A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

UM DESAFIO INEVITÁVEL DA LIDERANÇA Gestão de atitudes Júlio César Furtado – www.juliofurtado.com.br.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "UM DESAFIO INEVITÁVEL DA LIDERANÇA Gestão de atitudes Júlio César Furtado – www.juliofurtado.com.br."— Transcrição da apresentação:

1 UM DESAFIO INEVITÁVEL DA LIDERANÇA Gestão de atitudes Júlio César Furtado –

2 As pessoas são um problema, mas são, também, a solução... A pessoa que é ou está do contra costuma fazer esforços para que as coisas não se realizem como deveriam. Se nenhuma providência for tomada, a pessoa do contra poderá contagiar colegas e fazer com que a motivação da equipe caia. Essa é questão das mais relevantes: o peso das atitudes no trabalho. Júlio César Furtado –

3 O que são atitudes? Atitude é uma predisposição adquirida e duradoura a agir sempre do mesmo modo diante de uma determinada classe de objetos, ou um persistente estado mental e/ou neural de prontidão para reagir diante de uma classe de objetos, não como eles são, mas como são concebidos. Júlio César Furtado –

4 Entendendo o conceito: Atitude é uma predisposição para agir: não é a ação, mas o que vem antes dela, algo que a causa. Agir sempre do mesmo modo: isto é, a atitude faz a pessoa repetir determinado comportamento quando aquela classe de objetos aparece. Diante de uma determinada classe de objetos: o que são esses objetos? Um tipo de pessoa, uma ideia abstrata, uma situação. Por exemplo: a pessoa que tem preconceito (que é uma forma de atitude) reage negativamente sempre que o objeto do seu preconceito se manifesta (a presença de uma pessoa negra, por exemplo). Júlio César Furtado –

5 Entendendo o conceito: Estado mental e neural de prontidão: isto é, a atitude está dentro da mente da pessoa e comanda, até certo ponto, seu comportamento. Uma determinada classe de objetos, não como eles são, mas sim como são concebidos: isto é, a percepção da pessoa é que conta, não os objetos reais. Júlio César Furtado –

6 De que forma eu lidero atitudes? 1. Minha equipe tem claras as atitudes que espero dela? 2. Em que medida eu dou o exemplo das atitudes que espero de minha equipe? 3. De que forma trato desvio de atitudes? 4. Como posso incentivar as atitudes que eu desejo em minha equipe? 5. Que atitudes eu não admito? Como eu deixo isso claro para minha equipe?

7 ATITUDES NEGATIVAS COMPORTAMENTOS INADEQUADOS RESULTADOS INADEQUADOS Com relação ao trabalho em equipe: o sujeito não acredita em trabalho em equipe e acha que sempre há exploradores Tende a rejeitar qualquer participação. Não coopera e não busca cooperação Travas os processos de trabalho da área Com relação à autoridade: acha que toda chefe é aproveitador e explorador Tem uma visão distorcida sobre o próprio chefe. Mantém-se na defensiva quanta às orientações do chefe e tenta fazer liderança informal negativa, abrindo os olhos dos colegas quanto à esperteza do chefe Compromete a autoridade do chefe e cria animosidades contra ele Com relação às reuniões: acha que a escola quer qualidade mas não dá nada em troca A visão negativa distorcida faz com que não só evite colaborar mas também conspire para que a melhora da qualidade não tenha sucesso. Faz piadinhas, insinuações maldosas e reclama Atrapalha a propagação de valores fundamentais para a empresa Júlio César Furtado –

8 Como se formam as atitudes? Por meio de experiências marcantes ou repetidas que a pessoa teve na vida: por exemplo, pessoa que teve experiência negativa traumática com um chinês tende a generalizar uma visão distorcida, achando que todos os chineses são traiçoeiros. Por meio de informação recebida, relatos que ouviu, leituras que fez: tudo isso pode levar à formação de atitudes positivas ou negativas. A pessoa muitas vezes não consegue perceber que informações que recebeu são parciais ou imperfeitas. Projeção de frustrações e ansiedades pessoais: o indivíduo está sofrendo com muitas dívidas e percebe que duas colegas suas não tiveram dificuldades em trocar de carro. Projeta na figura feminina suas ansiedades e tende a desenvolver atitudes negativas quanto à participação da mulher no trabalho. Júlio César Furtado –

9 O problema é que as atitudes acabam tendo uma vinculação emocional e que, na maioria das vezes, são inconscientes, isto é, a pessoa nem se dá conta que as tem. Assim, a pessoa age impulsionada por comandos mentais que nem reconhece como existentes. Em virtude disso, a mudança de atitude nem sempre é um processo fácil. O gestor, no entanto, tem de atuar, de um jeito ou de outro, ao observar atitudes negativas no ambiente de trabalho. Júlio César Furtado –

10 Algumas atitudes negativas comuns na escola Com relação a um tipo de pessoa: há pessoas que reagem desfavoravelmente diante do sexo oposto, de pessoas de outras nacionalidades ou etnias, de pessoas de outras profissões. Com relação à autoridade: há pessoas que tem fortes atitudes negativas com relação ao poder e seus ocupantes. Ficam sempre com um pé atrás ou na defensiva no relacionamento com superiores hierárquicos. Com relação ao trabalho: há alguns que vêem o trabalho como um processo de exploração do homem pelo homem, e acham que quem dá mais de si no trabalho é bobo. Com relação a certos tópicos do trabalho: por exemplo, há pessoas que reagem mal à idéia de modernização, à informática, ao treinamento etc. Júlio César Furtado –

11 Gerindo a mudança de atitude Acompanhe seu pessoal e identifique eventuais atitudes negativas; Após identificá-las, documente-se adequadamente, porque o colaborador poderá tentar escapar quando você for discutir essas atitudes negativas com ele; Essa documentação é o registro de comportamento que denotam atitudes negativas. Por exemplo: um recorrente modo de competir com uma colega (por machismo), um olhar de escárnio quando se fala dos objetivos da organização (o que denota atitude negativa em relação a ela); Após documentar-se bem, peça opinião de colegas sensatos ou até mesmo de colegas do colaborador. Isso não deve ter o caráter de julgamento, inquisição ou busca pelo culpado, mas sim o intuito de ajudar, para o bem de todos, principalmente do próprio colaborador. Jogo aberto é o ideal; Júlio César Furtado –

12 Gerindo a mudança de atitude Após formar um quadro mais claro e apropriado, chame a pessoa para conversar sobre o assunto. Nessa conversa, em tom franco e cordial, diga que vem observando algum problema em relação a colegas do sexo feminino ou de políticas da empresa etc. Muitas vezes, a própria menção já desarma o colaborador, por permitir que ele tome consciência de suas atitudes negativas (que são inconscientes e emocionais) e busque melhora; Ouça o colaborador devidamente, ponha-se à disposição para ajudar, mas mantenha-se firme dizendo que atitudes negativas atrapalham o ambiente de trabalho e não podem ser aceitas; Caso não haja melhora, busque novas conversas, tornando-se mais firme das próximas vezes; Se necessário, ofereça recursos extras para o desenvolvimento do colaborador, como um curso específico. Júlio César Furtado –


Carregar ppt "UM DESAFIO INEVITÁVEL DA LIDERANÇA Gestão de atitudes Júlio César Furtado – www.juliofurtado.com.br."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google