A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

PERT (Program Evaluation and Review Technique) A Técnica de Avaliação e Revisão de Programas, foi originariamente desenvolvido por D. G. Malcom e outros,

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "PERT (Program Evaluation and Review Technique) A Técnica de Avaliação e Revisão de Programas, foi originariamente desenvolvido por D. G. Malcom e outros,"— Transcrição da apresentação:

1

2 PERT (Program Evaluation and Review Technique) A Técnica de Avaliação e Revisão de Programas, foi originariamente desenvolvido por D. G. Malcom e outros, num programa de pesquisa financiado pelo Escritório de Projetos Especiais da Marinha Norte-Americana, por volta de 1958, com o objetivo de diminuir o prazo de conclusão do Projétil Balístico Polaris. CPM ( Critical Path Method ) Por volta de 1956, J. E. Kelley trabalhando para a Du Pont começou a estudar profundamente o problema de fluxo nos gráficos. Deste estudo resultou o Método do Caminho Crítico – CPM. PERT e CPM são processos independentes, mas devido à suas semelhanças nas suas definições e utilizações, faz com que as duas técnicas sejam aplicadas como uma única e assim designada : PERT/CPM.

3 Exemplos de Projetos que podem utilizar PERT/CPM : 1.construção de uma obra 2.pesquisa e desenvolvimento de um novo produto 3.construção de um navio 4.desenvolvimento e implementação de um Sistema de Informação O objetivo do PERT, como a maioria das tarefas em que o utiliza é composta de atividades nunca antes executadas e conseqüentemente não se conhece com precisão sua duração, desenvolve-se o PERT através de um modelo probabilístico. O modelo CPM é determinístico, e os dados para sua aplicação são o roteiro de fabricação, com relação de dependência entre os eventos, e a relação entre a duração de uma atividade.

4 As atividades de desenvolvimento de um Trabalho, em casos de planejamentos complexos, apresenta as seguintes características : a.não mostra claramente as relações de dependência entre as tarefas b.não define de maneira clara, as folgas existentes c.não fixa um caminho crítico, que deve ser acompanhado de forma mais rígida, evitando atraso na execução do projeto ou atividades Esta técnica, conforme será visto, permite que os administradores tenham : a.uma visão gráfica das atividades que compõem o serviço b.uma estimativa de quanto tempo o serviço consumirá c.uma visão de quais atividades são críticas para o trabalho d.uma visão de quanto tempo de folga dispomos nas atividades não- críticas, o qual pode ser negociado no sentido de reduzir a aplicação de recursos e custos

5 PERT (Program Evaluation and Review Technique) Definido como um instrumento para o administrador definir e coordenar o que deve ser feito, a fim de atingir com sucesso o objetivo projetado dentro do tempo pré- definido, ajudando-o a tomar decisões ( não as criando ). Um evento ou acontecimento, mencionado em PERT é o início ou a conclusão de uma tarefa, lembrando que não significa a execução da tarefa, por exemplo : a. Escrever o Programa de Computador- não é um evento PERT b. Relatório RJ014A00 está pronto- é um evento PERT c. A pintura do galpão foi iniciada-é um evento PERT O evento ou acontecimento PERT deve indicar um ponto importante e significativo do projeto e representa o início ou conclusão de um trabalho

6 Os eventos que aparecem numa rede PERT têm lugar em uma seqüência lógica, desenhada de acordo com o cronograma : Numa rede PERT, as setas indicam o sentido e os Números nos círculos identificam os eventos. O evento 2 não segue necessariamente o evento 1. A ordem dos eventos é indicada pelas setas e não pelo Número do evento Eventos são ligados às atividades, de maneira a formar uma rede PERT. Os eventos que seguem os outros são chamados de eventos Sucessores. Os eventos que vem antes de outros são chamados eventos Antecessores

7 Exemplo 01 : Antecessores :3 de 8, 8 de 1, 1 de 9 Sucessores :8 de 3, 1 de 8, 9 de Exemplo 02 : Antecessores :3 de 12 e 15, 12 e 15 de 8 Sucessores :12 e 15 de 3, 8 de 12 e

8 Exemplo 03 : Antecessores :8 de 3 e 12, 3 de 7 e 9, 7 de 6, 12 de 9, 9 de 1 e 6, 1 de 6 Sucessores :3 e 12 de 8, 7 de 3, 9 de 3 e 12, 6 de 7 e 9 e 1, 1 de

9 Na Rede PERT, são inseridas letras que indicam as Atividades que são executadas entre os dois eventos. Também, aparece a figura da Duração da Atividade, que demonstra quanto tempo leva entre o final de um Evento Antecessor e o início de um Evento Sucessor. Lembrando, uma rede PERT é formada por um conjunto interligado de setas e nós. a.as setas representam as atividades do projeto que consomem determinados recursos (mão-de-obra, máquinas, etc.) e/ou tempo, já os nós representam o momento de início e fim das atividades, os quais são chamados de eventos. b.os eventos são pontos no tempo que demarcam o serviço e, diferente das atividades, não consomem recursos nem tempo. c.os nós são numerados da esquerda para a direita e de cima para baixo. O nome da atividade aparece em cima da seta e sua duração na parte de baixo. A direção da seta caracteriza o sentido de execução da atividade.

10 Exemplo geral :

11 Antecessores ( Eventos ) : 1 de 2 e 3, 2 e 3 de 4, 3 de 4 e 5, 4 e 5 de 6 Sucessores ( Eventos ) : 2 e 3 de 1, 4 de 2 e 3, 5 de 3, 6 de 4 e 5

12 Antecessores ( Atividades ) : A de C, B de D e E, C e D de F, E de G Sucessores ( Atividades ) : C de A, D e E de B, F de C e D, G de E

13 Durações : 1, 2, 4, 6 ( A, C, F )=22 dias, semanas, meses, etc. 1, 3, 4, 6( B, D, F )=16 dias, semanas, meses, etc. 1, 3, 5, 6( B, E, G )=19 dias, semanas, meses, etc. Conclusão : A, C, F=caminho mais curto ( rápido ) B, D, F=caminho mais longo ( demorado )

14 Exercício : Evento 1:exame final de português terminado Evento 2:exame final de história terminado Evento 3: completada a matrícula em português, história e matemática Evento 4: exame final de matemática terminado Evento 5: recebimento das notas finais das 3 disciplinas pelo correio Rede PERT : ????

15 O Método do Caminho Crítico ( Critical Path Method – CPM ) – calcula datas teóricas de início e término mais cedo, e de início e término mais tarde, de todas as atividades do cronograma, sem considerar quaisquer limitações de recursos, realizando uma análise do caminho de ida e uma análise do caminho de volta pelos caminhos de rede do cronograma do projeto. Para cada nó ou evento de uma rede que representa um projeto, podemos calcular dois tempos que definirão os limites no tempo que as atividades que partem deste evento dispõem para serem iniciadas. Cedo de um evento é o tempo necessário para que o evento seja atingido desde que não haja atrasos imprevistos nas atividades antecedentes deste evento. Tarde de um evento é a última data de início das atividades que partem deste evento de forma a não atrasar a conclusão do projeto.

16 AtividSucesDuração InícioA,B--- AC,D4 BE6 CFim3 D 2 E Dias Atividades A B C D E Diagrama de Rede do Cronograma do Projeto

17 Podemos definir para cada atividade integrante de um projeto quatro tempos que se referem as datas de início e término da atividade : PDI - Primeira data de início PDT - Primeira data de término UDI - Última data de início UDT - Última data de término Folga é o atraso total permitido para a data de início mais cedo de uma atividade do cronograma sem atrasar a data de término do projeto ou violar uma restrição do cronograma. Caminho Crítico é o caminho mais longo de um diagrama de rede. Geralmente, possui folga total nula e, portanto, determina o menor tempo para conclusão do projeto. As atividades do cronograma em um caminho crítico são chamadas de atividades críticas.

18 18 Tarefa Duração 1 2 Dias 2 4 Dias 3 4 Dias 4 1 Dia 5 12 Dias Tarefa Duração IC FC IT FT FOLGA IC – Início mais Cedo FC – Final mais Cedo IT – Início mais Tarde FT – Final mais Tarde I F Cálculo do Cronograma Preliminar

19 Passo 1: Forward pass - Cálculo o Início e Final Mais Cedo I F Passo 1: Durações Mais Cedo Tarefa Duração 1 2 Dias 2 4 Dias 3 4 Dias 4 1 Dia 5 12 Dias

20 Passo 2: Backward pass - Cálculo o Início e Final Mais Tarde I F Passo 2: Durações Mais Tarde Tarefa Duração 1 2 Dias 2 4 Dias 3 4 Dias 4 1 Dia 5 12 Dias

21 Passo 3: Cálculo das folgas e do Caminho Crítico (Critical Path) Caminho Crítico: I F Passo 3: Folgas e Caminho Crítico Tarefa Duração 1 2 Dias 2 4 Dias 3 4 Dias 4 1 Dia 5 12 Dias

22 A identificação do caminho crítico de um serviço é de fundamental importância para o gerenciamento do mesmo, pois pode-se concentrar os esforços para que estas atividades tenham prioridade na alocação dos recursos produtivos. Já as atividades não críticas, como possuem folga, permitem certa margem de manobra, porém se uma delas consumir sua folga total passará a gerar um novo caminho crítico que merecerá atenção.

23 Observações : Estimativas envolvem tentar prever tempo, recurso e/ou dinheiro necessários para produzir um produto, serviço ou resultado específico. As estimativas se beneficiam de experiências anteriores (bancos de estimativas comerciais ou experiência da equipe ou na opinião de especialistas). É fundamental que quem elabora uma estimativa tenha de fato experiência no trabalho estimado e envolva, quando possível, quem realizará o trabalho. É comum o uso de reservas de contingência. Datas impostas pelo negócio (time-to-market) ou pelo patrocinador, cliente ou outras partes interessadas Restrições externas (clima, governo, regulatório) Fornecedores (tramites contratuais e de aquisição)

24 Rede Pert/CPM 1.O que é a Rede Pert ? 2.Explique por que a Rede Pert é considerada probabilística. 3.O que é CPM ? 4.Explique por que o CPM é considerado determinístico. 5.Cite três exemplos de ganhos para os administradores que utilizam Pert/CPM 6.O que é um evento para uma Rede Pert ? 7.O que são eventos Sucessores e Antecessores ? 8.Quais são os eventos Sucessores e Antecessores da Rede abaixo : 9.O que são Folgas ? 10.O que é caminho crítico ?


Carregar ppt "PERT (Program Evaluation and Review Technique) A Técnica de Avaliação e Revisão de Programas, foi originariamente desenvolvido por D. G. Malcom e outros,"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google