A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Seguimento de 12 anos de usuários de CRACK Prof. Dr. Ronaldo Laranjeira INPAD – Instituto Nacional de Políticas do Álcool e Drogas - CNPq.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Seguimento de 12 anos de usuários de CRACK Prof. Dr. Ronaldo Laranjeira INPAD – Instituto Nacional de Políticas do Álcool e Drogas - CNPq."— Transcrição da apresentação:

1 Seguimento de 12 anos de usuários de CRACK Prof. Dr. Ronaldo Laranjeira INPAD – Instituto Nacional de Políticas do Álcool e Drogas - CNPq

2 PRIMEIRO FOLLOW-UP Esta linha de pesquisa teve início em 1994: -131 pacientes dependentes de crack (CID 9) -internados entre o final de 92 e meados de 94 -instituição pública de internação (HGT) -procura espontânea -avaliados 02 anos após a alta (1995-6)

3 AVALIAÇÃO Parâmetros investigados: -padrão de consumo e ou abstinência de crack e outras substâncias -situação ocupacional e escolar dos usuários -possível envolvimento em atividades ilícitas -ocorrência de óbitos -procura por outros tratamentos após a alta

4 RESULTADOS A. PERÍODO DA INTERNAÇÃO (1992 – 1994) CARACTERÍSTICAS DEMOGRÁFICAS DOS 131 USUÁRIOS DE CRACK NA ÉPOCA DA INTERNAÇÃO NO HGT ( ) N% SEXO (N=131) MASCULINO FEMININO ,5 11,5 IDADE [ANOS] (N=131) ,3 26,7 36,6 15,3 9,2 6,1 3,8 RAÇA (N=130) BRANCA NEGRA ,6 25,4 ESTADO CIVIL (N=130) SOLTEIRO CASADO AMASIADO SEPARADO , ,4 6,2 ESCOLARIDADE (N=102) ESTUDOU MENOS DE 8 ANOS ESTUDOU MAIS DE 8 ANOS ,9 44,1 ATIVIDADE NA ÉPOCA DA INTERNAÇÃO (TRABALHO E/OU ESTUDO) (N=124) SIM NÃO ,6 69,4 SEXO MASCULINO (88,5%) BRANCOS (75%) SOLTEIROS (67%) BAIXA ESCOLARIDADE (56%) MENOS DE 8 ANOS DE ESTUDO FORA DA ESCOLA E / OU MERCADO DE TRABALHO (69%) IDADE MÉDIA = 23,6 ANOS (md=22, mo=21, σ= + 6,7) DADOS DEMOGRÁFICOS QUASE 2/3 ERAM MENORES DE 25 ANOS

5 RESULTADOS B. SEGUIMENTOS (1992 – 1999) FOLLOW-UP DE 2 ANOS (1994 – 1995) ABSTINENTESUSUÁRIOSPRESOSDESAPARECIDOSMORTOSNÃO-LOCALIZADOS 22,1% n = 29 38,2% n = 50 6,9% n = 9 1,5% n = 2 9,9% n = 13 21,4% n = 28 PORCENTAGEM (%) APENAS UM QUINTO DOS PACIENTES NÃO UTILIZAVA CRACK HÁ MAIS DE UM ANO. A MAIOR PARTE DA AMOSTRA ERA COMPOSTA POR USUÁRIOS UM QUINTO DOS PACIENTES EVOLUIU COM DESFECHOS DE MAU PROGNÓSTICO: PRISÃO, DESAPARECIMENTO E MORTE UM QUINTO DOS PACIENTES NÃO FOI LOCALIZADO

6 SEGUNDO FOLLOW-UP O segundo acompanhamento (98-99) da mesma amostra foi realizado por Araújo após 05 anos da alta. O autor privilegiou a investigação de um desfecho pouco estudado na literatura: mortalidade acometendo usuários de crack.

7 RESULTADOS B. SEGUIMENTOS (1992 – 1999) FOLLOW-UP DE 5 ANOS (1998 – 1999) ABSTINENTESUSUÁRIOSPRESOSDESAPARECIDOSMORTOSNÃO-LOCALIZADOS 22,1% n = 29 38,2% n = 50 6,9% n = 9 1,5% n = 2 9,9% n = 13 21,4% n = 28 PORCENTAGEM (%) 39,7% n = 52 21,4% n = 28 12,2% n = 16 3,8% n = 5 17,6% n = 13 5,3% n = 7 INVERSÃO DO NÚMERO DE USUÁRIOS E ABSTINENTES ENTRE OS FOLLOW-UPS. AUMENTO DOS ÍNDICES DE MAU PROGNÓSTICO ENTRE OS FOLLOW-UPS. MELHORA DO MÉTODO DE BUSCA

8 RESULTADOS C. MORTALIDADE PERFIL DOS PACIENTES MORTOS PERFIL DOS 23 USUÁRIOS DE CRACK MORTOS ENTRE A ALTA DO HGT ( ) E O SEGUNDO SEGUIMENTO ( ). N% SEXO MASCULINO FEMININO ,7 4,3 RAÇA BRANCOS NEGROS ,6 30,4 ESTADO CIVIL NA ÉPOCA DA INTERNAÇÃO SOLTEIRO CASADO / AMASIADO SEPARADO ,3 26,0 8,7 IDADE NA ÉPOCA DO ÓBITO ,8 26,1 13,0 23 MORTOS (17,6%) SEXO MASCULINO (96%) BRANCOS (70%) SOLTEIROS (65%) IDADE MÉDIA = 27,1 ANOS MÍNIMA: 18 ANOS MÁXIMA: 40 ANOS (md=26, mo=20, σ= + 6,6) QUASE METADE DOS PACIENTES MORREU ANTES DOS 25 ANOS.

9 RESULTS C. MORTALITY CAUSA MORTIS HOMICÍDE n = 13 AIDS n = 6 HEPATITE B n = 1 Drowning n = 1 OVERDOSE n = 2 56,5% 8,7% 4,3% 26,1% MOTIVES According to the family Drug traffickers - Police.

10 RESULTADOS FOLLOW-UP DE 5 ANOSMUNÍCIPIO DE SÃO PAULO TAXAS DE MORTALIDADE C. MORTALIDADE ,3 21,67,6 EXCESSO DE MORTALIDADERAZÃO DE MORTALIDADE TAXA DE MORTALIDADE AJUSTADA PARA O MUNICÍPIO DE SÃO PAULO (SEXO & IDADE) (1996) TAXA DE MORTALIDADE SP (1996) 35,1 TAXA DE MORTALIDADE BRUTA DO ESTUDO A MORTALIDADE ENTRE OS PACIENTES DO ESTUDO É QUASE 8 VEZES MAIOR DO QUE A ESPERADA PARA A POPULAÇÃO DE SÃO PAULO. (MORTES / 1000 HABITANTES)

11 RESULTADOS C. MORTALIDADE CURVA DE SOBREVIDA CURVA DE SOBREVIDA NUMA AMOSTRA DE 126 PACIENTES DEPENDENTES DE CRACK. O NÚMERO DE PACIENTES EM RISCO NO INÍCIO DE CADA INTERVALO FOI DE 126, 120, 111, 107, 86 E 39, RESPECTIVAMENTE. O ESTUDO REVELA, PORTANTO, QUE 20% DA AMOSTRA ESTUDADA CORRIA RISCO DE MORTE AO FINAL DOS 5 ANOS, APÓS A ALTA DO HGT. 0,95 0,90 0,87 0,84 0, SUJEITOS EM RISCO MORTOS PROBABILIDADE DE SOBREVIDA 1,0 = 100% 1,0 126

12 TERCEIRO FOLLOW-UP Diante da relevância dos resultados obtidos até então e da possibilidade de: -ampliar o tempo de acompanhamento da mesma amostra (absorvendo avanços e recuos dos eventos) -aperfeiçoar os procedimentos de coleta e investigação Realizou-se um terceiro follow-up - 12 anos decorridos da alta.

13 INOVAÇÕES Algumas questões que ampliam o espectro e detalhamento das informações disponíveis foram acrescentadas: tempo de uso na vida (crack e demais substâncias) comportamento sexual de risco histórico das migrações de vias de administração período de auge do consumo de crack Problemas físicos decorrentes do uso Foram entrevistados familiares de presos, mortos e desaparecidos (dados do ano anterior ao desfecho)

14 RESULTADOS O tipo de entrevista e a pessoa entrevistada: No seguimento anterior -70,2% das entrevistas aconteceram por telefone -60,5% dos entrevistados foram somente familiares No seguimento atual esta situação se inverteu favorecendo dados mais fidedignos -70,8% de entrevistas domiciliares -60,8% dos entrevistados; os próprios pacientes Com relação ao tempo de coleta dos dados -segundo follow-up: janeiro de 98 a dezembro de 99 (24 meses) -terceiro follow-up: setembro de 05 até outubro de 06 (13 meses) Esta redução do tempo se deve ao aperfeiçoamento do planejamento e execução do estudo. Durante as visitas domiciliares – no caso dos usuários – foi possível realizar encaminhamentos para tratamento quando solicitado.

15 -Entre os vivos há predomínio da condição de abstinência que segue inalterada desde o segundo follow-up. -Os óbitos mantiveram-se estáveis no seguimento atual.

16 Verifica-se: -aumento significativo da mortalidade (pico) durante o primeiro seguimento (1995); coincidindo com a chegada e expansão do crack em São Paulo; período de acentuada violência e disputa pela comercialização da droga. -nova elevação dos óbitos (97) no decorrer do segundo seguimento. -declínio e estabilização da mortalidade no seguimento atual. Evolução Evolução Evolução das mortes no decorrer do tempo de seguimento

17 RESULTADOS PRESOS Condição atual dos 16 presos do seguimento anterior: vivos e em liberdade: 08 ainda presos: 04 (familiar entrevistado) não localizados: 04 GRUPO RELIGIOSO 61,4% relatou já ter frequentado ou frequentar atualmente Atualmente, dos 08 presos localizados 04 advêm do follow-up anterior e 04 ingressaram no período deste seguimento (novos presos). Envolvimento religioso bastante presente na vida destas pessoas; possivelmente como fator de proteção.

18 Tratamento (Vivos) n:57 Sim NãoNão Soube Informar Ambulatorial (após a alta) Internação (após a alta) 35 61,4% 19 3 Frequência Atual ,2% 3 -61,4% da amostra chegou a procurar internação - pelo menos uma vez após Taipas – como modalidade prioritária de tratamento. -Em vista deste tipo de demanda o período de assistência tende a ser limitado e descontínuo. -Este dado permite compreendermos a informação de que 80,2% não frequenta atendimento atualmente. -Estes pacientes estão se valendo de outras estratégias para manterem-se abstinentes ou até mesmo consumindo (qualitativo). A procura por tratamento ao longo dos anos pós-alta

19 CONCLUSÃO -Houve melhora dos padrões de abstinência entre os usuários de crack ao longo dos doze anos. -A chance de sobrevida foi de 80% após 5 anos; embora a ocorrência de mortalidade tenha decaído no terceiro follow-up. -Para esta amostra a mortalidade tende a ser principalmente por homicídios.

20 CONCLUSÃO - No terceiro follow-up, a redução do tempo de coleta de dados e a alteração na forma da entrevista (domiciliar com o paciente) permitiram otimização dos resultados e detalhamento das informações obtidas. -A maior procura por internação como modalidade de tratamento se traduz em períodos de acompanhamento circunscritos e descontínuos. -Ainda precisamos compreender melhor o histórico pós alta destes pacientes (estratégias de cessação e/ou manutenção do consumo / qualitativa).


Carregar ppt "Seguimento de 12 anos de usuários de CRACK Prof. Dr. Ronaldo Laranjeira INPAD – Instituto Nacional de Políticas do Álcool e Drogas - CNPq."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google