A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Yoga e Autonomia no Processo Saúde-Doença Maria Renata Rotta Furlanetti Flávia Ribeiro Luís Fernando Tófoli.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Yoga e Autonomia no Processo Saúde-Doença Maria Renata Rotta Furlanetti Flávia Ribeiro Luís Fernando Tófoli."— Transcrição da apresentação:

1 Yoga e Autonomia no Processo Saúde-Doença Maria Renata Rotta Furlanetti Flávia Ribeiro Luís Fernando Tófoli

2 Yoga e Autonomia no Processo Saúde-Doença Este trabalho visa reconhecer o Yoga na: prática de saúde; relação mais ativa do sujeito com seu processo saúde-doença; familiaridade com os processos corporais e mentais (processo saúde-doença); objetividade na comunicação (paciente/agente de saúde/familiares; promotor da autonomia do sujeito;

3 Yoga e Autonomia no Processo Saúde-Doença Para este trabalho, utilizamos: Levantamento bibliográfico de autores conceituados no yoga, Sobre conceitos utilizados nas práticas, Sobre benefícios gerados nos sujeitos; Identificação de convergências com Políticas na Saúde e Atenção Primária;

4 Autonomia O compromisso é essencial para o crescimento pessoal, isto é, é o amadurecimento intelectual- emocional que capacita a pessoa a buscar e alcançar o autoconhecimento e a plenitude de si mesma. Arieira, Glória. Tattvabodhah: O Conhecimento da Verdade, Sri Sankaracharya, 2006

5 Autonomia Drª Shafica Karagulla (1989): A cura (regeneração) é autogerada Assistência médica pode/ deve estar presente Mas, em última análise, o corpo deve curar a si próprio Meditação autodomínio capacidade de alterar antigos padrões de hábitos

6 Declaração de Alma-Ata (1978) Saúde bem estar físico, mental e social; não apenas a ausência de enfermidade Yoga, bem-estar físico, moral, mental e espiritual do homem como um todo (Iyengar, 2003). Promoção de saúde contínuo desenvolvimento econômico e social Não se trata de abandonar a vida em comunidade para praticar yoga (Aurobindo); É fundamental manter seu papel no mundo (Shimada, 2008).

7 Declaração de Alma-Ata (1978) qualidade de vida Relação entre acontecimentos agoniantes e as doenças que se desenvolvem lentamente; fatores emocionais influenciam algumas doenças infecciosas (Benson, 2003). paz mundial Pelo yoga pode-se tomar consciência das relações com os outros seres humanos; O yoga pode levar à reflexão sobre a condição da humanidade no universo (Aurobindo).

8 Declaração de Alma-Ata (1978) Cuidados primários Práticas cientificamente bem fundamentadas mudanças cognitivas e comportamentais no que se refere a dor (Tul, 2010); Funções, como os componentes elétricos das batidas do coração, também são relacionadas às emoções (Benson, 1980). socialmente aceitáveis 100 milhões de pessoas adeptas ao yoga (Desikachar, 2001).

9 Declaração de Alma-Ata (1978) baseados no espírito de autoconfiança previne males físicos e mentais, protege o corpo como um todo e desenvolvendo autoconfiança e segurança (Iyengar, 2003); por meio da mente, o processo de degeneração física pode ser revertido, eliminando a idéia de inevitabilidade da doença (Schneider, 2004).

10 Declaração de Alma-Ata (1978) integrados, funcionais e mutuamente amparados posturas psicofísicas agem sobre os sistemas orgânicos, garantindo saúde, calma e concentração da mente (Packer, 2008). busca de progressiva melhoria de saúde Autoconhecimento é um caminho em que só se avança, nutrido por instruções durante o próprio trajeto, continuamente (Packer, 2008).

11 Política Nacional de Atenção Básica (PNAB 2006) sujeito singularidade, complexidade adaptar as ferramentas do yoga à nossa situação atual (Desikachar 2001). viver de modo saudável contribuição de ordem preventiva primeiro, depois de apoio a tratamento (Shimada, 2008). vínculos de confiança com ética relação mestre-discípulo é de confiança, respeito, compromisso (Gomes 2005).

12 Política Nacional de Atenção Básica (PNAB 2006) ações ações educativas o autoconhecimento como ação educativa para transformações, físicas, comportamentais e sociais (Krishnamurti). controle social compromisso com revolução interior para se conseguir a transformação na sociedade (Krishnamurti).

13 Política Nacional de Atenção Básica (PNAB 2006) ações de atenção integral yoga como terapia corporal, correção da nutrição, melhora da vida afetiva, correção do comportamento moral, psicoterápico, tornando sã também a vida mental (Hermógenes, 1979). prática das posturas do yoga: mente, respiração e consciência corporal unidas para um corpo saudável e uma mente livre de perturbações (Packer, 2008).

14 Política Nacional de Práticas Integrativas Complementares (PNPIC 2006) Sujeito e Saúde-Doença Co-responsabilidade orientado pelo seu professor, ou mestre, adquire- se confiança o suficiente para continuar praticando em casa (Desikachar, 2001); usuário e agentes de saúde juntos podem achar o melhor caminho entre os métodos médicos modernos e antigos (Benson, 1980).

15 Política Nacional de Práticas Integrativas Complementares (PNPIC 2006) Visão Ampliada mudança o rumo da vida leva a verdadeira cura, pois liberta da verdadeira causa de qualquer perturbação, a ignorância (Hermógenes, 1979). Promoção Global de Cuidado o comportamento está relacionado com a saúde e com as doenças (Benson, 1980).

16 Política Nacional de Práticas Integrativas Complementares (PNPIC 2006) Autocura domínio de estados mentais negativos mobilizando forças curativas do organismo (Gomes, 2005); comportamento de acreditar na própria saúde (Benson, 1980).

17 Yoga

18 Ashtanga Yoga de Patanjali

19 Conclusão Yoga integrando corpo-mente Mais familiaridade com processos corporais, emocionais e mentais; Relação ativa do sujeito com processo saúde- doença; Comunicação objetiva entre sujeito e promotores de saúde, familiares.


Carregar ppt "Yoga e Autonomia no Processo Saúde-Doença Maria Renata Rotta Furlanetti Flávia Ribeiro Luís Fernando Tófoli."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google