A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

2 EVOLUÇÃO DO MS NO BRASIL REPUBLICANO Rio Paraguai - Principal Rota Comercial(Porto de Corumbá) Pecuária MUNICÍPIONº DE RESES.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "2 EVOLUÇÃO DO MS NO BRASIL REPUBLICANO Rio Paraguai - Principal Rota Comercial(Porto de Corumbá) Pecuária MUNICÍPIONº DE RESES."— Transcrição da apresentação:

1

2 2 EVOLUÇÃO DO MS NO BRASIL REPUBLICANO Rio Paraguai - Principal Rota Comercial(Porto de Corumbá) Pecuária MUNICÍPIONº DE RESES Aquidauana Cáceres Corumbá Miranda Nioaque Poconé Porto Murtinho Santo Antônio do Leverger Total de Reses

3 ERVA-MATE Áreas de Exploração - A Cia Mate Laranjeira possuía cerca de 2 milhões de ha no sul do Mato Grosso do Sul, onde existe hoje, 20 municípios. Esse ciclo econômico criou toda uma mentalidade política existente até hoje no Estado. Evolução econômica / Cia pertencia a Thomaz Laranjeira / Thomaz Laranjeira se associou aos Irmãos Murtinho / a Cia passou para a Cia Mendes(Argentina) Oposição - O poder da Cia despertou a ira dos inimigos políticos como por exemplo Pedro Celestino Correia da Costa. O próprio Getúlio Vargas combateu a Cia com seu nacionalismo. - Em O governador Arnaldo Estevão Figueiredo tirou a concessão dos Ervais. Cultura dos Ervais Herança. - Guarani - Influência Correntina - Rodas de Tereré.

4 CORONELISMO E O MT - Os coronéis também recorriam às fraudes para ganhar as eleições. - Em Mato Grosso, os coronéis estavam espalhados por vários municípios. - Na disputa pelo poder eram comuns as lutas entre eles, sempre fortemente armados com bandos de jagunços. - O coronel mais influente do município ou região estabelecia alianças com outros poderosos para elegerem o governador do Estado. - Após ser eleito, o governador retribuía os "favores" recebidos concedendo verbas e poderes para os municípios e os coronéis. - Através dessas alianças, o poder político podia continuar nas mãos dos mesmos grupos dominantes. Principais Coronéis: Norte: João Ferreira Mascarenhas (Jango); Murtinho;Ponce Sul: Bento Xavier;

5

6 6 REBELIÃO DE A proclamação da República e a escolha indireta do presidente e vice-presidente do Estado deixariam o povo, mais uma, vez fora do processo de participação política. - Com isso, as decisões políticas tomadas em Mato Grosso continuaram a atender os interesses das oligarquias. - Na capital federal ocorria a renúncia de Deodoro, assumindo em seu lugar, o vice-presidente Floriano Peixoto que passaria a enfrentar uma oposição que alegava que seu governo era inconstitucional. - Tal acontecimento também se refletiu em Mato Grosso e a oligarquia sulista representava a oposição a Floriano. - Essa oposição saiu de Corumbá em direção a Cuiabá, levando Manoel Murtinho a renunciar à presidência do Estado. - Sufocada a oposição a Floriano, novos acontecimentos mudariam os rumos da política no Estado, pois a oligarquia nortista formou um exército particular, desfechando um contra-golpe na oligarquia sulista. Ao sair vencedora, a oligarquia nortista reconduziu Manoel José Murtinho ao poder.

7 AS ESTRADAS DE FERRO A- MADEIRA-MAMORÉ

8 OS PROBLEMAS 0 grande problema da construção era a falta de mão-de-obra, pois a taxa de mortalidade era alta, quase sempre provocada por acidentes de trabalho e doenças tropicais. SOLUÇÃO -Recrutar índios da região; -Bolivianos desocupados; -Cearenses refugiados das secas e dos coronéis da borracha; -Aqueles que vinham de fora, ao saírem da Filadélfia, os operários eram debitados pelo custo do transporte até Santo Antônio e só tinham direito à passagem de volta ao fim de dois anos.

9 Rodrigues Alves assinou com a Bolívia o Tratado de Petrópolis, em 1902, através do qual se comprometia em assumir a construção da E. E Madeira - Mamoré

10 B- A FERROVIA NOROESTE DO BRASIL - NOB -Governo Federal autoriza, no ano de 1903 a construção de uma linha férrea que passaria a ligar Bauru à Cuiabá. -No ano de 1907, o Governo Federal reformula a rota que deveria interligar Bauru ao porto de Corumbá -É a partir desta alteração que Campo Grande, que ocupa um lugar estratégico no centro do MS, entra na rota da ferrovia. -Em Agosto de 1914, os primeiros ramais da ferrovia chegam em Campo Grande -Com a ferrovia começam o surgimento de núcleos urbanos. Ainda em 1914, é feita a ligação: Porto Esperança – Bauru – Campo Grande. Com isso, constrói-se uma ponte de 1024 metros sobre o rio Paraná, inaugurada somente em 1926.

11 -No ano de 1937 inicia a construção do ramal Campo Grande – Ponta Porá, que foi concluído somente em Em 1940, dá-se início à construção do ramal Corumbá – Porto Esperança, concluído em Ponte sobre o rio Paraguai com cerca de 2009 metros, concluída no ano de A partir de 1º de Julho de 1996, acaba sendo privatizada e desde então passa por um grande período de estagnação e conseqüente desativação. -Com a NOB desenvolveram algumas cidades como: Campo Grande que torna-se o principal centro econômico da região; Sidrolândia, Água Clara, Ribas do Rio Pardo, Porto Esperança e Três Lagoas.

12

13 PRINCIPAIS FASES: -PRIMEIRA FASE: , quando alguns políticos corumbaenses divulgam um manifesto, no qual propunham a transferência da capital de Mato Grosso para Corumbá. -a sistematização da pecuária, o desenvolvimento sócio- econômico das vilas e cidades, a exploração da erva-mate pela Companhia Matte Laranjeira e a ligação entre o Sul de Mato Grosso e São Paulo, marcaram a origem do movimento divisionista.

14 -é marcada pela formação das oligarquias sul-mato-grossense que lutam pelo reconhecimento da posse da terra, fazendo oposição aos privilégios da Companhia Matte Laranjeira -A partir de 1920, com a transferência do comando da Circunscrição Militar para Campo Grande dá início à urbanização do movimento -das viagens ferroviárias é a vinculação do sul de Mato Grosso com a economia paulista e o conseqüente desenvolvimento das cidades exportadoras de gado, particularmente Campo Grande; - e a transferência do eixo econômico Cuiabá – Corumbá - Rio Paraguai para Campo Grande.

15 A SEGUNDA FASE: , é o período em que o movimento começa a organizar-se; as lutas armadas, gradativamente, são substituídas por pressões políticas junto ao Governo Federal. - Em 1932, os sul-mato-grossenses aliam-se aos paulistas e lutam na Revolução Constitucionalista. Neste confronto armado liderado por Bertoldo Klinger, comandante da Circunscrição Militar em Mato Grosso e Comandante Geral das tropas rebeldes instalada no sul de Mato Grosso num governo dissidente para o qual nomeia Vespasiano Martins.

16 ESTADO DE MARACAJU(11/07/1932 – 28/09/1932) - o governo foi instalado, em Campo Grande, no prédio, hoje da maçonaria – Av. Calógeras entre a Afonso Pena e a 15 de Novembro. - Com a derrota dos constitucionalistas o novo Estado fica sem sustentação BANDITISMO - Silvino Jacques e o Bando dos Baianinhos COLUNA PRESTES E O MT - Tentativa de se montar um foco revolucionário, passando por: - Amambaí, Ponta Porã, Dourados, Camapuã até exilarem-se na Bolívia

17 - Dois anos depois, 1934, o Congresso Nacional reunia-se para elaborar uma nova Constituição. Jovens estudantes fundam a Liga Sul-Mato-Grossense que, inicialmente objetiva angariar apoio dos sul-mato-grossenses para o manifesto que seria encaminhado ao Presidente do Congresso Nacional Constituinte -A Liga desencadeia a campanha divisionista no sul de Mato Grosso, coletando Treze Mil assinaturas, com as quais visava sensibilizar o governo federal, particularmente os Constituintes, para que eles, na elaboração da Constituição, aprovassem a divisão do Estado de Mato Grosso -Getúlio Vargas adota a política nacionalista Marcha para o Oeste, a qual visava, entre outros objetivos, a segurança das fronteiras

18 -Os divisionistas são envolvidos pela política de Vargas -a Companhia Matte Laranjeira adapta-se a essa política e altera sua estratégia em relação à unidade estadual -os ervais estavam devastados e também a política do Instituto Brasileiro do Matte, criado por Getúlio Vargas, não lhe favoreciam grandes lucros -Regularização das posses de terras dos moradores dos ervais, em troca de indenizações sobre os arrendamentos

19 , Getúlio Vargas, em nome da segurança das fronteiras cria o Território de Ponta Porã -Colônia Federal Agrícola de Dourados (marcha para o oeste) -Ponta Porã não atendeu aos interesses divisionistas, não satisfaz a política da Companhia Matte Laranjeira, e também não agradou ao governo estadual

20 A terceira fase: 1945 a Após a deposição de Getúlio Vargas, o novo Presidente da República é o General Eurico Gaspar Dutra, que era mato- grossense de Cuiabá , após a promulgação da Constituição, o governo federal extingue o Território de Ponta Porã reintegrando a região ao Estado de Mato Grosso -os divisionistas, durante as reuniões da Assembléia Constituinte, reorganizam-se e tentam a transferência da Capital de Cuiabá para Campo Grande

21 A Companhia Matte Laranjeira mostra desinteresse em reflorestar os ervais, paradoxalmente estimula o governo estadual a regularizar as posses dos colonos.

22 A Quarta fase: O golpe de 31 de Março de 1964 põe fim a um período de democracia e inicia um regime militar autoritário. -Os militares, buscando um maior controle dos problemas da sociedade, adotam a política do desenvolvimento com segurança, o que permitiu a criação de programas que facilitam o desenvolvimento de alguns Estados, entre eles Mato Grosso.

23 -os políticos divisionistas aproximam-se dos militares o que lhes permite tomar parte de algumas comissões que estudam (secretamente) as potencialidades políticas que impediam a divisão de Mato Grosso -Após vários estudos, negociações, acordos políticos, o Presidente Ernesto Geisel assina em 11 de Outubro de 1977 a Lei Complementar nº 31 que cria o Estado de Mato Grosso do Sul. - Nessa fase, a Companhia Matte Laranjeira mantinha apenas algumas fazendas de gado, o seu principal interesse econômico de outrora, a erva-mate, agora era explorado por ervateiros autônomos

24 NASCE UM NOVO ESTADO - MS

25 A instalação do novo governo para o Estado nascente ocorreu em 01 de Janeiro de 1979, a solenidade ocorreu no teatro Glauce Rocha, com a presença do presidente da República, Ernesto Geisel e outras autoridades do diversos segmentos da sociedade. Para administrar o novo Estado, foi nomeado como primeiro governador de Mato Grosso do Sul Harry Amorin Costa. Sua missão era organizar o Estado composto por: 55 municípios, população estimada de habitantes e uma área de km².

26 Sucederam a Harry Amorin Costa: : Londres Machado: interino – Presidente da Assembléia; : Marcelo Miranda Soares: Governador Nomeado, foi demitido do cargo : Londres Machado: interino; : Pedro Pedrossian: indicado – foi nomeado pelos militares; : Wilson Barbosa Martins é o primeiro governador do Mato Grosso do Sul eleito pelo voto direto; : Marcelo Miranda Soares: eleito pelo povo : Pedro Pedrossian: voto popular; : Wilson Barbosa Martins

27 a 2006: José Orcírio dos Santos - É o primeiro governador do MS que rompe com as manipulações política presentes no Estado; - Finda com o coronelismo dos Barbosa Martins, dos Coelho e dos Pedrossian no MS; - Uma de suas polêmicas na administração estão a mudança do nome do Estado.


Carregar ppt "2 EVOLUÇÃO DO MS NO BRASIL REPUBLICANO Rio Paraguai - Principal Rota Comercial(Porto de Corumbá) Pecuária MUNICÍPIONº DE RESES."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google