A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Classificações climáticas Prof. Dr. Marcelo de Paula Corrêa EAM-10 IRN/UNIFEI.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Classificações climáticas Prof. Dr. Marcelo de Paula Corrêa EAM-10 IRN/UNIFEI."— Transcrição da apresentação:

1 Classificações climáticas Prof. Dr. Marcelo de Paula Corrêa EAM-10 IRN/UNIFEI

2 Tempo X Clima Tempo (meteorológico): soma das condições atmosféricas de um dado local, num determinado tempo cronológico Estado instantâneo da atmosfera. Atualmente tem um sentido amplo: engloba a f í sica, a qu í mica e a dinâmica da atmosfera Clima: gereneralização ou integração das condições de tempo para um certo período, em um certa área Utiliza os mesmos dados da meteorologia para explorar o comportamento normal dos fenômenos atmosféricos

3 Tempo (instantâneo) Clima (médio)

4 Climatologia CLIMA: descrição estática, que expressa as condições médias do sequenciamento do tempo meteorológico. Mede-se primeiro as condições instantâneas da atmosfera (TEMPO) de um local por vários anos e, Posteriormente, estima-se qual deve ser a condição média (provável) CLIMA. A climatologia é uma ciência aplicada que usa as ferramentas da meteorologia, com objetivos e resultados voltados tanto à própria meteorologia, quanto à geografia Climatolografia Climatologia dinâmica Climatologia física Climatologia aplicada descritiva, estatística, matemática, micro-, meso- ou macroclimatologia, sinótica, topoclimatologia, etc.

5 Diversos FATORES atuam para a formação das condições do TEMPO de um local e, conseqüentemente, para a formação de seu CLIMA. Esses fatores são agentes causais que condicionam os elementos. Os fatores podem ser classificados de acordo com a escala de estudo, ou seja, com efeitos no MACRO, TOPO e MICROCLIMA. Macroclima Topoclima Microclima Sentelhas e Angelocci, ESALQ/UNESP, 2005

6 Fatores macroclimáticos Latitude: > Latitude < Temp média anual menor quantidade de radiação solar Altitude: > Altitude < Temp média anual rarefação do ar e da diminuição da pressão atmosférica chuvas orográficas Relação oceano/continente HN Continente > Oceano > Amplitude Térmica HS Continente < Oceano < Amplitude Térmica Correntes Oceânicas Correntes Frias Condicionam clima ameno e seco Correntes Quentes Condicionam clima quente e úmido Padrões de circulação Anticiclones Semi-Permanentes, ZCIT Circulação Geral da Atmosfera

7

8 Causa e Efeitos

9 Fatores modificadores Fatores externos Variações no(a): quantidade de energia solar órbita e eixo de rotação da Terra conteúdo de CO 2 aerossóis características da superfície dos oceanos e continentes Fatores internos periodicidade e anomalias na temperatura dos oceanos diminuição da salinidade forma ç ão de mais gelo nos oceanos intransitividade clim á tica flutua ç ões de longo prazo sem causas externas

10

11

12 Classificação de Köppen Esquema desenvolvido por Wladimir Köppen (1846– 1940) – climatologista alemão Baseado nas médias mensais e anuais de temperatura e precipitação. Leva, também, em consideração os limites vegetação local. É uma ferramenta útil para se apresentar padrões climáticos do planeta e para identificar desvios significativos desse padrão Referência: Köppen, W.P.; Geiger R. Handbuch der Klimatologie, Berlin: Gebruder Borntraeger, 6 vols,

13 Classificação de Köppen A – Megatérmico (tropical úmido) com Tf > 18°C B – Clima seco C – Mesotérmico (temperado quente) com –3°C < Tf < 18°C D – Microtérmico (temperado frio) com Tf 10°C E – Equitostérmico (polar), todos os meses com Tq < 10°C F – Tq < 0°C (icecap) G – Clima de montanha H – Clima de altitude > 3000m S – Clima de estepes W – Clima de desertos T – Clima de tundra (0 < Tq < 10°C) Tf = Temperatura média (de muitos anos) do mês mais frio (°C) Tq = Temperatura média (de muitos anos) do mês mais quente (°C) T = Temperatura média anual (°C) P = Precipitação anual (cm)

14 Classificação de Köppen B – Clima seco Os climas B se subdividem em dois tipos: BW – deserto e BS – estepe 1) Máximo de precipitação no inverno P < T BW T < P < 2T BS P > 2T A, C ou D (climas mais úmidos que B) 2) se não há predominância de estação chuvosa P < (T+7) BW (T+7) < P < 2(T+7) BS 3)Máximo de precipitação no verão P < (T+14) BW (T+14) < P < (2(T+14)) BS Tf = Temperatura média (de muitos anos) do mês mais frio (°C) Tq = Temperatura média (de muitos anos) do mês mais quente (°C) T = Temperatura média anual (°C) P = Precipitação anual (cm)

15 Classificação de Köppen E – Equitostérmico (polar), todos os meses com Tq < 10°C Distingue-se dois casos: 1)Se 0° < Tq < 10°C ET 2)Se Tq < 0°C ER Obs: a) Alguns climas de montanhas são parecidos. Usa-se, portanto, a letra H se a z > 1650 m b) EB climas de gelo perpétuo ou tundra (apesar de Tq > 10° C devido à altitude) Tf = Temperatura média (de muitos anos) do mês mais frio (°C) Tq = Temperatura média (de muitos anos) do mês mais quente (°C) T = Temperatura média anual (°C) P = Precipitação anual (cm)

16 Classificação de Köppen a – Tq > 22°C b – Tq 10°C c – Tq 10°C entre 1 e 4 meses, Tf > – 38°C d – Tq 10°C entre 1 e 4 meses, Tf < – 38°C f – ausência de estação seca; constantemente úmido (chuva ou neve); Ps > 60mm Caso o mês + seco esteja no verão e tenha Ps < 1/3 Pc no inverno, mas superior a 30mm, codifica-se como Cfs ou Dfs g – curva anual de T apresenta um máximo anterior ao solstício de verão no hemisfério correspondente e uma temporada de chuvas no verão g – curva anual de T apresenta um máximo posterior ao solstício de verão e temporada de chuvas no verão g – se o mês de T mais amena segue-se ao solstício de verão Ps – Precipitação média do mês seco Pc – Precipitação média do mês chuvoso

17 Classificação de Köppen h – T > 18°C (muito quente) i – isotermia; Amplitude térmica anual < 5°C k – frio (kalt) – T 18°C l – 10°C < T (todos os meses) < 22°C m – clima de bosque tropical, apesar de existir temporada seca n – névoas e nevoeiros frequentes n – névoas e nevoeiros raros, compensados por muita umidade do ar e ausência de chuvas. T(verão) < 24°C. n – idem com 24°C < T(verão) < 28°C n – idem com T(verão) > 28°C Ps – Precipitação média do mês seco Pc – Precipitação média do mês chuvoso

18 Classificação de Köppen s – época mais seca coincide com o verão. Razão entre as precipitações mensais máximas e mínimas deve ser < 1/3 s – idem, sendo que a temporada de chuvas se desloca do verão p/o outono s – idem, com a temporada de chuvas dividida em dois períodos e principal estação seca no verão w – época mais seca coincide com o inverno, comportando pelo menos um mês com precipitação média < 60mm. Razão entre as precipitações mensais máximas e mínimas deve ser < 1/10 w – idem, sendo que a temporada de chuvas se desloca do inverno p/o outono w – idem, com a temporada de chuvas dividida em dois períodos, com um seca principal no inverno e outra no verão. 2 estações chuvosas separadas de 2 secas x – máximos de chuvas na primavera e início do verão (céu claro no fim do verão) x – chuvas raras, mas intensas em qualquer dos meses x – 2 pequenas estações chuvosas (início do verão e fim do outono)

19 Como fazer a classificação ? Coleta de dados de temperatura (T) e precipitação (P) Determinar valores m é dios mensais. Para T obter a m é dia anual, Para P somar as m é dias mensais para obter a altura m é dia anual Usar os á bacos I, II e III conforme o regime de chuvas Se for o grupo B, identifica-se imediatamente o grupo fundamental Se for o grupo A, usar o á baco IV Se for o grupo C ou D, usar á bacos V e VI Usar tabelas para identificar e determinar poss í veis combina ç ões para o terceiro s í mbolo

20 Ábacos I e II

21 Ábacos III e IV

22 Ábacos V e VI

23 Tabelas auxiliares

24

25 Exemplo (São Paulo-SP) Estação chuvosa bem caracterizada ! Chuvas coincidem com o período de temperaturas mais altas Resultado: Devemos usar o ábaco III

26 Exemplo (São Paulo - SP) Precipitação total = 1355 mm = 135,5 cm Os valores não se ajustam

27 Exemplo (São Paulo - SP) A – Megatérmico (tropical úmido) com Tf > 18°C B – Clima seco C – Mesotérmico (temperado quente) com –3°C < Tf < 18°C D – Microtérmico (temperado frio) com Tf 10°C E – Equitostérmico (polar), todos os meses com Tq < 10°C F – Tq < 0°C (icecap) G – Clima de montanha H – Clima de altitude > 3000m S – Clima de estepes W – Clima de desertos T – Clima de tundra (0 < Tq < 10°C)

28 Exemplo (São Paulo - SP) mínimo de precipitação no inverno ÁBACO VI Os valores não se ajustam

29 Exemplo (São Paulo - SP) C combina com a, b, c, w, s, f temperatura média do mês mais quente > 22°C

30 Portanto, para São Paulo, temos: C = mesotérmico – clima temperato quente w = chuvas no verão e seca no inverno a = Tq > 22°C Portanto, o tipo climático de São Paulo é Cwa

31

32 Classificação climática de Thornthwaite Introdução de um balanço hídrico na classificação Relação com excesso de água (S) e deficiência de água (d) índice hídrico índice de aridez n = necessidade de água S, d e n são estimados por meio de um balanço hídrico climático

33 Classificação climática de Thornthwaite Índice de umidade


Carregar ppt "Classificações climáticas Prof. Dr. Marcelo de Paula Corrêa EAM-10 IRN/UNIFEI."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google