Dreno fora da cavidade pleural Conexões finas Conexões erradas Tubo submerso > 2 cm Manipular dreno Aspirar dreno Abrir dreno Redrenar Trocar conexões Esvaziar frasco Diminuição do débito com persistência de imagem radiológica Dreno obstruído Intermediário longo Intermediário fino Frasco no mesmo nível do tórax Frasco coletor cheio Aspirar dreno Verificar sistema Reposicionar frasco Esvaziar frasco Borbulhamento persistente Orifício cutâneo alargado Conexões mal adaptadas Tampa do frasco não vedada Defeitos do frasco coletor Orifícios do dreno no subcutâneo Verificar sistema de drenagem Vedação Redrenar Drenagem Torácica Situações clínicas

46 Tratamento complicações pós – drenagem pleural Profilaxia das complicações Domínio Técnico Conhecer as complicações NÃO SUBESTIMAR O PROCEDIMENTO Drenagem Torácica

47 Drenagem Torácica Cuidados Distúrbios da coagulação Aderências pleurais Bolhas gigantes Obstrução completa de brônquios principais Derrames pleurais por doença hepática Lesão diafragmática Drenagem Torácica Contraindicações/Cuidad os

48 Atelectasia de pulmão direito - Ruptura Brônquica Drenagem Torácica Cuidados Setor Torácico HUGG

49 Drenagem Torácica Armadilha Drenagem Torácica Armadilha

50 Put Chest Drain; Be Happy But, Be Observant and Do Follow -Up Not only Till Patient Go Home Later on too.

51 Drenagem Torácica Armadilha O B R I G A D A !


Carregar ppt "DRENAGEM TORÁCICA Utilização e diferenciais dos materiais de drenagem Profa. Dra. Maria Ribeiro S. Morard"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google