A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Nayara T. C. Pereira. Pré-natal Vida uterina, produção hormonal materna Infância Nascimento até 8 a 10 anos, atividade hormonal modesta ou inexistente.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Nayara T. C. Pereira. Pré-natal Vida uterina, produção hormonal materna Infância Nascimento até 8 a 10 anos, atividade hormonal modesta ou inexistente."— Transcrição da apresentação:

1 Nayara T. C. Pereira

2 Pré-natal Vida uterina, produção hormonal materna Infância Nascimento até 8 a 10 anos, atividade hormonal modesta ou inexistente Pré-puberdade 8 aos 14 anos, intensa atividade hormonal, modificações morfológicas evidenciáveis, início da diferenciação dos caracteres sexuais secundária: pubarca, menarca, axilarca e telarca.

3 Puberdade 14 aos 17 anos, fase final da maturação do sistema hormonal, diferenciação das caraterísticas somáticas da mulher, crescimento estrutural significativo Maturidade 17 aos 45 anos, maturação completa do sistema hormonal, funcionalidade completa dos órgãos do aparelho genital, equilíbrio entre o estrogênio e progesterona

4 Pré-natal Período da vida em que o organismo recebe as modificações gravídicas, modificações intra- uterinas e sistêmicas

5 Climatério 45 aos 65 anos Etapas definidas pela menstruação: pré e pós- menopausa Diminuição gradativa do produção hormonal Sintomatologia: síndrome menopausal Alterações tróficas na pele e sistema urogenital Disfunções sexuais Doenças cardiovasculares

6 Velhice 65 anos em diante Regressão quase total da produção hormonal Regressão física e psicológica Tendência a limitação e dependência

7 Ossos Ilíacos (ilio, isquio e púbis) Sacro Sínfise púbica Funções Suporta peso do tronco Transfere o peso Protege os órgãos pélvicos Permitir a cópula e o parto

8 Monte da púbis ou monte de Vênus Recobre a sínfise púbica Grandes Lábios Envolve a fenda vulvar, formado por tecido conjuntivo frouxo, fibras do ligamento redondo, tecido adiposo e glândulas de sebáceas Pequenos Lábios Interno ao grandes lábios unido ao glitóris

9 Clitóris Estrutura homóloga ao pênis, é um órgão erétil, pequeno e cilíndrico, é composto de dois pilares, um corpo de uma glande. Vestíbulo Estrutura que se evidencia quando os lábios são afastados, em seu interior encontram-se o hímem, o orifício vaginal, o meato uretral e as aberturas dos canais da glândulas de Bartholin.

10 Orifício vaginal É a entrada da vagina Períneo Região entre a vagina e o ânus

11

12 Vagina Entre a bexiga e o reto 8 a 10 cm de comprimento 4 cm largura Canal membranoso que se estende da vulva até o útero Parede do canal vaginal são enrugadas, o que lhe permite (nos dois terços superiores) aumentar de tamanho para acomodar o pênis

13 Útero 6,5 a 7,5 cm de comprimento 3 a 4 cm de largura Corpo e colo Órgão oco e muscular, sua função e de acomodar e nutrir o concepto No caso da não-fecundação ocorre a descamação (menstrução)

14 Ovário É um órgão par em forma de amêndoa situados um de cada lado do útero. Secreta estrogênio e progesterona Armazena e libera óvulos para possível fecundação

15 Tuba uterina 10 a 12 cm de comprimento 2 a 4 mm de espessura São dois canais que se estendem do útero aos ovários. Local de encontro do óvulo com o espermatozóide

16 Reto 12 cm de comprimento É o segmento inferior do intestino grosso

17 Uretra Menor na mulher (3,8 cm) Faz parte exclusivamente do sistema urinário, diferente do homem que faz parte do sistema reprodutor.

18 Bexiga Órgão muscular oco com capacidade média de 350 a 450 ml no adulto Possui dupla função Reservatório de urina Proporciona uma contração eficaz durante o esvaziamento (micção) MM. detrusor

19

20 Formado por músculo, ligamentos e fáscia Função Sustentar os órgãos internos Permite a continência Permite o coito Permite a passagem do feto Fecha a cavidade inferior

21 Diafragma pélvico Manutenção estática dos órgãos e continência Elevadores do ânus Pubococcígeo Ileococcígeo Puborretal Coccígeo

22

23 Diafragma urogenital Função secundária a continência, sendo mais importante para a sexualidade Transverso superficial e profundo do períneo Esfíncter da uretra Isquiocavernoso Bulbo espinhoso

24

25

26 As fibras são formada 70% de fibras do tipo I (lentas de metabolismo oxidativo) e 30% do tipo II (rápidas com metabolismo anaeróbico) O músculo esfíncter da uretra é composto quase que exclusivamente por fibras do tipo I, e é importante para a função intrínseca da uretra e para a continência passiva. Ambas as fibras, especialmente as do tipo I, são capazes de se hipertrofiar com o treinamento. Fibras musculares com maior capacidade oxidativa têm menor resistência à fadiga.

27 Mantém a pelve em posição equilibrada Mantém o conteúdo abdominal

28 Fáscia endopélvica Fecha a cavidade Sustenta e recobre os órgãos Fáscia pubocervical Sustenta a bexiga e a uretra


Carregar ppt "Nayara T. C. Pereira. Pré-natal Vida uterina, produção hormonal materna Infância Nascimento até 8 a 10 anos, atividade hormonal modesta ou inexistente."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google