A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Participação no Study Group “ENERGY AND CLIMATE CHANGE”

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Participação no Study Group “ENERGY AND CLIMATE CHANGE”"— Transcrição da apresentação:

1 Participação no Study Group “ENERGY AND CLIMATE CHANGE”
23/03/2017 Participação no Study Group “ENERGY AND CLIMATE CHANGE” Conclusões do Relatório Final Agosto 2007 Francisco Parada

2 ÍNDICE O Grupo de Estudos Conteúdo do relatório
23/03/2017 ÍNDICE O Grupo de Estudos Conteúdo do relatório Mensagens e recomendações Proposta final do estudo

3 ÍNDICE O Grupo de Estudos Conteúdo do relatório
23/03/2017 ÍNDICE O Grupo de Estudos Conteúdo do relatório Mensagens e recomendações Proposta final do estudo

4 O GRUPO DE ESTUDOS Constituição
23/03/2017 Constituição 1 Presidente: Kurt Yeager (Presidente Honorífico do EPRI) 1 Director Estudos: Malcolm Keay (Oxford Institute for Energy Studies) 27 Membros 16 Europa (13 da União Europeia) 8 Ásia 2 África 1 América 6 Membros Correspondentes

5 O representante Português só participou nas 3 primeiras reuniões
O GRUPO DE ESTUDOS 23/03/2017 Reuniões 1ª reunião – Washington, Novembro 2005 2ª reunião – Tóquio, Maio 2006 3ª reunião – Tallin, Setembro 2006 4ª reunião – Joanesburgo, Fevereiro 2007 O representante Português só participou nas 3 primeiras reuniões

6 ÍNDICE Conteúdo do relatório O Grupo de Estudos
23/03/2017 ÍNDICE O Grupo de Estudos Conteúdo do relatório Mensagens e recomendações Proposta final do estudo

7 RELATÓRIO Foram publicados: Sumário Executivo – 8 páginas
23/03/2017 Foram publicados: Sumário Executivo – 8 páginas Relatório Completo – 139 páginas O relatório foi apresentado à comunicação social num evento realizado em Londres no dia 21 de Junho através de um painel constituído por representantes WEC, REUTERS, BP e Nações Unidas

8 RELATÓRIO Estrutura relatório completo: Parte 2:
23/03/2017 Estrutura relatório completo: Parte 1: Analisa a evolução de GEE no Mundo, atendendo aos principais “drivers” Parte 2: Fornece uma perspectiva das principais políticas de combate às Alterações Climáticas no Mundo, comparando diferentes abordagens Parte 3: Avalia as várias políticas e medidas de acordo com os 3A’s da sustentabilidade energética definidos pelo WEC Parte 4: Apresenta as conclusões e estabelece recomendações sobre o “caminho” para futuras estratégias de combate às Alterações Climáticas

9 RELATÓRIO – PARTE 1 Evolução das emissões de GEE
23/03/2017 Evolução das emissões de GEE Apesar do crescimento de 75% nas emissões de CO2 entre 1971 e 2004, a repartição deste crescimento por países e sectores não foi equitativo

10 RELATÓRIO – PARTE 1 Emissões e PIB per capita
23/03/2017 Emissões e PIB per capita Apesar de existir uma boa correlação entre o aumento da riqueza e o consumo de energia, parece não existir nenhuma relação entre desenvolvimento económico e emissões de GEE. BOA NOTÍCIA: é possível garantir o crescimento de uma forma mais sustentável

11 RELATÓRIO – PARTE 2 Informação analisada
23/03/2017 Informação analisada Para se poder identificar as diferentes políticas e medidas de redução das emissões de GEE, foram analisadas: respostas aos questionários enviados aos Comités Nacionais do WEC, num total de 30 (incluindo o Português) referências internacionais sobre vários países publicadas pela UNFCCC, Agência Internacional de Energia e União Europeia A amostra de países analisados corresponde a cerca de 90% das emissões globais de GEE

12 RELATÓRIO – PARTE 2 Conclusões
23/03/2017 Conclusões Existem diferenças significativas entre as medidas de combate às Alterações Climáticas implementadas nos diversos países Existem diferenças significativas entre os vários países na utilização dos mecanismo de Quioto Os instrumentos económicos de apoio à concretização de objectivos de redução (ex: comércio emissões) são mais comuns nos países desenvolvidos Medidas do tipo “acção-controlo” (ex: mudança obrigatória de combustível) são mais comuns nos países em desenvolvimento A utilização de energias renováveis apresenta um elevado potencial

13 RELATÓRIO – PARTE 3 3 A’s da Sustentabilidade Energética Availability
23/03/2017 3 A’s da Sustentabilidade Energética Availability Fiabilidade e qualidade da energia fornecida Accessibility Acceptability Serviços de energia modernos, fiáveis e economicamente acessíveis Protecção do ambiente e aceitação da sociedade

14 RELATÓRIO – PARTE 3 Metodologia utilizada para avaliação das medidas
23/03/2017 Metodologia utilizada para avaliação das medidas A avaliação do conjunto das medidas e políticas de redução de GEE de acordo com os 3A’s do WEC foi realizada através de um sistema de pontuação por asteriscos (*) numa escala de 1 asterisco a 5 asteriscos. Para cada um dos A’s da sustentabilidade energética foram analisadas tendo em consideração as seguintes questões: Que evidências existem que a medida reduz eficazmente as emissões de GEE? Pode a medida ser implementada em todo o Mundo? Accessibility Quais as implicações desta medida em termos de segurança de abastecimento? Poderá levar a um aumento da dependência em fontes de energia menos fiáveis? Availability A medida tem impacto no acesso às fontes modernas de energia nos países em desenvolvimento? A medida é considerada nos países desenvolvidos como tendo impacto ambiental negativo? Accessibility

15 RELATÓRIO – PARTE 3 23/03/2017 Avaliação das medidas de combate às Alterações Climáticas Económicos (taxas, subsídios e comércios emissões) Regulamentação e normas Acordos voluntários Informação e consciencialização Instrumentos Políticos Renováveis eólico solar hídrica biomassa outras Fontes de energia Eficiência energética Nuclear

16 RELATÓRIO – PARTE 3 Avaliação das medidas de combate às AC (cont.)
23/03/2017 Avaliação das medidas de combate às AC (cont.) Difusão de tecnologia Utilização eficiente de novas tecnologias Transferência tecnologia países em desenvolvimento Desenvolvimento de tecnologia Carbon Capture and Storage Tecnologias “inteligentes” (ex: microcogeração) Aplicações eficientes (Ex. bombas de calor, LED’s) Nova geração do nuclear Medidas para o sector dos transportes Tecnologia Opções de longo prazo Armazenamento energia Hidrogénio e células de combustível

17 Instrumentos Políticos Remoção subsídios aos combustíveis fósseis
RELATÓRIO – PARTE 3 23/03/2017 Exemplos dos resultados da avaliação das medidas Instrumentos Políticos Remoção subsídios aos combustíveis fósseis Comércio de Emissões ***** Um passo importante no combate às AC, mas que pode criar dificuldades aos países em desenvolvimento. **** Reconhecidamente muito útil, mas com complicações práticas. Remoção de distorções de mercado. *** Os esquemas de comércio têm de ficar mais credíveis para promover o investimento em tecnologias limpas. ** Os efeitos sociais negativos da remoção do subsídio devem ser considerados. Pode ser uma ferramenta poderosa para a acessibilidade, mas neste momento não é. Acceptability Availability Accessibility

18 RELATÓRIO – PARTE 3 Exemplos dos resultados da avaliação das medidas
23/03/2017 Exemplos dos resultados da avaliação das medidas Fontes de Energia Eólico Solar *** a **** A aceitação ambiental depende muito das circunstâncias locais de cada país (NIMBY) Uma fonte de energia muito bem aceite. Uma boa opção para áreas remotas. A evolução da eólica é decisiva, mas com o acréscimo de penetração desta tecnologia os problemas práticos serão maiores. *** Uma fonte de energia com potencial significativo, no entanto a sua disponibilidade não é igual em todas as regiões do Mundo. Mais caro que outras tecnologias convencionais, mas o custo tem vindo a descer. Opção cara, mas os custos terão tendência a diminuir. Acceptability Availability Accessibility

19 Carbon Capture Storage Armazenamento Electricidade
RELATÓRIO – PARTE 3 23/03/2017 Exemplos dos resultados da avaliação das medidas Tecnologia Carbon Capture Storage Armazenamento Electricidade **** Proporcionará significativas reduções de emissões de CO2 Existe potencial para reduzir significativamente as emissões de CO2 Melhoria na aceitação da utilização de combustíveis fósseis Pode melhorar significativamente a segurança de abastecimento e melhorar a flexibilidade ** Envolve custos extra, mas podem ser favoráveis quando comparados com outras alternativas * Se os custos puderem ser reduzidos, será um contributo significativo para o acesso à electricidade. Acceptability Availability Accessibility

20 RELATÓRIO - ANEXOS Relatórios específicos do países
23/03/2017 Relatórios específicos do países Alguns dos membros, por solicitação do Presidente do grupo, elaboraram relatórios de análise das políticas e medidas de combate às alterações climáticas Estabelecidas em cada País. Foram elaborados 7 relatórios disponíveis online na Página do WEC (http://www.worldenergy.org/publications/124.asp) Capa do relatório Português

21 ÍNDICE Mensagens e recomendações O Grupo de Estudos
23/03/2017 ÍNDICE O Grupo de Estudos Conteúdo do relatório Mensagens e recomendações Proposta final do estudo

22 MENSAGENS E RECOMENDAÇÕES
23/03/2017 Limitação das políticas de redução de GEE existentes Grande parte das políticas existentes são pouco ambiciosas. Mesmo na Europa o objectivo das políticas é reduzir o aumento das emissões de GEE. São limitadas no seu âmbito, não estão vocacionadas para o acesso à energia, e não estão por essa razão vocacionadas para os países em desenvolvimento onde se verificam os maiores aumentos de emissões de GEE. Algumas das políticas podem inibir investimentos que promovam a utilização de tecnologias mais limpas.

23 MENSAGENS E RECOMENDAÇÕES
23/03/2017 Limitação das políticas de redução de GEE existentes Taxas aos combustíveis fósseis: importante mas não a única solução, e são particularmente difíceis de implementar em países em desenvolvimento. Eficiência energética: políticas nesta área privilegiam os 3A’s, no entanto não é expectável que estas políticas permitam conseguir reduções rápidas e significativas de emissões de GEE. Renováveis: poderão ter um papel decisivo na redução de emissões, mas apresentam algumas restrições ao nível do custo e disponibilidade, que podem ser decisivas para os países em desenvolvimento. Comércio emissões: é necessário existir um esquema de comércio de emissões de longo prazo, compreensível e de provada eficiência

24 MENSAGENS E RECOMENDAÇÕES
23/03/2017 Recomendações sobre a abordagem necessária Da análise realizada ficou claro que as políticas e medidas de combate às AC necessitam de uma abordagem mais focada e consistente, que integra as medidas existentes numa estratégia global. Estas medidas têm que ter em consideração: A necessária electrificação do Mundo, garantindo a disponibilização de uma fonte de energia moderna a 1,5 mil millhões de pessoas A necessária descarbonização da electricidade A redução significativa das emissões no sector dos transportes Um forte incremento no desenvolvimento de novas tecnologias e da utilização eficiente das tecnologias existentes

25 MENSAGENS E RECOMENDAÇÕES
23/03/2017 Recomendações - Electricidade Existem várias opções para “descarbonizar” a electricidade: renováveis, CCS, etc. A electricidade é também um importante dinamizador da melhoria da eficiência energética ao longo da cadeia de valor As medidas de redução de emissões em mercados liberalizados poderão incluir obrigações de utilização de tecnologias renováveis, taxas de carbono e esquemas de apoio a tecnologias limpas

26 MENSAGENS E RECOMENDAÇÕES
23/03/2017 Recomendações - Transportes Redução do crescimento das emissões, através da combinação de medidas técnicas (eficiência veículos, híbridos e biocombustíveis) e não técnicas (alteração de comportamentos, taxas e impostos) Desenvolvimento de solução “carbono zero”, através de um maior desenvolvimento em termos de I&D. A electricidade poderá ainda ter um papel determinante na descarbonização do sector dos transportes.

27 MENSAGENS E RECOMENDAÇÕES
23/03/2017 Recomendações - Tecnologia Necessário um esforço global para a utilização eficiente das tecnologias actuais, através p.e., de novas linhas de financiamento internacional de apoio aos países em desenvolvimento. Aumento do financiamento para linhas de Investigação e Desenvolvimento (I&D) associadas a tecnologias de produção de electricidade de forma sustentável.

28 ÍNDICE Proposta final do estudo O Grupo de Estudos
23/03/2017 ÍNDICE O Grupo de Estudos Conteúdo do relatório Mensagens e recomendações Proposta final do estudo

29 PLANO PARA REDUZIR EMISSÕES GEE EM 3 ETAPAS
23/03/2017 O WEC acredita que com a implementação de políticas e tecnologias adequadas é possível controlar o crescimento de GEE a curto prazo, estabilizá-las a médio prazo e reduzi-las a longo prazo, através do estabelecimento de um plano em 3 etapas: > 2015 > 2030 2050 Fase 1 Compromissos credíveis e crescimento sustentado GEE Fase 2 Estabilização emissões GEE Fase 3 Redução emissões GEE

30 PLANO PARA REDUZIR EMISSÕES GEE EM 3 ETAPAS
23/03/2017 > 2015 > 2030 2050 Fase 1 (até 2015) - Compromissos credíveis crescimento sustentado GEE Sector Eléctrico: Utilização de tecnologias de baixo teor CO2 e aumento da eficiência na produção. Desenvolvimento de novas tecnologias renováveis. Sector Transportes: Medidas técnicas (eficiência veículos, híbridos e utilização de biocombustíveis). Introdução de impostos e taxas para diminuir a utilização do transporte rodoviário. Transferência tecnologia: Garantir a transferência de tecnologia mais limpa para os países em desenvolvimento.

31 PLANO PARA REDUZIR EMISSÕES GEE EM 3 ETAPAS
23/03/2017 > 2015 > 2030 > 2030 2050 Fase 2 (até 2030) - Estabilização emissões GEE Sector Eléctrico: Utilização de nova “geração” nuclear e carvão limpo através da tecnologia CCS (Carbon Capture and Storage) Novas tecnologias produção: solar térmico avançado, microgeração e microcogeração. Novas tecnologias de armazenamento de energia aplicadas às energias renováveis Desenvolvimentos significativos na produção de electricidade nos sectores residencial e de serviços Sector Transportes: Tecnologias avançadas de combustão e utilização de novos combustíveis 2050

32 PLANO PARA REDUZIR EMISSÕES GEE EM 3 ETAPAS
23/03/2017 > 2015 > 2030 > 2030 > 2030 2050 2050 Fase 3 - Redução emissões GEE “DESCARBONIZAÇÃO” DA ECONOMIA Utilização de tecnologia limpas de produção de electricidade, associadas a tecnologias de armazenamento de energia Desenvolvimento significativo de novas tecnologias renováveis (solar fotovoltaico, ondas e marés) 4ª geração reactores nucleares e fusão nuclear Aplicação da tecnologia CCS em larga escala Início da economia de hidrogénio

33 PLANO PARA REDUZIR EMISSÕES GEE EM 3 ETAPAS
23/03/2017 Cenário das emissões globais de CO2 após a implementação do plano

34 Participação da REN a convite
23/03/2017 Fonte Web da publicação Um relatório do Participação da REN a convite


Carregar ppt "Participação no Study Group “ENERGY AND CLIMATE CHANGE”"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google