A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

MS PARTE 04 hercules@farnesi.com.br.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "MS PARTE 04 hercules@farnesi.com.br."— Transcrição da apresentação:

1 MS PARTE 04

2 EVOLUÇÃO DO MS NO BRASIL REPUBLICANO
Rio Paraguai - Principal Rota Comercial(Porto de Corumbá) Pecuária MUNICÍPIO Nº DE RESES Aquidauana Cáceres Corumbá Miranda 90.000 Nioaque Poconé Porto Murtinho Santo Antônio do Leverger Total de Reses

3 ERVA-MATE Áreas de Exploração
- A Cia Mate Laranjeira possuía cerca de 2 milhões de ha no sul do Mato Grosso do Sul, onde existe hoje, 20 municípios. Esse ciclo econômico criou toda uma mentalidade política existente até hoje no Estado. Evolução econômica - 1872/ Cia pertencia a Thomaz Laranjeira - 1892/ Thomaz Laranjeira se associou aos Irmãos Murtinho - 1902/ a Cia passou para a Cia Mendes(Argentina) Oposição - O poder da Cia despertou a ira dos inimigos políticos como por exemplo Pedro Celestino Correia da Costa. O próprio Getúlio Vargas combateu a Cia com seu nacionalismo. - Em O governador Arnaldo Estevão Figueiredo tirou a concessão dos Ervais. Cultura dos Ervais Herança. - Guarani - Influência Correntina - Rodas de Tereré.

4 CORONELISMO E O MT - Os coronéis também recorriam às fraudes para ganhar as eleições. - Em Mato Grosso, os coronéis estavam espalhados por vários municípios. - Na disputa pelo poder eram comuns as lutas entre eles, sempre fortemente armados com bandos de jagunços. - O coronel mais influente do município ou região estabelecia alianças com outros poderosos para elegerem o governador do Estado. - Após ser eleito, o governador retribuía os "favores" recebidos concedendo verbas e poderes para os municípios e os coronéis. - Através dessas alianças, o poder político podia continuar nas mãos dos mesmos grupos dominantes. Principais Coronéis: Norte: João Ferreira Mascarenhas (Jango); Murtinho;Ponce Sul: Bento Xavier;

5 Justiça de Mato Grosso "Artigo 44"

6 REBELIÃO DE 1892 - A proclamação da República e a escolha indireta do presidente e vice-presidente do Estado deixariam o povo, mais uma, vez fora do processo de participação política. - Com isso, as decisões políticas tomadas em Mato Grosso continuaram a atender os interesses das oligarquias. - Na capital federal ocorria a renúncia de Deodoro, assumindo em seu lugar, o vice-presidente Floriano Peixoto que passaria a enfrentar uma oposição que alegava que seu governo era inconstitucional. - Tal acontecimento também se refletiu em Mato Grosso e a oligarquia sulista representava a oposição a Floriano. - Essa oposição saiu de Corumbá em direção a Cuiabá, levando Manoel Murtinho a renunciar à presidência do Estado. - Sufocada a oposição a Floriano, novos acontecimentos mudariam os rumos da política no Estado, pois a oligarquia nortista formou um exército particular, desfechando um contra-golpe na oligarquia sulista. Ao sair vencedora, a oligarquia nortista reconduziu Manoel José Murtinho ao poder.

7 AS ESTRADAS DE FERRO A- MADEIRA-MAMORÉ

8 OS PROBLEMAS 0 grande problema da construção era a falta de mão-de-obra, pois a taxa de mortalidade era alta, quase sempre provocada por acidentes de trabalho e doenças tropicais. SOLUÇÃO Recrutar índios da região; Bolivianos desocupados; Cearenses refugiados das secas e dos coronéis da borracha; Aqueles que vinham de fora, ao saírem da Filadélfia, os operários eram debitados pelo custo do transporte até Santo Antônio e só tinham direito à passagem de volta ao fim de dois anos.

9 Rodrigues Alves assinou com a Bolívia o Tratado de Petrópolis, em 1902, através do qual se comprometia em assumir a construção da E. E Madeira - Mamoré

10 B- A FERROVIA NOROESTE DO BRASIL - NOB
Governo Federal autoriza, no ano de 1903 a construção de uma linha férrea que passaria a ligar Bauru à Cuiabá. No ano de 1907, o Governo Federal reformula a rota que deveria interligar Bauru ao porto de Corumbá É a partir desta alteração que Campo Grande, que ocupa um lugar estratégico no centro do MS, entra na rota da ferrovia. Em Agosto de 1914, os primeiros ramais da ferrovia chegam em Campo Grande Com a ferrovia começam o surgimento de núcleos urbanos. Ainda em 1914, é feita a ligação: Porto Esperança – Bauru – Campo Grande. Com isso, constrói-se uma ponte de 1024 metros sobre o rio Paraná, inaugurada somente em 1926.

11 No ano de 1937 inicia a construção do ramal Campo Grande – Ponta Porá, que foi concluído somente em 1953. Em 1940, dá-se início à construção do ramal Corumbá – Porto Esperança, concluído em 1953 Ponte sobre o rio Paraguai com cerca de 2009 metros, concluída no ano de 1947. A partir de 1º de Julho de 1996, acaba sendo privatizada e desde então passa por um grande período de estagnação e conseqüente desativação. Com a NOB desenvolveram algumas cidades como: Campo Grande que torna-se o principal centro econômico da região; Sidrolândia, Água Clara, Ribas do Rio Pardo, Porto Esperança e Três Lagoas.

12 DIVISIONISMO

13 PRINCIPAIS FASES: PRIMEIRA FASE: 1889 - 1930
1889, quando alguns políticos corumbaenses divulgam um manifesto, no qual propunham a transferência da capital de Mato Grosso para Corumbá. a sistematização da pecuária, o desenvolvimento sócio- econômico das vilas e cidades, a exploração da erva-mate pela Companhia Matte Laranjeira e a ligação entre o Sul de Mato Grosso e São Paulo, marcaram a origem do movimento divisionista.

14 é marcada pela formação das oligarquias sul-mato-grossense que lutam pelo reconhecimento da posse da terra, fazendo oposição aos privilégios da Companhia Matte Laranjeira A partir de 1920, com a transferência do comando da Circunscrição Militar para Campo Grande dá início à urbanização do movimento das viagens ferroviárias é a vinculação do sul de Mato Grosso com a economia paulista e o conseqüente desenvolvimento das cidades exportadoras de gado, particularmente Campo Grande; e a transferência do eixo econômico Cuiabá – Corumbá - Rio Paraguai para Campo Grande.

15 A SEGUNDA FASE: , é o período em que o movimento começa a organizar-se; as lutas armadas, gradativamente, são substituídas por pressões políticas junto ao Governo Federal. - Em 1932, os sul-mato-grossenses aliam-se aos paulistas e lutam na Revolução Constitucionalista. Neste confronto armado liderado por Bertoldo Klinger, comandante da Circunscrição Militar em Mato Grosso e Comandante Geral das tropas rebeldes instalada no sul de Mato Grosso num governo dissidente para o qual nomeia Vespasiano Martins.

16 ESTADO DE MARACAJU(11/07/1932 – 28/09/1932)
- o governo foi instalado , em Campo Grande, no prédio, hoje da maçonaria – Av. Calógeras entre a Afonso Pena e a 15 de Novembro. - Com a derrota dos constitucionalistas o novo Estado fica sem sustentação BANDITISMO -Silvino Jacques e o Bando dos Baianinhos COLUNA PRESTES E O MT - Tentativa de se montar um foco revolucionário, passando por: - Amambaí, Ponta Porã, Dourados, Camapuã até exilarem-se na Bolívia

17 - Dois anos depois, 1934, o Congresso Nacional reunia-se para elaborar uma nova Constituição. Jovens estudantes fundam a Liga Sul-Mato-Grossense que, inicialmente objetiva angariar apoio dos sul-mato-grossenses para o manifesto que seria encaminhado ao Presidente do Congresso Nacional Constituinte A Liga desencadeia a campanha divisionista no sul de Mato Grosso, coletando Treze Mil assinaturas, com as quais visava sensibilizar o governo federal, particularmente os Constituintes, para que eles, na elaboração da Constituição, aprovassem a divisão do Estado de Mato Grosso Getúlio Vargas adota a política nacionalista “Marcha para o Oeste”, a qual visava, entre outros objetivos, a segurança das fronteiras

18 Os divisionistas são envolvidos pela política de Vargas
a Companhia Matte Laranjeira adapta-se a essa política e altera sua estratégia em relação à unidade estadual os ervais estavam devastados e também a política do Instituto Brasileiro do Matte, criado por Getúlio Vargas, não lhe favoreciam grandes lucros Regularização das posses de terras dos moradores dos ervais, em troca de indenizações sobre os arrendamentos

19 Colônia Federal Agrícola de Dourados (marcha para o oeste)
1943, Getúlio Vargas, em nome da segurança das fronteiras cria o Território de Ponta Porã Colônia Federal Agrícola de Dourados (marcha para o oeste) Ponta Porã não atendeu aos interesses divisionistas, não satisfaz a política da Companhia Matte Laranjeira, e também não agradou ao governo estadual

20 A terceira fase: 1945 a 1964. Após a deposição de Getúlio Vargas, o novo Presidente da República é o General Eurico Gaspar Dutra, que era mato- grossense de Cuiabá. 1946, após a promulgação da Constituição, o governo federal extingue o Território de Ponta Porã reintegrando a região ao Estado de Mato Grosso os divisionistas, durante as reuniões da Assembléia Constituinte, reorganizam-se e tentam a transferência da Capital de Cuiabá para Campo Grande

21 A Companhia Matte Laranjeira mostra desinteresse em reflorestar os ervais, paradoxalmente estimula o governo estadual a regularizar as posses dos colonos.

22 A Quarta fase: O golpe de 31 de Março de 1964 põe fim a um período de democracia e inicia um regime militar autoritário. Os militares, buscando um maior controle dos problemas da sociedade, adotam a política do desenvolvimento com segurança, o que permitiu a criação de programas que facilitam o desenvolvimento de alguns Estados, entre eles Mato Grosso.

23 os políticos divisionistas aproximam-se dos militares o que lhes permite tomar parte de algumas comissões que estudam (secretamente) as potencialidades políticas que impediam a divisão de Mato Grosso Após vários estudos, negociações, acordos políticos, o Presidente Ernesto Geisel assina em 11 de Outubro de 1977 a Lei Complementar nº 31 que cria o Estado de Mato Grosso do Sul. Nessa fase, a Companhia Matte Laranjeira mantinha apenas algumas fazendas de gado, o seu principal interesse econômico de outrora, a erva-mate, agora era explorado por ervateiros autônomos

24 NASCE UM NOVO ESTADO - MS

25 A instalação do novo governo para o Estado nascente ocorreu em 01 de Janeiro de 1979, a solenidade ocorreu no teatro Glauce Rocha, com a presença do presidente da República, Ernesto Geisel e outras autoridades do diversos segmentos da sociedade. Para administrar o novo Estado, foi nomeado como primeiro governador de Mato Grosso do Sul Harry Amorin Costa. Sua missão era organizar o Estado composto por: 55 municípios, população estimada de habitantes e uma área de km².

26 Sucederam a Harry Amorin Costa:
- 1979: Londres Machado: interino – Presidente da Assembléia; - 1979: Marcelo Miranda Soares: Governador Nomeado, foi demitido do cargo. -1980: Londres Machado: interino; - 1980: Pedro Pedrossian: indicado – foi nomeado pelos militares; - 1982: Wilson Barbosa Martins é o primeiro governador do Mato Grosso do Sul eleito pelo voto direto; - 1987: Marcelo Miranda Soares: eleito pelo povo - 1991: Pedro Pedrossian: voto popular; - 1995: Wilson Barbosa Martins

27 - 1999 a 2006: José Orcírio dos Santos
- É o primeiro governador do MS que rompe com as manipulações política presentes no Estado; - Finda com o coronelismo dos Barbosa Martins, dos Coelho e dos Pedrossian no MS; - Uma de suas polêmicas na administração estão a mudança do nome do Estado.


Carregar ppt "MS PARTE 04 hercules@farnesi.com.br."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google