A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

CURSO 3 – VACINAS Tipos de Vacina Prof. Carlos R. Zanetti.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "CURSO 3 – VACINAS Tipos de Vacina Prof. Carlos R. Zanetti."— Transcrição da apresentação:

1 CURSO 3 – VACINAS Tipos de Vacina Prof. Carlos R. Zanetti

2 TIPOS DE IMUNIZAÇÃO Passiva Ativa ANTICORPO ANTÍGENO

3 IMUNIZAÇÃO PASSIVA Ac HOMÓLOGOS Ac HETERÓLOGOS

4

5

6 TIPOS DE VACINAS

7 Organismos inteiros Macromoléculas purificadas

8 TIPOS DE VACINAS Organismos inteiros Atenuadas Inativadas

9 Vacinas atenuadas são constituídas de microrganismos obtidos através da seleção de cepas naturais (selvagens) e atenuadas através de passagens em meios de cultura especiais, ou em diversos hospedeiros, ou por manipulação genética. Provocam infecção similar à natural e por isso têm, em geral, grande capacidade protetora com apenas uma dose e conferem imunidade a longo prazo, possivelmente por toda a vida.

10 VACINAS ATENUADAS

11

12

13 Vacinas atenuadas e inativadas têm características diferentes. As vacinas atenuadas, em geral, promovem proteção mais completa e duradoura com menor número de doses. Podem causar doença em pacientes imunocomprometidos.

14 Diferenças entre vacinas atenuadas e inativadas

15 Vacinas atenuadas X Vacinas inativadas

16 VACINAS ATENUADAS As vacinas atenuadas de que dispomos hoje são: Vacina contra a tuberculose (BCG) Vacina oral contra a poliomielite (tipo Sabin) Vacina contra o sarampo Vacina contra a rubéola Vacina contra a caxumba Vacina tríplice viral (contra sarampo/ caxumba/ rubéola) Vacina dupla viral (contra sarampo/ rubéola) Vacina contra a catapora (varicela) Vacina contra a varíola Vacina contra a febre amarela

17 BCG Bacilo de Calmete-Guérin (M. bovis) 13 anos de atenuação, através de 231 passagens em meio de cultura – início dos ensaios clínicos 1927 – liberado para uso humano 1929 – 72 mortes após vacinação (n=250) Vacina humana mais antiga em uso

18 BCG Composição: - bacilos vivos atenuados de Mycobacterium bovis e glutamato de sódio. (X 5.000)

19 Contra-indicações A vacina BCG além de ser contra-indicado para os imunodeficientes e imunocomprometidos. Não deve ser administrada em crianças com peso inferior a 2 kg, pois elas apresentam maior índice de complicações locais. Também é contra-indicada quando a criança apresenta lesões ativas extensas na pele. Nessas situações, existe o risco da bactéria contida na vacina infectar as lesões de pele.

20 Franklin Delano Roosevelt VACINAS CONTRA POLIO

21 POLIOMIELITE Patogênese: - O vírus entra através da boca e aloja-se no intestino - Replica-se na laringe e trato GI e migra para linfonodos - Migra via vasos linfáticos e sangüíneos para o SNC - Espalha-se para as fibras nervosas Estatísticas clínicas: Período de incubação: 6-20 dias 95% são assintomáticos 4%-8% sintomas menores não específicos 1%-2% meningite asséptica não paralítica Enterovirus (RNA) Três sorotipos: 1, 2, 3 Imunidade heterotrópica mínima entre sorotipos

22 Segundo a OMS, 1 em cada 200 infecções leva à paralisia irreversível (normalmente de membros inferiores). Dentre estes casos, 5%-10% morrem por paralisia dos músculos respiratórios. Pulmão de ferro

23

24 Há dois tipos de vacinas disponíveis contra o vírus da poliomielite: inativada e atenuada Jonas Salk Albert B. Sabin

25 John Enders – Prêmio Nobel em 1954 Desenvolveu método de cultivo do vírus da polio em células não neurais, possibilitando a produção de vírus em cultura, posteriormente inativado por Jonas Salk ou atenuado por Albert Sabin.

26 Altamente eficaz em induzir imunidade: 50% imune após 1 dose 95% imune após 3 doses Vacina oral atenuada Contém os 3 sorotipes Cultivada em células Vero Contém neomicina e estreptomicina Vírus vacinal liberado nas fezes por até 6 semanas

27 VACINA ORAL ATENUADA Pontos positivos 1- sem injeções 2- gera imunidade no sangue e no intestino 3- gera dispersão do vírus vacinal na natureza 4- gera imunidade de longa duração (provavelmente vida toda)

28 VACINA ORAL ATENUADA Pontos negativos 1- reversão do vírus para a forma selvagem 2- perigosa para imunocromprometidos

29 Contra indicações a) crianças imunodeprimidas (com deficiência imunológica congênita ou adquirida) b) crianças filhas de mãe HIV+ antes da definição diagnóstica. c) recém nascidos que permaneçam internados em unidade neonatal por ocasião de idade de vacinação. d) crianças que estejam em contato domiciliar ou hospitalar com pessoa imunodeprimida. e) pessoas submetidas a transplante de medula óssea ou órgãos sólidos. f) história de complicação paralítica (paralisia flácida) após dose anterior de vacina oral contra poliomielite - VOP.

30 MMR- tríplice viral (Sarampo/Caxumba/Rubéola)

31 SARAMPO RUBÉOLA CAXUMBA

32

33 Síndrome associada à Rubéola Microencefalia Catarata

34

35 Vacina contra Febre amarela

36 A vacina contra a febre amarela (17D) é elaborada com o vírus vivo atenuado, produzida no Brasil. Em 95% das pessoas o efeito protetor ocorre uma semana após a aplicação. Confere imunidade por, pelo menos, 10 anos (provavelmente por toda a vida). Pode ser utilizada a partir dos 9 meses de idade. É aplicada por via subcutânea na região deltóidea (braço).

37 Vacina contra Febre amarela Composição A vacina contra a febre amarela é constituída de vírus vivos atenuados, derivados da linhagem 17D, cultivados em ovos embrionados de galinha. No Brasil, utiliza-se a vacina produzida na Fundação Oswaldo Cruz – Bio Manguinhos, que contém, além da linhagem vacinal atenuada, sacarose e glutamato como estabilizadores e eritromicina.

38 Vacina contra Febre amarela Indicação: - Crianças com mais de 9 meses de idade, residindo e/ou viajando para áreas endêmicas(AP, TO, MA, MT, MS, RO, AC, RR, AM, PA, GO e DF) OBS: em situações de epidemia ou surtos pode-se antecipar a idade da vacinação para 6 meses. - Pessoal de laboratório suscetível à exposição de vírus amarílico selvagem.

39 Vacina contra Febre amarela Contra-indicações Crianças com 4 meses ou menos de idade, devido ao risco de encefalite viral (contra-indicação absoluta). Gestantes, em razão de um possível risco de infecção para o feto. Pessoas com imunodeficiências associadas à doenças ou a terapêutica: infecção pelo HIV, neoplasias em geral (incluindo leucemias e linfomas), Aids, corticoterapia, quimioterapia ou radioterapia. Pessoas que tenham alergia a ovos. Pessoas com alergia a eritromicina. Pessoas com antecedentes de reação alérgica a dose prévia da vacina anti-amarílica.

40 VACINAS INATIVADAS 1. microorganismos inteiros e inativados por meios físicos ou químicos, geralmente o formaldeído, de tal modo que perdem sua capacidade infecciosa, mas mantêm suas propriedades protetoras. 2. Produtos tóxicos dos microrganismos inativados. 3. Vacinas de Subunidades ou de fragmentos de microorganismos. são obtidas de diversos modos:

41 VACINAS INATIVADAS 4. Vacinas obtidas por engenharia genética. 5. Vacinas glico-conjugadas, em que os componentes polissacarídeos citados são conjugados a proteínas (toxóides) criando-se um complexo capaz de provocar resposta imunológica.

42 As vacinas inativadas de que dispomos hoje são: Vacina contra polio (tipo Salk) Vacina tríplice bacteriana (Difteria, Tétano e Coqueluche) Vacina Dupla (contra Difteria, Tétano) Vacina contra hepatite A Vacina contra hepatite B Vacina combinada contra as hepatites A e B Vacina contra o Haemophilus influenza b Vacina contra a doença meningocócica Vacinas contra a doença pneumocócica Vacina contra a Gripe (vírus influenza).

43 VACINAS INATIVADAS Organismos inteiros Macromoléculas purificadas -Toxóides -Polissacarídeos capsulares -Antígenos recombinantes

44 Vacina Polio Inativada Contém os 3 sorotipos de vírus Cultivada em células Vero Inativada com formaldeído Contém 2-fenoxietanol, neomicina, estreptomicina e polimixina B Administrada pela via intra-muscular. altamente eficaz em produzir imunidade: 90% imune após 2 doses 99% imune após 3 doses

45

46 VACINA CONTRA INFLUENZA São conhecidos 3 tipos de vírus da influenza: A, B e C. Os tipos A e B causam maior morbidade e mortalidade.

47

48 Antigenic drift acúmulo de mutações epidemia branda

49 Antigenic shift Troca de material genético novo vírus – grande epidemia

50 Vacina contra a gripe Vacina contém duas amostras inativadas de Influenza A e um tipo de Influenza B Já existe uma vacina atenuada administrada por via nasal

51 VACINAS INATIVADAS Organismos inteiros Macromoléculas purificadas -Toxóides -Polissacarídeos capsulares -Antígenos recombinantes

52

53 Toxóides Difteria (Corynebacterium diphtheriae) Coqueluche/tosse comprida (Bordetella pertussis) Tétano (Clostridium tetani )

54 Clostridium tetani

55 Corynebacterium diphtheriae

56 Bordetella pertussis

57 Crescimento da bactéria em meio de cultura Isolamento e purificação das toxinas ESQUEMA DE PRODUÇÃO DE TOXÓIDES

58

59 Adição de adjuvantes

60 Vacina tríplice bacteriana DPT Aplicada em crianças até seis anos e 11 meses (depois - dT) Recomenda-se uma dose de reforço a cada 10 anos. Apesar de ser eficaz, provoca requentes eventos adversos, geralmente atribuídos ao componente pertussis. Os eventos adversos sistêmicos são: - febre alta - choro persistente - convulsão - síndrome hipotônico-hiporresponsiva - encefalopatia - choque anafilático

61 São contra-indicações à vacina da coqueluche: 1.idade acima de 7 anos; 2.ocorrência de manifestações neurológicas (convulsão, no prazo de 3 dias, ou encefalopatia, até 7 dias após a vacinação) - esses eventos são muito raros e devem ser excluídas outras causas; 3.colapso ou choque (quadro em que a criança fica muito pálida, perde a consciência e não reage a estímulos, que geralmente ocorre em crianças que têm febre alta após a vacina DPT; apesar de assustador, o quadro tem evolução benigna e não deixa sequelas) dentro de 48 horas após a administração da vacina contra a coqueluche.

62

63 TIPOS DE VACINAS Macromoléculas purificadas -Toxóides -Antígenos recombinantes -Polissacarídeos capsulares

64 Hepatite B ~ 350 milhões de portadores do HBV no mundo Cada ano mortes devidas à cirrose e câncer de fígado Vírus contraído através de contato com sangue contaminado e contato sexual. Infecção com freqüência elevada entre usuários de drogas injetáveis e homossexuais masculinos

65

66 Vacina recombinante contra Hepatitis B Saccharomyces cerevisiae Recombinant antigen Vaccine

67 TIPOS DE VACINAS Macromoléculas purificadas -Toxóides -Antígenos recombinantes -Polissacarídeos capsulares

68 Haemophilus influenza tipo B (Hib) -bactéria capsulada -Antes da vacinação, Hib era o agente que mais comumente causava meningite bacteriana (600 mortes ano/EUA), além de outras seqüelas como surdez, retardo mental e ataque epilético.

69 É uma vacina liofilizada do polissacarídeo capsular poliribosil-ribitol fosfato (PRP) purificado de Hib, covalentemente ligado ao toxóide tetânico. O polissacarídeo de Hib é preparado a partir do Hib, cepa e, após ativação com brometo de cianogênio e extração com um separador adípico de hidrazida, é combinado ao toxóide tetânico através de condensação com carbodimida. Após a purificação, o conjugado é liofilizado em presença de lactose como estabilizador. É indicada para imunização ativa de todos os bebês a partir de 2 meses de idade, contra a doença causada por Haemophilus influenzae tipo b.

70 Contra indicações NÃO DEVE SER ADMINISTRADA A INDIVÍDUOS COM CONHECIDA HIPERSENSIBILIDADE A QUALQUER COMPONENTE DA VACINA, OU A INDIVÍDUOS TENDO APRESENTADO SINAIS DE HIPERSENSIBILIDADE APÓS ADMINISTRAÇÃO PRÉVIA DE VACINAS Hib.

71 atenuadas inativadas

72

73


Carregar ppt "CURSO 3 – VACINAS Tipos de Vacina Prof. Carlos R. Zanetti."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google