A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Curso de Treinadores – Grau 2 Federação de Andebol de Portugal MEIOS BÁSICOS COLABORAÇÃO Departamento Técnico FAP MEIOS BÁSICOS DE COLABORAÇÃO.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Curso de Treinadores – Grau 2 Federação de Andebol de Portugal MEIOS BÁSICOS COLABORAÇÃO Departamento Técnico FAP MEIOS BÁSICOS DE COLABORAÇÃO."— Transcrição da apresentação:

1 Curso de Treinadores – Grau 2 Federação de Andebol de Portugal MEIOS BÁSICOS COLABORAÇÃO Departamento Técnico FAP MEIOS BÁSICOS DE COLABORAÇÃO

2 Curso de Treinadores – Grau 2 Federação de Andebol de Portugal MEIOS BÁSICOS COLABORAÇÃO Departamento Técnico FAP Representam as estruturas básicas de colaboração funcional entre 2 jogadores como mínimo, realizadas com oposição em igualdade numérica, que respondem a modelos operativos mais frequentes no jogo Conceito

3 Curso de Treinadores – Grau 2 Federação de Andebol de Portugal MEIOS BÁSICOS COLABORAÇÃO Departamento Técnico FAP Fun ç ão rela ç ão entre 2 jogadores –Troca de marca ç ão –Deslizamento Fun ç ão actividade defensiva –Defesa cruzamento –Defesa bloqueio –Colabora ç ão com o guarda-redes Defesa

4 Curso de Treinadores – Grau 2 Federação de Andebol de Portugal MEIOS BÁSICOS COLABORAÇÃO Departamento Técnico FAP Passe e Vai Penetra ç ões Sucessivas Cruzamento Bloqueio É cran Ataque

5 Curso de Treinadores – Grau 2 Federação de Andebol de Portugal MEIOS BÁSICOS COLABORAÇÃO Departamento Técnico FAP Forma de jogo colectivo defensivo pela qual os defensores, perante uma mudança de posição dos atacantes, trocam de adversário directo, mantendo cada defensor a sua zona original Troca de marcação

6 Curso de Treinadores – Grau 2 Federação de Andebol de Portugal MEIOS BÁSICOS COLABORAÇÃO Departamento Técnico FAP Troca de marcação

7 Curso de Treinadores – Grau 2 Federação de Andebol de Portugal MEIOS BÁSICOS COLABORAÇÃO Departamento Técnico FAP Troca de marcação

8 Curso de Treinadores – Grau 2 Federação de Andebol de Portugal MEIOS BÁSICOS COLABORAÇÃO Departamento Técnico FAP Troca de marcação

9 Curso de Treinadores – Grau 2 Federação de Andebol de Portugal MEIOS BÁSICOS COLABORAÇÃO Departamento Técnico FAP Forma de jogo colectivo defensivo pela qual os defensores, perante uma mudança de posição dos atacantes, realizam um deslocamento, deslizando- se um por trás, permanecendo cada um com o seu adversário inicial Deslizamento

10 Curso de Treinadores – Grau 2 Federação de Andebol de Portugal MEIOS BÁSICOS COLABORAÇÃO Departamento Técnico FAP Deslizamento

11 Curso de Treinadores – Grau 2 Federação de Andebol de Portugal MEIOS BÁSICOS COLABORAÇÃO Departamento Técnico FAP Defesas individuais Trajectórias muito amplas dos atacantes que invadem outros postos específicos Deslizamento - aplicação

12 Curso de Treinadores – Grau 2 Federação de Andebol de Portugal MEIOS BÁSICOS COLABORAÇÃO Departamento Técnico FAP Deslizamento

13 Curso de Treinadores – Grau 2 Federação de Andebol de Portugal MEIOS BÁSICOS COLABORAÇÃO Departamento Técnico FAP Duas formas –Troca de marcação –Deslizamento Utilização da troca de marcação –Forma preferencial –Conserva os defesas nas suas zonas habituais –Os defesas devem estar na mesma linha –Defesa directo do ASB é quem solicita a troca de marcação Defesa do cruzamento

14 Curso de Treinadores – Grau 2 Federação de Andebol de Portugal MEIOS BÁSICOS COLABORAÇÃO Departamento Técnico FAP Utilizando o deslizamento –Situação mais utilizada na defesa individual –Constitui um recurso –Pode ser uma opção caso beneficie a defesa Jogador alto vs. Jogador baixo Defesa do cruzamento

15 Curso de Treinadores – Grau 2 Federação de Andebol de Portugal MEIOS BÁSICOS COLABORAÇÃO Departamento Técnico FAP Objectivo é evitar a desmarcação –Através da troca de marcação Utilizando o contra-bloqueio O bloqueio existe –Através do deslizamento Procura evitar o bloqueio pela antecipação Realizado pela frente em zonas próximas da baliza Pode ser realizado pelas costas em situações de excepção Defesa do bloqueio

16 Curso de Treinadores – Grau 2 Federação de Andebol de Portugal MEIOS BÁSICOS COLABORAÇÃO Departamento Técnico FAP Defesa do bloqueio

17 Curso de Treinadores – Grau 2 Federação de Andebol de Portugal MEIOS BÁSICOS COLABORAÇÃO Departamento Técnico FAP Guarda-redes responsável de toda a baliza Defesa deve reduzir as possibilidades de trajectória da bola Ângulo curto / ângulo longo Ponto forte / ponto fraco –Jogador responsabiliza-se do ponto forte do ACB Colaboração com o guarda-redes

18 Curso de Treinadores – Grau 2 Federação de Andebol de Portugal MEIOS BÁSICOS COLABORAÇÃO Departamento Técnico FAP Defesa

19 Curso de Treinadores – Grau 2 Federação de Andebol de Portugal MEIOS BÁSICOS COLABORAÇÃO Departamento Técnico FAP Forma de jogo colectivo ofensivo onde um jogador passa a um companheiro que se encontra em posição normalmente mais profunda, para de seguida desmarcar-se e voltar a receber Utilidade –Defesas abertas –Contra-ataque apoiado Passe e vai

20 Curso de Treinadores – Grau 2 Federação de Andebol de Portugal MEIOS BÁSICOS COLABORAÇÃO Departamento Técnico FAP Passe e vai

21 Curso de Treinadores – Grau 2 Federação de Andebol de Portugal MEIOS BÁSICOS COLABORAÇÃO Departamento Técnico FAP Forma de jogo colectivo ofensivo através do qual os jogadores procuram –Ocupar espaços livres –Fixar o adversário directo –Na medida do possível, também o adversário seguinte Utilidade –Defesas em ajuda Penetrações sucessivas

22 Curso de Treinadores – Grau 2 Federação de Andebol de Portugal MEIOS BÁSICOS COLABORAÇÃO Departamento Técnico FAP Penetrações sucessivas

23 Curso de Treinadores – Grau 2 Federação de Andebol de Portugal MEIOS BÁSICOS COLABORAÇÃO Departamento Técnico FAP Jogador pode obter vantagem –Atacando espaço livre –Após jogar 1x1 com o adversário directo –Após utilizar outro meio de colaboração Primeira intenção táctica deve ser o remate ou a penetração para remate –Passe executa-se no caso Portador da bola ser interceptado Ficar sem solução de remate Penetrações sucessivas

24 Curso de Treinadores – Grau 2 Federação de Andebol de Portugal MEIOS BÁSICOS COLABORAÇÃO Departamento Técnico FAP Momento exacto de desfazer-se da bola Passar bola ligeiramente avançada –Não interromper corrida do receptor Possível intervenção do adversário –Não sofrer falta Possível intercepção por parte de outro defensor Portador da bola

25 Curso de Treinadores – Grau 2 Federação de Andebol de Portugal MEIOS BÁSICOS COLABORAÇÃO Departamento Técnico FAP Iniciar corrida antes de receber a bola Evitar ocupar a linha de passe Evitar a acção de outros defensores Converter-se em iniciador após receber a bola Receptor

26 Curso de Treinadores – Grau 2 Federação de Andebol de Portugal MEIOS BÁSICOS COLABORAÇÃO Departamento Técnico FAP Penetrações sucessivas

27 Curso de Treinadores – Grau 2 Federação de Andebol de Portugal MEIOS BÁSICOS COLABORAÇÃO Departamento Técnico FAP Troca de situação de 2 jogadores, normalmente de postos específicos adjacentes, com o objectivo de conseguir uma situação clara de remate ou de superioridade numérica Utilidade –Defesas com poucas ajudas –Com erros nas trocas de marcação Cruzamento

28 Curso de Treinadores – Grau 2 Federação de Andebol de Portugal MEIOS BÁSICOS COLABORAÇÃO Departamento Técnico FAP Cruzamento

29 Curso de Treinadores – Grau 2 Federação de Andebol de Portugal MEIOS BÁSICOS COLABORAÇÃO Departamento Técnico FAP É a obstrução com o corpo do deslocamento de um jogador contrário É importante que o jogador bloqueador não perca o contacto visual com a bola Bloqueio

30 Curso de Treinadores – Grau 2 Federação de Andebol de Portugal MEIOS BÁSICOS COLABORAÇÃO Departamento Técnico FAP Primeira intenção táctica do jogador liberto –Remate –Penetração Utilizado –Defesas abertas –Defesas fechadas Bloqueios laterais nos 6m Bloqueio

31 Curso de Treinadores – Grau 2 Federação de Andebol de Portugal MEIOS BÁSICOS COLABORAÇÃO Departamento Técnico FAP Bloqueio

32 Curso de Treinadores – Grau 2 Federação de Andebol de Portugal MEIOS BÁSICOS COLABORAÇÃO Departamento Técnico FAP Caso particular do bloqueio Objectivo não é conseguir SN, mas sim evitar que um jogador seja marcado Utilizado –Quase exclusivamente contra defesas zonais Evitar que os defesas cheguem às zonas de eficácia dos rematadores Écran

33 Curso de Treinadores – Grau 2 Federação de Andebol de Portugal MEIOS BÁSICOS COLABORAÇÃO Departamento Técnico FAP Écran

34 Curso de Treinadores – Grau 2 Federação de Andebol de Portugal MEIOS BÁSICOS COLABORAÇÃO Departamento Técnico FAP MEIOS BÁSICOS COLABORAÇÃO ATAQUEDEFESA PASSE E VAI PENETRAÇÕES SUCESSIVAS CRUZAMENTOS BLOQUEIO ÉCRAN TROCA MARCAÇÃO DESLIZAMENTO DEFESA CRUZAMENTO DEFESA BLOQUEIO COLABORAÇÃO DEFESA GUARDA-REDES INTENÇÕES TÉCNICO-TÁCTICAS INDIIDUAIS


Carregar ppt "Curso de Treinadores – Grau 2 Federação de Andebol de Portugal MEIOS BÁSICOS COLABORAÇÃO Departamento Técnico FAP MEIOS BÁSICOS DE COLABORAÇÃO."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google