A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM EFICIÊNCIA ENERGÉTICA 5- Adequação de Energético para o Uso Final de Energia Profª Drª Maria de Fátima Ribeiro Raia - 2012 4º.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM EFICIÊNCIA ENERGÉTICA 5- Adequação de Energético para o Uso Final de Energia Profª Drª Maria de Fátima Ribeiro Raia - 2012 4º."— Transcrição da apresentação:

1 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM EFICIÊNCIA ENERGÉTICA 5- Adequação de Energético para o Uso Final de Energia Profª Drª Maria de Fátima Ribeiro Raia º AULA

2 De acordo com a segunda Lei da Termodinâmica que mensura a adequação da fonte energética ao uso final: para cada uso final deve haver um energético adequado de forma a: aumentar a eficiência do processo: diminuindo a quantidade de combustível; reduzindo perdas; reduzindo custos; reduzindo impactos ambientais. 2

3 Adequar a fonte energética ao uso final: ELIMINAR CONVERSÕES DESNECESSÁRIAS o uso de aquecedores solares de água é a maneira mais eficiente de se produzir água quente? ou será os chuveiros elétricos? ou o aquecimento a gás 3

4 4 Do ponto de vista social, usar a energia elétrica ou o gás, duas formas energéticas riquíssimas para aquecer água, poderá em algum momento deixar de fazer sentido econômico, pois estes recursos serão destinados a aplicações mais nobres e mais importantes para a sociedade como um todo CARLOS FARIA - Associação Brasileira de Refrigeração, Ar-condicionado, Ventilação e Aquecimento (Abrava)

5 5 Pelo lado ambiental: chuveiro elétrico é responsável por 25% a 35% do gasto de eletricidade de uma casa e apresenta um consumo médio mensal de 120 kWh; considerando um chuveiro de 3500 W, com 40 minutos de uso por dia (quatro banhos diários de 10 minutos cada); para ser produzido, esta quantidade de energia elétrica, é lançado para a atmosfera cerca de 31 k de CO 2 (dióxido de carbono); essa emissão sobe para mais de 11 ton em um ano. isto é equivalente à emissão de um carro movido à gasolina, com motor até 1,4 de potência, ao percorrer km, ou seja, oito vezes todo o litoral brasileiro.

6 Atividade: Partindo do consumo mensal de 120 kWh e sabendo que: o rendimento de um chuveiro elétrico é 95%; as perdas em linhas de T e D são de 15%. Calcule a quantidade de GN se a energia for gerada por uma termelétrica usando a tecnologia: 1. turbina a gás natural, ciclo simples, rendimento 35% 2. ciclo combinado, rendimento 55%. 3. transforme as respostas anteriores para unidades arbitrárias. 4. e se a energia for geradora por uma usina hidrelétrica? Comente todos os resultados. Use os dados a seguir: 6

7 7 linhas transmissão e distribuição perdas 15% chuveiro rendimento 95% turbina a gás ciclo simples rendimento 35% linhas transmissão e distribuição perdas 15% chuveiro rendimento 95% termelétrica ciclo combinado rendimento 55%

8 8 MJ

9 9 Do ponto de vista da eficiência e racionalidade global do sistema energético, os chuveiros elétricos tendem a transformar-se em grandes absurdos termodinâmicos... o desperdício oriundo da geração térmica a gás é chamada de um flare virtual do gás, como se o GN fosse queimado numa plataforma. Fonte: DOS SANTOS, E.M et al. Gás Natural: Estratégias Para Uma Energia Nova no Brasil, 2002

10 10 Aumentar eficiência energética dos usos finais, pode diminuir a quantidade do energético ATIVIDADE: Calcular as eficiências das três opções e as quantidades de energia de entrada para a 2ª e 3ª, comentar respostas.

11 11 Boas práticas em projetos de unidades integradas de energia eliminar desperdícios de forma geral; adequar fonte energética ao uso final; eliminar conversões desnecessárias aumentar eficiência energética dos equipamentos; considerar energéticos disponíveis na região, por ex. resíduos; utilizar materiais mais leves, eficientes e duráveis; adequar os ciclos da unidade geradora aos do local; disponibilidade de recursos; sazonalidade; necessidades energéticas da região.

12 12 Projeto Energético Integrado processo que agrega conhecimentos de vários especialistas de projeto e engenharia visando: criar unidades de custo operacional reduzido; menor impacto ambiental; alto nível de integração ao local de instalação; aceitação pela população (humana e biota). trata-se de um processo abrangente e de inclusão para criar: um sistema de alta eficiência; com mínima utilização de recursos naturais; com menor impacto ambiental. com redução da pegada de carbono.

13 PIR – Planejamento Integrado de Recursos Energéticos Metodologia de planejamento energético, onde alternativas de oferta de energia e eficientização de uso final competem livremente, convergindo para um planejamento ótimo visando atender restrições econômicas, sociais, ambientais, políticas, etc. 13 isto nos leva ao conceito de:

14 14 O PIR pode ser aplicado à qualquer tipo de empresa, como, indústria, hotéis, hospitais, shoppings, etc. E envolve a necessidade de se conhecer melhor os aspectos referentes a cada estabelecimento em particular seja ele indústria, hotel, prestadora de serviço, etc.

15 15 O planejamento atual está evoluindo em direção ao PIR, o que significa: 1.integração ampla de ações tecnológicas para; eficiência energética; gerenciamento de demanda; fontes alternativas de energia; geração descentralizada (distribuída); produtores independentes (PIE). 2. aumentar os componentes dos custos, com custos ambientais e sociais na avaliação de alternativas técnicas; A inclusão de custos ambientais, sociais, econômicos e políticos (custo completo) faz com que opções alternativas para geração de energia sejam relativamente mais atraentes que as opções tradicionais.

16 16 CUSTO COMPLETO = custo ambiental + social + econômico + político custo de difícil quantificação, pois ainda não se tem uma conotação econômica clara. ex: a qualidade ambiental é um bem social comum e benefícios das tecnologias mais limpas e eficiência energética estão começando a ser captados pelo mercado ainda. A aplicação do PIR resulta em: a.criação de ambiente mais favorável para o desenvolvimento e aplicação de tecnologia de uso final eficiente, de geração de energia mais limpa e menos centralizada; b. participação dos Envolvidos-Interessados (En-In), sejam beneficiados ou afetados; c. consideração do peso do recurso da demanda com mesmo peso, as vezes até maior, que o recurso da oferta.


Carregar ppt "CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM EFICIÊNCIA ENERGÉTICA 5- Adequação de Energético para o Uso Final de Energia Profª Drª Maria de Fátima Ribeiro Raia - 2012 4º."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google