A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

CEREST CAMPINAS Seminário Estadual LER DORT Controvérsias que persistem Porto Alegre, dezembro 2012.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "CEREST CAMPINAS Seminário Estadual LER DORT Controvérsias que persistem Porto Alegre, dezembro 2012."— Transcrição da apresentação:

1 CEREST CAMPINAS Seminário Estadual LER DORT Controvérsias que persistem Porto Alegre, dezembro 2012

2 CEREST CAMPINAS DOR RELACIONADA AO TRABALHO: LESÕES POR ESFORÇOS REPETITIVOS -LER DISTÚRBIOS ÓISTEOMUSCULARES RELACIONADOS AO TRABALHO DORT Ministério da Saúde, 2012 Vera Lúcia Salerno CEREST CAMPINAS

3 1.É importante estabelecer nexo entre distúrbio músculo-esqueléticos e trabalho (LER/Dort)? 2.Como se faz para estabelecer este nexo? 3.E depois?

4 CEREST CAMPINAS 1.É importante estabelecer nexo entre distúrbio músculo-esqueléticos e trabalho (LER/Dort)? Os afastamentos do trabalho por incapacidade devido a doenças ósteo-musculares têm aumentado? Estes afastamentos teriam alguma relação com o trabalho?

5

6

7 CEREST CAMPINAS Então, para quê serve diagnosticar LER/Dort? ?

8 CEREST CAMPINAS PARA EVITAR PIORA DO QUADRO DE DOR (CURA MAIS FELIZ) PARA EVITAR NOVOS CASOS! PARA CONDUZIR MELHORIAS NO AMBIENTE DE TRABALHO

9 CEREST CAMPINAS 2. Como se faz para estabelecer o nexo com trabalho das doenças músculo-esqueléticas? A dimensão do ambiente de trabalho O trabalhador como sujeito O papel da ergonomia

10 A etiologia das LER/Dort é multifatorial. Diferentemente de uma intoxicação por metal pesado, cuja etiologia é claramente identificada e mensurável, no caso das LER/Dort, é importante analisar os vários fatores de risco envolvidos direta ou indiretamente. Os fatores de risco não são necessariamente as causas diretas das LER/Dort, mas podem gerar respostas que produzem as LER/Dort. Na maior parte das vezes, foram estabelecidos por meio de observações empíricas e depois confirmados com estudos epidemiológicos (KUORINKA e FORCIER 1995).

11 Os fatores de risco não são independentes, interagem entre si e devem ser sempre analisados de forma integrada. Envolvem aspectos biomecânicos, cognitivos, sensoriais, afetivos e de organização do trabalho

12 Fisiopatologia Bem estudada, mas ainda há divergências. Principais estudos apontam para a fisiopatologia da dor miofascial do material energético necessário para as atividades musculares fadiga mialgia círculo vicioso de tensão e dor. LER – LESÃO POR ESFORÇO REPETITIVO

13 Depende: Do gênero Da idade Da família Dos hábitos Do local de moradia Do trabalho Da classe social.: Trabalho: características gerais e específicas.: Trabalho: características gerais e específicas LER/Dort tem causas multifatoriais (causas complexas, soluções idem – solução do tapete)

14 CEREST CAMPINAS O papel da Ergonomia Diferentes formas de explicar a realidade ao se fazer estudo do trabalho. Como garantir produtividade elevada e, ao mesmo tempo, Como evitar adoecimento

15 CEREST CAMPINAS O papel da Ergonomia Formas de avaliação Check list / ferramentas de avaliação /índices de avaliação de risco 1.RULA 2.Couto 3.Moore e Garg 4.OCRA 5.Modelo biomecânico 6.TOR-TOM qual é a melhor?

16 CEREST CAMPINAS O papel da Ergonomia: Trabalho prescrito Trabalho real

17 CEREST CAMPINAS O TRABALHADOR COMO SUJEITO

18 CEREST CAMPINAS COMO ESTABELECER O NEXO? Ritmo de trabalho intenso Ritmo de trabalho intenso Aumento da quantidade de trabalho Aumento da quantidade de trabalho Pressão para produtividade Pressão para produtividade Ausência de pausas Ausência de pausas Jornadas prolongadas Jornadas prolongadas Pressão de chefias Pressão de chefias Pressão de colegas

19 CEREST CAMPINAS Como medir, dimensionar estes fatores? Observando Conversando com trabalhadores Individualmente Grupos homogêneos

20 Para quê serve fazer o diagnóstico? NÃO TEM POR OBJETIVO causar problemas com empregadores NÃO TEM POR OBJETIVO contribuir para desgaste dos setores de recursos humanos nas empresas

21 Identificar portadores de LER / DORT tem por objetivos: Diminuir o número de casos de doença Diminuir incapacidade Diminuir sofrimento

22 Mulheres assistidas no Cerest Campinas por um dos médicos (CRM 45091), de 2003 a 2006, por tentativa de localização em N = 84

23 Casos encontrados, por situação no mercado de trabalho N=21

24 Casos encontrados, por situação de saúde em relação ao sistema ósteomuscular N=21

25 CEREST CAMPINAS 3. E depois? Notificar (Comunicação de Acidente de Trabalho) Analisar a informação Planejar intervenções Discutir o que foi planejado Divulgar Re-planejar Aplicar Verificar eficácia Continuar notificando Analisar informação...

26

27 Av. Prefeito Faria Lima, 680- Parque Itália- Campinas/ SP Telefones: (19) / CEREST CAMPINAS


Carregar ppt "CEREST CAMPINAS Seminário Estadual LER DORT Controvérsias que persistem Porto Alegre, dezembro 2012."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google