A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

HISTORIA DE SURDO Depoimento de: Monsenhor Vicente de Paulo Burnier -01 Antônio Campos de Abreu Historiador.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "HISTORIA DE SURDO Depoimento de: Monsenhor Vicente de Paulo Burnier -01 Antônio Campos de Abreu Historiador."— Transcrição da apresentação:

1 HISTORIA DE SURDO Depoimento de: Monsenhor Vicente de Paulo Burnier -01 Antônio Campos de Abreu Historiador

2 Senhores Povo Surdos, Pais, Profissionais, Pastoral e Sacerdotes! Eu, como historiador, tive uma idéia em captar as várias experiências e depoimentos de maiores líderes surdos do Brasil. Desta vez escolhi o Padre Vicente de Paulo Burnier, ele foi o primeiro padre surdo do Brasil. O povo surdo brasileiro tem profundos sentimentos de saudade e frequentemente recordam com muita emoção este Padre Surdo. Os povos surdos brasileiros e as suas comunidades surdas, tais como as associações de surdos, as escolas de surdos, as igrejas e outras instituições podem contribuir com as doações de materiais, documentos, cartas, fotos para que brevemente possamos construir a história e criar Centro de Referencia para o Monsenhor Vicente de Paulo Burnier. Quem aceitar em colaborar e fazer parte da comissão na organização do mesmo, é só entrar em contato que estou disponível em compartilhar as suas opiniões, sugestões, mensagem ou qualquer. Sejam bem-vindos e não esqueçam das fotos e depoimentos que estarei esperando. Obrigado! Atenciosamente, Antônio Campos de Abreu Historiador

3 Fonte:EFFATA - AR

4

5 Pe. Vicente de Paulo Penido Burnier Nascimento: 02/03/1921 Ordenação: 22/09/1951 Contato Lar Sacerdotal Rua Dom Silvério, 461 Juiz de Fora - MG Cep: Tel: (32) Formação Filosofia - Seminário São João - Mariana/MG Teologia - Seminário São João - Mariana/MG Cargos na Arquidiocese de Juiz de Fora Arquivista da Cúria Metropolitana de Juiz de Fora Fonte:A.de Juiz de Fora - MG

6 Monsenhor Vicente de Paulo Penido Burnier, Entrei no Seminário Santo Antônio em 1935, quando foi aberto para receber apenas 21 alunos. Minha primeira surpresa foi descobrir que, além da língua português, era obrigatório o curso de latim. Tínhamos o desafio de estudar todo o primeiro semestre para sermos admitidos no primeiro ano de próprio Seminário Menor, onde os estudos duravam 6 anos. Entre tanto, oito seminaristas não foram felizes para serem aprovados nos exames do primeiro semestre.Com a chegada de mais jovem no ano de 1936, consegui matricular-me no curso do primeiro ano do Seminário, que concluí em novembro de Fui aprovado para o Seminário Maior de São José, de teologia, terminando em Neste ano, ainda faltava a dispensa da lei canônica para que eu fosse ordenado padre por causa de surdez. Enquanto a resposta à carta escrita por Dom Justino não chegava, fui trabalhar na Cúria Metropolitana de Juiz de Fora, como Notário. Em 1950, ano Santo, o Sr. Bispo, Dom Justino precisava ir a Roma prestar informações sobre as atividades da Diocese de Juiz de Fora, resolveu me levar para que o Papa tivesse melhor conhecimento sobre a minha pessoa e a possibilidade de me ordenar padre. Chegando a Roma, Dom Justino pediu que chamassem meu irmão, Pe. João Bosco Burnier, para solicitar audiência particular com o santo Padre, o que ocorreu no dia seguinte em sua residência de verão. Assim tive a oportunidade de falar com o papa Pio XII. Ao entrar no escritório do Papa, ajoelhei-me e perguntei: "poderei ser ordenado padre?" O Santo Padre me levantou e disse: "espere e veremos". Em seguida falava com dom Justino: "Ele já fala bem, mas precisamos estudar este caso especial e depois darei a resposta".

7 Justamente no dia 31 de janeiro de 1951, dia de são João Bosco, fui ao colégio dos padres Salesi anos, e rezei: "São João Bosco, hoje é o último dia das minhas oração de todos os dias de espera da resposta do Papa Pio XII. Não esperarei mais, porque hoje é o dia da resposta do Papa. Espero que seja uma resposta definitiva porque sei que o processo termina hoje. Por isso, hoje é o último dia do pedido final."No dia 02 de fevereiro fui à missa para a cerimônia dos votos perpétuos, dia preferido dos jesuítas, sempre dia de festa de Nossa Senhora. Festa própria para solenizar o ato importante de vida dos padres Jesuítas. Depois, fui cumprimentar meu irmão pelos voto feitos na sua vida de sacerdote. Depois de me agradecer. Pe. João Bosco me disse estar também alegre por mim, pois o Papa Pio XII havia concedido licença para que eu fosse ordenado. Assim, gostei ver que aquela festa era para os dois irmãos festejarem o dia solene para que eu fosse ordenado. então, esta data foi uma ocasião para festejar e agradecer a Deus pelo dia feliz para os dois irmão. Fiquei muito feliz.Antes de voltar ao Brasil, o Pe. João Bosco e eu fomos agradecer ao Papa Pio XII pelo resultado muito agradável para minha vida. falei com o Papa que prometia rezar por ele no dia da primeira missa. E o Papa perguntou sobre o dia da primeira missa. Eu disse que seria em setembro. Ele agradeceu dizendo: "muito obrigado!" Então, comecei a me preparar para voltar ao Brasil, a Juiz de Fora, marcando para o dia 22 de setembro de 1951 minha primeira missa. E foi no setembro Santo Antônio, onde tudo começou e aqui estou com muita alegria, ate os dias de hoje. Fonte:Pastoral dos Surdos Monsenhor Vicente P. Burnier

8 João Bosco Burnier - filho de Henrique Penido Burnier e Maria Cândida Penido Burnier. Irmão de Mons. Vicente de Paula Penido Burnier, que faz parte do nosso presbitério. Nasceu em Juiz de Fora, no dia 11 de junho de Trabalhava na Prelazia de São Félix do Araguaia, onde, no dia 11 de outubro de 1976, tomou a defesa de duas mulheres inocentes, vítimas de tortura dos soldados da cadeia local. Um dos soldados se descontrolou e atirou na cabeça do padre que, transportado para o hospital, faleceu na madrugada do dia 12 de outubro.Fonte :.paroquiasaojoaobatistamaua

9 A família Penido era um modelo de vida cristã e religiosa, de acordo com as mais sadias tradições mineiras. Basta ver que Deus abençoou a sua descendência com a vocação de 5 sacerdotes: Padre Maurilo Teixeira Leite Penido (Padre Penido); Dom Basílio Penido, O.S.B.; Padre João Bosco Penido Burnier, S.J.; Frei Martinho Penido Burnier, O.P.; Padre Vicente de Paulo Penido Burnier, além de muitas Religiosas consagradas a Deus. Fonte:.familiapenido.com.

10

11

12

13 FONTE:PJF

14 Fonte:PJF

15

16


Carregar ppt "HISTORIA DE SURDO Depoimento de: Monsenhor Vicente de Paulo Burnier -01 Antônio Campos de Abreu Historiador."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google